O IRMÃO MAIS VELHO



Inserida em 24/04/08     Modificada em 25/09/11

O IRMÃO MAIS VELHO QUE PRESUMIU ESTAR CERTO


Era uma vez uma família com 20 (vinte) irmãos.

O irmão ‘nº19’ chegou em casa com uma novidade que aprendera.

Dimetilaminofenildimetilpirazolona não era melhoral; era cibalena.

Procurou o irmão “nº1” e lhe contou a novidade, lhe mostrando as devidas provas.

O irmão “nº1”, não convencido, lhe afirmou: “Não é isto que eu ensino. Não fale mais sobre este assunto – caso encerrado. Enquanto “eu” falar que este meu ensino é verdadeiro, ele continua verdadeiro e você tem de repeti-lo e ensiná-lo a outros como sendo verdade, já que você faz parte desta unida família. É graças a mim que você sabe o que sabe. Se não fosse “eu”, você não saberia o que já sabe. Não fale mais sobre este teu novo ensino, não fale com mais ninguém sobre este teu novo ensino, nem comigo” – afirmou o irmão 'nº1' ao irmão 'nº19'. Liberdade de expressão ou tirania??


Desobedientemente, o irmão ‘nº19’ persistiu em mostrar a alguns outros irmãos aquilo que comprovava que Dimetilaminofenildimetilpirazolona não era melhoral; na “verdade” era cibalena, e que não era isso que nº1 ensinava. O irmão nº19 amava a "verdade". Ele foi ensinado pelo irmão nº1 que a "verdade" sempre deve ser exposta. O irmão nº19 tinha visto o irmão nº1 expor mentiras de outras pessoas. O irmão nº1 afirmava que fazia isto por amor à verdade e que era exatamente isto o que deveria ser feito por quem ama a verdade. Você tem de amar a “verdade” - dizia o irmão nº1. Meu Pai ama a “verdade” – afirmava o irmão nº1.

Ofendido, o irmão “nº1” decidiu expulsar de casa o irmão ‘nº19’.


Muito tempo depois, cerca de dez anos, o irmão “nº1” finalmente se convenceu que Dimetilaminofenildimetilpirazolona não era melhoral; incrível, era realmente cibalena. A “verdade” finalmente prevaleceu.

O irmão ‘nº19’, estando expulso de casa, sofreu morte prematura às mãos de salteadores.

Agora, o irmão “nº1” diz: Se ele não fosse rebelde contra mim, a autoridade neste lar, não teria tido tal sorte. Ele foi o “único” responsável pelo mal que lhe sobreveio. Ele rebelou-se contra a minha autoridade. Ele tinha de esperar o meu veredicto sobre este assunto para depois repetir para outros o meu veredicto. Uma insubordinação grave, que foi devidamente punida pelo Pai celestial. Verdade é aquilo que eu determino ser verdade, no momento que eu determino ser verdade, e todos aqui têm de repetir apenas aquilo que eu determino ser verdade.

Em um dia inesperado, chegou o Pai. Ao receber o relato do acontecido com o “seu” filho ‘nº19’, filho que ele muito ama, o que dirá a seu filho “nº1”???? Como explicar o acontecido??? Esta foi a tua reação por teu irmão ensinar uma “verdade”???

O irmão “nº1” certamente dirá: Pai, o irmão ‘nº19’ rebelou-se contra o Senhor. O Pai dirá: Meu filho, mesmo após você admitir publicamente ter ensinado por um longo tempo uma “mentira”, mantém como correta e justa a sua atitude em relação a teu irmão mais novo??? Ainda afirmas que Eu o matei por ele não obedecer a você??

O Pai certamente dirá: Meu filho, você ensinava uma “mentira” e teu irmão ensinava uma “verdade”. Ele amava a "verdade".

Filho amado, mentira é tudo aquilo que não é “100%” verdade - seja ensinado em qualquer tempo e por qualquer pessoa, o que inclui você na sua posição de autoridade.

Meu querido filho, desde quando expor uma mentira de uma "autoridade" é apostasia??

Filhinho, você usou tua autoridade para expulsar teu irmão de casa porque você se sentiu ameaçado no seu poder e posição de irmão “nº1”?? Você não admitia ter a “tua verdadequestionada. Depois de algum tempo tu mesmo admitiste que ensinavas uma “mentirae que teu irmão ensinava uma “verdade. Teu irmão ‘nº19’ morreu defendendo uma “verdade. Você diz fazer um ajuste no teu ensino e passa a ensinar como nova verdade, um ensino 100% oposto ao que tu ensinavas, que era exatamente o que era ensinado por teu irmão, e ainda afirmas que não estavas ensinando uma mentira?? No entanto, você mantém sua arrogante posição de que não poderia ser questionado por ele ou por qualquer outro quanto à “verdade” de teu ensino?? Isto significa que a autoridade não pode ser questionada nem mesmo quando está errando?? Significa que tua autoridade está acima da verdade?? Significa que tua autoridade está acima do teu erro?? Esta é a forma correta de usar a autoridade que Eu te dei? Por que foste intolerante e tirano?? Você sabe o quanto vale o teu irmão para mim?? Você se perguntou se era isto o que Eu esperava de você?? Quando outros ensinam uma mentira, o que são??? Quando tu ensinas uma mentira, o que és??? Antes de outros fazerem “ajustes” no que eles ensinam, o que eles são para você?? Quando outros tentam impedir você de falar, o que eles estão cometendo?? Não estão cometendo um crime contra a liberdade de expressão?? Não é este o argumento que usas?? Não os acusa diante de Mim como autoritários que desrespeitam a liberdade de expressão?? Não vais diante de tribunais humanos acusar tais pessoas de autoritarismo e desrespeito à liberdade de expressão??

Quando “outros” fazem, como tu os julgas??? Quando “tu” fazes, como tu te julgas???

Dizes tu que foi um engano de alguém bem intencionado e com um bom coração, somente no teu caso?? Por que tu te valorizas tanto, enquanto que ao mesmo tempo desvalorizas outros??

Filhinho amado, quem tem um bom coração, não mata, nunca.


O que a História revela?? Convencimento ou atitudes de tirania??


A História nos revela que os discípulos de Jesus, tanto católicos como protestantes não têm admitido rivalidade na questão do ensino, ensino que naquele momento é defendido como a mais pura verdade. Chega-se até a afirmar que o ensino rival é um ensino do Diabo. Assim, tortura-se para que o humano se retrate, excomunga-se para que tal ensino não se alastre e mata-se para que o medo impeça outros de seguir o novo ensino ou mesmo ler este novo ensino. Geralmente, este “novo ensino” é apenas repetição de palavras que se encontram na própria Bíblia. A história revela que até mesmo o acesso pelo povo comum à Bíblia, foi impedido pelos que se achavam no poder. Os que estavam no poder ensinavam a Bíblia. Todas as religiões cristãs adotaram este mesmo procedimento, que afinal, remonta aos dias de Jeremias e outros profetas. Muitos profetas foram mortos e por que?? Por causa das “palavras”, palavras estas que eram apenas a repetição da mensagem divina para aquela geração. Quando a palavra não agradava, sacerdotes, reis e até mesmo profetas profissionais (descendentes de profetas), afirmavam que a “palavra” não era de Deus e matavam àquele que estava meramente “repetindo um recado” do Criador. Os fariseus junto com os sacerdotes determinaram a morte de Jesus exatamente por não gostarem das “palavras”, palavras estas, das quais Jesus também estava “repetindo. Foram as palavras que o Pai tinha mandado Jesus falar. Os fariseus eram estudiosos das Escrituras. Os seguidores de Jesus também foram mortos por repetirem as “palavras” de Jesus, o novo “velho ensino”. Os fariseus faziam tais coisas exatamente contra seus irmãos. E todos estes afirmavam amar ao Deus da Bíblia. Hoje, todos afirmam amar a Jesus. Matam em nome daquele que disse: “parem de condenar”, “se você não perdoar o erro de outro, o Pai não perdoará o teu erro”, “ame teu inimigo”, “não se vingue mais, se alguém te bater na face direita, dê também a esquerda”. Pessoas se colocam no lugar de Deus e afirmam que esta ou aquela pessoa terá morte eterna, que esta pessoa não receberá o perdão de Deus e que aquela outra terá que pagar algo para merecer o perdão de Deus. E assim, colocam palavras na boca de Deus. Dizem pra Deus: “Olha este aqui eu já condenei e aquele eu já absolvi”. E dizem isso para o mesmo Deus que lhes disse: “Parem de julgar, parem de condenar”.




Pessoas foram consideradas inimigas da igreja, foram mortas como "hereges", sem direito a ir para o céu por cometerem o crime de discordar de ensinos “da igreja”. Muitos foram queimados vivos em praça pública. Foram atos produzidos por corações insensíveis. Em todos os casos, estes se colocaram na posição de pastores e acreditavam terem sido escolhidos por Deus para tal posição e a estavam exercendo com a autoridade que "achavam " acompanhar o cargo de pastor. Estes pastores agiam como se fossem donos do reino dos céus, agiam como porteiros do reino dos céus, como os juízes designados por Deus, pois aqueles que se submetessem aos seus ensinos receberiam vida eterna, enquanto aqueles que se rebelassem contra os ensinos dos pastores receberiam destes uma condenação de punição eterna. Mostraram ser pastores tiranos. O irmão nº1 condena todas as pessoas que praticaram tais atos a uma morte eterna e acusa tais pessoas diante do Pai.

Comprova-se o fato de que o humano não foi criado para estar no poder. Quando no “poder”, o humano revela a plenitude de seu egoísmo e tirania. Dá-se pouca importância à “vida” do próximo, ou seja, das ovelhas. Muitas outras coisas passam a ter mais valor do que a “vida” do próximo, ou seja, das ovelhas. Seu objetivo é dominar e destruir.

Houve julgamento e condenação do “próprio irmão” com uma pena de morte. O irmão ‘nº19’ foi desassociado por “apostasia” - uma pena de morte. Apostasia ou rebeldia contra um ensino do irmão “nº1”. Rebeldia contra um ensino errado do irmão "nº1". O julgamento de apostasia, rebeldia, não deveria ser feito exclusivamente por Jeová, a fonte da verdade??? O tratamento dispensado ao irmão ‘nº19’ é na forma geral, o mesmo dado a alguém morto, pois os demais irmãos não podem se comunicar com ele, sob uma penalidade por deslealdade ao irmão "nº1", e caso ele venha a morrer literalmente, não se é permitido fazer-lhe um discurso fúnebre, por determinação do irmão nº1. Na concepção do irmão ‘nº1’, o mais velho, o irmão ‘nº19’ é um ex-irmão e logicamente, um ex-filho de seu pai. O irmão mais velho julgou e condenou o irmão ‘nº19’ a uma morte definitiva, eterna, sem ressurreição. O irmão ‘nº19’ morreu sob a condenação do irmão ‘nº1’, morreu como um ex-irmão. No definitivo julgamento do irmão nº 1, o irmão nº 19 não voltará nunca mais, pois ele era um rebelde. Ele era um apóstata.

O irmão “nº1”, sequer levou em consideração o fato de que ESTAVA ENSINANDO UMA MENTIRA, e que ele mesmo, como SINCERO defensor da verdade, JULGA E CONDENA OUTROS QUE FIZERAM e fazem exatamente A MESMA COISA, ou seja, os que ensinavam mentiras e impunham "suas mentiras" a outros, usando o poder condenatório da pena de morte, exatamente por estarem na posição de "autoridade". O irmão nº1 condena outros a uma morte eterna enquanto absolve a si mesmo pela prática do mesmo erro?? Ao ser pego ensinando uma “MENTIRA”, que reação se esperaria do SINCERO defensor da “VERDADE”?? Humilhou-se e envergonhou-se como a SINCERIDADE assim o exigia?? Um autêntico defensor da verdade se humilharia e se arrependeria. Lamentaria profundamente; bateria na coxa. No entanto, a contínua atitude do irmão nº1 contra o irmão nº19 revelaram e revelam a resposta. Arrependeu-se e depois desculpou-se publicamente por ter erroneamente rotulado seu irmão nº19 de apóstata e de tê-lo expulso de casa?? Certamente, não o fez. De forma contrária, continua a falar contra o irmão nº19. Mantêm seu julgamento de morte eterna contra o irmão nº19. Se depender dele, o irmão nº19 nunca voltará a vida, nunca.

Que “valor” foi atribuído pelo irmão ‘nº1’ à “vida” do irmão ‘nº19’??? Que “valor” foi atribuído à “verdade”??? Que “valor” foi atribuído à “obediência ao irmão ‘nº1’”??? Que valor foi atribuído à "autoridade do irmão nº1"???

O irmão ‘nº1’ expressou e impôs o seu julgamento definitivo ao irmão ‘nº 19’, tendo se tornado o JUIZ de seu irmão. Para Jeová, todas as ovelhas são individualmente importantes - todas têm a mesma importância.

Os que são pastores, os que estão em "autoridade", como estão usando a sua autoridade de pastor?? Severidade e tirania são palavras comuns aos pastores. No entanto, será que o Pai aprova tal comportamento??

O que esperava Jeová dos pastores, isto é, dos reis, daqueles que estavam em autoridade?? Jeová responde: 4 Não fortalecestes as adoentadas, e não curastes a doentia, e não pensastes a quebrada, e não trouxestes de volta a dispersada, e não procurastes a perdida, porém, mantiveste-as em sujeição com severidade, sim, com tirania.

Jeová esperava que os pastores cuidassem das ovelhas. Jeová definiu e explicou o que era cuidar das ovelhas. Os em autoridade tinham a responsabilidade de cuidar dos súditos. No lugar de cuidar dos súditos, todos os reis humanos sugavam coisas dos súditos para si próprios. Sugavam das ovelhas a gordura e a lã. Destruíam ovelhas, espalhavam as ovelhas. Julgavam as ovelhas como destituídas de qualquer valor. Severidade e tirania estavam em destaque no tratamento dado as ovelhas. Um alto grau de insensibilidade havia nestes pastores.

Estes reis e governantes achavam que sua autoridade estava acima de tudo e de todos, e por isso, exerciam sua autoridade com tirania. Este era o modelo que os apóstolos e quaisquer outros discípulos não deviam copiar. “Não é assim entre vós”, afirmou o Mestre.


TIRANIZAR v.t. Governar com tirania: o rei tiranizava os súditos. / Exercer autoridade opressiva sobre: tiranizar a mulher, os filhos. / Fig. Exercer um poder moral absoluto: tiranizar as consciências. / Fig. Opor obstáculos ao bom funcionamento ou desenvolvimento de; embaraçar, constranger: tradições que tiranizam sociedades.


TIRANO s.m. Antig. gr. Soberano investido de poderes absolutos: Hiparco foi tirano de Atenas. / Soberano injusto, cruel: Nero tornou-se um tirano. / Pessoa que abusa de sua autoridade: os pais não se devem transformar em tiranos. / Fig. Aquilo que escraviza e tortura moralmente: o amor é um tirano dos corações. / Zoologia Pássaro americano da família dos tiranídeos, insetívoro e canoro. /

Adj. Tirânico, despótico; cruel: não se submete a tiranos preceitos.

Não é assim entre vós, foi a ordem de Jesus: (Marcos 10:42-45) 42 Mas Jesus, depois de chamá-los a si, disse-lhes: “Sabeis que os que parecem estar governando as nações DOMINAM sobre elas, e seus grandes EXERCEM AUTORIDADE sobre elas. 43 NÃO É ASSIM ENTRE VÓS; mas quem quiser tornar-se grande entre vós, terá de ser o vosso ministro, 44 e quem quiser ser o primeiro entre vós, tem de ser o escravo de todos. 45 Pois até mesmo o Filho do homem veio, não para que se lhe ministrasse, mas para ministrar e dar a sua alma como resgate em troca de muitos.”
Em lugar de ser tirano com a ovelha, dê a sua vida pela ovelha, mesmo a ovelha que muito erra e que discorda de você; isto foi o que Jesus fez, ele tanto falou como mostrou como se faz. O sacerdote dava uma vida animal em troca da vida de um humano condenado a morte. A ovelha errou e merece a morte, se condenou à morte - dê a sua vida como resgate por ela. Quem está disposto a dar sua vida para resgatar uma ovelha, certamente não será capaz de tiranizá-la. A ovelha é um tesouro muito valioso que pertence a alguém muito importante e que foi-lhe entregue para você tomar conta, cuidar e zelar até o retorno deste importante proprietário.

Ovelhas” expulsando “ovelhas” do pasto - As palavras do Criador são: (Ezequiel 34:17-24) 17 “‘E quanto a vós, MINHAS ovelhas, assim disse o Soberano Senhor Jeová: “Eis que julgo entre ovídeo e ovídeo, entre os carneiros e os cabritos. 18 É algo de somenos importância para vós apascentardes a vós mesmos no melhor dos pastos, mas pisardes o resto dos vossos pastos com os vossos pés, e beberdes água pura, mas sujardes a que sobra, batendo com os vossos próprios pés? 19 E quanto às MINHAS ovelhas, devem elas pastar no pasto pisado pelos vossos pés e devem elas beber a água tornada suja pelo bater de vossos pés?” 20 “‘Portanto, assim lhes disse o Soberano Senhor Jeová: “Eis aqui estou, eu mesmo, e HEI DE JULGAR entre o ovídeo gordo e o ovídeo magro, 21 visto que continuastes a empurrar com o lado e com o ombro, e visto que continuastes a marrar com os vossos chifres a todas as adoentadas até que as tínheis espalhado para fora.22 E EU vou salvar as MINHAS ovelhas e elas não mais se tornarão algo a ser saqueado; e vou julgar entre ovídeo e ovídeo. 23 E vou suscitar sobre elas um só pastor e ele terá de apascentá-las, sim, meu servo Davi. Ele mesmo as apascentará e ele mesmo se tornará seu pastor. 24 E EU  mesmo, Jeová, me tornarei seu Deus, e meu servo Davi, maioral no meio delas. EU, Jeová, é que falei.

Certamente esta não é uma atitude de uma ovelha autêntica. Ovelha autêntica não é agressiva nem na hora da sua própria morte. As ovelhas expulsas do rebanho, embora sejam desprezadas por ovelhas do rebanho, continuam a ser ovelhas de Jeová. Jeová continua a chamá-las de MINHAS OVELHAS e diz mais: E Eu vou salvar as MINHAS ovelhas. Diz ainda mais Jeová: "Vou julgar entre minhas ovelhas que fazem vítimas e minhas ovelhas que são vítimas".


Vocês são minhas ovelhas: (Ezequiel 34:31) 31 “‘E no que se refere a vós, MINHAS ovelhas, ovelhas do MEU pasto, vós sois homens terrenos. Eu sou vosso Deus’, é a pronunciação do Soberano Senhor Jeová.”

Jeová, o Pai, é o dono das ovelhas. É o dono do pasto (comida). Jeová é o dono da “verdade”. Jeová é a verdade, a fonte da verdade.

Jesus, o Pastor escolhido por Jeová assim falou: (João 10:7-15) 7 Portanto, Jesus disse  de novo: “Digo-vos em toda a verdade: EU sou a porta das ovelhas. 8 TODOS os que vieram em meu lugar são ladrões e saqueadores; mas as ovelhas não os têm escutado. 9 Eu sou a porta; todo aquele que entrar por mim será salvo, e entrará e sairá, e achará pastagem. 10 O ladrão não vem a não ser para FURTAR, E MATAR, E DESTRUIR. Eu vim para que tivessem vida e a tivessem em abundância. 11 EU sou o pastor excelente; o pastor excelente ENTREGA A SUA ALMA em benefício das ovelhas.12 O empregado, que não é pastor e a quem não pertencem as ovelhas como suas próprias, observa o lobo vir e abandona as ovelhas, e foge — e o lobo as arrebata e espalha — 13 porque é um empregado e não se importa com as ovelhas. 14 EU SOU O PASTOR EXCELENTE, e conheço as minhas ovelhas e as minhas ovelhas conhecem a mim, 15 assim como o Pai me conhece e eu conheço o Pai; e ENTREGO A MINHA ALMA em benefício das ovelhas.

Todos os pastores (reis, juízes e sacerdotes de Israel) anteriores a Jesus já haviam realizado suas obras. FURTAR, MATAR E DESTRUIR – estas foram as obras de todos os pastores antes de Jesus. Nenhum deles havia entregue a própria alma em benefício das ovelhas. Estes não encaravam as ovelhas como individualmente importantes - tão importantes quanto eles.

Jesus sempre falou 100% “verdade”. O que falou Jesus, o “Pastor excelente”, para os desobedientes?? Enquanto outros pastores condenavam os que se rebelassem contra suas palavras, Jesus, o modelo dos pastores, afirmou que aquele que o ouvisse e se rebelasse contra a palavra falada por ele, não seria condenado por ele. Eu não o julgo, afirmou Jesus. A atitude de Jesus é 100% oposta a atitude dos demais pastores. Assim usou Jesus a "autoridade" que lhe foi dada: (João 12:46-48) 46 Eu vim como luz ao mundo, a fim de que todo aquele que depositar fé em mim não permaneça na escuridão. 47 Mas, se alguém OUVIR as minhas declarações E NÃO AS GUARDAR, EU NÃO O JULGO; pois não vim julgar o mundo, mas salvar o mundo. 48 Quem me desconsiderar e não receber as minhas declarações, tem quem o julgue. A PALAVRA que eu tenho falado é que o julgará no ÚLTIMO DIA;

A “VERDADE” QUE EU (Jesus) TENHO FALADO é que o julgará no “último dia”. EU NÃO O JULGO. Jesus deu a sua vida pelas ovelhas - não tirou a vida de nenhuma ovelha, nem mesmo da ovelha rebelde.

Jesus, o Instrutor de todos nós, autoridade maior que todos os seus apóstolos e discípulos, nos deu a seguinte ORDEM: (Mateus 7:1-5) 7PARAI DE JULGARpara que não sejais julgados; 2 pois, COM O JULGAMENTO COM QUE JULGAIS, VÓS SEREIS JULGADOS; e com a medida com que medis, medirão a vós. 3 Então, por que olhas para o argueiro no olho do teu irmão, mas não tomas em consideração a trave no teu próprio olho? 4 Ou, como podes dizer a teu irmão: ‘Permite-me tirar o argueiro do teu olho’, quando, eis que há uma trave no teu próprio olho? 5 Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu próprio olho, e depois verás claramente como tirar o argueiro do olho do teu irmão.

PARAI DE CONDENAR - TODOS os apóstolos e TODOS os discípulos de Jesus têm de obedecer a esta ordem. Não foi um pedido de Jesus; foi uma ordem, uma sábia ordem àqueles que sempre erram, sempre erram. "Alunos de Jesus" não estão autorizados a julgar, nem a punir seus iguais. Ao contrário, estão proibidos de fazê-lo.

Esta ordem de Jesus não é obedecida nem pelos pastores e nem pelas ovelhas. Isto é rebeldia - isto é apostasia contra a palavra que saiu da boca de Jesus, a autoridade. Foram criados novos costumes, aqueles não praticados por Jesus, o Mestre. Foram rotulados de “a coisa certa a ser feita”. O resultado prático da desobediência à ordem de Jesus revela-se trágico para quem condena e puni outros.

Trarei teu procedimento sobre a tua própria cabeça; com o julgamento com que julgastes, tu serás julgado, foi a promessa de Jesus. A condenação que deres a outros retornará contra ti. O que ele sentiu, tu também sentirás. O valor que atribuíste a teu irmão será o mesmo valor atribuído a você.

No lugar de você se preocupar com o pecado de outro humano, preocupe-se com o seu pecado. Com estas palavras, Jesus deixa claro que pecador não tem o direito, a capacidade, não tem a visão apropriada para condenar outro pecador. Se ele o fizer se tornará um hipócrita. Todos os humanos são pecadores. Logo, a penalidade que dermos para qualquer pecador será a mesma que estamos dando para nós mesmos.

Todos os pecados têm o mesmo peso e para todo e qualquer pecado a penalidade é a mesmíssima morte, seja lá quem for o pecador. No entanto, somente o Criador tem o direito de trazer punição sobre suas criaturas, somente Ele. Somente Ele pode agir qual vingador. Ele assim o determinou e depois nos informou através de Jesus.

Quanto a ovelha estar espancando outra ovelha, escravo espancando outro escravo, qual foi a palavra de Jesus?? Assim falou Jesus: (Mateus 24:48-51) 48 “Mas, se é que aquele escravo mau disser no seu coração: ‘Meu amo demora’, 49 E PRINCIPIAR A ESPANCAR OS SEUS CO-ESCRAVOS, e a comer e beber com os beberrões inveterados, 50 o amo daquele escravo virá num dia em que não espera e numa hora que não sabe, 51 e O PUNIRÁ COM A MAIOR SEVERIDADE e lhe determinará a sua parte COM OS HIPÓCRITAS. Ali é onde haverá o [seu] choro e o ranger de [seus] dentes.

Jesus não disse: “Vocês expulsarão pessoas dos vossos locais de estudo e reunião”.

Jesus não disse: “Vocês odiarão as pessoas”.

Jesus não disse: “Não se sente para comer com pecadores”.

Jesus não disse: “Não se misture com o iníquo”.

Jesus não disse: “Despreze o iníquo”.

As afirmações de Jesus foram 100% opostas a todas as afirmações acima e suas ações acompanhavam as suas palavras, pois Jesus não era hipócrita.

Os “pecadores” com os quais Jesus se misturava, sentava e comia, eram seus irmãos judeus, todos adoradores do mesmo Deus e Pai. Era um relacionamento entre irmãos, irmãos judeus, devidamente circuncidados, descendentes de Judá, filho de Jacó, filho de Isaque, filho de Abraão. Os outros pecadores seriam ajuntados depois.

Qual foi o maior poder demonstrado por Jesus? Será que foi o de ressuscitar mortos? Será que foi o de curar cegos de nascença? Será que foi o de curar a distância? Será que foi o de fazer parar uma tempestade só com um simples: cala-te? Não, não foi nenhum destes. Mesmo sendo Autoridade e sendo super poderoso, o maior poder demonstrado por Jesus foi o de perdoar "todos" os pecados de todos os que o ofendiam ou ofendiam o Pai, foi perdoar o pecado daqueles que não tinham nenhuma autoridade e nenhum de tais poderes. Nenhum outro humano em autoridade tinha usado tal poder com esta intensidade. Nenhum deles tinha esta capacidade, não tinham este "poder".

Na anterior lei dada por Moisés e obedecida pelo povo, julgar, condenar e matar pecadores era estar fazendo a vontade de Jeová. Moisés determinou que a vingança era um direito da vítima e que Jeová era o legislador que havia criado tal lei. (25/09/11) O povo escolhido tinha o direito a retribuir o mesmo mal ao agressor ou a receber uma compensação do agressor pelo mal que ele tenha causado. Este era o direito da vítima. No entanto, na nova lei dada por Jeová através de Jesus é expressamente proibida a vingança e o julgamento. Na nova lei dada por Jeová através de Jesus, o aluno recebeu o grandioso poder de PERDOAR. Na nova lei dada por Jeová através de Jesus, a vítima não tinha mais o direito de vingar-se ou de exigir a justa compensação do agressor pelo mal sofrido. A vítima tinha de perdoar todo e qualquer mal sofrido; esta é a ordem de Jeová para o discípulo de Jesus.

Que valor tem esta nova lei dada por Jeová através de Jesus, para mim?? É a única válida para todos os alunos de Jesus. Ele foi o exemplo perfeito em lha obedecer. Nos dias de Jesus muitos ficaram surpresos com esta “nova lei”, no entanto, esta era a “verdadeira lei” mesmo nos dias de Moisés.


DEPOIMENTO DO AMADO IRMÃO DANIEL MOLCHAN, UM SUPERINTENDENTE ZONAL EM VISITA AO BETEL BRASIL.

ESTA MATÉRIA FOI POSTULADA NA INTERNET, PROVAVELMENTE ENVIADA POR UM CASAL QUE TRABALHA NO BETEL BRASIL (AILTON E DAG.), PARA SEUS SOBRINHOS (KELY E SEBÁ), QUE TAMBÉM FAZEM PARTE DO REBANHO.

O diálogo e a informação que se segue, são oficiosas e os nomes podem ou não ser verdadeiros. Data provável - fev 2008.

Neste diálogo, podemos observar a decisão de pena de morte imposta ao irmão "nº19", assim como também a posição do irmão "nº1" ao descobrir que o irmão "nº19" falava a verdade, assim como também sua posição atual quanto ao irmão "nº19" mantendo seu julgamento ao irmão "nº19".

Vejamos o diálogo onde expor uma mentira foi e ainda é considerado como apostasia.

Início do diálogo

Olá, queridos sobrinhos Kely e Sebá!

Que bom que continuam como felizes instrumentos nas mãos de Jeová em favor da congregação e da obra do Reino.

Aproveitamos para transmitir a vocês a consideração do texto de hoje, sábado dia 9, feita pelo superintendente zonal, o irmão Daniel Molchan, que está visitando Betel nesses dias. Vejam:

Dan. 12:4 = 'o verdadeiro conhecimento se tornará abundante'.

Quanto conhecimento temos que Daniel não tinha!

Daniel sabia que viria o 'descendente', mas nós sabemos que foi Cristo Jesus.

Daniel sabia sobre o Reino vir destruir os governos humanos, mas nós sabemos que ele teve início em 1914.

Sabemos muitas outras coisas que Daniel não sabia.

Por exemplo, sabemos que haverá ressurreição dos justos e injustos.

Temos mais informações sobre o Reinado Milenar de Cristo.

O próprio arranjo da congregação cristã atualmente.

Daniel não sabia.

Temos tal conhecimento por meio de nossos próprios esforços pessoais? Não.

Todo esse conhecimento vem por meio do canal que Jeová usa, seu "escravo fiel e discreto", composto de todos os cristãos ungidos.

O porta-voz do "escravo" é o Corpo Governante, que é composto de nove (9) irmãos de cinco países diferentes.

O Corpo Governante supervisiona todo o suprimento de alimento espiritual.

Supervisiona o trabalho de Redação e Tradução da Bíblia e publicações bíblicas.

Todo esse trabalho resulta em conhecimento abundante.

Qual é a nossa atitude para com o "escravo fiel e discreto"?

Queremos apoiar de modo leal e fiel essa classe e seguir bem de perto suas instruções.

Queremos esperar pacientemente pelo alimento espiritual que ele nos provê.

Não queremos nos adiantar ao alimento espiritual provido pelo "escravo".

Exemplo: Na década de 50 um casal de irmãos se dedicou a fazer uma pesquisa sobre Romanos 13, a respeito das autoridades superiores. Chegaram à conclusão de que tais autoridades superiores não eram Jeová e Jesus, como ensinava a classe do "escravo", mas sim as autoridades governamentais desse mundo. O que fizeram?

Falaram com os anciãos e escreveram para o Escritório da sede. Porém, não ficaram satisfeitos com a resposta que receberam. Ao invés de esperarem pelo "escravo", passaram a se empenhar numa campanha em prol de sua descoberta, falando a outros na congregação, escrevendo cartas para outros irmãos, etc. Em seguida, foram desassociados por apostasia.

Depois de alguns anos, em 1962, foi dado um anúncio no Congresso de Distrito de que havia sido feito um ajuste no entendimento de Romanos 13, no sentido de que as autoridades superiores eram realmente os governos do mundo. Esse era o mesmo entendimento que o casal teve anos atrás. Mas onde estava agora esse casal? Estavam desassociados. O motivo: por não esperar o alimento espiritual no tempo apropriado provido pela classe designada por Jeová e Jesus, o "escravo fiel e discreto". Seu erro foi não reconhecer o canal de Jeová para providenciar o alimento espiritual.

Assim, sejamos leais ao "escravo" a fim de continuar a usufruir do abundante conhecimento de que Daniel profetizou.

São muitos os benefícios de nos submeter ao canal que Jeová usa hoje para supervisionar a obra mundial.

Impressionante, não é?

No final, ele proferiu algumas palavras de despedida, pois foi sua última consideração matinal para a Família de Betel do Brasil, mas ainda deverá proferir o discurso amanhã, domingo dia 10, na Reunião Especial que será feita no Salão do Reino de Betel e transmitida para os 24 Salões de Assembléias no país. Cremos que deverá alcançar mais de 100 mil pessoas desta vez. Vamos ver...

Um forte abraço de seus tios corujas,

Ailton e Dag.

Fim do diálogo


É realmente muito impressionante. Quanta vergonha! Quanta vergonha! Quanta vergonha!

Todos somos “testemunhas” destas coisas, destes frutos. As nações também o são. Os rotulados de iníquos são testemunhas destas coisas, afinal, estamos em um grande palco. Todos os anjos também são testemunhas destas coisas. Este "fato" já faz parte da história. Não pode ser desfeito. Já aconteceu, já está na memória de Jeová. O irmão mais velho não consegue enxergar seus próprios erros; não vê motivos para se humilhar.

Quando o fizer”, certamente se envergonhará muito.

Como será que o Pai encara este assunto de ex-filho e de ex-irmão e de ex-ovelha?

Podemos julgar e condenar o irmão “nº1”??? Não. Não podemos seguir o exemplo do irmão "nº1", antes, devemos seguir o exemplo de Jesus. Não somos juízes. Somos ovelhas. As ovelhas recebem o tratamento que é dado a elas pelos pastores e não revidam. Obedecem a ordem de Jesus: “Esqueçam a ‘justa retribuição’ pelo erro” - “Quem te esbofetear a face direita, oferece-lhe também a outra”. Esta nova lei dada por Jeová através de Jesus é válida para as ovelhas.

Não devemos repetir o mesmo erro cometido pelo irmão mais velho e outros, “quando estavam no poder”. Devemos obedecer à ORDEM de Jesus: “Parai de julgar”; “Parai de condenar”; “Persisti em livrar”. O INSTRUTOR de todos nós é Jesus.

Continuará o irmão "nº1" a adotar a mesma atitude tida no passado?? A história continuará a registrar os atos praticados. Hoje, com atos pessoais, somos nós que fazemos a história. Se, na defesa da "VERDADE", a palavra SAÍDA da boca de Jeová ou a palavra SAÍDA da boca de Jesus, recebermos tratamento igual ao dado ao irmão "nº19", como devemos nos sentir??

Sem dúvida, ficaremos entristecidos pela atitude do irmão 'nº1'. Entretanto, ficaremos muito alegres por sermos mortos na defesa da "verdade". Jesus disse: "alegrai-vos".

Não tenhamos medo da "morte". Antes, tenhamos AMOR à "verdade". Tenhamos acima de todas as outras coisas, amor à fonte da verdade, Jeová. Temos de manter a máxima atenção para não apostatarmos ou não nos rebelarmos contra as palavras saídas da boca de Jeová e/ou da boca de Jesus. Não tenhamos medo do irmão "nº1" e da sua autoridade. Continuemos também a amar nosso irmão "nº1" com redobrada intensidade. Continuemos a amar também os demais irmãos que de forma obediente ao irmão "nº1" vierem a nos tratar como "mortos", dando-nos o seu desprezo e aversão.

Se ele trata assim o seu irmão a quem ele ama, que afirma amar, como será que tratará àqueles que ele não vê como sendo seus irmãos??


Em 22/09/09, o irmão nº1 condenou à morte mais um “apóstata dos ensinos do irmão nº1”, e no dia 30/09/09 anunciou a sua morte. Não fale sobre estes teus ensinos a ninguém, havia ordenado o irmão nº1. Segundo o irmão nº1, este é mais um que está condenado a morte eterna, é mais um que não entrará no reino dos céus. É mais um que foi entregue a Jeová como “julgado” a morte eterna, como “condenado” a morte eterna, para Jeová agir apenas como carrasco. Quem sentar para comer ou sequer cumprimentar a este condenado por apostasia, também será julgado e condenado – afirma o irmão nº1 para os demais irmãos. E assim todos os demais irmãos passam a ser partícipes deste julgamento e condenação, agindo como carrascos. O juiz profere sua decisão judicial e todos os que lhe estão submissos têm a obrigação de obedecer. A desobediência também lhes trará a mesma morte.

No Dia do Juízo, tanto o irmão Daniel Molchan (superintendente zonal) quanto todos os demais, poderão conversar alegremente com o casal em questão que foi desassociado por apostasia, ou seja, por deslealdade ao "escravo fiel e discreto". Todos estes juízes também estarão lá observando o resultado final de suas decisões judiciais.


Quem não amar, não chegou a conhecer a Deus, porque Deus é amor.



Foi dito por Jeová em relação a Jesus muito tempo antes de sua vinda: (Deuteronômio 18:18-19) 18 Suscitar-lhes-ei do meio dos seus irmãos um profeta semelhante a ti; e deveras porei as MINHAS palavras na sua boca e ele certamente lhes falará TUDO o que eu lhe mandar. 19 E tem de dar-se que o homem que não escutar as minhas palavras que ele falar em meu nome, deste eu mesmo exigirei uma prestação de contas.

Assim falou Jesus a respeito de si mesmo: (João 14:10) 10 Não acreditas que eu esteja em união com o Pai e que o Pai esteja em união comigo? As coisas que vos digo não falo da minha própria iniciativa; mas o Pai, que permanece em união comigo, está fazendo as suas obras. (João 12:49-50) 49 porque não falei de meu próprio impulso, mas o próprio Pai que me enviou tem-me dado um mandamento quanto a que dizer e que falar. 50 Sei também que o seu mandamento significa vida eterna. Portanto, as coisas que eu falo, ASSIM COMO o Pai mas disse, assim [as] falo."

Embora reconheçamos a autoridade de Jesus, assim foi dito em relação a ele, depois de sua morte: (Revelação 19:11-13) 11 E eu vi o céu aberto, e eis um cavalo branco. E o sentado nele chama-se Fiel e Verdadeiro, e ele julga e guerreia em justiça. 12 Seus olhos são chama ardente e na sua cabeça há muitos diademas. Ele tem um nome escrito que ninguém conhece, exceto ele mesmo, 13 e está vestido duma roupa exterior manchada de sangue, e o nome pelo qual é chamado é A PALAVRA DE DEUS.

Jesus repetiu exatamente aquilo que ouviu de Jeová sem modificar nem mesmo uma única vírgula e por isso foi chamado de "A Palavra de Deus", ou seja, o Porta-voz que repetiu exatamente aquilo que ouviu do Pai, um servo que cumpriu verdadeiramente a função de "profeta". Então, tudo o que Jesus nos ordenou, são ordens que saíram da mente e boca de Jeová.

Não seguir as ordens de Jesus, é não estar seguindo as ordens de Jeová. Afrontar a mínima ordem de Jesus é afrontar a palavra que saiu da mente e boca de Jeová.

As palavras que saíram da boca de Jesus são para "mim", uma prioridade em relação às palavras que saíram da boca de quaisquer alunos de Jesus?? Quando Jesus ordena que os alunos façam algo e um dos alunos ordena que seja feito de forma diferente, o que fazer?? Quando a palavra de um dos alunos de Jesus rivaliza com a palavra de Jesus, o que devo fazer?? Assim pediu Jesus para os alunos: (João 14:15-16) 15 “Se me amardes, observareis os MEUS mandamentos; 16 e eu solicitarei ao Pai e ele vos dará outro ajudador para estar convosco para sempre,. . . (João 14:21) 21 Quem tem os MEUS mandamentos e os observa, este é o que me ama. Por sua vez, quem me ama, será amado por meu Pai, e eu o amarei e me mostrarei claramente a ele.” (João 15:9-10) . . .. 10 Se observardes os MEUS mandamentos, permanecereis no meu amor, assim como eu tenho observado os mandamentos do Pai e permaneço no seu amor.
Os alunos que ouviram as palavras saídas diretamente da boca de Jesus não poderiam aceitar palavras contrárias vindas de qualquer outro aluno, afinal, obedecer às palavras de Jesus é uma questão de amor por ele. A lição dada por Jeová no caso do "profeta sem nome," que, aceitou a palavra de outro profeta, palavra que rivalizava com a palavra saída da boca de Jeová, palavra que fora falada diretamente a ele, deixa bem claro o perigo de tal atitude.

Embora fosse uma necessidade física, a palavra saída da boca de Jeová, a ordem de Jeová, tinha sido bem clara: "não coma nada nas terras do reino de Israel, você só poderá comer pão quando voltares às terras do reino de Judá". A punição dada por Jeová a este "profeta sem nome" foi mais severa do que a punição dada a Jeroboão, o adorador de bezerros, a quem o "profeta sem nome" levava a palavra de Jeová. Esta lição está registrada em 1Reis 12:31-13:32.

Assim falou Jesus diretamente a seus alunos: (Lucas 12:47-48) 47 Então, aquele escravo, que entendeu a vontade de seu amo, mas não se aprontou, nem fez em harmonia com a sua vontade, será espancado com muitos golpes. 48 Mas aquele que não entendeu, e assim fez coisas que merecem golpes, será espancado com poucos. Deveras, de todo aquele a quem muito foi dado, muito se reclamará dele; e a quem encarregaram de muito, deste reclamarão mais do que o usual.
E os alunos haviam perguntado sobre a outra ilustração feita por Jesus quanto a estar sempre pronto: dizes esta ilustração a nós ou a todos? Assim, Jesus deixou bem claro que "eles" é tinham recebido muito, e a eles é que se havia encarregado muito. Esta foi a pergunta feita pelos alunos: (Lucas 12:41) 41 Pedro disse então: “Senhor, dizes esta ilustração a nós ou também a todos?”


Você meu aluno, me reconheça como único modelo, ordenou Jesus. SÓ FAÇAM AQUILO QUE EU FIZ. SÓ FAÇAM AQUILO QUE EU MANDEI FAZER. De forma individual, os alunos reconhecem a Jesus como único modelo, e consequentemente, só fazem aquilo que Jesus ordenou. Fazendo assim, individualmente obedecem ao Pai. Sabem que serão cobrados individualmente pelo Pai quanto a se obedeceram às palavras saídas da boca de Jesus, o Seu verdadeiro profeta, ou às palavras de qualquer aluno de Jesus. Lembram-se da lição do "profeta sem nome".

Ouçamos agora a pergunta de nosso amado irmão Tiago, àquele que julga seu irmão: (Tiago 4:11-12) 11 Cessai de falar uns contra os outros, irmãos. Quem falar contra um irmão ou julgar seu irmão fala contra a lei e julga a lei. Ora, se tu julgas a lei, não és cumpridor da lei, mas juiz. 12 Há um que é legislador e juiz, aquele que é capaz de salvar e de destruir. MAS TU, QUEM ÉS TU PARA JULGARES O [TEU] PRÓXIMO?

Que o nosso amado irmão “nº1” responda a esta pergunta.


Início desta página