JEOVÁ JÁ SABIA O QUE O POVO FARIA





Se Jeová já sabia que seu povo violaria o primeiro pacto, e que o segundo pacto seria superior, por que o fez mesmo assim?




Jeová sabia que seu povo violaria seu pacto? Sim, sabia. Jeová até lhes compôs e deu um cântico para servir de testemunha contra seu amado povo escolhido. As palavras saídas da boca de Jeová foram: (Deuteronômio 31:19-21) 19 “E agora, escrevei para vós este cântico e ensinai-o aos filhos de Israel. Ponde-o nas suas bocas, para que este cântico sirva como minha testemunha contra os filhos de Israel. 20 Pois eu os levarei ao solo que jurei aos seus antepassados, que mana leite e mel, e certamente comerão e se fartarão, e engordarão e se virarão para outros deuses, e deveras os servirão e me tratarão com desrespeito, e violarão meu pacto. 21 E tem de dar-se que, vindo sobre eles muitas calamidades e aflições, então este cântico tem de responder diante deles como testemunha, pois não deve ser esquecido pela boca de tua descendência, porque bem sei a sua inclinação que hoje estão desenvolvendo antes de eu os introduzir na terra que lhes jurei.”

Muito tempo depois, quando estava próximo o tempo de aplicação da mais dura punição prevista, o Sábio Criador assim lhes falou através do porta-voz Isaías: (Isaías 48:3-7) 3 “Contei as primeiras coisas mesmo desde aquele tempo e saíram da minha própria boca, e eu fazia que fossem ouvidas. Repentinamente agi, e as coisas passaram a entrar. 4 Por eu saber que és duro e que a tua cerviz é um tendão de ferro e que a tua testa é cobre, 5 também eu te informava desde aquele tempo. Antes que pudesse entrar, fiz que [o] ouvisses, para que não dissesses: ‘Meu próprio ídolo as fez, e minha própria imagem esculpida e minha própria imagem fundida as ordenaram.’ 6 Tu ouviste. Observa tudo. Quanto a vós, não [o] contareis? Eu te fiz ouvir coisas novas do tempo atual, sim, coisas mantidas em reserva, que não conhecias. 7 Terão de ser criadas no tempo atual e não desde aquele tempo, sim, coisas de que antes de hoje não ouviste [falar], para que não digas: ‘Eis que eu já as conhecia.’

Parte das palavras saídas da boca de Jeová no monte Sinai, foram estas: (Levítico 26:41-43) 41 Eu, da minha parte, porém, passei a andar em oposição a eles e tive de levá-los à terra dos seus inimigos. “‘Naquele tempo talvez se humilhe o seu coração incircunciso e naquele tempo talvez saldem o seu erro. 42 E eu deveras me lembrarei do meu pacto com Jacó; e lembrar-me-ei até mesmo do meu pacto com Isaque e até mesmo do meu pacto com Abraão, e lembrar-me-ei da terra. 43 No ínterim, a terra foi deixada abandonada por eles e saldava os seus sábados, enquanto jazia desolada, sem eles, e eles mesmos saldavam seu erro, porque, sim, porque tinham rejeitado as minhas decisões judiciais e suas almas tinham abominado os meus estatutos.

Muito embora suas almas tivessem abominado os estatutos de Jeová, como o próprio Jeová havia previsto, o mesmo Criador Todo-Sábio garantiu a estes rebeldes que Ele não violaria o pacto, exterminando-os merecidamente. Antes, manteria o pacto. Foram estas as palavras saídas da boca de Jeová lá no monte Sinai: (Levítico 26:44-45) 44 E apesar de tudo isso, enquanto continuarem na terra dos seus inimigos, certamente não os rejeitarei, nem os abominarei a ponto de exterminá-los, para violar meu pacto com eles; pois eu sou Jeová, seu Deus. 45 E vou lembrar-me, em seu benefício, do pacto dos antecessores que fiz sair da terra do Egito sob os olhares das nações, para mostrar-me seu Deus. Eu sou Jeová.’”

Jeová garantiu continuar manter este pacto e puni-los quantas vezes fossem necessárias. Assim falou o Todo-Sábio Criador Jeová através de Ezequiel, seu porta-voz: (Ezequiel 20:32-37) 32 E aquilo que está subindo no vosso espírito positivamente não acontecerá, visto que dizeis: “Tornemo-nos iguais às nações, iguais às famílias das terras, ministrando à madeira e à pedra.”’” 33 “‘Assim como vivo’, é a pronunciação do Soberano Senhor Jeová, ‘será com mão forte, e com braço estendido, e com furor derramado que vou reinar sobre vós. 34 E vou fazer-vos sair dentre os povos e vou reunir-vos das terras às quais fostes espalhados com mão forte, e com braço estendido, e com furor derramado. 35 E vou fazer-vos entrar no ermo dos povos e pôr-me em julgamento convosco ali, face a face. 36 “‘Assim como me pus em julgamento com os vossos antepassados no ermo da terra do Egito, assim me porei em julgamento convosco’, é a pronunciação do Soberano Senhor Jeová. 37 E vou fazer-vos passar sob a vara e vou fazer-vos entrar no compromisso do pacto.

Quando voltarem à terra, após o exílio, vou continuar a puni-los, quando for necessário, assim continuou falando o próprio Jeová: (Ezequiel 20:42-44) 42 “‘E tereis de saber que eu sou Jeová, quando eu vos fizer chegar ao solo de Israel, à terra a respeito da qual levantei a minha mão [em juramento] de dá-la aos vossos antepassados. 43 E certamente vos lembrareis ali dos vossos caminhos e de todas as vossas ações com que vos aviltastes, e tereis realmente aversão às vossas próprias faces por causa de todas as vossas coisas más que fizestes. 44 E tereis de saber que eu sou Jeová, quando eu tomar ação contra vós por causa do meu nome, não segundo os vossos caminhos maus ou as vossas ações corruptas, ó casa de Israel’, é a pronunciação do Soberano Senhor Jeová.”

Segundo o próprio Criador, neste novo pacto, todos, sem exceção conheceriam a Jeová, pois a lei seria escrita nos corações. Certamente um pacto bem melhor. Sob este novo pacto, o ensino seria único e todos conheceriam a Jeová, fato que não acontecia sob o pacto anterior. Assim falou o Todo-Sabio Criador: (Jeremias 31:31-34) 31 “Eis que vêm dias”, é a pronunciação de Jeová, “e eu vou concluir um novo pacto com a casa de Israel e com a casa de Judá; 32 não um igual ao pacto que concluí com os seus antepassados no dia em que os tomei pela mão para os tirar da terra do Egito, ‘pacto meu que eles próprios violaram, embora eu mesmo tivesse a posse marital deles’, é a pronunciação de Jeová”. 33 “Pois este é o pacto que concluirei com a casa de Israel depois daqueles dias”, é a pronunciação de Jeová. Vou pôr a minha lei no seu íntimo e a escreverei no seu coração. E vou tornar-me seu Deus e eles mesmos se tornarão meu povo.” 34 “E não mais ensinarão, cada um ao seu companheiro e cada um ao seu irmão, dizendo: ‘Conhecei a Jeová!’ porque todos eles me conhecerão, desde o menor deles até o maior deles”, é a pronunciação de Jeová. “Porque perdoarei seu erro e não me lembrarei mais do seu pecado.”

O Todo-Sábio Criador garante a estes rebeldes a continuidade do relacionamento com o Criador, apesar de terem abominado os estatutos Dele e terem andado em oposição (inimigos) à Jeová. Afinal, o que mereciam os iníquos e os filhos de iníquos? Na visão do povo escolhido, não mereciam qualquer favor, benignidade, bondade, misericórdia ou qualquer perdão. Entretanto, o Criador que não abria mão da punição, iria perdoá-los de todos os seus erros e não se lembraria mais do seu pecado.

Era um relacionamento educativo, do qual se lembrariam e compreenderiam no futuro. Estas foram as palavras saídas da boca de Jeová: (Jeremias 23:16-20) 16 Assim disse Jeová dos exércitos: “Não escuteis as palavras dos profetas que vos profetizam. Eles fazem que vos torneis vãos. O que falam é a visão do seu próprio coração — não da boca de Jeová. 17 Dizem vez após vez aos que são desrespeitosos para comigo: ‘Jeová falou: “Paz é o que vós ireis ter.”’ E [a] todo aquele que anda na obstinação de seu coração disseram: ‘Nenhuma calamidade virá sobre vós.’ 18 Pois, quem estava de pé no grupo íntimo de Jeová para ver e ouvir a sua palavra? Quem deu atenção à sua palavra para ouvi-la? 19 Eis que certamente sairá o vendaval de Jeová, o próprio furor, sim, uma tormenta rodopiante. Rodopiará sobre a cabeça dos iníquos. 20 A ira de Jeová não recuará até que ele tenha executado e até que tenha realizado as idéias de seu coração. Na parte final dos dias dareis a isso vossa consideração com compreensão.

(Jeremias 30:23-24) 23 Eis que saiu de Jeová um vendaval, o próprio furor, uma tormenta impetuosa. Rodopiará sobre a cabeça dos iníquos. 24 A ira ardente de Jeová não recuará até que ele tenha executado e até que tenha realizado as idéias de seu coração. Na parte final dos dias vós lhe dareis a vossa consideração.

O resultado obtido com o primeiro pacto foi assim visto pelo Criador, que assim falou a respeito de seu povo: (Jeremias 5:1-2) 5 Percorrei as ruas de Jerusalém e vede, pois, e sabei e procurai vós mesmos nas suas praças públicas se podeis achar um homem, se existe alguém que pratique a justiça, alguém que procure a fidelidade, e eu perdoarei a ela. 2 Mesmo que dissessem: "Por Jeová que vive!" estariam com isso jurando pura falsidade, 

O resultado previsto pelo Criador em consequência do segundo pacto foi assim revelado pelo Criador: (Zacarias 13:8-9) 8 "E terá de acontecer em toda a terra", é a pronunciação de Jeová, "[que] duas partes nela serão decepadas [e] expirarão; e quanto à terceira [parte], será deixada sobrar nela. 9 E eu certamente levarei a terceira [parte] através do fogo; e eu realmente os refinarei como se refina a prata e os examinarei como se examina o ouro. Ela, da sua parte, invocará o meu nome, e eu, da minha parte, lhes responderei. Vou dizer: ‘É meu povo’, e ela, por sua vez, dirá: ‘Jeová é meu Deus.’"

Certamente pelo seu resultado, este novo pacto com sua nova motivação, prova ser um pacto melhor.

Um relacionamento a ser sentido pelo humano imperfeito, analisado e discutido. Tudo isso para uma análise futura, com compreensão.

Considere mais sobre este assunto em