DE FERA FURIOSA À FERA ADESTRADA

Atualizada em 24/11/11



SAULO, DE FERA FURIOSA À FERA ADESTRADA.
A LIÇÃO CONTINUA





Fui tratado com misericórdia PORQUE havia um mérito em mim? Fui considerado fiel ANTES de me ser designado um ministério?

Lembra-se da última vez em que se arrependeu por ter cometido algo que você sabia (tinha conhecimento) que era errado? Para me arrepender tenho que admitir que houve erro. Entretanto, já parou para pensar, que podemos estar cometendo erros sem saber (sem ter conhecimento disso)? A história humana está repleta de exemplos de que conhecimentos novos expõem erros antigos. O mito de que a terra não era redonda ou ainda outros em relação a ela, levou homens a erros. Hoje, chamamos de mito o que para eles era uma verdade.

O humano tem agido de acordo com seu conhecimento, sua verdade, pois ele sempre encara seu conhecimento atual como verdade. Muçulmanos matam e morrem por suas verdades. Católicos também o fizeram tanto entre si como contra protestantes e pagãos, que por sua vez também mataram protestantes, assim como xiitas matam sunitas e vice-versa. Suas verdades estão cheias de lógicas e fundamentos. Mas, o que aconteceria se "todos" fossem convencidos que suas verdades são "mentiras"?

SEM "CONHECIMENTO" NÃO HÁ ARREPENDIMENTO. O verdadeiro arrependimento vem através da consciência plena da ofensa cometida, só possível (condição exigida) quando da obtenção do verdadeiro conhecimento transmitido pelo Criador, imprescindível para tal indução. O exemplo de Jó confirma tal fato. Jó 38:1,2 - 38 E Jeová passou a responder a Jó de dentro do vendaval e a dizer: 2 “Quem é este que está obscurecendo o conselho Por meio de palavras SEM CONHECIMENTO?

E Jó assim respondeu: (Jó 42:3-6) 3‘Quem é este que está obscurecendo o conselho sem conhecimento?’ Por isso falei, mas não estava entendendo Coisas maravilhosas demais para mim, AS QUAIS NÃO CONHEÇO . 4‘Ouve, por favor, e eu mesmo falarei. Eu te perguntarei e tu mo farás saber.’ 5 Em rumores ouvi a teu respeito, Mas agora é o meu próprio olho que te vê. 6 Por isso faço uma retratação E deveras me arrependo em pó e cinzas.”

Neste caso houve a MUDANÇA DE OPINIÃO. Depois da mudança de opinião veio a RETRATAÇÃO. Jó defendia veementemente a sua posição ATÉ ser convencido do contrário pelo próprio Criador.

Entretanto, quando o cego e ignorante se nega a ouvir, por sua condição de total ignorância, e até mesmo persegue os ajudantes humanos de Jesus, o que amorosamente pode ser feito para ajudá-lo?
Saulo fazia parte daquela geração iníqua e adúltera que havia visto e ouvido, entretanto, não acreditado em Jesus,
entretanto, ele foi além, se tornando blasfemador, perseguidor e homem insolente. Saulo destacava-se dos demais de sua geração. Eram seus atos que o destacavam. Sua intolerância se destacava. No que Saulo era melhor que os demais de sua geração??
Saulo, estando cego, fazia aquilo que aprendeu como sendo certo e julgava ser o certo, mesmo após provavelmente ter visto e com certeza ter ouvido sobre o completo ministério terrestre de Jesus, afinal, seria impossível alguém não saber sobre tal ministério repleto de obras comprovadamente fantásticas, comprovadamente divinas. Seu conhecimento e prática da verdade, não se deram por uma livre pesquisa ou por um voluntário testemunho cabal de algum dos apóstolos ou discípulos de Jesus, antes, ele foi confrontado com a verdade sobre seus atos, pelo próprio Jesus.

Foi assim admitido por um dos fariseus de nome Nicodemos:

(João 3:1-2) 3 Ora, havia um homem dos fariseus, cujo nome era Nicodemos, um governante dos judeus. 2 Este veio a ele de noite e disse-lhe: "Rabi, sabemos que tu, como instrutor, tens vindo de Deus; pois, ninguém pode realizar esses sinais que tu realizas, a menos que Deus esteja com ele.". . .

No entanto, as palavras faladas por Jesus opunham-se àquilo que para eles era uma verdade, ou seja, as informações vindas dos admirados antepassados.

A venda que o cegava lhe foi amorosamente arrancada pelo próprio Jesus, embora Saulo agindo de acordo com seu livre arbítrio, blasfemasse a Jesus e perseguisse os seguidores de Cristo.

Foi previsto por Jesus para aquela geração da qual Saulo fazia parte:

(Mateus 23:29-36) 29 “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque construís os sepulcros dos profetas e decorais os túmulos memoriais dos justos, 30 e dizeis: ‘Se nós estivéssemos nos dias de nossos antepassados, não seríamos parceiros deles no sangue dos profetas.’ 31 Portanto dais testemunho contra vós mesmos de que sois filhos daqueles que assassinaram os profetas. 32 Pois bem, enchei a medida de vossos antepassados. 33 “Serpentes, descendência de víboras, como haveis de fugir do julgamento da Geena? 34 Por esta razão eu vos estou enviando profetas, e sábios, e instrutores públicos. A alguns deles matareis e pregareis em estacas, e a outros deles açoitareis nas vossas sinagogas e perseguireis de cidade em cidade ; 35 para que venha sobre vós todo o sangue justo derramado na terra, desde o sangue do justo Abel até o sangue de Zacarias, filho de Baraquias, a quem assassinastes entre o santuário e o altar. 36 Deveras, eu vos digo: Todas essas coisas virão sobre esta geração.

Não era exatamente isso que Saulo estava fazendo, cumprindo a profecia saída da boca de Jesus? Sim, era exatamente isto, pois Saulo era um excelente fariseu. Era exatamente nisto que Saulo era melhor que todos os de sua geração.


Estava Saulo agindo como um “crasso pecador responsável por seus atos iníquos perante Deus e passível de um pesado julgamento” de morte eterna? Como uma “FERA FURIOSA”, com a pouca autoridade judaica que conseguiu, já era uma grande ameaça aos discípulos de Cristo; imaginemos o que Saulo poderia ter feito, recebendo grande autoridade dos romanos! Ele tomou a iniciativa, pediu poderes, e estava a caminho de satisfazer a sua vontade de iníqua “fera furiosa”. Um genuíno ato de amor foi-lhe feito, isto é, seus graves pecados não foram levados em conta; apesar de agir de acordo com o exercício do livre arbítrio, seus pecados foram expiados, cancelados, entretanto, se fosse feita justiça neste caso, se fosse exigida a penalidade pelo erro, Saulo teria sido aniquilado. Sendo aniquilado, seria tal insolente “inimigo iníquo” lançado na Geena, como símbolo de destruição eterna? Entretanto, em consequência do imerecido ato amoroso, Saulo, naquele instante “fera anestesiada”, ouviu a verdade, compreendeu (recebeu o antídoto) e arrependeu-se, tornando-se uma “FERA ADESTRADA”, como acontece com todos os ensinados por Jeová.

Aquele que muito deve, quando perdoado, ao estar plenamente consciente do fato, muito ama; assim falou Jesus:

(Lucas 7:36-43) 36 Ora, certo fariseu pedia-lhe que jantasse com ele. Concordemente, entrou na casa do fariseu e recostou-se à mesa. 37 E eis que uma mulher, conhecida na cidade como pecadora, soube que ele estava recostado numa refeição na casa do fariseu e trouxe um vaso de alabastro com óleo perfumado, 38 e, postando-se atrás, aos pés dele, chorava e principiava a molhar os pés dele com as suas lágrimas, e enxugava-os com os cabelos de sua cabeça. Beijava também ternamente os pés dele e untava-os com o óleo perfumado. 39 À vista disso, o fariseu que o convidara dizia no seu íntimo: "Este homem, se fosse profeta, saberia quem e que espécie de mulher é que o toca, que ela é pecadora." 40 Jesus disse-lhe, porém, em resposta: "Simão, tenho algo para dizer-te." Ele disse: "Instrutor, dize-o!" 41 "Dois homens eram devedores de certo credor; um devia quinhentos denários, mas o outro, cinqüenta. 42 Quando não tinham com que [lhe] pagar de volta, perdoou liberalmente a ambos. Portanto, qual deles O AMARÁ MAIS?" 43 Em resposta, Simão disse: "Suponho que seja aquele a quem PERDOOU liberalmente MAIS." Disse-lhe ele: "Julgaste corretamente."


Saulo tinha um “bom coraçãoou seu “iníquo coraçãofoi lavado e modificado por Jesus? Ele havia livremente feito sua escolha, de acordo com seu conhecimento, mas Jeová não levou em conta esta escolha feita em um estado de total ignorância.
Se não há
predestinação, o que faz alguém ter ou não ter um bom “coração”? Nasce algum humano com um bom “coração” ou com um mau “coração” ou pelo menos com uma tendência para um ou para outro? O que é um bom ou mau coração? O bom e o mau “coração” são imutáveis, ou podem ser modificados? O que é que modifica um coração bom para mau ou vice -versa?? Salomão e Manassés, seus corações, o que eram? Tinha Manassés um bom coração?
Seria Saulo um filho especial em relação a todos os outros demais filhos humanos? O que tinha de especial?

PAULO, DE FORMA SINCERA, FALOU A RESPEITO DE SEU PASSADO: Realizei aquilo que pensava ser o certo.

(Atos 26:4-11) 4 "Deveras, quanto à minha maneira de viver desde a mocidade, desde [o] princípio, entre a minha nação e em Jerusalém, todos os judeus 5 que já me conheciam desde o início, se quiserem dar testemunho, sabem que VIVI COMO FARISEU, segundo a seita mais estrita da nossa forma de adoração. 6 Contudo, agora estou sendo chamado a julgamento pela esperança da promessa que Deus fizera aos nossos antepassados, 7 ao passo que as nossas doze tribos estão esperando alcançar o cumprimento desta promessa por lhe prestarem intensamente serviço sagrado, noite e dia. Concernente a esta esperança estou sendo acusado pelos judeus, ó rei. 8 "Por que se julga incrível entre vós que Deus levante os mortos? 9 Eu, da minha parte, realmente pensei no meu íntimo que devia cometer muitos atos de oposição contra o nome de Jesus, o nazareno, 10 o que, de fato, fiz em Jerusalém, e a muitos dos santos encerrei em prisões, visto que eu tinha recebido autoridade dos principais sacerdotes; e quando eles estavam para ser executados, eu lançava o meu voto contra eles. 11 E, punindo-os muitas vezes, em todas as sinagogas, TENTEI OBRIGÁ-LOS A FAZER UMA RETRATAÇÃO; e, visto que eu estava extremamente enfurecido contra eles, fui ao ponto de persegui-los até mesmo nas cidades de fora.

Os atos iníquos de Saulo produziam muitas vítimas. No momento em que os estava praticando, ele se orgulhava de estar praticando estes atos, sentindo-se superior àqueles demais que o acompanhavam. Por um acaso, os atos de Saulo eram de bondade ou de maldade?? Saulo praticava atos de intolerância contra pessoas que cometiam o crime de acreditarem em algo diferente do que ele acreditava. Ele praticava a violência verbal e física contra tais pessoas.

Os atos iníquos de Saulo revelavam o seu “PLENO CONVENCIMENTO”, uma “certeza plena”, fruto de raciocínios, para ele, muito lógicos e verdadeiros, que o induzia a agir daquela maneira. Saulo estava revelando toda a sua INTOLERÂNCIA pelo que ele via como sendo errado. Ele não nasceu com estes raciocínios; havia sido ENSINADO desde a infância a raciocinar daquela maneira, ademais, era zeloso e interessado aprendiz, agora plenamente “convencido” do que fazia. Tais raciocínios geravam aqueles iníquos sentimentos externados por Saulo. Ele era um orgulhoso fariseu. Saulo era um zeloso adorador de Jeová. "Tentei obrigá-los a fazer uma retratação", disse Paulo, o que representava estar plenamente convicto de estar com a verdade.

Assim falou Paulo sobre o motivo de sua forte convicção:

(Gálatas 1:13-14) 13 Vós, naturalmente, ouvistes [falar] da minha conduta anterior no judaísmo, que eu perseguia a congregação de Deus e a devastava até o excesso, 14 e que EU FAZIA MAIS PROGRESSO NO JUDAÍSMO DO QUE muitos da minha própria idade na minha raça, visto que EU ERA MUITO MAIS ZELOSO das tradições de meus pais.

Eu era "MUITO MAIS zeloso" nas tradições de meus pais; eu FAZIA MAIS progresso no judaísmo DO QUE muitos da minha própria idade. Eu era MELHOR do que os demais naquilo que eu fazia.

Paulo revela para nós quais eram os sentimentos que os fariseus nutriam por Jesus, ou seja, pelas palavras faladas por Jesus. Apresentou-se alguém para protestar em relação aos milagres físicos realizados por Jesus?? Não. Neste caso, toda aquela violência tinha como causa a palavra falada por Jesus, palavras que eram a base do seu comportamento no dia a dia.

Nossas atitudes, nossas reações, nossas pronúncias, nossos sentimentos, etc., são frutos daquilo que está na nossa mente, o ENSINO que foi colocado em nossa mente, no qual nós acreditamos. O ensino que está na nossa mente é o que alimenta o nosso coração gerando os nossos sentimentos. O ensino é formado por DIRETRIZES. Saulo vivia segundo estas DIRETRIZES. Saulo era um fruto destas DIRETRIZES oriundas dos seus antepassados.

Saulo fazia tais coisas iníquas achando que prestava um serviço sagrado a Jeová, o Deus que Saulo nunca deixou de adorar. Assim havia falado Jesus:

(João 16:1-4) 16 "Tenho falado estas coisas para que não tropeceis. 2 [Os] homens vos expulsarão da sinagoga. De fato, vem a hora em que TODO AQUELE QUE VOS MATAR IMAGINARÁ QUE TEM PRESTADO UM SERVIÇO SAGRADO A DEUS. 3 Mas, farão estas coisas porque não vieram a conhecer nem o Pai nem a mim. 4 Não obstante, tenho-vos falado estas coisas para que, quando chegar a hora delas, vos lembreis de que vos falei delas.. . .

Assim havia falado Jesus: “Praticareis a violência”. 34 Por esta razão eu vos estou enviando profetas, e sábios, e instrutores públicos. A alguns deles matareis e pregareis em estacas, e a outros deles açoitareis nas vossas sinagogas e perseguireis de cidade em cidade ;


SEGUNDO A DESCRIÇÃO DE JESUS, aquele que nunca profere mentiras, os atos iníquos são FRUTOS de um coração iníquo” , ou seja, primeiro o coração fica iníquo e "depois ", só depois é que produz o fruto iníquo. –

Mat. 12:34,35 - 34 Descendência de víboras, como podeis falar coisas boas quando SOIS INÍQUOS ? Pois é da abundância do coração que a boca fala. 35 O homem bom, do seu bom tesouro, envia coisas boas, ao passo que o homem iníquo, do seu tesouro iníquo, ENVIA coisas iníquas .

Mar. 7:20-23 - 20 Outrossim, ele disse: “O que sai do homem é o que avilta o homem; 21 pois, de dentro, dos corações dos homens, saem raciocínios prejudiciais: fornicações, ladroagens, assassínios, 22 adultérios, cobiças, atos de iniqüidade, fraude, conduta desenfreada e um olho invejoso, blasfêmia, soberba, irracionalidade. 23 Todas estas coisas iníquas saem de dentro e aviltam o homem.”.

SENTIMENTOS GERAM PALAVRAS E AÇÕES - DO PONTO DE VISTA DE JESUS, o humano mais sábio que já viveu, o único que não era cego, Saulo tinha um coração iníquo. SENTIMENTOS INÍQUOS TRANSFORMAM O CORAÇÃO EM UM CORAÇÃO INÍQUO. Coisas iníquas são produzidas por um coração iníquo. Aceito esta "verdade" saída da boca de Jesus?? Embora iníquos possam fazer coisas boas, de um bom coração “nunca” provêm coisas iníquas. Jeová e Jesus são exemplos.

De um coração iníquo, poluído ou contaminado se produz coisas boas e coisas iníquas, entretanto, um coração bom, limpo ou puro, “nunca” produzirá coisas iníquas. O coração, a sede da motivação, se torna iníquo BEM ANTES do ato ser materializado. Se a pessoa já consentiu, admitiu para si mesma em fazer um mal, pode ficar tempos e tempos aguardando uma melhor oportunidade para MATERIALIZAR a sua iniqüidade. O ressentimento só fica guardado em um coração iníquo.

Comprovando que "iníquos fazem coisas boas", as palavras saídas da boca de Jesus foram:

(Mateus 7:11) 11 Portanto, se vós, embora iníquos, sabeis dar boas dádivas a vossos filhos, quanto mais o vosso Pai, que está nos céus, dará boas coisas aos que lhe pedirem!

Os fariseus são comumente chamados de iníquos. Jesus falou à multidão e a seus discípulos:

(Mateus 5:20) 20 Pois eu vos digo que, se a vossa justiça não abundar MAIS DO QUE a dos escribas e fariseus, de modo algum entrareis no reino dos céus.

Os escribas e os fariseus eram praticantes de certa medida de justiça, e procuravam ser zelosos no que faziam. A quem adoravam?? Adoravam a Jeová, o Deus de seus antepassados.

Saulo precisava ser plenamente “convencido” de que seus atos estavam totalmente errados, para que este novo convencimento o induzisse a agir de acordo com esta nova verdade (a realidade do Criador) na sua mente. Como isto seria feito? Era um vinho novo para um odre velho.
Em Isaias 6:8-10, o Criador conhecendo plenamente sua criação, (lógico, Ele a projetou) nos informa o motivo dos atos equivocados de Saulo, nas seguintes palavras desta “profecia”:

8 E comecei a ouvir a voz de Jeová, dizendo: “A quem enviarei e quem irá por nós?” E eu passei a dizer: “Eis-me aqui! Envia-me.” 9 E ele prosseguiu, dizendo: “Vai, e tens de dizer a este povo: ‘Ouvi vez após vez, mas não entendais; e vede vez após vez, mas não obtenhais conhecimento.’ 10 Torna embotado o coração deste povo e torna insensíveis os próprios ouvidos deles, e gruda os próprios olhos deles, para que NÃO VEJAM com os seus olhos e NÃO OUÇAM com os seus ouvidos, e para que seu próprio coração NÃO ENTENDA, e para que realmente não recuem e obtenham para si a CURA.

Jesus afirmou e testemunhou a "repetição" do pleno cumprimento desta profecia na geração de Saulo – 

(Mateus 13:13-15) 13 É por isso que lhes falo usando ilustrações, porque olhando, olham em vão, e ouvindo, ouvem em vão, nem entendem; 14 e é neles que tem cumprimento a profecia de Isaías, que diz: ‘Ouvindo ouvireis, mas de modo algum entendereis; e olhando olhareis, mas de modo algum vereis. 15 Pois o coração deste povo tem ficado embotado e seus ouvidos têm ouvido sem reação, e eles têm fechado os olhos; para que nunca vissem com os olhos, nem ouvissem com os ouvidos, nem entendessem com os corações e se voltassem, e eu os sarasse.’

Segundo Jeová e Jesus, antes dos humanos se "VOLTAREM", darem meia volta, (se arrependerem) é necessário VER com os olhos, OUVIR com os ouvidos e ENTENDER com o coração.

No caso de Saulo: 1º) ele viu um clarão e foi anestesiado através de uma punição direta; 2º) ele ouviu a nova verdade (verdade do Criador), assim, obteve o verdadeiro conhecimento; 3º) ele percebeu, ele entendeu, ele compreendeu, ele convenceu-se e obteve a plena consciência do erro; 4º) ele foi induzido a recuar, ele foi induzido a arrepender-se e carregou sua vergonha perante todos; 5º) ele revelou na prática o seu novo consciente aprendizado; deixou evidente que “esta” passou a ser sua nova verdade; revelou que seu coração estava sendo lavado; seus bons atos eram frutos de um coração modificado; finalmente ele estava obtendo para si a “cura”.

ENTRETANTO, antes de tudo isso, Jeová já havia feito o primeiro e principal ato: não havia levado em conta os sérios pecados de Saulo, NÃO HAVIA GUARDADO RESSENTIMENTO. Jeová o via como um simples ignorante, como aquele que se destacava em sua ignorância, que receberia merecidamente uma mera punição, como fator de indução ao raciocínio, para o pleno convencimento, visando o sincero arrependimento e a final busca consciente da “cura”. O Criador tomou a iniciativa objetivandoa cura espiritual” de Saulo. A cura física é um ato unilateral da parte de Jeová, o agente transmissor, no entanto a cura espiritual é bilateral, depende também do agente receptor, pois ele precisa ACEITAR a cura .

A cura vem através da palavra falada.

Foram interessantes e sábias as palavras de Jeová para seu mensageiro Jeremias:

(Jeremias 15:19) 19 Portanto, assim disse Jeová: “Se voltares, então te trarei de volta. Estarás de pé diante de mim. E se produzires de coisas sem valor aquilo que é precioso, TORNAR-TE-ÁS COMO A MINHA PRÓPRIA BOCA. Eles é que voltarão a ti, mas tu mesmo não voltarás a eles.”

É a palavra “saída da boca” de Jeová que tem o poder de curar, não é a palavra “saída da boca” do homem.

O MÉRITO não está em quem é transformado. A beleza do ato da transformação não é sua, não é pessoal; afinal, não “foi” ele transformado? Foi ele conscientemente à busca da sua transformação? Houve uma autotransformação? Não, ele “foi transformado” por Alguém e continua dependente deste Alguém para continuar a ser belo e para continuar a ser lapidado. SAULO NÃO QUERIA, sequer reconhecia que estava doente, no entanto, ele foi curado. A continuidade da cura também “é condicional”. Está condicionado a ele querer continuar neste estado, além obviamente, de o remédio estar disponível. Houve uma “cura”; o mérito está em quem o curou. Paulo é apenas o maravilhoso resultado prático do PLANEJADO trabalho do Sábio Médico em Saulo.

Estar espiritualmente em FASE de cura, mesmo na condição imperfeita, possibilitou Paulo a desenvolver um bom coração, que se tornou manifesto através de obras boas, obras estas tão notadas e admiradas por muitos humanos. O resultado é o que se consegue ver com os olhos físicos, tal qual somente a ponta de um iceberg pode ser vista no mar.

Consideremos esta afirmação: “Saulo já tinha um BOM CORAÇÃO, por isso Jeová o escolheu ”. Ora, um coração que já era “bom por si próprio” atribui mérito ao coração e a seu dono. Basta uma simples limpeza aqui e ali e pronto! Atribui mérito à coisa criada, Paulo, em detrimento daquele que a produziu e/ou recuperou, o Sábio Criador. “Fui escolhido entre tantos por que meu coração é melhor do que” = (é igual a) espírito egoísta de competição (exaltação do “eu”; um “eu” melhor; "eu" especial; soberba).


No caso dos atos agressivos de Saulo, caso fossem praticados por um iníquo Ninivita, Moabita, Amonita, Babilônio, Grego, Romano, etc., teria este também um "bom coração"? Antes, tais atitudes não seriam mais desculpáveis para alguém cuja nacionalidade não fosse judaica? Não era a nação judaica a única que estava sob a obrigação da lei? Não foi a única escolhida e ensinada diretamente por Jeová? Os judeus não se consideravam melhores que os demais povos, exatamente por terem sido "escolhidos" por Jeová?? Não era exatamente o "ensino" de Jeová que lhes faria "pessoas melhores", que lhes faria ser "algo belo" a ser exibido por Jeová??
Todo o ato de cura é de Jeová:

Ezequiel 36:26,27 26 E VOU dar-vos um coração novo, e POREI no vosso íntimo um espírito novo, e  VOU remover da vossa carne o coração de pedra e DAR-VOS um coração de carne. 27 E  POREI meu espírito no vosso íntimo, e VOU AGIR de modo a que andeis nos meus regulamentos, e guardareis as minhas decisões judiciais e realmente as cumprireis.

Jeová escolheu o seu povo Israel. Foi Jeová quem escolheu.

(Ezequiel 20:5-7) 5 E tens de dizer-lhes: ‘Assim disse o Soberano Senhor Jeová: " No dia em que ESCOLHI Israel, passei também a levantar a minha mão [em juramento] à descendência da casa de Jacó e a dar-me a conhecer a eles na terra do Egito. Sim, passei a levantar a minha mão [em juramento] a eles, dizendo: ‘Eu sou Jeová, vosso Deus.’ 6 Naquele dia levantei a minha mão [em juramento] a eles de fazê-los sair da terra do Egito para uma terra que espiei para eles, uma [terra] que manava leite e mel. Era o ornato de todas as terras. 7 E prossegui, dizendo-lhes: ‘Lançai fora, cada um de vós, as coisas repugnantes dos seus olhos, e não vos avilteis com os ídolos sórdidos do Egito. Eu sou Jeová, vosso Deus.’

Seria um povo de bom coração?

(Deuteronômio 31:16) 16 Jeová disse então a Moisés: "Eis que te estás deitando com os teus antepassados; e este povo certamente se levantará e terá relações imorais com deuses estrangeiros da terra à qual vão, no seu próprio meio, e certamente me abandonarão e violarão meu pacto que concluí com eles.

(Deuteronômio 31:20-21)20 Pois eu os levarei ao solo que jurei aos seus antepassados, que mana leite e mel, e certamente comerão e se fartarão, e engordarão e se virarão para outros deuses, e deveras os servirão e me tratarão com desrespeito, e violarão meu pacto. 21 E tem de dar-se que, vindo sobre eles muitas calamidades e aflições, então este cântico tem de responder diante deles como testemunha, pois não deve ser esquecido pela boca de tua descendência, porque bem SEI A SUA INCLINAÇÃO que hoje estão desenvolvendo antes de eu os introduzir na terra que lhes jurei."

O povo não tinha um bom coração e Jeová não só o escolheu, como, mesmo sabendo do tratamento que receberia do povo, continuou este relacionamento, providenciando um "cântico" como testemunha "contra" o povo, pois este cântico falava em detalhes do desrespeito e violação do pacto que o povo adotaria. Jeová conhecia o coração do seu povo.

O VERDADEIRO AMOR NUNCA ACABA.

O Sábio Projetista de todas estas maravilhas é o próprio Criador Jeová. Logo, a quem de direito, todo o mérito. O “novo pacto”, com uma nova base de motivação , estava recuperando egoístas corações iníquos e produzindo corações abnegados, que embora continuassem imperfeitos, certamente eram melhores, assim como o Criador havia projetado, predito e executado . Embora não fossem “perfeitamente justos”, logo, cheio de erros, é Ele, o Criador, quem os declarava justos de acordo com o Seu projeto, tornando-os e usando-os como luz para os ignorantes. No entanto, se agirem como os ignorantes, como serão notados como luz?
Saulo é um exemplo comprovador de que
QUALQUER humano imperfeito pode ser RECUPERADO , pode ser transformado de “fera furiosa” em “fera adestrada”, e continuará neste estado enquanto continuar recebendo o antídoto de Jeová.


Agora na condição de “fera adestrada”, achava-se Paulo uma feliz exceção? Ele responde qual “fera adestrada”-

Timóteo 1:15-16: 15 Fiel e merecedora de plena aceitação é a palavra de que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar pecadores. DESTES EU SOU O PRINCIPAL. 16 Não obstante, a razão pela qual me foi concedida misericórdia era que, por meio de mim, como o principal caso, Cristo Jesus demonstrasse toda a sua longanimidade, COMO AMOSTRA dos que irão depositar a sua fé nele para a vida eterna.


Paulo se considerava o pior dos pecadores, o PIOR dos iníquos e realmente ele o era. Ele reconheceu: "destes eu sou o principal". Desta forma fica claro que ATÉ AQUELE MOMENTO, Paulo não ensinava que foi escolhido por ter um bom coração, OU SERÁ QUE JÁ ENSINAVA? Tal qual seu antecessor Manassés, o pior dos iníquos , após receber uma diminuta punição, passou a fazer a vontade de Jeová. Veja as palavras faladas por Jeová com respeito a Manassés:

(2 Reis 21:10-11) 10 E Jeová continuou a falar por meio dos seus servos, os profetas, dizendo: 11 “Visto que Manassés, rei de Judá, fez estas coisas detestáveis, ele agiu de modo MAIS INÍQUO DO QUE TODOS os amorreus antes dele, e passou a fazer até mesmo Judá pecar com os seus ídolos sórdidos.

Os amorreus eram aceitos pelos judeus - tribo de Judá - como muito iníquos, pelo fato de Jeová tê-los chamado de iníquos, e ter mostrado aos judeus como Ele, Jeová, usando justiça, PROMETEU tratar os iníquos. Jeová revelou aos israelitas o que merecia receber aquele que viesse a praticar coisas detestáveis. Ficaram com medo, os judeus? Não, agiram pior que os amorreus. SÃO OS ATOS PRATICADOS QUE REVELAM AOS OLHOS HUMANOS SE A PESSOA É INÍQUA OU SANTA, não importando se ela está ocupando um cargo de rei, sacerdote, profeta, se é conhecida ou desconhecida, parente consanguíneo ou apenas um vizinho.

Muito embora tal homem revelasse através de seus atos iníquos, ter o mais iníquo dos corações, Jeová mostrou de forma prática o Seu OBJETIVO em relação ao iníquo: usando de misericórdia para com o pior dos iníquos, ele é recuperado e passa a buscar ser justo, possivelmente com o mesmo empenho. Vejamos o grau de iniqüidade do coração de Manassés manifestado através de atos:

(2 Reis 21:1-9) 21 Manassés tinha doze anos de idade quando começou a reinar e reinou por cinqüenta e cinco anos em Jerusalém. E o nome de sua mãe era Hefzibá. 2 E ele passou a fazer o que era mau aos olhos de Jeová, segundo as coisas detestáveis das nações que Jeová tinha desalojado de diante dos filhos de Israel. 3 De modo que construiu novamente os altos que Ezequias, seu pai, tinha destruído, e erigiu altares a Baal e fez um poste sagrado, assim como fizera Acabe, rei de Israel; e começou a curvar-se diante de todo o exército dos céus e a servi-los. 4 E construiu altares na casa de Jeová, referente à qual Jeová dissera: "Em Jerusalém porei o meu nome." 5 E foi construir altares a todo o exército dos céus em dois pátios da casa de Jeová. 6 E ele fez o seu próprio filho passar pelo fogo, e praticou a magia e procurou presságios, e constituiu médiuns espíritas e prognosticadores profissionais de eventos. Fez em grande escala o que era mau aos olhos de Jeová, para o ofender. 7 Além disso, a imagem esculpida do poste sagrado que fizera, ele colocou na casa da qual Jeová dissera a Davi e a Salomão, filho dele: "Nesta casa e em Jerusalém, que escolhi dentre todas as tribos de Israel, porei meu nome por tempo indefinido. 8 E não mais farei o pé de Israel vagar [para longe] do solo que dei aos seus antepassados, contanto que cuidem de fazer segundo tudo o que lhes mandei, sim, conforme toda a lei que meu servo Moisés lhes ordenou." 9 E eles não escutaram, porém, Manassés continuou a seduzi-los para fazerem o que era mau, mais do que as nações que Jeová aniquilara de diante dos filhos de Israel.

O que é uma amostra? Para que serve uma amostra? Não se trata de uma diminuta referência de um todo? Se a transformação é possível para esta amostra, será possível para todos. O antídoto foi pingado em cima de uma “fera furiosa” e o resultado foi o surgimento de uma “fera adestrada”.

Jeová quer que alcancemos a maior idade, ou seja, a perfeição mental e emocional, física e espiritual, que saibamos a diferença entre nossa direita e a nossa esquerda, para que finalmente nos achemos aptos para o julgamento durante e no final do Milênio, tendo como questão básica a mesma suscitada aos humanos no Éden; aceitar pessoalmente e de forma convicta a nossa fonte de vida Jeová, como a única FONTE DE ORIENTAÇÃO para nós e para todo o universo em qualquer assunto e sob qualquer circunstância. O abandono completo do “eu”, reconhecendo, aceitando e amando a função para a qual foi projetado. Demonstrar o abnegado amor ao Criador e ao próximo de forma perfeita será imprescindível para vencer a última prova. Teremos uma vantagem sobre Adão; todo o histórico da Terra, o relacionamento do Santo Jeová com humanos imperfeitos e aquilo que vivenciamos, o exemplo perfeito de Jesus, podendo comparar; tendo experimentado plenamente a forma Teocrática de Jeová em comparação com a forma anárquica de Satanás e seu desastroso resultado amado, vivido e testemunhado por nós, comprovado, sendo esta a base de nossa convicção; se após a “perfeição” pudermos encarar isto como uma vantagem.


Esta lição, a necessidade de total confiança e do total amor abnegado ao Criador Jeová e amor aos demais criados, para evitar ações egoístas, sua criação espiritual já aprendeu. Inúmeros filhos espirituais (celestiais) de Jeová deram e continuarão a dar sua resposta quanto à questão da submissão voluntária e incondicional à Teocracia. Revelação 12:7-12.

No estado imperfeito provavelmente nossa mentalidade e compreensão equivale à do ensino básico, o primário, (sendo muito otimista) enquanto precisamos prestar uma pós-graduação. Para tal, precisamos ser ensinados por Jeová, através dos novos rolos, abertos para a instrução da humanidade (Sermão do monte).
Arrancado o impedimento natural, por ouvirem e aceitarem as diretrizes de Jeová, assim como no caso de Paulo, o pior dos pecadores, todos poderão experimentar a Teocracia sem a barreira incitada pelo Diabo aos corações e mentes dos imperfeitos humanos, além da sua própria imperfeição. Como poderiam gostar daquilo que nunca conheceram e nunca experimentaram ou nem mesmo se deram conta de sua existência? Afinal, não estavam cegos? De forma isonômica, todos os humanos imperfeitos terão tido a mesma oportunidade para alcançarem o mesmo ambiente propício, para ali serem educados pelo mesmo Instrutor perfeito, em igualdade de condições para finalmente estarem em condições de julgamento. Isonomicamente o julgamento final será por uma mesma prova para todos e ao mesmo tempo. O abandono total do egoísmo com base no amor abnegado ao Criador Jeová e ao próximo.
Onde estaria Paulo, caso não houvesse a “INICIATIVA” de Jeová e de Jesus em libertá-lo da escuridão espiritual? Provavelmente fosse um notável exímio inimigo e matador de cristãos, uma fera sem antídoto.

Por estarem vivendo o dia a dia segundo diretrizes opostas às diretrizes de Jeová, aquela geração da qual Saulo era parte ativa, rejeitava a cura, eram CEGOS agindo em total ignorância, ativa e passiva, como o caso de Saulo é uma evidente amostra, assim como o Sábio Criador havia previsto. Estavam espiritualmente muito DOENTES; é por isso agiam desta forma iníqua.

Atos 3:11-18 11 Pois bem, sendo que o homem segurava Pedro e João, todo o povo, fora de si de surpresa, afluía a eles no que era chamado de colunata de Salomão. 12 Quando Pedro viu isso, ele disse ao povo: “Homens de Israel, por que vos admirais disso, ou por que estais fitando os olhos em nós como se nós o tivéssemos feito andar por intermédio de poder pessoal ou de devoção piedosa? 13 O Deus de Abraão, e de Isaque, e de Jacó, o Deus de nossos antepassados, glorificou o seu Servo, Jesus, a quem vós, da vossa parte, entregastes e repudiastes na face de Pilatos, quando ele tinha decidido livrá-lo. 14 Sim, vós repudiastes aquele santo e justo, e pedistes que um homem, um assassino, vos fosse concedido liberalmente, 15 ao passo que matastes o Agente Principal da vida. Mas, Deus levantou-o dentre os mortos, fato de que somos testemunhas. 16 Conseqüentemente, o seu nome, pela [nossa] fé no seu nome, tornou forte este homem que observais e conheceis, e a fé que é por intermédio dele tem dado ao homem esta saúde completa à vista de todos vós. 17 E agora, irmãos, SEI QUE AGISTES EM IGNORÂNCIA, assim como também fizeram vossos governantes . 18 Mas, deste modo Deus tem cumprido as coisas que ele anunciou de antemão por intermédio da boca de todos os profetas, que o seu Cristo havia de sofrer.
Será que era o DESTINO em ação?? Ora, Jeová anunciou de antemão as coisas más que eu iria fazer e eu as estou fazendo. Quanta vergonha para mim! E Jeová ainda me perdoa! Quanta misericórdia, misericórdia imerecida! Jesus anunciou de antemão que todos os seus discípulos iam abandoná-lo. Eles juraram que não aconteceria, no entanto, aconteceu. De novo era o DESTINO em ação?? Nesta noite, antes do galo cantar, você me repudiará três vezes, anunciou Jesus para Pedro, e aconteceu. De novo, era o DESTINO em ação?? Não era o caso de muita vergonha e humilhação para todos os que erraram apesar de avisados?? Apesar de perdoados, é necessário assumir a responsabilidade pelo erro. Não se tratava de destino, antes tratava-se de CONHECER plenamente as diretrizes pelas quais estes homens viviam.

Vejam irmãos, a ignorância os fez agirem desta forma, reconheceu Pedro.

Não produz um maior achegamento ao Amoroso e Sábio Criador Jeová?
Não encontramos finalmente o real valor do nosso próximo?


Não seria algo ilógico, agora tal “fera adestrada” começar a
condenar a inexistência eterna, outras “feras furiosas” e não adestradas, que tivessem aquele mesmo comportamento agressivo que ela exibiu antes do seu adestramento? Ilógico sim, mas, esperado.
Assim fala Jeová sobre o comportamento de suas ovelhas:

Ezequiel 34:17-22: 17 “‘E quanto a vós, minhas ovelhas, assim disse o Soberano Senhor Jeová: “Eis que julgo entre ovídeo e ovídeo, entre os carneiros e os cabritos. 18 É algo de somenos importância para vós apascentardes a vós mesmos no melhor dos pastos, mas pisardes o resto dos vossos pastos com os vossos pés, e beberdes água pura, mas sujardes a que sobra , batendo com os vossos próprios pés ? 19 E quanto às minhas ovelhas, devem elas pastar no pasto pisado pelos vossos pés e devem elas beber a água tornada suja pelo bater de vossos pés?” 20 “‘Portanto, assim lhes disse o Soberano Senhor Jeová: “Eis aqui estou, eu mesmo, e hei de julgar entre o ovídeo gordo e o ovídeo magro, 21 visto que continuastes a empurrar com o lado e com o ombro, e visto que continuastes a marrar com os vossos chifres a todas as adoentadas até que as tínheis espalhado para fora . 22 E eu vou salvar as minhas ovelhas e elas não mais se tornarão algo a ser saqueado; e vou julgar entre ovídeo e ovídeo.

Que atitude estranha para uma ovelha, mas Jeová viu acontecer. Embora fossem ovelhas, eram ovelhas egoístas que não amavam as demais ovelhas como a si mesmas.

O objetivo de toda “fera adestrada” deve ser eliminar todo e qualquer “vestígio de fera” que ainda resida nela. Naquilo que nos for possível, estando no projeto do Criador e com Sua ajuda, será alcançado agora, em condições imperfeitas. Desde Caim, o Criador está incitando os humanos ao raciocínio, para que vejam e aprendam que o egoísmo é o mal a ser eliminado e erradicado do coração; o egoísmo não é uma boa base para viver a vida, não é a motivação perfeita, apesar dos atrativos emocionais. O egoísmo nos cega. Esta não é a motivação do Sábio Criador em fazer as coisas; sigamos o exemplo do Criador. Contrário à abnegação, o egoísmo, mais cedo ou mais tarde, mesmo em um ambiente perfeito, causará desrespeito à vida, sua e/ou de outros.


Afinal, Jeová quer se vingar dos imperfeitos, cegos, ignorantes e iníquos humanos desobedientes ou quer recuperá-los? Guardaria Jeová ressentimento das ações de seus ignorantes filhos?? Jeová responde em Jonas 4:11; Ezequiel 16:53-63 e Jesus responde em João 5:22,30; 12:47-49. Todo o histórico de Jeová e de Jesus comprova o objetivo de recuperação e não o da destruição vingativa pelo erro praticado. Justa destruição pelo pecado praticado é o que o humano merece. A alma que pecar - ela é que morrerá. Bonita ou feia, gorda ou magra, alta ou baixa, rica ou pobre, sã ou doente, nova ou velha, rei ou súdito, circunciso ou incircunciso, cristão ou pagão, se a alma pecar, ela é que morrerá.

ELE SABIA INFLIGIR SOFRIMENTO A OUTROS. SERÁ QUE ELE SABIA COMO SOFRER?? SERÁ QUE ELE SABIA SE COMPORTAR COMO UMA VÍTIMA??

Infligiresta é a definição dada por certo dicionário (Houaiss):

infligir Datação: 1817-1819

n verbo

bitransitivo

1 impor, aplicar (pena, castigo, repreensão etc.); cominar

Ex.: i. multas aos infratores

bitransitivo

2 causar (algo desagradável) a

Ex.: a seca infligiu grande prejuízo aos agricultores

bitransitivo

3 obrigar a suportar (algo lesivo, penoso ou doloroso)

Exs.: infligiu-lhe o suplício de uma longa leitura em voz alta

infligiu-lhe hora e meia de queixas e recriminações



AQUELE QUE FOI TRATADO COM TAMANHA MISERICÓRDIA, TEMPOS DEPOIS ASSIM PASSOU A AGIR.

Eu era blasfemador e fui tratado com misericórdia, afirmou Paulo:

(1 Timóteo 1:13) 13 embora eu fosse anteriormente BLASFEMADOR, e perseguidor, e homem insolente. Não obstante, FOI-ME CONCEDIDA MISERICÓRDIA, porque eu era ignorante e agi com falta de fé.

Assim verte a Tradução Brasileira:

(1 Timóteo 1:12-13) 12 Graças dou àquele que me fortaleceu, a Cristo Jesus nosso Senhor, pois me julgou fiel, pondo-me no ministério, 13 ainda que eu era outrora blasfemo, perseguidor e injuriador. Mas alcancei misericórdia, porque o fiz por ignorância, na incredulidade,

Um homem tendo estudado tanto, aquele que mais progresso fazia entre os fariseus, afirmou que fazia todas aquelas violências, PORQUE era ignorante.

Como deveria Paulo tratar aqueles que agissem com a mesma falta de fé. Um ex-blasfemador que foi tratado com misericórdia, deveria tratar outros blasfemadores com a mesma misericórdia, não deveria?? Entretanto, ouçamos as palavras do próprio Paulo sobre sua forma de tratar os blasfemadores. Assim nos conta Paulo, o aprendiz de ovelha:

(1 Timóteo 1:1-20) 1 Paulo, apóstolo de Cristo Jesus, sob o mandado de Deus, nosso Salvador, e de Cristo Jesus, nossa esperança, 2 a Timóteo, filho genuíno na fé: Haja benignidade imerecida, misericórdia, paz da parte de Deus, [o] Pai, e de Cristo Jesus, nosso Senhor. 3 Assim como te encorajei a ficar em Éfeso, quando eu estava para ir à Macedônia, assim faço agora, a fim de que MANDES a certos que não ensinem doutrina diferente, 4 nem prestem atenção a histórias falsas e a genealogias, que acabam em nada, mas que fornecem mais questões para pesquisa do que uma dispensação de algo por Deus em conexão com a fé. 5 Realmente, o objetivo desta ordem é o amor proveniente dum coração puro, e duma boa consciência, e duma fé sem hipocrisia. 6 Alguns, por se desviarem destas coisas, apartaram-se para conversa vã, 7 querendo ser instrutores de lei, mas não percebendo nem as coisas que dizem, nem as coisas a respeito das quais fazem fortes asserções. 8 Ora, sabemos que a Lei é excelente, desde que seja manejada licitamente 9 no conhecimento do seguinte fato: de que a lei é promulgada, não para o justo, mas para os que são contra a lei e [os] indisciplinados, ímpios e pecadores, os faltos de benevolência, e profanos, parricidas e matricidas, homicidas, 10 fornicadores, homens que se deitam com machos, raptores, mentirosos, perjuros, e qualquer outra coisa que haja em oposição ao ensino salutar, 11 segundo as gloriosas boas novas do Deus feliz, das quais fui incumbido. 12 Sou grato a Cristo Jesus, nosso Senhor, que me conferiu poder, porque ele me considerou fiel por designar-me para um ministério, 13 embora eu fosse anteriormente blasfemador, e perseguidor, e homem insolente. Não obstante, foi-me concedida misericórdia, porque eu era ignorante e agi com falta de fé. 14 Mas a benignidade imerecida de nosso Senhor abundou sobremaneira junto com a fé e o amor que há em conexão com Cristo Jesus. 15 Fiel e merecedora de plena aceitação é a palavra de que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar pecadores. Destes eu sou o principal. 16 Não obstante, a razão pela qual me foi concedida misericórdia era que, por meio de mim, como o principal caso, Cristo Jesus demonstrasse toda a sua longanimidade, como amostra dos que irão depositar a sua fé nele para a vida eterna. 17 Ora, ao Rei da eternidade, incorruptível, invisível, [o] único Deus, seja honra e glória para todo o sempre. Amém. 18 Desta ordem é que te encarrego, filho, Timóteo, de acordo com as predições que conduziram diretamente a ti, para que, por meio delas, possas prosseguir travando o bom combate, 19 mantendo a fé e uma boa consciência, a qual alguns repeliram, sofrendo naufrágio no que se refere à [sua] fé. 20 Himeneu e Alexandre pertencem a tais, E EU OS ENTREGUEI A SATANÁS, PARA QUE SEJAM ENSINADOS PELA DISCIPLINA A NÃO BLASFEMAREM.

SE A IGNORÂNCIA É IGUAL, A MISERICÓRDIA TAMBÉM TEM DE SER IGUAL.

Foi este o tratamento que Paulo recebeu de Jesus?? Foi Paulo entregue a Satanás?? Não foi Paulo incluído para ser ensinado?? Como podia Paulo excluir os blasfemadores??

Contra quem blasfemavam estes?? Porque blasfemavam estes?? Não deveria Paulo considerar Himeneu e Alexandre como IGNORANTES que agiam com falta de fé, exatamente assim como ele, Paulo, e por isso, tratá-los com a mesma dose de MISERICÓRDIA que Jesus usou para com ele? Deveria, mas não foi o que aconteceu. Não foi o VERDADEIRO CONHECIMENTO que tirou Paulo do seu anterior estado ignorante? Eu blasfemei por ignorância, entretanto, PORQUE outros estão blasfemando??

Atitudes assim agressivas, NADA AMOROSAS E NADA MISERICORDIOSAS, dos seus apóstolos, foram freadas por Jesus, quando vivia entre eles como humano, :

(Lucas 9:51-55) 51 Chegando então a completar-se para ele os dias de ser tomado para cima, endureceu o rosto [na determinação] de ir a Jerusalém. 52 De modo que enviou mensageiros na sua frente. E eles foram e entraram numa aldeia de samaritanos, a fim de fazerem os preparativos para ele; 53 mas não o receberam, porque o seu rosto estava endurecido [na determinação] de ir a Jerusalém. 54 Vendo isso os discípulos Tiago e João, disseram: "Senhor, queres que MANDEMOS que desça fogo do céu e OS ANIQUILE?" 55 MAS ELE SE VOLTOU E OS CENSUROU.

Depois da morte de Jesus, quem refrearia estas atitudes agressivas e nada misericordiosas dos alunos de Jesus, os aprendizes de ovelhas??

O EXEMPLO A SER SEGUIDO É O NOSSO INSTRUTOR JESUS CRISTO, O CORDEIRO, A OVELHA.

Valorização pessoal – Jesus informa a Ananias os motivos de escolher Saulo. Havia algum mérito em Saulo??

Haverá sofrimento para Saulo:

(Atos 9:10-16) 10 Havia em Damasco certo discípulo de nome Ananias, e o Senhor disse-lhe numa visão: “Ananias!” Ele disse: “Eis-me aqui, Senhor.” 11 O SENHOR DISSE-LHE:Levanta-te, vai à rua chamada Direita, e procura na casa de Judas um homem de nome Saulo, de Tarso. Pois, eis que está orando, 12 e ele viu numa visão um homem de nome Ananias entrar e pôr as suas mãos sobre ele, para que recuperasse a vista.” 13 Mas, Ananias respondeu: “Senhor, eu ouvi muitos [falar] deste homem, quantas coisas prejudiciais ele fez aos teus santos em Jerusalém. 14 E ele tem aqui autoridade dos principais sacerdotes para pôr em laços a todos os que invocam o teu nome.” 15 Mas O SENHOR LHE DISSE: “Vai, PORQUE este homem é para mim um vaso escolhido, para levar o meu nome às nações, bem como a reis e aos filhos de Israel. 16 Pois EU LHE MOSTRAREI CLARAMENTE quantas coisas ELE TEM DE SOFRER por meu nome.

Não se destacava Saulo de todos os demais, exatamente por causa de sua excessiva iniquidade contra os discípulos de Jesus, fazendo-os sofrer?? Sim, era isto mesmo. Estava Jesus guardando ressentimento das anteriores ações de Saulo?? Seria uma vingança pelas ações de Saulo?? Que espécie de punição era esta??

Vou trazer o teu procedimento sobre tua própria cabeça, o que fizeste a outros, será feito a ti – Esta milenar forma de Jeová agir, revela que nobre objetivo por parte Dele em relação ao punido?? Este insensível humano precisa sofrer na própria pele o mesmo sofrimento que ele estava causando a outros humanos. Qual o objetivo??? Uma mera vingança?? Não, não era. Tratava-se de algo educativo. Fazê-lo sentir “pesar” por seus agressivos atos; fazê-lo se “envergonhar” por sua insensibilidade para com o próximo; fazê-lo “arrepender-se” por sua agressiva atuação. Está doendo, não está?? O sofrimento é ruim, não é?? Bem, você foi a causa deste mesmo sofrimento em outras pessoas, você se lembra disso?? Você não percebeu que estava causando imerecido sofrimento?? Veja quanto sofrimento tu causaste em outras pessoas, pessoas que eu amo. O que você acha que você deve falar para eles?? Por um acaso, você já lamentou o que fez contra eles?? Por um acaso você os procurou para pedir perdão por suas ações iníquas??

Que valor dava Saulo a vida do seu próximo?? Que valor dava Saulo a si mesmo?? Bem, Saulo valorizava muito toda a sua atuação. Saulo sempre via a sua atuação como estando destacadamente acima da atuação dos demais. Saulo sempre se via como sendo o melhor naquilo que fazia. O que ele falou a respeito de si mesmo?? e que EU FAZIA MAIS PROGRESSO NO JUDAÍSMO DO QUE muitos da minha própria idade na minha raça, visto que EU ERA MUITO MAIS ZELOSO das tradições de meus pais.

Será que Paulo precisava descer ao mesmo nível das demais pessoas?? Como ele via o seu apostolado?? Ele responde:

(2 Coríntios 11:21-27) 21 Digo isso para a [nossa] desonra, como se a nossa posição tivesse ficado enfraquecida. Mas, se outro for ousado em alguma coisa — estou falando desarrazoadamente — eu também sou ousado nela. 22 São eles hebreus? Eu também o sou. São israelitas? Eu também o sou. São [o] descendente de Abraão? Eu também o sou. 23 São ministros de Cristo? Respondo como louco: EU O SOU AINDA MAIS DESTACADAMENTE: em labores MAIS ABUNDANTEMENTE, em prisões MAIS ABUNDANTEMENTE, em golpes até o excesso, muitas vezes perto da morte. 24 Dos judeus recebi cinco vezes quarenta golpes menos um, 25 três vezes fui espancado com varas, uma vez fui apedrejado, três vezes sofri naufrágio, uma noite e um dia passei no profundo; 26 em jornadas muitas vezes, em perigos de rios, em perigos de salteadores de estradas, em perigos da [minha própria] raça, em perigos das nações, em perigos na cidade, em perigos no ermo, em perigos no mar, em perigos entre falsos irmãos, 27 em labor e labuta, muitas vezes em noites sem dormir, em fome e sede, muitas vezes em abstinência de comida, em frio e nudez. . .

O que Jesus havia ordenado a seus apóstolos?? (Lucas 17:10) 10 Assim também vós, quando tiverdes feito todas as coisas que vos foram determinadas, DIZEI: ‘SOMOS ESCRAVOS IMPRESTÁVEIS. O QUE TEMOS FEITO É O QUE DEVÍAMOS FAZER.’”

Foi este espírito livre de competição, um espírito abnegado, desarmado, despojado e esvaziado de qualquer valorização pessoal, o espírito interno revelado por nosso amado irmão Paulo nestas afirmações acima??

Tempos depois do acontecimento em Damasco, Paulo passa a revelar sua opinião por ser um vaso escolhido por Jesus para um ministério. Apesar de Jesus não lhe ter dito tais palavras, assim falou Paulo: Jesus viu fidelidade em mim, apesar do meu negro passado.

(1 Timóteo 1:12-16) 12 Sou grato a Cristo Jesus, nosso Senhor, que me conferiu poder, PORQUE ELE ME CONSIDEROU FIEL por designar-me para um ministério, 13 EMBORA eu fosse anteriormente blasfemador, e perseguidor, e homem insolente. Não obstante, foi-me concedida misericórdia, porque eu era ignorante e agi com falta de fé. 14 Mas a benignidade imerecida de nosso Senhor abundou sobremaneira junto com a fé e o amor que há em conexão com Cristo Jesus. 15 Fiel e merecedora de plena aceitação é a palavra de que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar pecadores. Destes eu sou o principal. 16 Não obstante, a razão pela qual me foi concedida misericórdia era que, por meio de mim, como o principal caso, Cristo Jesus demonstrasse toda a sua longanimidade, como amostra dos que irão depositar a sua fé nele para a vida eterna.

Assim verte a Tradução Almeida:

(1Timóteo 1:12-16) 12 Dou graças àquele que me fortaleceu, a Cristo Jesus nosso Senhor, porque me julgou fiel, pondo-me no seu ministério, 13 ainda que outrora eu era blasfemador, perseguidor, e injuriador; mas alcancei misericórdia, porque o fiz por ignorância, na incredulidade; 14 e a graça de nosso Senhor superabundou com a fé e o amor que há em Cristo Jesus. 15 Fiel é esta palavra e digna de toda a aceitação; que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais sou eu o principal; 16 mas por isso alcancei misericórdia, para que em mim, o principal, Cristo Jesus mostrasse toda a sua longanimidade, a fim de que eu servisse de exemplo aos que haviam de crer nele para a vida eterna.

O nosso irmão Paulo afirma aqui que foi escolhido porque era fiel. Um homem de fidelidade, no qual se pode confiar.

O nosso irmão Paulo também afirma que ele é o principal pecador entre os pecadores.

Paulo sempre se achava o melhor naquilo que fazia.

O motivo para eu ter sido designado para um ministério foi PORQUE ele me considerou um homem FIEL, mesmo antes de eu prestar tal ministério. Por eu ser um homem fiel, ele confiou em mim, ele confiou na minha fidelidade a ele, por isto, me designou um ministério. Paulo encontrou o MÉRITO existente nele para que Jesus o tratasse com Misericórdia. Havia um MÉRITO em Paulo. Paulo nos revela seus sentimentos, nos revela sua crença: “A fidelidade do escolhido PRECEDE a sua escolha, ou seja, o MÉRITO precede a escolha”.

Será que isto passaria a ser uma diretriz para outros seguidores de Jesus?? Quais seriam os frutos produzidos por esta diretriz??

Jeová confiou em Davi, por isto, o designou rei. Havia um mérito em Davi. Seria a fidelidade?? Davi achava-se fiel a Jeová. Jeová confiou em Moisés, por isto, lhe designou um ministério. Seria a fidelidade?? Jeová escolheu Israel porque havia lealdade na nação. Será que foi assim mesmo?? Sou um escolhido de Deus porque eu sou um merecedor, pois existe um MÉRITO em mim?? Em cada um dos apóstolos de Jesus havia um MÉRITO pessoal para poder ter sido escolhido por Jesus?? Existe um MÉRITO em cada humano para o qual Jeová usa de Misericórdia?? Precisa haver um MÉRITO no humano PARA QUE Jeová use de Misericórdia com ele?? Se Jeová escolheu Ezequiel para ser Seu profeta é porque havia um mérito em Ezequiel?? Será que é assim mesmo?? O que você acha?? O que Jeová acha??

Que sentimentos nutrirá o humano??

Neste caso, não estaria havendo um enaltecimento do humano escolhido?? Não estaria havendo um rebaixamento do valor do ato misericordioso de Jeová?? O humano afirma: “Afinal, tem de haver alguma coisa de boa naquela pessoa, para que Jeová use de Misericórdia para com ela”.

Com esta declaração acima, que tipo de personalidade estamos afirmando que Jeová tem?? Desta forma, nós humanos estamos condicionando o uso que Jeová faz da Sua misericórdia.

O que Jesus falou sobre este intrigante assunto?? Assim falou Jesus:

(Mateus 5:43-48) 43 Ouvistes que se disse: ‘Tens de amar o teu próximo e odiar o teu inimigo.’ 44 No entanto, eu vos digo: CONTINUAI A AMAR OS VOSSOS INIMIGOS e a orar pelos que vos perseguem; 45 para que mostreis ser filhos de vosso Pai, que está nos céus, visto que ELE FAZ O SEU SOL LEVANTAR-SE SOBRE INÍQUOS E SOBRE BONS, E FAZ CHOVER SOBRE JUSTOS E SOBRE INJUSTOS. 46 Pois, se amardes aos que vos amam, que recompensa tendes? Não fazem também a mesma coisa os cobradores de impostos? 47 E, se cumprimentardes somente os vossos irmãos, que fazeis de extraordinário? Não fazem também a mesma coisa as pessoas das nações? 48 Concordemente, tendes de ser perfeitos, assim como o vosso Pai celestial é perfeito.

QUE MÉRITO HÁ NAQUELE QUE TRATA A JEOVÁ COMO INIMIGO PARA QUE JEOVÁ CONTINUE A AMÁ-LO??

SERÁ QUE O INIMIGO PRECISA ME MOSTRAR UM MÉRITO PARA QUE EU CONTINUE A AMÁ-LO??

Não parar de Amar o inimigo, aquele que me trata como um inimigo?? Se ele me trata como um inimigo, que mérito há nele para ser amado por mim?? Será que ele tem de ser um inimigo merecedor?? Neste caso, tenho de continuar a amar a todos os meus inimigos ou só a alguns em quem há algum mérito??

Que coisa extraordinária há em Amar, isto é, praticar ações que revelam amor, por alguém que revela ter este mesmo sentimento por mim? Jesus afirmou: Qualquer um pode fazer isto.

Neste caso, a pessoa é um mero RETRIBUIDOR de sentimentos. Se ele te fizer o bem, faça-lhe o bem; se ele te fizer o mal, faça-lhe o mal.

Jesus afirmou mais: “O Pai CONTINUA A PRATICAR AÇÕES AMOROSAS em benefício daquele que CONTINUA A PRATICAR AÇÕES DE INIMIZADE contra Ele”.

Ficou bem claro que Jeová não é um mero RETRIBUIDOR DE SENTIMENTOS.

O Pai continua agindo assim para com todos os seus inimigos, ou seja, todos aqueles cujas ações comprovam ser ações de um inimigo. Inimigo não é aquele que se declara inimigo e sim aquele que através de suas AÇÕES comprova ser um inimigo. Embora uma pessoa possa afirmar amar a Jeová, ela mostrará ser inimiga de Jeová, por praticar AÇÕES que estejam CONTRA OS SENTIMENTOS de Jeová. Assim, as ações praticadas por esta pessoa revelam ser ações de um inimigo. FALAR contra aquilo que Jeová ama também revela ser a ação de um inimigo?? Ferir com palavras ou com ações àquele que Jeová ama também revela ser a ação de um inimigo de Jeová.

Não podemos esquecer que Jeová continua amando a TODOS os seus inimigos. Ele não é um mero RETRIBUIDOR DE SENTIMENTOS.

Neste caso, foi através de suas palavras e de suas ações, que nosso amado irmão Paulo MOSTROU SER um inimigo de Jesus. Depois que Paulo foi tratado com Misericórdia, agora, perguntamos a nosso amado irmão Paulo, o que se deve fazer com aquele discípulo de Jesus que cometer determinados tipos de pecados e blasfêmias?? Devemos deixar que Jeová o examine ou devemos julgá-los e tomar atitudes contra eles?? Devemos ser tolerantes ou intolerantes com estes pecadores?? Bem, nosso amado irmão Paulo nos responde:

(1 Coríntios 5:9-13) 9 Eu vos escrevi na minha carta que cesseis de manter convivência com fornicadores, 10 não [querendo dizer] inteiramente com os fornicadores deste mundo, ou [com] os gananciosos e os extorsores, ou [com] os idólatras. Senão teríeis realmente de sair do mundo. 11 Mas, eu vos escrevo agora para que CESSEIS DE TER CONVIVÊNCIA com qualquer que se chame irmão, que for fornicador, ou ganancioso, ou idólatra, ou injuriador, ou beberrão, ou extorsor, NEM SEQUER COMENDO COM TAL HOMEM. 12 Pois, o que tenho eu que ver com o julgamento dos de fora? Não julgais vós os de dentro, 13 ao passo que Deus julga os de fora? “REMOVEI O [HOMEM] INÍQUO DE ENTRE VÓS.

Julgue os de dentro e expulse o iníquo de entre vós, esta foi a resposta do nosso irmão Paulo. Não tenham misericórdia de pecadores, não tenha nenhum contado com eles, removei-os.

O nosso irmão Ananias perguntaria para nosso irmão Paulo: Irmão Paulo, foi este o tratamento que tu recebeste de Jesus??

Através de suas ações, estes fornicadores, gananciosos, idólatras, injuriadores, beberrões ou extorsores mostravam ser inimigos de Jeová, não é verdade??? Neste caso, o que Jeová fazia por estes inimigos?? Que sentimento tinha Jeová por estes inimigos?? Jeová continuava amando tais inimigos.

Praticar ações amorosas para com os que não se comportam desta maneira, ou seja, como um inimigo, qualquer um pode fazer. Jesus falou-nos: Comportem-se como o Pai Celestial. Ele é diferente. Mostre ser um filho por se comportar exatamente assim como o Pai.

Deixou Jeová de dar o sol, a chuva e sua palavra para nosso amado irmão Paulo quando este estava praticando contra Jeová as ações de um inimigo, e assim, ferindo os sentimentos de Jeová, quando tomou a iniciativa de praticar atos de ódio contra aqueles que Jeová amava??? Não, Jeová CONTINUOU a amá-lo, CONTINUOU a praticar ações de AMOR em favor de Paulo. Naquela incrível situação, apesar de nosso irmão Paulo ter estado convicto de que estava agradando a Jeová, ele estava praticando ações de um inimigo de Jeová. Mesmo praticando tais ações, Jeová continuava a AMAR este inimigo?? As ações de Jeová mostraram ser a resposta. Por que Jeová continuou a AMAR este inimigo?? Simplesmente porque Jeová é Bom. Jeová está conjugando o verbo AMAR para nós, os humanos.

O VERDADEIRO AMOR NUNCA ACABA, INDEPENDENTE DA AÇÃO DAQUELE QUE É AMADO.

Bem, e quanto ao MÉRITO de nosso amado irmão Paulo?? Se atribuirmos MÉRITO àquele que recebe a Misericórdia de Jeová, passamos a rebaixar o ato de Jeová para exaltar aquele que recebeu a Misericórdia. Passaremos a dar glória a homens em lugar de dar glória ao ÚNICO que merece receber glória, Jeová.

(João 5:44) 44 Como podeis crer, quando aceitais glória uns dos outros e não buscais a glória que é do único Deus?. . .



Jeová mandou-me fazer a mesma coisa, ou seja, mandou-me amar aquele que revela ter ódio de mim e/ou daqueles a quem eu amo. Caso este inimigo mate um filho meu, que MÉRITO devo procurar nele antes de continuar a amá-lo, demonstrando misericórdia para com ele, perdoando tal ofensa e não guardando ressentimento dele??? Devo amá-lo somente depois que ele se arrepender do que fez?? Devo deixar de falar com ele?? Neste caso, não estarei guardando ressentimento dele??



Agora perguntamos ao nosso amado irmão Paulo: Amado irmão Paulo, você deu ordens para que pecadores fossem julgados por pecadores. Paulo, você aceita que alguns irmãos decidam examiná-lo, decidam julgá-lo?? Bem, assim responde o nosso amado irmão Paulo:

(1 Coríntios 4:1-5) 4 Avalie-nos o homem como sendo subordinados de Cristo e mordomos dos segredos sagrados de Deus. 2 Além disso, neste caso, o que se procura nos mordomos é que o homem seja achado fiel. 3 Ora, para mim É UM ASSUNTO MUITO TRIVIAL o de EU SER EXAMINADO POR VÓS OU POR UM TRIBUNAL HUMANO. Até mesmo eu não me examino a mim mesmo. 4 Pois não estou cônscio de nada contra mim mesmo. Contudo, não é por isso que eu seja mostrado justo, MAS QUEM ME EXAMINA É JEOVÁ. 5 POR ISSO, NÃO JULGUEIS NADA antes do tempo devido, até que venha o Senhor, que tanto trará da escuridão para a luz as coisas secretas, como tornará manifestos os conselhos dos corações, e então cada um terá o seu louvor da parte de Deus.

Nosso irmão Paulo tinha um conceito sobre si mesmo: Já fui considerado fiel. Sou grato a Cristo Jesus, nosso Senhor, que me conferiu poder, PORQUE ELE ME CONSIDEROU FIEL por designar-me para um ministério.

NÃO JULGUEIS NADA ANTES DO TEMPO DEVIDO. Esta palavra falada por Paulo valia para todos os demais seguidores de Jesus?? Se realmente valerem, Paulo também não tinha autoridade para julgar ninguém antes do tempo devido. COMO PODEM VOCÊS DESEJAREM ME JULGAR?? QUEM SÃO VOCÊS PARA ME JULGAREM?? Suas palavras e suas ações não podiam ser julgadas, assim como ele também não podia julgar as ações e as palavras de nenhum ser humano. Não são todos os seres humanos iguais diante de Jeová?? Se era Jeová quem o examinava, quem deveria examinar os demais discípulos de Jesus?? Julgando ele outros discípulos de Cristo em face de palavras e ações destes discípulos, em que posição ele se colocava?? Estava Paulo acima desta regra com a qual ele se defendeu?? Por que Paulo determinou julgamento e exclusão de pecadores, quando ele mesmo não admitia ser julgado por ninguém, exceto por Jeová??

Indiretamente, Paulo pergunta: Quem são vocês para me julgarem?? Qual de vocês foi designado juiz?? Depois afirma: Eu só reconheço a Jeová como meu Juiz.

No entanto, esta argumentação tem validade para todo e qualquer humano, afinal, todos os humanos são pecadores, não são???

Será que nosso amado irmão Paulo via a todos os demais discípulos de Jesus como estando no mesmo nível dele?? Bem, o nosso irmão Paulo tinha na sua mente a seguinte escala de graduação, que revelavam o grau de importância dos discípulos de Jesus:

(1 Coríntios 12:27-31) 27 Ora, vós sois corpo de Cristo e membros individualmente. 28 E Deus tem colocado os respectivos na congregação, primeiro apóstolos; segundo profetas; terceiro instrutores; depois obras poderosas; depois dons de curar; serviços prestimosos, capacidades de dirigir, línguas diferentes. 29 Será que todos são apóstolos? Será que todos são profetas? Será que todos são instrutores? Será que todos realizam obras poderosas? 30 Será que todos têm dons de curar? Será que todos falam em línguas? Será que todos são tradutores? 31 Mas persisti em buscar zelosamente os maiores dons. Contudo, ainda vos mostro um caminho que ultrapassa [isso].

Estabelecendo igualdade entre TODOS os seus discípulos, assim Jesus afirmou: “Todos vós sois irmãos. Todos vós sois iguais; não se enalteça e não se deixe enaltecer.”

(Mateus 23:8-12) 8 Mas vós, não sejais chamados Rabi, pois um só é o vosso instrutor, ao passo que todos vós sois irmãos. 9 Além disso, não chameis a ninguém na terra de vosso pai, pois um só é o vosso Pai, o Celestial. 10 Tampouco sejais chamados ‘líderes’, pois o vosso Líder é um só, o Cristo. 11 Mas o maior dentre vós tem de ser o vosso ministro. 12 Quem se enaltecer, será humilhado, e quem se humilhar, será enaltecido.



Na lei e no regulamento do reino dos céus, AQUELE DADO POR JESUS E QUE É VÁLIDO PARA TODOS OS DISCÍPULOS, está prevista a existência de tão elevada posição?? Não, não está.

Será que nosso amado irmão Paulo foi exaltado como Juiz acima de todos os demais humanos, estando ele acima da lei que era válida para os demais humanos, havendo apenas Jeová para julgá-lo?? Os juízes humanos têm sido julgados quando cometem os mesmos pecados dos homens a quem ele julga, não é verdade?? Muito embora os humanos abram diversas exceções aos policiais, aos juízes e outros, mesmo assim, eles se encontram debaixo da lei geral. No entanto, será que no reino dos céus, as coisas acontecem da mesma forma?? Será que Jeová copia o que os humanos criam???

Se eu posso julgar humanos, também posso ser julgado por humanos. Se eu não posso julgar humanos, também não posso ser julgado por humanos.

No entanto, esta regra passa a não valer para mim, se eu me considerar alguém acima desta regra.

Parai de julgar”. Esta regra foi estabelecida por Jeová e repassada para os humanos. Existe algum humano que esteja acima desta regra???

Afinal, o que faziam aqueles discípulos de Jesus para provocarem em Paulo toda aquela fúria?? Do que aqueles homens tinham de se retratar diante de Paulo?? Um dos humanos julgados por Paulo e condenados a morte foi Estêvão. De que acusavam Estêvão?? Vejamos:

(Atos 6:8-14) 8 Ora, Estêvão, cheio de graça e de poder, realizava grandes portentos e sinais entre o povo. 9 Mas, levantaram-se certos homens da chamada Sinagoga dos Libertos, e dos cireneus e alexandrinos, e dos de Cilícia e Ásia, para discutirem com Estêvão; 10 contudo, não podiam fazer face à sabedoria e ao espírito com que ele falava. 11 Induziram então secretamente uns homens a dizer: “Nós o ouvimos falar declarações blasfemas contra Moisés e Deus.12 E atiçaram o povo, e os anciãos, e os escribas, e, vindo contra ele repentinamente, tomaram-no à força e o conduziram ao Sinédrio. 13 E apresentaram testemunhas falsas, que diziam: “Este homem não pára de falar coisas contra este santo lugar e contra a Lei. 14 Por exemplo, nós o ouvimos dizer que esse Jesus, o nazareno, derrubará este lugar e mudará os costumes que Moisés nos transmitiu.

Assim verte a Tradução Brasileira:

(Atos 6:8-14) 8 Estêvão, cheio de graça e poder, fazia grandes prodígios e milagres entre o povo. 9 Levantaram-se, porém, alguns dos que eram da sinagoga, chamada dos libertos, dos cireneus, dos alexandrinos e dos da Cilícia e Ásia, e disputavam com Estêvão; 10 e não podiam resistir à sabedoria e ao Espírito pelo qual ele falava. 11 Então subornaram homens que diziam: Temo-lo ouvido proferir palavras de blasfêmia contra Moisés e contra Deus; 12 também sublevaram ao povo, aos anciãos e aos escribas e, investindo contra ele, arrebataram-no e levaram-no ao sinédrio, 13 e apresentaram falsas testemunhas que diziam: Este homem não cessa de proferir palavras contra o lugar santo e contra a Lei; 14 porque o temos ouvido dizer que esse Jesus o Nazareno há de destruir este lugar e há de mudar os costumes que Moisés nos deixou.

Estêvão falava coisas contra o lugar santo?? Sim, falava. Falava Estêvão contra a “lei” transmitida por Moisés?? Sim, falava. Estêvão falava em mudar os costumes que haviam sido transmitidos por Moisés?? Sim, falava. Afinal, Estêvão, como um discípulo de Jesus, repetia as palavras faladas por Jesus. No entanto, Jesus repetia as palavras faladas por Jeová. Falava Estêvão contra a “lei” dente por dente e olho por olho”?? Repetindo as palavras de Jesus, Estêvão falava contra tal lei.

O QUE PROMOVIA TAL LEI TÃO DEFENDIDA POR PAULO?? PROMOVIA A VIOLÊNCIA.

Como se sentiam os discípulos de Moisés?? Bem, eles queriam defender tanto a Moisés como os costumes transmitidos por Moisés, obviamente. Quem falasse contra tal “lei” logicamente era chamado de blasfemador contra Moisés e contra Deus. Toda esta fúria por causa de palavras faladas?? Sim. Toda esta fúria por causa de declarações, declarações estas que Paulo queria que os discípulos de Jesus se retratassem.

Afinal, o que os sacerdotes e os fariseus falavam a respeito daqueles que davam ouvidos e acreditavam em Jesus?? Eles afirmavam: “Somente quem não sabe a lei é que dá ouvidos a este Jesus”.

(João 7:47-49) 47 Os fariseus responderam, por sua vez: “Será que também vós fostes desencaminhados? 48 Será que um só dos governantes ou dos fariseus depositou fé nele? 49 Mas esta multidão, que não sabe a Lei, são pessoas amaldiçoadas.”

Assim verte a Tradução Brasileira:

(João 7:47-49) 47 Replicaram-lhes os fariseus: Estais vós também iludidos? 48 Porventura creu nele alguma das autoridades, ou alguns dos fariseus? 49 Mas este povo que não entende a Lei é amaldiçoado.

De que lei falavam?? As declarações de Jesus eram contrárias às muitas declarações da chamada lei.

Colocando toda a sua credibilidade em Moisés, os fariseus afirmavam orgulhosamente: “Nós somos discípulos de Moisés, aquele que falava face a face com Jeová”.

(João 9:28-29) 28 Em vista disso, injuriaram-no e disseram: “Tu és discípulo daquele [homem], mas nós somos discípulos de Moisés. 29 Sabemos que Deus falou a Moisés; mas, quanto a este [homem], não sabemos donde é.”. . .

Assim verte a Tradução Brasileira:

(João 9:28-29) 28 Injuriaram-no e disseram: Discípulo dele és tu; mas nós somos discípulos de Moisés. 29 Nós sabemos que Deus falou a Moisés, mas este não sabemos donde ele é.

Eram discípulos da violência?? Sim, eram discípulos da violência.

Como fariseu, a quem Paulo defendia?? Paulo defendia a Moisés e aos costumes dados por Moisés. Paulo concordava com os costumes transmitidos por Moisés. Ele se prontificou, ele se ofereceu, ele pediu cartas de autoridade para poder usar a violência contra aqueles homens. Que costumes eram estes?? A violência.

Sendo mais mais “zeloso” que todos os de sua geração, que espécie de homem era Paulo?? Era o mais zeloso fariseu, obviamente. Isto, os fatos comprovam.

(Gálatas 1:13-14) 13 Vós, naturalmente, ouvistes [falar] da minha conduta anterior no judaísmo, que eu perseguia a congregação de Deus e a devastava até o excesso, 14 e que EU FAZIA MAIS PROGRESSO NO JUDAÍSMO DO QUE muitos da minha própria idade na minha raça, visto que EU ERA MUITO MAIS ZELOSO das tradições de meus pais. (Atos 22:3) 3 “Eu sou judeu, nascido em Tarso da Cilícia, mas educado nesta cidade, aos pés de Gamaliel, instruído segundo o rigor da Lei ancestral, zeloso por Deus, assim como todos vós sois neste dia.



ZELO – Esta é a definição dada por certo dicionário (Houaiss):

zelo

\ê\ s.m. (sXIII) 1 grande cuidado e preocupação que se dedica a alguém ou algo <desdobra-se em zelos para com ela> 2 forte disposição, diligência, empenho aplicado na realização de algo (tarefas, deveres, obrigações religiosas etc.) <z. aos estudos> 3 afeição intensa, amor por alguém ou algo etim gr. zêlos,ou 'ardor, emulação, ódio etc.', pelo lat. zélus,i 'inveja, ciúme' sin/var cuidado, desvelo; ver tb. antonímia de desleixo e indiferença ant ver sinonímia de desleixo e indiferença hom zelo(fl.zelar)


Qual o resultado de tamanho zelo, qual o resultado de tamanha dedicação, após seus contínuos estudos das “Escrituras”?? Paulo tornou-se o mais violento entre todos os fariseus ao praticar os atos de tirania.

De forma oposta, Jesus estava ensinando seus discípulos a serem ovelhas, a serem homens pacíficos.

(Mateus 10:16-17) 16 “Eis que eu vos envio como OVELHAS no meio de lobos; portanto, mostrai-vos cautelosos como as serpentes, contudo, inocentes como as pombas. 17 Guardai-vos dos homens; pois eles vos entregarão aos tribunais locais e vos açoitarão nas suas sinagogas.

Tratava-se de uma convivência entre homens pacíficos (ovelhas) e homens violentos (lobos). Qual era o objetivo de Jesus?? Mudar lobos em ovelhas, obviamente.

PAULO AFIRMOU: Pois não estou cônscio de nada contra mim mesmo.

Quando nosso amado irmão Paulo estava praticando toda aquela violência contra os discípulos de Jesus, invadindo lares, mandando açoitar, blasfemando, etc., será que ele estava cônscio dos pecados que estava praticando??

Todas as suas violentas ações contra os de dentro da nação judaica ele estava oferendo a Jeová como “obras excelentes”. Ele estava demonstrando o seu “zelo” por Jeová. O Deus que ele adorava. Ele encarava todas as suas ações violentas como estando prestando um serviço sagrado a Jeová. Os seus valores estavam invertidos, pois ele acreditava em outros valores e vivia segundo os valores em que ele acreditava. Ele não estava cônscio de seus erros, pois para ele, aquilo que ele fazia era o certo e o que os outros faziam é que estava errado.

No entanto, somente Jesus foi capaz de frear Paulo. Nenhum humano conseguiria fazê-lo. Paulo mostrou estar sem freio.

Alguns anos depois da morte de Jesus, Paulo, agora como um discípulo de Jesus, encarava seus sentimentos pelos pecadores como sendo o sentimento certo e o sentimento que os discípulos de Jesus tinham até aquela data, como sendo o sentimento errado. Novamente, só Jesus poderia convencê-lo do contrário.

Ratificando a proibição de julgar pecadores, assim falou Jesus, repetindo as palavras do Pai Celestial: “Com o julgamento com que julgares, vós sereis julgados; o julgamento que deres a outros tu também o receberás”. Existe algum humano que esteja acima desta regra??

Será que nosso amado irmão Paulo acreditava que existem pecados que são mais pecados do que outros pecados?? Suas palavras e ações fornecem a resposta evidente.

Bem, vivendo o dia dia com base nesta diretriz, aquele que não perdoa o pecado do próximo contra ele, sente-se muito melhor do que um adúltero, do que um extorsor, do que um ladrão, do que um assassino, do que um adorador de ídolos. Ele não se vê como um igual; ele jura que não igual. Embora ele esteja cometendo o pecado da soberba, ele quer distância destes outros pecadores, pois aos seus olhos, tais pessoas por serem iníquas, devem deixar de existir, por serem destruídas. Ele não reconhece que o sentimento de superioridade é um pecado igual ao adultério, ao assassinato, a não perdoar o pecado de outros e quaisquer outros pecados.

Perdoar é algo que é feito com o coração. Deixar de perdoar é um pecado que acontece no coração. Trata-se de um pecado exatamente igual ao assassinato e ao adultério.

Para poder ver estes outros pecadores com outros olhos, ele precisa substituir esta diretriz humana, pela diretriz que sai da boca do Pai, isto é, todos os pecados têm o mesmíssimo peso. Com esta diretriz ele nunca poderá se sentir superior a outro pecador.

O discípulo de Jesus deve reconhecer que É um pecador e não que JÁ FOI um pecador.



topo da página