NÃO PODE HAVER RICO NO REINO DE DEUS

Criada em 30/01/2010 Última alteração em 11/04/2016 às 07 : 50






POR QUE NÃO PODE HAVER RICO NO REINO DE DEUS??

PODE UM “JUSTO” SER POBRE E VIVER SOFRENDO CARÊNCIA??

PODE UM RICO SER UM HOMEM SANTO??



Para poder entrar no reino de Deus é necessário ser um discípulo de Jesus.

Para ser um discípulo de Jesus é necessário abrir mão de todas as posses, ou seja, é necessário ser igual a Jesus, ou seja, uma pessoa sem nenhuma posse.

Ele mesmo nos informou sobre esta imprescindível condição.

(Lucas 14:33) 33 Podeis estar certos, assim, de que nenhum de vós que não se despedir de todos os seus bens pode ser meu discípulo.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Lucas 14:33) 33 Assim, pois, todo aquele que dentre vós não renuncia a tudo o que possui, não pode ser meu discípulo.

Notamos a condição informada por Jesus para sermos discípulos dele??

Para poder pensar e falar, é imprescindível que a pessoa esteja viva.

De forma paralela, para poder ser discípulo de Jesus, é imprescindível a pessoa não ter nenhuma posse.

Ser “rico” é uma consequência, é a PARTE FINAL de um processo. Pode-se afirmar que ser “rico” é o FRUTO de uma árvore. DESEJAR ser “rico”, já é fruto de um determinado SENTIMENTO.

O rico não ama ao próximo como a si mesmo. Por quê??

O rico não é misericordioso. Por quê??

O que a “lei do reino de Deus” determina??

Rico – esta é a definição dada por certo dicionário:

ri.co 1. diz-se de quem tem muito dinheiro

  1. abundante; que tem muito de algo

Aquele que tem MUITO dinheiro.

Aquele que tem MUITO de algo.

RICO – sempre possui MUITO MAIS do que os demais.

PORQUE ELE TEM MAIS DO QUE OS OUTROS??

É a existência de abundância de cereais que fará um homem ficar rico??

Do lado oposto ao rico está o pobre.

Pobre esta é a definição dada por certo dicionário:

po.bre

  1. desprovido de recursos financeiros ou materiais, ou outros

  2. que está na pobreza

  3. que denota pobreza

Aquele que não tem.

Enquanto o rico tem muito, tem sobra, o pobre nada tem.

QUAL O “MOTIVO” DE O RICO TER MUITO?? QUAL O MOTIVO DELE TER MUITO MAIS DO QUE ELE NECESSITA??

QUAL O “MOTIVO” DO POBRE NADA TER?? QUAL O MOTIVO DELE NÃO TER NEM MESMO O QUE ELE NECESSITA PARA AQUELE DIA??

Muitas pessoas encaram como normal, esta convivência entre ricos e pobres. Alguns até mesmo atribuem o fato de alguém ser rico, a este ser abençoado por Deus. Automaticamente, o pobre, passa a ser visto como alguém que se não for amaldiçoado, pelo menos não tem a bênção de Deus. Logo, pode-se perceber que, PARA O HUMANO, o rico passou a ser uma classe superior, enquanto que o pobre passou a ser uma classe inferior.

RIQUEZA OU POBREZA - Qual dos dois estilos de vida é que Jeová olha com REPROVAÇÃO??

A CURTO, MÉDIO E LONGO PRAZO, PARA ONDE LEVARÁ O HUMANO, CADA UM DESTES DOIS MODOS DE VIDA??

Assim se expressou um salmista: (Salmos 37:25-26) 25 Eu era moço, também fiquei velho, E, no entanto, não vi nenhum justo completamente abandonado, Nem a sua descendência procurando pão. 26 O dia inteiro ele mostra favor e empresta, E por isso a sua descendência está para receber uma bênção.

Eu nunca vi um justo abandonado na pobreza; o “justo” empresta ao pobre. Que conceito forma a base para esta conclusão do compositor deste salmo??

Ter mais que suficiente; ter em abundância – esta é uma das características dos “justos”. O “justo” empresta ao pobre. Este era o sentimento geral do povo escolhido e amado de Deus, ou seja, “ter em abundância” representava ter a bênção de Deus, assim como o oposto, “nada ter”, representava não ter a bênção de Deus. O povo de Deus tinha estas duas afirmações como verdade: “Só recebe a bênção de Deus aquele que é “justo”. Deus não abençoa aquele que é “iníquo”; Ele não dá nada de bom para o iníquo”.

QUANTO MAIS “JUSTO” FOR O HOMEM, MAIS “RIQUEZA” ELE ARMAZENARÁ PARA SI.

Segundo o compositor deste salmo citado acima, o justo não sofre permanente carência, logo, segundo o compositor deste salmo, aquele que é pobre, isto é, aquele que sofre de permanente carência, não pode ser um justo. Isto seria contrário a regra segundo ele acreditava e vivia. Seria contrário àquela lógica existente dentro da sua mente, pois o justo é abençoado por Deus e acumula riqueza.

Depois de uma permanência de mais de quarenta anos no deserto, assim se expressou Moisés ao se despedir do povo escolhido pelo Rei: Ter a bênção de Deus significará ter muito, ter tanto, que os levaria a DOMINAR sobre muitas nações. (Deuteronômio 15:6) 6 Pois, Jeová, teu Deus, deveras te abençoará assim como te prometeu, e certamente emprestarás sob caução a muitas nações, ao passo que tu mesmo não tomarás empréstimo; e tens de DOMINAR sobre muitas nações, ao passo que elas não dominarão sobre ti.

O povo ABENÇOADO passará a ser um povo RICO que dominará sobre muitas nações.

A LÓGICA EXISTENTE NA MENTE DO HUMANO ERA: O recebimento de riquezas é DIRETAMENTE PROPORCIONAL a quantidade de justiça praticada pelo homem.

Não é pelo teu próprio poder que produzirás riquezas; Jeová é aquele que te dá poder para produzires riqueza – Estas foram as palavras de Moisés para o povo.

Assim verte a Tradução Brasileira: (Deuteronômio 8: 17-18) 17 Não digas no teu coração: A minha força e a fortaleza das minhas mãos me conseguiram estas riquezas. 18 Antes te lembrarás de Jeová teu Deus, porque é ele o que te dá forças para conseguires riquezas; a fim de que estabeleça ele a sua aliança, que prometeu com juramento a teus pais, como hoje se vê.

Só não podemos esquecer que é o humano quem pratica o verbo armazenar. É o humano quem armazena as coisas para si. É o humano quem toma a iniciativa de tomar posse de coisas existentes ao seu redor.

Aquele que tem uma coisa como posse sua, passa então a emprestar.

Emprestar – esta é a definição dada por certo dicionário (Houaiss): ceder temporariamente.

emprestar

v. (sXIII) 1 rg.mt. pôr à disposição; ceder temporariamente <e. o carro> <quem dá aos pobres empresta a Deus> <ela emprestou-lhe uma bela soma> <ela não gosta de e.> 2 t.d.bit. ceder a juros <a financeira (me) vai e. dinheiro> 3 t.d. B tomar por empréstimo <emprestou um vestido da mãe para ir à festa> 4 bit. fig. deixar marcado; imprimir, conferir; dar <e. significação dúbia a um gesto> ¤ etim em- + prestar ¤ sin/var ver sinonímia de prestar




Quem cede algo temporariamente mantém em si o sentimento de posse daquilo que ele cedeu e aguarda que lhe seja restituído, pois trata-se de algo que continua como sua posse. Continua existindo o sentimento de posse em relação a algo que está com outra pessoa. Se ele emprestou, isto significa que ele ainda não perdeu a posse sobre aquilo que ele cedeu para a outra pessoa.

Nesta terra, neste reino, o “justo” pratica o verbo EMPRESTAR. Além do mais, este justo ainda espera receber mais bênçãos exatamente por praticar o verbo emprestar.

Nesta terra, que qualificação recebe aquele que não paga o empréstimo?? Assim responde o humano que compôs este outro salmo: (Salmos 37:21) 21 O iníquo toma emprestado e não paga de volta, Mas o justo está mostrando favor e está dando presentes.

Assim verte a Tradução Almeida: (Salmos 37:21) 21 O ímpio toma emprestado, e não paga; mas o justo se compadece e dá.

É bem claro o sentimento que aquele que empresta, tem em relação àquilo que ele cedeu temporariamente.

Ele se mantêm apegado ao objeto emprestado. O sentimento de posse fala muito alto. Afinal de contas, aquilo que foi emprestado continua sendo dele. Surge assim um “direito” de receber de volta aquilo que lhe pertence.

Se a pessoa não devolver o que foi emprestado, passará a ser vista como um ímpio, como um iníquo.

Que sentimento tinham eles pelos ímpios, pelos iníquos?? Será que tais pessoas eram amadas?? Estas pessoas passavam a ser odiadas por não saldarem (devolverem) o empréstimo.

Praticar o verbo emprestar traz consigo diversos maléficos efeitos colaterais no relacionamento em grupo.

A terra herdada (presente do Rei) já era denominada como a “terra que mana leite e mel”, o ornato (adereço, enfeite, ornamento, adorno, peça vistosa) de todas as terras, certamente uma terra desejada por todos os que a vissem. Nesta terra já abençoada, quanto mais vocês tiverem, significa que mais bênçãos vocês estarão recebendo de Deus. A teoria gera sentimentos e expectativas. Com este sentimento e esta expectativa, os abençoados com grandes safras, as armazenavam e os que tinham muito, os que armazenavam mais, os que se tornavam ricos, certamente eram vistos como tendo a bênção de Deus. Dentro de um quadro assim e de uma expectativa como esta, onde é que já se viu alguém que vive mendigando pão, alguém que sofre permanente carência, ser uma pessoa abençoada por Deus? Isto seria totalmente oposto a regra. Neste caso, dentro desta premissa, pobre não tinha lugar no reino de Deus. Se ele está mendigando o pão é porque ele não é justo. Que pecado será que ele cometeu para estar nesta condição?? Esta é a conclusão lógica de um observador. O pobre seria usado para manter e/ou aumentar os tesouros do rico. Esta é a ordem natural das coisas, exatamente como se tem apresentado nas diversas gerações.

Neste caso, o reino de Deus, conforme representado por aquelas gerações, seria um reino de pessoas ricas, que em face da riqueza, dominariam sobre os demais reinos, que passariam a trabalhar para eles, levando o povo de Deus a continuarem a enriquecer por acumular cada vez mais, aumentando assim o seu domínio sobre muitas nações. Sendo o reino de Deus um reino de terras abençoadas e de pessoas abençoadas POR SEREM JUSTAS, automaticamente seria um reino de pessoas ricas. Pessoas ricas sempre têm pessoas pobres trabalhando para elas. Pessoas ricas precisam de escravos. O trabalho destes pobres tem como objetivo, aumentar a riqueza daquele que já é rico. Assim, os pobres são sempre dominados pelos ricos e usados por estes ricos como seus labutadores. Assim, o conceito de igualdade entre homem e homem é colocado debaixo do tapete. Os ricos impelem os seus labutadores a trabalharem cada vez mais. Nesta terra, os homens ricos raciocinam: Não é sem motivos que este homem seja um pobre!! Certamente, ele está “pagando” por seus pecados.

Os outros reinos eram constituídos de iníquos. Na visão dos abençoados, sendo iníquos aqueles demais povos, eles não receberiam a bênção de Deus, pois Deus não abençoa iníquos. Por não receberem bençãos de Deus, logicamente os demais povos iníquos seriam mais pobres do que o reino dos abençoados.

Este era o entendimento, o sentimento e a expectativa das gerações após Moisés, pois foram estas as palavras que foram semeadas em seus corações. A realidade vivida pelos israelitas dentro do Egito os havia feito vítimas de pessoas ricas. Durante quatrocentos anos, eles eram os escravos que trabalhavam para a manutenção e o aumento da riqueza do Egito. Durante estes anos eles eram os labutadores que eram impelidos a trabalhar, gerando riquezas aos egípcios.

Muitas gerações depois de Moisés, em um dia de punição da parte de Jeová, o Rei, assim se expressaram os ricos súditos do reino de Deus: (Salmos 79:8) 8 Não te lembres contra nós dos erros dos antecessores. Apressa-te! Confrontem-nos as tuas misericórdias, POIS EMPOBRECEMOS MUITÍSSIMO.

As bênçãos estavam diretamente relacionadas com a riqueza do povo. As palavras revelam os sentimentos. Estar pobre e viver na pobreza era encarado como CONSEQUÊNCIA de uma punição dada pelo Criador àquele que cometesse certos pecados.

O QUE ESTES HOMENS REVELAVAM TER COMO DESEJO EM SEUS CORAÇÕES?? NÃO ERA MANTER-SE NA CONDIÇÃO DE RICOS??

Da mesma forma, ter determinados tipos de doenças, era encarado como sendo um CASTIGO da parte de Deus pelo cometimento de determinados tipos de pecados. (João 9:1-3) 9 Ora, quando ia passando, viu um homem cego de nascença. 2 E seus discípulos perguntaram-lhe: “Rabi, quem pecou, este homem ou os seus pais, de modo que nasceu cego?3 Jesus respondeu: “Nem este homem pecou, nem os seus pais, mas foi para que as obras de Deus fossem manifestas no seu caso.



Com esta filosofia prevalecente, que sentimentos poderiam surgir pelos pobres, pelos deficientes físicos ou por aqueles que sofressem de uma grave doença como a lepra?? Respeito, consideração, admiração, misericórdia, amor??? Qual o real valor atribuído ao pobre?? Qual era o valor atribuído ao doente??? Qual era o valor atribuído ao deficiente físico?? Aquela condição não era uma retribuição pelos pecados praticados??? Se o próprio Deus o está punindo é porque ele assim o fez por merecer, não é verdade?? Eu tenho de ficar do lado de Deus, não é verdade??

Que sentimento pelos deficientes físicos revelou possuir certo servo de Deus?? Assim se fez registrar: (2 Samuel 5:6-8) 6 Por conseguinte, o rei e seus homens foram a Jerusalém contra os jebuseus que habitavam no país, e estes começaram a dizer a Davi: “Aqui não entrarás, mas os cegos e os coxos hão de repelir-te, pensando: “Davi não entrará aqui.” 7 Todavia, Davi passou a capturar a fortaleza de Sião, isto é, a Cidade de Davi. 8 De modo que Davi disse naquele dia: “Aquele que golpear os jebuseus estabeleça contato por meio do túnel de água tanto com os coxos como com os cegos que são odiosos para a alma de Davi!” Por isso é que se diz: “O cego e o coxo não entrarão na casa.”

Assim verte a Tradução Almeida: (2 Samuel 5:6-8) 6 Depois partiu o rei com os seus homens para Jerusalém, contra os jebuseus, que habitavam naquela terra, os quais disseram a Davi: Não entrarás aqui; os cegos e es coxos te repelirão; querendo dizer: Davi de maneira alguma entrará aqui. 7 Todavia Davi tomou a fortaleza de Sião; esta é a cidade de Davi. 8 Ora, Davi disse naquele dia: Todo o que ferir os jebuseus, suba ao canal, e fira a esses coxos e cegos, a quem a alma de Davi aborrece. Por isso se diz: Nem cego nem, coxo entrara na casa.

Será que este é o destino a ser dado aos coxos e aos cegos?? Deve-se sentir repugnância por tais pessoas e não achegar-se a eles e nem permitir que eles se acheguem a você?? Devem ser eliminados por serem odiosos?? Deveriam ser estes os sentimentos e estas as ações de um humano não deficiente em relação a um homem deficiente, ou seja, fisicamente incapacitado??

Aquele que se sente justo deve agir desta forma contra aqueles que ele considera iníquo??

Um filho doente ou um outro parente qualquer que não tivesse condição de ajudar o pai a produzir riqueza certamente era visto como alguém que gerava prejuízos, como alguém que, além de não produzir sua própria riqueza, ainda o impedia de produzir riquezas. Qualquer humano fisicamente incapacitado também seria visto desta forma. Sendo esta uma realidade, o que fazer com uma pessoa assim??

O pobre que nada produz poderia ser visto como a causa da redução da riqueza. Que espécie de SENTIMENTOS teriam os possuidores de riquezas por tais pobres que nada produziam?? Seriam eles um fardo gerador de prejuízos??

Para ser rica a pessoa tem de acumular muito de uma coisa ou acumular muitas coisas, pois para ser rico ele precisa ter coisas armazenadas. Ser rico está diretamente relacionado com o acumular, com o armazenar. RICO é aquele que pratica o verbo ARMAZENAR muito mais do que as demais pessoas a sua volta, e é exatamente por isso que ele é rico.

Em um reino abençoado com tamanha fartura, poderia existir alguém pobre?? O que o conceito de igualdade entre homem e homem pediria em uma situação como esta?? Poderia haver algum súdito que padecesse necessidade e que chegasse a morrer de fome?? E que dizer dos residentes forasteiros que fossem pobres?? O residente forasteiro é o mesmo que visitante, é aquele que não é natural do reino; ele está ali na condição de turista temporário ou permanente. Tudo o que acontecer com o turista é de responsabilidade do reino, dos súditos do reino. Poderia um visitante (residente forasteiro) neste reino abençoado com tamanha fartura, vir a morrer de fome?? Sendo este visitante um pobre estrangeiro que estivesse fugindo da fome em seu país, o que fazer com ele?? Deveriam ser deportados, isto é, expulsos de volta para seus países?? Tendo como desculpa a sobrevivência, os residentes forasteiros deviam ser transformados em escravos?? Transformá-los em escravos, em labutadores, deveria ser encarado como um ato de misericórdia?? Tens de dominar sobre as outras nações?? Este era o tipo de DOMÍNIO que desejam ter sobre todas as pessoas das outras nações iníquas?? Torná-los escravos, exigir tributos, tê-los a seus pés (abaixo) – era esta a espécie de domínio que desejavam?? Onde fica o conceito de igualdade entre homem e homem??

Alguém abençoado ainda poderia dizer: “Mas eles são homens iníquos, comprovadamente iníquos, logo, que igualdade pode existir entre homem justo e homem iníquo”??

Para os súditos do reino de Deus, assim falou Jeová, seu Rei, em um dia de cobrança: (Amós 5:11-13) 11 Portanto, visto que EXIGIS a renda agrícola daquele que é de condição humilde e continuais a tirar dele o TRIBUTO de cereais, construístes casas de pedras lavradas, mas não continuareis a morar nelas; e plantastes vinhedos desejáveis, mas não continuareis a beber seu vinho. 12 Porque sei quantas são as vossas revoltas e quão fortes são os vossos pecados, vós os que sois hostis ao justo, vós os que aceitais peita e QUE TENDES AFASTADO OS POBRES ATÉ MESMO NO PORTÃO. 13 Portanto, aquele que tiver perspicácia ficará quieto naquele tempo, porque será um tempo calamitoso.

Não só existiam homens pobres, como tais pobres eram forçados a trabalhar para o aumento do enriquecimento do rico, até mesmo pela cobrança do tributo, assim como também tais pobres eram afastados até mesmo no portão. Onde fica o conceito de igualdade entre homem e homem??

TRIBUTO – esta é a definição fornecida por certo dicionário:

tributo
[Do lat. Tributu.] Substantivo masculino. 1.Prestação monetária compulsória devida ao poder público; imposto. 2.Ant. Pagamento que um Estado é forçado a fazer a outro. 3.Fig. Inconveniência ou privação associada a determinada circunstância: A perda de privacidade é o tributo que se paga à fama. 4.Homenagem, preito: Seus ex-alunos prestaram-lhe um tributo póstumo.




OUTRO DICIONÁRIO apresenta a sua definição:

(tri.bu.to)

sm.

1 Imposto devido ao poder público; CONTRIBUIÇÃO; ENCARGO; TAXA.

2 Homenagem, louvor, consagração: Prestou tributo ao mestre.

3 Fig. Aquilo que se sofre ou concede por obrigação, dever, necessidade etc.; COMPENSAÇÃO; PREÇO: Todos pagam seu tributo à mocidade.

4 Ant. Imposto que um Estado ou província subjugada é obrigada a pagar ao dominador


[F.: Do lat. tributum e tributus,i Hom./Par.: tributo (fl de tributar)]



TRIBUTO NADA TEM A VER COM LIVRE-ARBÍTRIO, OU SERÁ QUE TEM?? O tributo era algo exigido, não era?? Não era fornecido de livre e espontânea vontade. Tributo não está na contramão do livre-arbítrio??

Ora, e se o tributo fosse cobrado e exigido de um iníquo cananeu, não seria pecado, ou seria??

Ora, neste reino, que tratamento era dado ao pobre?? Os pobres eram afastados até mesmo no portão daquele que tinha coisas armazenadas. Ora, e se o pobre afastado do portão fosse um iníquo cananeu, seria isto um pecado?? Quanta vergonha, quanta vergonha para um povo ensinado!!!! O que o conceito de igualdade pede para uma situação como esta?? Os súditos do reino de Deus deviam se envergonhar por tal DOMÍNIO sobre os pobres. No entanto, o sentimento que tinham era o orgulho, a satisfação de serem os dominadores. Que espécie de conceito de igualdade tinham estes homens??

Neste reino, que valor era atribuído ao pobre?? O Rei estava vendo e falou: (Amós 2:6) 6 “Assim disse Jeová: ‘Por causa de três revoltas de Israel e por causa de quatro não o farei voltar atrás, por venderem o justo pela mera prata e o pobre pelo [preço de] um par de sandálias.
Neste reino, os pobres eram comercializados pelo valor de um par de sandálias. Como?? O pobre passava a ser propriedade de alguém que passava a comercializá-lo como se ele fosse uma mercadoria?? Comercializado como uma mercadoria barata?? Isto acontecia no reino de Deus?? Isto é praticar a verdadeira justiça entre homem e homem?? Era esta a espécie de DOMÍNIO que os abençoados por Deus impunham aos demais?? Bem, era exatamente isto o que o Rei afirmou estar vendo. Neste caso, pobre não tinha vez no reino de Deus. Neste reino, ser pobre era realmente um sinônimo de maldição.

Para o Rei, o que caracterizava um homem justo?? Ele mesmo responde: (Versão Almeida) (Ezequiel 18:5-9)5 Sendo pois o homem justo, e procedendo com retidão e justiça, 6 não comendo sobre os montes, nem levantando os seus olhes para os ídolos da casa de Israel, nem contaminando a mulher do seu próximo, nem se chegando à mulher na sua separação; 7 não oprimindo a ninguém, tornando, porém, ao devedor e seu penhor, e não roubando, repartindo e seu pão com o faminto, e cobrindo ao nu com vestido; 8 não emprestando com usura, e não recebendo mais de que emprestou, desviando a sua mão da injustiça, e fazendo verdadeira justiça entre homem e homem; 9 andando nos meus estatutos, e guardando as minhas ordenanças, para proceder segundo a verdade; esse é justo, certamente viverá, diz o Senhor Deus,

Onde se enquadra aqui o homem que domina sobre outras nações, que exige tributo, que escraviza outros povos e que recebe mais do que emprestou??

Neste reino, os súditos não fortaleciam a mão do atribulado e do pobre, eles exploravam o atribulado e o pobre. Jeová, o Rei, lhes falou: (Isaías 58:6-10) 6 Não é este o jejum que escolhi? Soltar os grilhões da iniqüidade, desatar as brochas da canga e deixar ir livres os esmagados, e que rompais toda canga? 7 NÃO É PARTILHARES O TEU PÃO AO FAMINTO E INTRODUZIRES NA [TUA] CASA PESSOAS ATRIBULADAS, SEM LAR? Que, caso vejas alguém nu, tu o tenhas de cobrir, e que não te ocultes da tua própria carne? 8 Neste caso romperia a tua luz como a alva; e rapidamente surgiria para ti o restabelecimento. E certamente andaria diante de ti a tua justiça; a própria glória de Jeová seria a tua retaguarda. 9 Neste caso chamarias e o próprio Jeová te responderia; clamarias por ajuda e ele diria: ‘Eis-me aqui!’ “Se removeres do teu meio a canga, o apontar com o dedo e falar o que é prejudicial, 10 E CONCEDERES AO FAMINTO O TEU PRÓPRIO [DESEJO DA] ALMA E FARTARES A ALMA ATRIBULADA, então certamente raiará a tua luz mesmo na escuridão e as tuas trevas serão como o meio-dia.

Do ponto de vista do Rei, não devia haver nenhuma escravidão, pois Ele afirmou: "que rompais TODA canga".

Foi dito pelo Rei: “Caso vejas alguém”.... Neste caso é o mesmo que dizer: Caso vejas qualquer pessoa....

Neste caso, o humano que desejava enriquecer passava a achar normal e natural USAR outro humano COMO SENDO SEUS BRAÇOS E PERNAS ADICIONAIS com o objetivo único de continuar a pegar coisas para ele. Assim, ele passava a ver o seu próximo como uma MERA ferramenta a ser usada por ele.

Neste reino, será que havia “labutadores” que eram impelidos a trabalhar?? Ele exige que eu faça o trabalho dele?? Neste caso, o que eu sou para ele?? O que o Rei afirmou estar vendo?? Assim afirmou o Rei: (Isaías 58:3-4) 3 “‘Por que razão jejuamos e tu não [o] viste, e atribulamos a nossa alma e tu não [o] notavas?’ “Deveras, vós vos agradastes do próprio dia de vosso jejum, quando havia todos os vossos LABUTADORES QUE VÓS IMPELÍEIS A TRABALHAR. 4 Deveras, jejuáveis para altercação e para rixa, e para socar com o punho da iniqüidade. Não continuastes a jejuar como no dia para se fazer ouvir a vossa voz na altura?

Assim verte a Tradução Almeida: (Isaías 58:3)3 Por que temos nós jejuado, dizem eles, e tu não atentas para isso? por que temos afligido as nossas almas, e tu não o sabes? Eis que no dia em que jejuais, prosseguis nas vossas empresas, e EXIGIS que se façam todos os vossos trabalhos.



Do ponto de vista do Rei, não haveria faminto. Do ponto de vista do Rei, não haveria pessoas sem lar. Do ponto de vista do Rei, não haveria pessoas desnudas. Que tipo de pessoas viviam diariamente sem lar, famintas, desnudas e escravizadas?? Os pobres, obviamente.

Assim, o Rei expressou o Seu SENTIMENTO. O Rei não gostava da forma como estavam sendo tratados os pobres, dentro do Seu Reino. Enquanto os súditos não se importavam com os pobres, o Rei revelou que ELE SE IMPORTAVA E MUITO com os pobres.

APESAR DE HAVER ABUNDÂNCIA, PEGUE APENAS O QUE TU NECESSITAS.

A lição com o maná já ensinava a não acumular, ensinava a pegar apenas o necessário para os membros da família e apenas para aquele dia.


Jeová estipulou que cada indivíduo só tinha direito a um gômor, isto é, uma quantidade específica.


Assim, havendo Jeová providenciado alimento para cada indivíduo ali, o que ocorreria se alguém pegasse mais do que um gômor?? Não estaria ele pegando algo que foi destinado a outro indivíduo?? Não estaria ele pegando algo que não era seu?? O que Jeová via?? O que via Aquele que providenciou o alimento para cada um dos indivíduos ali??


PEGAR MAIS DO QUE NECESSITA É UM PECADO.


Não se tratava de se apoderar do alimento de outra pessoa?? Vejamos a descrição desta importante lição divina quando eles ainda estavam no deserto: (Êxodo 16:13-21) 13 Concordemente, deu-se à noitinha que começaram a vir codornizes e passaram a cobrir o acampamento, e de manhã se havia formado uma camada de orvalho em volta do acampamento. 14 Com o tempo, a camada de orvalho se evaporava e eis que havia na superfície do ermo uma coisa miúda, flocosa, miúda como a geada sobre a terra. 15 Quando os filhos de Israel chegaram a vê-la, começaram a dizer uns aos outros: “Que é isto?” Pois não sabiam o que era. Moisés disse-lhes, portanto: “É o pão que Jeová vos deu por alimento. 16 Esta é a palavra que JEOVÁ ORDENOU:COLHEI DISSO, CADA UM PROPORCIONALMENTE AO QUE COME. Deveis tomar a medida de UM GÔMOR PARA CADA UM, segundo o número de almas que cada um de vós tem na sua tenda.’” 17 E os filhos de Israel começaram a fazer isso; e foram apanhá-lo, alguns recolhendo muito e outros recolhendo pouco. 18 Quando o mediam pelo gômor, quem tinha recolhido muito não tinha sobra e quem tinha recolhido pouco não tinha falta. Apanharam-no cada um proporcionalmente ao que comia. 19 Moisés disse-lhes então: “Ninguém deixe sobrar nada até à manhã.” 20 Mas não escutaram a Moisés. Quando alguns homens deixavam sobrar parte dele até à manhã, criava bichos e cheirava mal; de modo que Moisés ficou indignado com eles. 21 E apanhavam-no manhã após manhã, cada um proporcionalmente ao que comia. Quando o sol esquentava, derretia-se.


Todo o povo estava aprendendo algo novo, algo contrário ao que eles praticavam até então. Tratava-se de um novo costume. Eles precisavam se reeducar. Tratava-se de um novo costume que afrontava sua anterior forma de viver a vida.


Deviam aprender a viver sem acumular nada para o dia seguinte. Deviam aprender a pegarem o suficiente para aquele dia, embora existisse abundância.


SERÁ QUE ESTA “ORDEM” DE JEOVÁ CONTINUARIA VALENDO PARA TODO O POVO DURANTE O RESTO DE SUAS VIDAS, INCLUSIVE AO ENTRAR NA TERRA QUE MANA LEITE E MEL, UMA DESEJADA TERRA DE FARTURA?? NA DESEJADA TERRA DA PROMESSA, SERÁ QUE O POVO ACEITARIA ESTA ORDEM COMO SENDO VÁLIDA PARA ELES??

TERIA SIDO ESTA UMA ORDEM TEMPORÁRIA OU DEFINITIVA?? Mandamento temporário ou definitivo??


O REI SEMPRE RESPEITA O LIVRE-ARBÍTRIO. O LIVRE-ARBÍTRIO, ONDE ELE ENTRA NESTA QUESTÃO??


Um gômor equivalia a cerca de 2,2 litros. Será que esta lição serviria para alguma coisa quando eles estivessem na Terra que mana leite e mel, a terra da "abundância"?? Havendo "abundância", continuariam eles a pegar apenas o necessário para o dia?? Será que voltariam a armazenar e acumular para si em toda a volta tudo o que pudessem pegar?? Independente do lugar e da quantidade disponível, o que revela ser a pessoa que pegar mais do que está destinado a sua necessidade pessoal?? Ele está pegando algo que foi destinado a outra pessoa, presente ou ausente, não está??


Segundo o Pai, qual era o direito de cada um?? Cada um tinha o direito de pagar um gômor. Se eu pegar mais de um gômor estarei USURPANDO o direito de alguém.


Este outro incidente revela que o desejo de armazenar coisas era muito forte no povo escolhido. Assim está registrado: (Números 11:31-35) 31 E levantou-se um vento da parte de Jeová e começou a impelir codornizes desde o mar e a deixá-las cair sobre o acampamento, cerca de um dia de jornada deste lado e cerca de um dia de jornada daquele lado, em volta do acampamento, e por cerca de dois côvados acima da superfície da terra. 32 O povo levantou-se então todo aquele dia e toda a noite, e todo o dia seguinte, e foram recolher as codornizes. QUEM RECOLHIA MENOS AJUNTOU DEZ ÔMERES, E ESTENDIAM-NAS PARA SI POR TODA A PARTE, EM VOLTA DO ACAMPAMENTO. 33 A carne estava ainda entre os seus dentes, antes que pudesse ser mastigada, quando se acendeu a ira de Jeová contra o povo e Jeová começou a atingir o povo com uma matança muito grande. 34 Aquele lugar veio a ser chamado pelo nome de Quibrote-Ataavá, porque ali enterraram o povo que mostrou ter almejo egoísta. 35 De Quibrote-Ataavá o povo partiu para Hazerote, e ficaram em Hazerote.


Todo aquele dia, toda a noite, e todo o dia seguinte. Foram no mínimo trinta e seis horas ajuntando e armazenando codornizes.

Ora, ora, mas o que fazer diante de tamanha abundância?? Para muitos, a resposta única seria ajuntar e armazenar. Não foi exatamente o que eles fizeram?? Para agravar ainda mais a situação, esta abundância de carne passou a ocorrer após um período de carência de carne. Eles amavam comer carne.

Não estavam eles em pleno deserto?? O que fariam com tantas codornizes armazenadas?? Onde conseguir alimento para as milhares de codornizes?? Onde conseguir água para as milhares de codornizes?? Parece que o desejo estava bem acima da razão, não parece??


Se você só pegar o suficiente para você e somente para aquele dia, você ainda conseguirá ter o suficiente para emprestar e ainda cobrar juros??


Será que depois do acontecido eles perderam o desejo de acumular coisas?? Será esta ação do Pai em relação a Seus filhos não deixou bem claro que “pegar mais do que necessita é um pecado, independente de onde se esteja”??



O DESEJO deles ANTES de entrar na terra, o SONHO deles antes de entrar na terra, o ALMEJO deles, já dava a resposta satisfatória a esta pergunta. O sonho era de ter muitos bens acumulados PARA poder ENRIQUECER. Obviamente, aquele “pegar apenas um gômor para cada membro da família” ficaria para trás. Decerto, almejavam armazenar e armazenar.


NÃO VEJO A HORA DE PODER ENTRAR NA “TERRA DA PROMESSA” PARA PODER VOLTAR PARA A VIDA NORMAL!!!!!!


Agora que o Rei os introduziu na terra da abundância, será que esta ordem passou a ser coisa do passado?? Ainda era o mesmo Rei, não era?? Foi o Rei que mudou a Sua Lei??


COLHEI CADA UM PROPORCIONALMENTE AO QUE COMESe esta ordem de Jeová fosse obedecida, haveria alguém rico na terra da fartura??


COLHEI CADA UM PROPORCIONALMENTE AO QUE COMESe esta ordem de Jeová fosse obedecida, haveria alguém pobre na terra da fartura??


COLHEI CADA UM PROPORCIONALMENTE AO QUE COMEDepois desta ordem de Jeová, o que revela ser o homem rico??


EMBORA HAJA ABUNDÂNCIA, COLHA PROPORCIONALMENTE AO QUE VOCÊ COMERÁ NAQUELE DIANão foi esta a dura lição dada no caso das codornizes?? Bem, trata-se de uma regra bem simples e bastante clara, que, além de ser individual, independe do local onde a pessoa esteja e da quantidade disponível, para ser obedecida.

Deveria haver armazenamento?? Deviam praticar o verbo armazenar??


NÃO FICOU BEM CLARO QUE NÃO DEVIA HAVER ARMAZENAMENTO?? É O QUE PARECE, NÃO É???


REALMENTE, PEGAR MAIS DO QUE NECESSITA É UM PECADO.


Depois desta ordem, o homem rico revela ser um REBELDE contra o mandamento de Jeová.


Neste caso, desde os dias de Moisés, as leis dadas pelo Rei já determinavam que não poderia haver rico no reino de Deus. Embora houvesse abundância, não haveria ricos. Ninguém se apossaria de nada. O SÚDITO CONTINUA COM O SEU LIVRE-ARBÍTRIO, E CONSCIENTEMENTE, ELE DECIDE NÃO SE APOSSAR DE NADA, EMBORA POSSA USUFRUIR DE TUDO.



NESTA DESEJADA “TERRA DA FARTURA”, O QUE OCORRERIA SE PRATICASSEM O VERBO ARMAZENAR??


A história assim registrou os atos dos súditos do reino de Deus, tanto em relação ao ato de “armazenar”, como também em relação ao ato de escravizar outros seres humanos para serem os seus labutadores: (1 Reis 9:17-21) 17 E Salomão prosseguiu, construindo Gezer e Bete-Horom Baixa, 18 e Baalate e Tamar, no ermo, no país, 19 e todas as CIDADES-ARMAZÉNS que vieram a ser de Salomão, e as cidades para os carros e as cidades para os cavaleiros, e as coisas desejáveis de Salomão, que desejou construir em Jerusalém e no Líbano, bem como em toda a terra do seu domínio. 20 Quanto a todo o povo que sobrara dos amorreus, dos hititas, dos perizeus, dos heveus e dos jebuseus, que não eram parte dos filhos de Israel, 21 seus filhos que sobraram depois deles no país, os quais os filhos de Israel não puderam devotar à destruição, a estes Salomão continuou a recrutar para trabalho forçado de ESCRAVOS até o dia de hoje. . .



Bem, nesta terra da fartura, os súditos decidiram praticar o verbo armazenar. A teoria de que estar pobre era estar sendo esquecido por Deus por não haver mérito no humano, levou-os a encarar o pobre como alguém desprovido de qualquer valor. Se o próprio Deus não o abençoa para que ele seja rico, por que devo abençoar alguém que Deus não abençoou??


Assim, o rico passou a ser visto como “JUSTO” e o atribulado e o pobre passaram a ser vistos como “INÍQUOS”. Além disso, o rico sempre desejava mais e mais bênçãos (riquezas), obviamente.


Um povo que não se apossava de terras, de lavouras??


Será que poderia existir um povo que se negava a se apossar de um pedaço de terra para poder plantar a sua própria safra e enriquecer com ela??

Este povo não participava na competição de enriquecer e dominar??

Este povo não construía cidades armazéns??


Que povo era este??

Quando viveu este povo??


(Jeremias 35:1-11) 1 A palavra que da parte de Jeová veio a Jeremias nos dias de Jeoaquim, filho de Josias, rei de Judá, dizendo: 2 Vai à casa dos recabitas, fala com eles e, introduzindo-os na casa de Jeová, em uma das câmaras, dá-lhes vinho a beber. 3 Tomei a Jazanias, filho de Jeremias, filho de Habazinias, e a seus irmãos e a todos os seus filhos e a toda a casa dos recabitas; 4 e os introduzi na casa de Jeová, na câmara dos filhos de Hanã, filho de Jigdalias, homem de Deus, a qual estava junto à câmara dos príncipes, e ficava sobre a câmara de Maaséias, filho de Salum, guarda do vestíbulo; 5 e pus diante dos filhos da casa dos recabitas taças cheias de vinho, e copos, e disse-lhes: Bebei vinho. 6 Eles, porém, responderam: Não beberemos vinho, porque Jonadabe, filho de Recabe, nosso pai, nos ordenou, dizendo: Não bebereis vinho, nem vós, nem vossos filhos, nunca jamais; 7 não edificareis casa, nem semeareis semente, nem plantareis vinha, nem a possuireis; mas habitareis em tendas todos os vossos dias, para que vivais muitos dias sobre a face da terra, em que vós sois peregrinos. 8 Temos obedecido à voz de Jonadabe, filho de Recabe, nosso pai, em toda a palavra que nos ordenou, de não bebermos vinho em todos os nossos dias, nós, nossas mulheres, nossos filhos e nossas filhas; 9 nem de edificarmos casas para nossa moradia; nem de possuirmos vinha, nem campo, nem semente; 10 mas temos habitado em tendas, e temos obedecido e feito segundo tudo o que Jonadabe, nosso pai, nos ordenou. 11 Quando, porém, Nabucodonozor, rei de Babilônia, subia à nossa terra, dissemos: Vinde, e vamo-nos a Jerusalém por causa do exército dos caldeus, e por causa do exército dos siros; assim habitamos em Jerusalém.


Ora, este povo sequer semeava semente. Não tomavam posse de nenhum pedaço de terra, não construíam casas, não fixavam residência. Eles moravam em tendas, enquanto todos os demais povos moravam em cidades. Eles não enriqueciam, enquanto todos os demais povos enriqueciam.

Era um povo que fazia questão de se manter pobre.


Como será que um povo que construía muitas cidades armazéns e que viviam a comercializar as suas safras, sempre visando o lucro, veriam um povo pobre como este??

Eram pobres por convicção e não em face da uma situação adversa. Eles tinham a liberdade de se comportarem como todos os demais povos ao redor deles, no entanto, eles escolhiam não fazer como os demais faziam.


Era possível viver sem construir casas, sem plantar vinhedos, sem se apossar de pedaços de terra e sem enriquecer??

Este povo provou que isto era possível mesmo entre aqueles que viviam em busca do enriquecimento e sem se importar com o que estes pudessem pensar a respeito deles.

Eles obedeciam ao seu falecido antepassado Jonadabe, um adepto da pobreza como sendo uma segura forma de viver o dia a dia.


O que Jonadabe havia falado para eles??

para que vivais muitos dias sobre a face da terra, em que vós sois peregrinos.


Para que vivais muitos dias sobre a superfície da terra, em que vós sois peregrinos.


Ele escolheu se manter na condição de peregrino e convenceu seus irmãos a agirem desta forma.

Devidamente convencidos, os humanos das gerações seguintes se negavam a construírem casas, plantarem vinhedos, semear semente e enriquecer.

É óbvio que este povo não matinha ninguém como escravo.


Será que não era exatamente isto o que o Pai desejava que a nação de Israel fizesse??


CHEGOU JESUS, E AGORA?

O REINO DE DEUS É SOMENTE PARA “POBRES”.

O reino de Deus pertence aos pobres”, foi o que afirmou Jesus: (Lucas 6:20) 20 E ele ergueu os olhos para os seus discípulos e começou a dizer: Felizes sois vós, POBRES, PORQUE VOSSO É O REINO de Deus.

Assim verte a Tradução Brasileira: (Lucas 6:20) 20 Olhando para seus discípulos, começou a dizer: Bem-aventurados vós os pobres, porque vosso é o reino de Deus.

Não eram os ricos aqueles que eram os abençoados por Deus?? Não era este o conceito aceito e praticado também por aquela geração?? Bem, ao falar estas palavras, Jesus estava falando com homens ricos ou com homens pobres?? Quem é que seguia a Jesus?? O que pedia Jesus que o rico fizesse??

De forma oposta afirmou Jesus: “É mais fácil um camelo passar pelo orifício de uma agulha do que um rico entrar no reino de Deus”. (Mateus 19:23-24) 23 Jesus, porém, disse aos seus discípulos: “Deveras, eu vos digo que SERÁ DIFÍCIL PARA UM RICO ENTRAR NO REINO dos céus. 24 Novamente, eu vos digo: É mais fácil um camelo passar pelo orifício duma agulha, do que um rico entrar no reino de Deus.”

Depois destas “palavras” de Jesus, como ficava agora aquela teoria de que ter a bênção de Deus significava possuir riquezas. A crença até então era que, aquele que possuía riqueza revelava ter a bênção de Deus, enquanto que o pobre tinha a maldição. Apenas o obediente é que teria a bênção de Deus; aquele que cumpre o “mandamento” não fica pobre, porque recebe a bênção de Deus. (Deuteronômio 15:3-5) . . .. 4 No entanto, ninguém deve ficar pobre no teu meio, PORQUE Jeová, sem falta, te abençoará na terra que Jeová, teu Deus, te dá por herança, para tomares posse dela, 5 CONTANTO QUE impreterivelmente escutes a voz de Jeová, teu Deus, de modo a cuidar em cumprir todo este mandamento que hoje te ordeno.

A TEORIA de que o rico está perto de Deus, com Seu apoio e bênção, e que o pobre está longe de Deus, mostra ser MENTIRA ou VERDADE??

A crença até então era que o abençoado ficaria por cima e que teria dinheiro até mesmo para emprestar. Ser pobre representava estar embaixo. Ter a bênção de Deus representava ser mais rico que todas as nações, pois obviamente, por serem iníquas, elas não teriam a bênção de Deus. Os depósitos dos céus estavam destinados aos “justos”, afinal, Jeová não abençoaria os iníquos, não é verdade?? (Deuteronômio 28:11-13) . . .. 12 Jeová te abrirá seu bom depósito, os céus, para dar chuva à tua terra na sua estação e para abençoar todo ato da tua mão; e certamente emprestarás a muitas nações, ao passo que tu mesmo não tomarás empréstimo. 13 E Jeová te porá deveras à cabeça e não na cauda; e terás de vir a estar somente EM CIMA e não virás a estar embaixo, POR ESTARES OBEDECENDO aos mandamentos de Jeová, teu Deus, que hoje te ordeno observar e cumprir.

Existência de ricos e pobres era visto como uma coisa natural. De que lado ficaria Jeová?? Aquele que tem mais é o abençoado por ser obediente. Assim, por dar riqueza ao obediente, Jeová revela de que lado fica. Neste caso, Jeová revela que fica do lado do rico, aquele a quem Ele abençoa. Rico é aquele a quem Jeová abençoa. Obviamente que o pobre fica do lado oposto, não é verdade??

SERÁ QUE ESTA SEQUÊNCIA LÓGICA É UMA VERDADE?? Estes homens acreditavam que sim.

Arrependei-vos, pois o reino dos céus se tem aproximado. Esta era a afirmação principal de João Batista. (Mateus 3:1-2) 3 Naqueles dias veio João Batista pregar no ermo da Judéia, 2 dizendo: “Arrependei-vos, pois o reino dos céus se tem aproximado.”. . .

Depois passou a ser de Jesus - (Mateus 4:17) 17 Daquele tempo em diante, Jesus principiou a pregar e a dizer: “Arrependei-vos, pois o reino dos céus se tem aproximado.

O que falou Jesus para os súditos do reino foi: “Parai de acumular, parai de armazenar, não ajunteis” - (Mateus 6:19-21) 19 PARAI DE ARMAZENAR PARA VÓS TESOUROS NA TERRA, onde a traça e a ferrugem consomem, e onde ladrões arrombam e furtam. 20 Antes, armazenai para vós tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde ladrões não arrombam nem furtam. 21 Pois, onde estiver o teu tesouro, ali estará também o teu coração.

Assim verte a Tradução Brasileira: (Mateus 6:19-21) 19 NÃO AJUNTEIS para vós tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem os consomem, e onde os ladrões penetram e roubam; 20 mas ajuntai para vós tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem os consomem, e onde os ladrões não penetram nem roubam; 21 porque onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração.

Não seja dono de nada; não se aposse de nada; não tome posse de nada.

Parai de fazer isto, parai de armazenar tesouros físicos, parai de acumular coisas, parai de enriquecer. Não ajunteis. Quem não ajunta não enriquece. Parai de armazenar tesouros terrestres, tesouros físicos, tesouros que podem ser tirados de você a qualquer momento, tanto por ação de outros humanos, como por ação do tempo ou da natureza.

Jesus diagnosticou a doença e apresentou a cura.

Jesus atacou a raiz da questão. Para você se tornar rico, você precisa começar a armazenar coisas, tudo começa no ajuntar coisas para si. Se Jesus mandou parar de armazenar, estava determinando: "Pare de enriquecer". Este é o resultado lógico de se obedecer a esta ordem de Jesus. Não ajunteis – isto é o mesmo que afirmar: Não enriqueçais. Quem “ajunta” passa a tomar posse, ou seja, a sentir-se dono.

Aquele que, usando o seu livre-arbítrio, decidir obedecer este mandamento de Jesus, jamais chegará a condição de homem rico.

De forma oposta, a condição imprescindível para se alcançar a condição de rico é armazenar coisas. Só é rico aquele que tem coisas armazenadas, aquele que tem coisas ajuntadas para si, ou seja, aquele que toma posse, aquele que passa a ser dono.

Usando o seu livre-arbítrio ele armazena coisas para si. De posse de tais coisas ele se torna um homem rico.

DENTRO NO REINO DE DEUS, ARMAZENAR É UMA AÇÃO PROIBIDA; O QUE É PROIBIDO, QUANDO PRATICADO, É DE UM PECADO.

DE FORMA COERENTE, ARMAZENAR, CONTINUA SENDO UMA OFENSA CONTRA JEOVÁ E CONTRA O PRÓXIMO, CONTINUA SENDO UM PECADO.



NÃO RESTOU NENHUMA DÚVIDA, AQUELA ORDEM DADA POR JEOVÁ NO DESERTO CONTINUAVA VALENDO.

A POSSE É UM SENTIMENTO. ELE NASCE E FICA RESIDINDO NO CORAÇÃO. A pessoa se sente dona de alguma coisa ou de alguém. Este sentimento a levará a falar palavras e a cometer ações na defesa daquilo que ela sente como sendo de sua propriedade, havendo um perigo real ou imaginário de que alguém deseje tomar posse de algo que ele já tomou posse.

Ora, se a lei do reino já determina como ordem o parar de armazenar, o não ajuntar, como poderia um rico, isto é, um homem que não para de armazenar, entrar no reino, isto é, fazer parte do reino?? Se ele é rico é porque está desobedecendo a lei do reino, pois está realizando uma ação que é proibida dentro do reino, pois ele está pegando mais do que ele necessita. Ele não concorda com a lei do reino. Ele é um “obreiro do que é contra a lei” do reino. Quem obedece a lei do reino não armazena nada, não ajunta nada, absolutamente nada. Dando o seu exemplo, o que armazenou Jesus?? Nada, absolutamente nada. Jesus, o rei designado, obedeceu a lei do reino e não armazenou nada, não ajuntou nada para si.

Alguma coisa que está dentro do seu coração o impede de entrar no reino. O que é? O sentimento de posse.

QUEM ARMAZENA TEM POR OBJETIVO DEIXAR DE SER POBRE, E JÁ SENDO RICO, O DE AUMENTAR SUA RIQUEZA.

No reino de Saul se fazia a vontade de Saul, no reino de Davi se fazia a vontade de Davi, no reino de Salomão se fazia a vontade de Salomão, no reino de Nabucodonosor se fazia a vontade de Nabucodonosor e no reino de Jeová deve-se fazer a vontade de Jeová.

Torna-se súdito do reino de Deus aquele que, usando o seu livre-arbítrio, independente das pessoas ao seu redor, decide obedecer a lei do reino de Deus, isto é, todos os artigos da lei do reino, lei que revela a vontade de Deus, afinal de contas, o reino é Dele. Assim, ser súdito do reino é inversamente proporcional a ser um homem rico. Ser um súdito do reino de Deus é 100% oposto a ser um homem rico.

O que mais falou Jesus sobre acumular coisas para si?? Assim falou Jesus: (Lucas 12:13-21) 13 Disse-lhe então um dos da multidão: “Instrutor, dize a meu irmão que divida comigo a herança.” 14 Ele lhe disse: “Homem, quem me designou juiz ou partidor sobre vós?” 15 Então lhes disse: “Mantende os olhos abertos e GUARDAI-VOS DE TODA SORTE DE COBIÇA, porque mesmo quando alguém tem abundância, sua vida não vem das coisas que possui.” 16 Com isso contou-lhes uma ilustração, dizendo: “A terra de certo homem rico produziu bem. 17 Conseqüentemente, ele começou a raciocinar no seu íntimo, dizendo: ‘Que farei, agora que não tenho onde ajuntar as minhas safras?’ 18 De modo que ele disse: ‘Farei o seguinte: Derrubarei os meus celeiros e construirei maiores, e ali ajuntarei todos os meus cereais e todas as minhas coisas boas; 19 e direi à minha alma: “Alma, tens muitas coisas boas acumuladas para muitos anos; folga, come, bebe, regala-te.”’ 20 Mas Deus disse-lhe: ‘Desarrazoado, esta noite te reclamarão a tua alma. Quem terá então as coisas que armazenaste?’ 21 Assim é com o homem que acumula para si tesouro, mas não é rico para com Deus.”

Cuidado com a Cobiça, foi o que Jesus falou para os que disputavam uma herança e para todos os demais que o escutavam. Quem cobiça o mínimo cobiçará o muito. Quem deseja ser dono do mínimo também deseja ser dono do muito. Afinal, disputar uma herança é uma coisa normal e natural, não é?? Aquele homem se sentia vítima de seu irmão que não queria repartir a herança. Ambos queriam ser donos de algo. Não devia Jesus ficar do lado da vítima?? Mas, Jesus ficou do lado da lei de Jeová. Havia uma competição para possuir a mesma coisa. Havia o “direito” de possuir. A pessoa passa a sentir-se no direito de possuir coisas, não é verdade?? Primeiro você deseja ter algo para si e depois começa a acumular coisas, gastando tempo e energia para conseguir ter mais coisas acumuladas. Desejar para si é o primeiro passo.

Um grupo de lindos pássaros está bem diante de você. Daí, vem o desejo de ter um ou mais deles para você. Depois do desejo, vem a ação de pegar para si. Agora você se sente dono daqueles pássaros que você pegou, sim, agora existe o sentimento de posse. Agora você afirma que eles são seus.

A definição de cobiça, segundo certo dicionário: COBIÇA s.f. Ato ou efeito de cobiçar. / Desejo imoderado de possuir.

Você deseja POSSUIR aquilo que ainda não possui. Depois se dirá: isto é meu. Quando o humano nasce, ele não possui nada. Depois que morre, ele não leva nada. Poderia o humano continuar a viver sem POSSUIR nada?? Ele poderia USUFRUIR de tudo, no entanto, não possuir nada, não TOMAR POSSE de nada, NÃO SER DONO de nada, não poderia?? Sim, ele poderia.

Jesus relaciona o QUERER enriquecer com a cobiça. Gera-se o INSACIÁVEL DESEJO de possuir coisas. Trata-se de uma conduta sem freio, uma conduta desenfreada. Quem quer possuir não quer ceder para outros, ele não quer praticar o verbo “dar”. Querer enriquecer é o mesmo que querer acumular coisas, querer armazenar para si, tornar-se dono, pois só é rico quem tem coisas armazenas para si. Mesmo quando já POSSUI muitas coisas armazenadas, o desejo de acumular não acaba. Depois de ser dono ou se sentir dono, ele deseja proteger aquilo que possui. Jesus já havia falado que, onde estivesse o tesouro, lá também estaria o coração. Jesus passou a nos mostrar os reais sentimentos do rico. Sempre almeja (deseja) ter mais do que já tem. É um almejo egoísta. Ele DESEJA e acumula tesouros PARA SI.

Em quem este homem pensava?? No bem estar de quem este homem pensava?? Não pensava exclusivamente em si mesmo?? Suas declarações revelam seus sentimentos. Estas declarações revelam o espírito do homem rico. Decerto, é um espírito egoísta.

EGOÍSTA é aquele que só se preocupa com seus próprios interesses. Assim define certo dicionário a palavra egoísta:

EGOÍSTA adj. e s.m. e s.f. Que ou o que só se preocupa com os seus próprios interesses. (Antôn.: altruísta, desinteressado, devotado.)

Quando começa a ganância?? Somente no homem que já é rico?? Certamente, que não. Aquele que nada tem pode ter o espírito de rico, ou seja, ele deseja armazenar e se tornar rico. Aquele que deseja armazenar revela ter um almejo egoísta. Ele revela ter a cobiça, revela ter o “DESEJO” de apoderar-se de algo que ele não vai usar naquele instante. Ele pegará apenas para guardar, para ficar armazenado, para estar à sua disposição no momento em que ele decidir usar. No reino de Deus não pode haver súdito egoísta, pois “súdito” é aquele que obedece aos mandamentos do reino; é aquele que, usando o seu livre-arbítrio, DECIDIU obedecer a este mandamento do reino. O reino de Deus é feito de pessoas livres. Você precisa CONCORDAR com este artigo da lei para DECIDIR obedecê-lo. Não ser egoísta é um dos mandamentos do reino de Deus. Só armazena quem é egoísta. Aquele que NÃO LEVA EM CONTA A LIBERDADE dos pássaros é quem decidirá tomar posse de um deles e dizer: “este lindo pássaro é meu”.

Este rico foi classificado por Jesus como um homem desarrazoado. Para Jesus, certamente este rico falava de um modo contrário à razão e ao bom senso.


(de.sar.ra.zo.a.do) a.

1  Que não é razoável; DESCABIDO; DESPROPOSITADO: "...a ingenuidade de suas crenças se lhe figurava ridícula e desarrazoada..." (Júlio Diniz, A morgadinha dos canaviais)

2  Que age ou fala de um modo contrário à razão ou ao bom senso (homem desarrazoado).

[F.: Part. de desarrazoar. Ant. ger.: arrazoado, razoável.]

Ter coisas boas AJUNTADAS para muitos anos – Onde quer chegar este homem??

Pegue apenas o que necessitas para o dia de hoje – Esta é a regra de Deus; esta é a vontade de Deus; este é o desejo de Deus.

Logicamente alguém perguntaria: Esta não é a atitude normal de quem tem uma grande safra?? Armazenar não é a atitude normal?? Construir armazéns também não é uma atitude normal?? Para ser rica a pessoa não precisa acumular?? Sim. Para continuar rica, a pessoa não precisa continuar armazenando?? Decerto que sim, senão ela pode ficar pobre, isto é, sem nada armazenado. SEM ARMAZENAMENTO NÃO HÁ HOMEM RICO.

Certamente este rico diria: armazenar é a atitude normal e aceitável para esta situação. Do seu ponto de vista, ele está recebendo mais bênçãos da parte de Deus. Todo rico pensa assim. Neste caso, para o rico, Jesus é que era o desarrazoado.

O que falaria Jesus para Jonadabe e seus descendentes??O que falaria Jesus para Jonadabe e seus descendentes??

O que este homem rico diria para Jonadabe e seus descendentes?? Como ele veria a decisão tomada por Jonadabe e obedecida pelos descendentes dele??

O que Jesus falou era totalmente inédito para aquela geração e PARECIA contrário a razão; era contrário ao que era aceito como normal e natural por todos os humanos até então. Como alguém perderia uma oportunidade destas para acumular tesouros?? Esta safra é um tesouro. José não perdeu a oportunidade. O que resultou para Faraó?? Sendo José o administrador de seu próprio plano, toda a riqueza do Egito ficou acumulada nas mãos de Faraó. O que resultou para o povo egípcio?? Tendo a José como seu administrador, em troca dos cereais estocados, todos os egípcios foram obrigados a entregar para Faraó o dinheiro, seus rebanhos, suas terras, se tornaram escravos de Faraó e de forma perpétua, segundo o decreto criado por José, e continuaram a pagar tributos a Faraó, por estarem usando as terras de Faraó. De onde surgiu todo o cereal estocado por José no Egito?? Não foram os próprios egípcios que o forneceram gratuitamente, durante sete anos, para José estocá-lo?? Sim, foi. Será que José MOSTROU SER um guardião para o povo?? Que espécie de guardião mostrou ser??

A existência do rico trará como EFEITO COLATERAL a existência de muitos pobres.

Esta ilustração contada por Jesus era para que seus alunos abrissem os olhos, vissem e entendessem que o rico é um homem ganancioso, que sempre vive dando vazão a sua cobiça. O homem quando rico não fica saciado do desejo de armazenar. Ele já tem muito, mas continua a cobiçar.



(ga.nan.ci:o.so)  [ô]  a.

  1  Que tem muita ganância, que só visa o lucro, os bens materiais; AMBICIOSO; COBIÇOSO; CÚPIDO: Era inteligente, mas muito ganancioso.

sm.

  2  Pessoa dominada pela ganância; AMBICIOSO; COBIÇOSO; CÚPIDO: Os gananciosos não perdem tempo com os outros.

 [Pl.: [ó].  Fem.: [ó].]

 [F.: Do espn. ganancioso.]

O homem rico deixa-se dominar pela ganância e deposita seu amor nas coisas que ele acumulou. Afinal, não trabalhou ele arduamente para isto?? Para o rico, as coisas que ele acumulou é que são valiosas. As coisas acumuladas trazem sobre o rico a “despreocupação do sossego”. Assim retratou Jesus este sentimento do rico: Alma, tens muitas coisas boas acumuladas para muitos anos; folga, come, bebe, regala-te.”’

Será que não se tratava apenas de usufruir do fruto do seu trabalho?? Para os humanos sim. No entanto, Aquele que projetou a forma como o humano deve viver a vida em grupo discorda dos humanos.

Que espécie de dia a dia viveu o rei Jesus??

Um dia a dia segundo as normas de comportamento de Moisés??

Ou um dia a dia segundo as normas de comportamento praticadas por Jonadabe e seus descendentes??

O que carregava Jesus como sua posse??

Ele, o humano, não quer perder as coisas acumuladas. Perder as coisas acumuladas (tesouro) já causa muita dor no homem rico, afinal ele gastou muito do seu próprio tempo e da própria energia para ter e manter as coisas acumuladas. Ele quer defender a continuidade da posse de suas coisas, afinal, ele se afeiçoou delas. Será que ele doaria livre e voluntariamente todas as suas coisas acumuladas??

Ter muita coisa ajuntada para si ou não ser dono de nada?? Como deve o súdito do reino de Deus, viver o seu dia a dia??

Depois de contar tal ilustração, Jesus passa a repetir a explicação dada lá no monte, quando uma multidão o ouvia, visando acabar com a ansiedade por não se ter alimento armazenado. Depois, Jesus fez um convite para seus discípulos: “Se livrem de todas as coisas que vocês armazenaram; vendam todas as coisas que vos pertencem e doem aos pobres”. Assim está registrado: (Lucas 12:22-34) 22 ELE DISSE ENTÃO AOS SEUS DISCÍPULOS:Por causa disso eu vos digo: Deixai de estar ansiosos pelas vossas almas, quanto a que haveis de comer, ou pelos vossos corpos, quanto a que haveis de vestir. 23 Pois a alma vale mais do que o alimento e o corpo mais do que o vestuário. 24 Notai bem que os corvos nem semeiam nem ceifam, e que eles não têm nem palheiro nem celeiro, contudo, Deus os alimenta. De quanto mais valor sois vós do que as aves? 25 Quem de vós, por estar ansioso, pode acrescentar um côvado à duração de sua vida? 26 Se vós, portanto, NÃO PODEIS FAZER A COISA MÍNIMA, por que estais ansiosos pelas coisas remanescentes? 27 Notai bem como os lírios crescem; eles nem labutam nem fiam; mas, eu vos digo: Nem mesmo Salomão, em toda a sua glória, vestia-se como um destes. 28 Então, se Deus reveste assim a vegetação do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, quanto mais vestirá ele antes a vós, ó vós com pouca fé! 29 Assim, DEIXAI DE BUSCAR O QUE HAVEIS DE COMER E O QUE HAVEIS DE BEBER, e deixai de estar em inquietação; 30 porque todas estas são as coisas pelas quais se empenham avidamente as nações do mundo, mas o vosso Pai sabe que necessitais destas coisas. 31 Não obstante, buscai continuamente o seu reino, e estas coisas vos serão acrescentadas. 32 Não temas, pequeno rebanho, porque vosso Pai aprovou DAR-VOS O REINO. 33 VENDEI AS COISAS QUE VOS PERTENCEM e fazei dádivas de misericórdia. Fazei para vós mesmos bolsas que não se gastem, um tesouro que nunca falhe, nos céus, onde o ladrão não chega perto nem a traça consome. 34 Pois onde estiver o vosso tesouro, ali estará também o vosso coração.

Assim verte a Tradução Almeida: (Lucas 12:22-34) 22 E disse aos seus discípulos: Por isso vos digo: Não estejais ansiosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer, nem quanto ao corpo, pelo que haveis de vestir. 23 Pois a vida é mais do que o alimento, e o corpo mais do que o vestuário. 24 Considerai os corvos, que não semeiam nem ceifam; não têm despensa nem celeiro; contudo, Deus os alimenta. Quanto mais não valeis vós do que as aves! 25 Ora, qual de vós, por mais ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado à sua estatura? 26 Porquanto, se não podeis fazer nem as coisas mínimas, por que estais ansiosos pelas outras? 27 Considerai os lírios, como crescem; não trabalham, nem fiam; contudo vos digo que nem mesmo Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como um deles. 28 Se, pois, Deus assim veste a erva que hoje está no campo e amanhã é lançada no forno, quanto mais vós, homens de pouca fé? 29 Não procureis, pois, o que haveis de comer, ou o que haveis de beber, e não andeis preocupados. 30 Porque a todas estas coisas os povos do mundo procuram; mas vosso Pai sabe que precisais delas. 31 Buscai antes o seu reino, e estas coisas vos serão acrescentadas. 32 Não temas, ó pequeno rebanho! porque a vosso Pai agradou dar-vos o reino. 33 Vendei o que possuís, e dai esmolas. Fazei para vós bolsas que não envelheçam; tesouro nos céus que jamais acabe, aonde não chega ladrão e a traça não rói. 34 Porque, onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.

Não seja dono de nada”.

Jesus manda seus discípulos andarem no sentido oposto ao do rico. Andar no sentido contrário ao do rico é caminhar na direção da pobreza. Venda o que te pertence e doe para os pobres. O que isto representava?? Representava tornar-se um pobre. Representava tornar-se alguém que nada tem?? Sim, era exatamente isto o que Jesus estava pedindo: Não seja dono de NADA. Isto também é um mandamento. Jesus não pediu a seus discípulos para fazer nada daquilo que ele mesmo não estivesse fazendo. Assim, além de mandar fazer, Jesus mostrou o como fazer. JESUS ESTAVA OBEDECENDO A LEI. Não temas, pequeno rebanho, porque vosso Pai aprovou dar-vos o reino. Para quem era o reino?? Para os pobres. Quem não cobiça e quem não armazena, consequentemente é pobre e com o espírito de pobre. Ele é pobre por uma ESCOLHA pessoal. Ele adota a pobreza como um natural e normal estilo de vida. Embora as coisas continuem existindo, ELE NÃO DESEJA E NÃO SE APOSSA de nada, não se torna dono de nada. TRATA-SE DA VIDA SABIAMENTE PROJETADA PELO CRIADOR PARA O SER HUMANO.

JESUS, O REI DA POBREZA, FALOU AOS POBRES: VÓS QUE JÁ SOIS POBRES, NÃO DESEJEIS SER RICOS.

No lugar de desejar enriquecer e dominar sobre as demais nações, Jesus afirmou que eram as nações que se empenhavam em enriquecer. “Não faça como as nações fazem; do lado oposto a estas coisas está o reino de Deus; faça do reino de Deus o seu tesouro a ser encontrado e amado”.

Em uma outra ocasião, Jesus, de forma real e prática, pôde mostrar para seus discípulos o que acontece quando o rico é CONVIDADO a fazer isto de forma espontânea. O mesmo convite feito aos discípulos estava agora sendo feito a um homem rico. O rico passa a revelar seu espírito.

Um homem rico, tido como um "bom rico", como um “homem justo” por cumprir os mandamentos, se aproximou de Jesus. Assim nos é contado o que aconteceu: (Mateus 19:16-26) 16 E eis que alguém, aproximando-se, disse-lhe: “Instrutor, que preciso fazer de bom, a fim de obter a vida eterna?” 17 Ele lhe disse: “Por que me perguntas sobre o que é bom? Há um que é bom. Se queres, porém, entrar na vida, observa continuamente os mandamentos.” 18 Disse-lhe ele: “Quais?” Jesus disse: “Ora, não deves assassinar, não deves cometer adultério, não deves furtar, não deves dar falso testemunho, 19 honra [teu] pai e [tua] mãe, e, TENS DE AMAR O TEU PRÓXIMO COMO A TI MESMO.20 O jovem disse-lhe: TENHO GUARDADO A TODOS ESTES; que me falta ainda?” 21 Jesus disse-lhe: “Se queres ser perfeito, VAI VENDER TEUS BENS E AOS POBRES, e terás um tesouro no céu, e vem, sê meu seguidor.” 22 Quando o jovem ouviu estas palavras, AFASTOU-SE CONTRISTADO, PORQUE TINHA MUITAS PROPRIEDADES. 23 Jesus, porém, disse aos seus discípulos: “Deveras, eu vos digo que será difícil para um rico entrar no reino dos céus. 24 Novamente, eu vos digo: É mais fácil um camelo passar pelo orifício duma agulha, do que um rico ENTRAR no reino de Deus.” 25 Quando os discípulos ouviram isso, EXPRESSARAM GRANDE SURPRESA, dizendo: “Quem, realmente, pode ser salvo?” 26 Encarando-os, Jesus disse-lhes: “Aos homens isto é impossível, mas a Deus todas as coisas são possíveis.”

Como pode o rico estar LONGE de entrar no reino dos céus?? O rico não é aquele que é abençoado por Deus por cumprir os mandamentos?? A pessoa não precisa ser abençoada por Deus para poder ser rica, revelando assim estar PERTO de Deus??? Este homem guardava todos os mandamentos desde a sua mocidade, e os apóstolos de Jesus não questionaram este fato. Pensando assim, era muito natural que os discípulos expressassem "grande surpresa" em relação as inéditas palavras de Jesus.

Jesus o mandou praticar o verbo DAR. Neste caso ele não receberia de volta aquilo que possuía.

Outro historiador nos conta a mesma cena: (Marcos 10:17-27) 17 E, enquanto saía, chegou correndo certo homem e se pôs de joelhos diante dele, perguntando-lhe: “Bom Instrutor, que tenho de fazer para herdar a vida eterna?” 18 Jesus disse-lhe: “Por que me chamas de bom? Ninguém é bom, exceto um só, Deus. 19 Sabes os mandamentos: ‘Não assassines, não cometas adultério, não furtes, não dês falso testemunho, não defraudes, honra a teu pai e a tua mãe.’” 20 O homem disse-lhe: “Instrutor, todas estas coisas tenho guardado desde a minha mocidade.21 Jesus olhou para ele e sentiu amor por ele, e disse-lhe: “Uma coisa falta a respeito de ti: Vai, vende o que tiveres e dá aos pobres, e terás um tesouro no céu, e vem ser meu seguidor.” 22 Mas ele ficou triste com as palavras e se afastou contristado, pois tinha muitas propriedades. 23 Depois de olhar em volta, Jesus disse aos seus discípulos: “Quão difícil será para os de dinheiro entrar no reino de Deus!” 24 MAS OS DISCÍPULOS FICARAM SURPRESOS COM AS SUAS PALAVRAS. Em resposta, Jesus disse-lhes novamente: “Filhos, quão difícil é entrar no reino de Deus! 25 É mais fácil um camelo passar pelo orifício duma agulha, do que um rico entrar no reino de Deus.” 26 ELES FICARAM AINDA MAIS ASSOMBRADOS e disseram-lhe: “Quem, de fato, pode ser salvo?” 27 Olhando diretamente para eles, Jesus disse: “Para homens é impossível, mas não é assim para Deus, pois para Deus todas as coisas são possíveis....

Os discípulos ficaram SURPRESOS por ouvirem a seguinte expressão inédita de Jesus: "Quão difícil será para os de dinheiro entrar no reino dos céus". Ficaram mais ASSOMBRADOS ainda com a segunda afirmação de Jesus: "É mais fácil um camelo passar pelo orifício duma agulha, do que um rico ENTRAR no reino de Deus". Por que da surpresa?? Qual o motivo do assombro?? Para eles, estas palavras eram realmente inéditas. Os ricos, aqueles que eram tidos como os abençoados por Deus, não fariam parte do reino de Deus?? Não são os ricos aqueles que são os abençoados por Deus?? Os ricos não fariam parte do reino de Deus.

A quem pertencia o reino de Deus??

Bem-aventurados vós os pobres, porque vosso é o reino de Deus.

Felizes sois vós, POBRES, PORQUE VOSSO É O REINO de Deus.

Será que o conceito ensinado por Moisés era igual ao conceito ensinado por Jesus??

Não revelam ser conceitos totalmente opostos??

No entanto, segundo Moisés, NÃO DEVERIA HAVER POBRES NO REINO DE DEUS: SE FORDES OBEDIENTES NÃO SEREIS POBRES.

SERÁ QUE A BÊNÇÃO ESTAVA DIRETAMENTE RELACIONADA COM A RIQUEZA, TORNANDO-A UMA COISA NATURAL E CONSEQUENTE??

Não era este homem visto como um símbolo das palavras faladas por Moisés?? Não era ele um CUMPRIDOR de todos os mandamentos?? Assim se resumem as palavras faladas por Moisés: “Se você cumprir todos os mandamentos você não será um homem pobre, pois Jeová vai te abençoar”. Segundo esta regra, o homem rico estaria bem próximo de Deus. Consequentemente, ele entraria no reino de Deus na frete de todos os demais. (Deuteronômio 15:3-5) .... 4 No entanto, NINGUÉM DEVE FICAR POBRE no teu meio, PORQUE Jeová, sem falta, te abençoará na terra que Jeová, teu Deus, te dá por herança, para tomares posse dela, 5 CONTANTO QUE impreterivelmente escutes a voz de Jeová, teu Deus, de modo a cuidar em cumprir todo este mandamento que hoje te ordeno.

Obviamente, a palavra falada por Jesus colocava por terra o conceito até então aceito como verdade, de que os ricos é que eram os abençoados por Deus. Não era este um homem que cumpria os mandamentos desde a sua juventude?? Não era este um homem rico?? Este homem rico se encaixava perfeitamente neste aclamado salmo: (Salmos 37:25-26) 25 Eu era moço, também fiquei velho, E, no entanto, não vi nenhum justo completamente abandonado, Nem a sua descendência procurando pão. 26 O dia inteiro ele mostra favor e EMPRESTA, E por isso a sua descendência está para receber uma bênção.

Decerto, aquele homem rico cumpria exatamente este salmo, isto é, mostrava favor e emprestava aos pobres. Quem empresta espera receber de volta o que emprestou, pois ele emprestou o que era seu. No entanto, Jesus o mandou vender todas as suas propriedades e fazer doação de tudo (DAR) aos pobres, PARA PODER “herdar a vida eterna”, para poder “obter a vida eterna”, para poder “entrar no reino”.

Senhor, se eu fizer isto, não vou me tornar um homem pobre?? Senhor, o senhor deseja que eu caminhe em direção à pobreza??

O homem rico não pensa em DOAR o que conquistou; ele pensa sempre em acumular, em aumentar seu tesouro, visando ter coisas ajuntadas para muitos anos. Seu tesouro é a “prova visível” de que ele tem a bênção de Deus. Seu tesouro é a “recompensa” por ele ter cumprido os mandamentos. Seu coração está no seu tesouro. Ele só pensa em continuar rico. Ele quer se manter na bênção de Deus. Ser rico é ser abençoado. Este é o espírito do rico. "Doar" é o oposto ao seu desejo.

A pedra de tropeço natural para o rico ENTRAR no reino. Falta uma coisa a respeito de ti: Vai, vende o que tiveres e faça doação de tudo para os pobres. Então, deixe de ser rico e venha se tornar um pobre, foi o convite feito por Jesus. Qual foi a reação do rico?? Onde estava seu tesouro, revelou estar também o seu coração. Logo, uma coisa ficou bem clara: O rico nunca consegue entrar no reino. Como poderia um rico entrar no reino, se a lei do reino proíbe o armazenamento enquanto que o rico ama o armazenamento?? Para entrar no reino, a pessoa não precisa, DE VONTADE PRÓPRIA, decidir obedecer às leis do reino?? Sim, ela precisa. TER COISAS ARMAZENADAS É O RESULTADO DO ALMEJO EGOÍSTA?? SIM.

Se Jesus fizesse este mesmo convite hoje àqueles que têm muito acumulado e para aqueles que não têm tanto assim, como reagiriam estes em relação as suas coisas acumuladas, acumuladas com tanto trabalho e tanto sacrifício?? Como o sentimento de quem ajunta e acumula ainda é o mesmo, certamente a reação seria a mesma.

Doar todas as coisas conquistadas significaria passar a ser um pobre, significa decidir conscientemente passar a ser um pobre, ser alguém que nada possui e seguir alguém que nada possui, alguém que não tem sequer um lugar para dormir. (Lucas 9:57-58) 57 Enquanto caminhavam assim pela estrada, alguém lhe disse: “Eu te seguirei para onde quer que partires.” 58 E Jesus lhe disse: “As raposas têm covis e as aves do céu têm poleiros, mas o Filho do homem NÃO TEM onde deitar a cabeça.”

Isto seria um enorme e contínuo sacrifício que causaria um grande sofrimento no homem rico; para ele seria um grande sacrifício. Seria andar na contra mão dos seus sentimentos. Causaria muita dor.

Como acreditar que o rico não ocupa esta condição de "rico", exatamente por estar sendo continuamente abençoado por Deus e que Deus deseja isto para ele?? Isto é o oposto ao que é ensinado e aceito como verdade por todas as anteriores gerações de adoradores de Jeová.

Como acreditar que o pobre é tão amado por Deus quanto o rico, quando o pobre sofre na sua carência e o rico é feliz na sua opulência?? Isto significa que Deus também sofre com o sofrimento do pobre?? Será que Deus acompanharia a FELICIDADE do rico na sua opulência?? Quem pode acabar com o sofrimento do pobre naquele momento de felicidade do rico?? Não é exatamente aqui que entra o repeito de Deus pelo livre-arbítrio?? Sim, é. Se isto for verdade, então aquele que se mantém rico e não reparte com o pobre, não estará agradando a Deus, pois, com sua atitude egoísta, o rico está matando o pobre com sua omissão de socorro; estará matando àquele que Deus ama. Na verdade, ele estará entristecendo a Deus, pois Deus também ama o homem rico. Lembra-se do que Jeová falou para Isaías?? (Isaías 58:6-10) 6 Não é este o jejum que escolhi? Soltar os grilhões da iniqüidade, desatar as brochas da canga e deixar ir livres os esmagados, e que rompais toda canga? 7 NÃO É PARTILHARES O TEU PÃO AO FAMINTO E INTRODUZIRES NA [TUA] CASA PESSOAS ATRIBULADAS, SEM LAR? Que, caso vejas alguém nu, tu o tenhas de cobrir, e que não te ocultes da tua própria carne? 8 Neste caso romperia a tua luz como a alva; e rapidamente surgiria para ti o restabelecimento. E certamente andaria diante de ti a tua justiça; a própria glória de Jeová seria a tua retaguarda. 9 Neste caso chamarias e o próprio Jeová te responderia; clamarias por ajuda e ele diria: ‘Eis-me aqui!’ “Se removeres do teu meio a canga, o apontar com o dedo e falar o que é prejudicial, 10 E CONCEDERES AO FAMINTO O TEU PRÓPRIO [DESEJO DA] ALMA E FARTARES A ALMA ATRIBULADA, então certamente raiará a tua luz mesmo na escuridão e as tuas trevas serão como o meio-dia.

Jeová deixou bem claro o quanto Ele se importava com o pobre. Enquanto os ricos não se importavam, Ele se importava e muito. Você quer que “Eu” te veja com bons olhos?? Então CUIDE dos pobres”.

SUPONHAMOS AGORA que Jeová resolvesse abençoar mais a “terra que mana leite e mel” por causa do clamor do pobre. O que aconteceria?? Como o pobre não tinha um pedaço de terra e o rico tinha se apossado dela, toda a bênção enviada recairia nas terras do homem rico, terras que ele havia se apossado. O rico imaginaria que estava sendo abençoado por Deus. O que ele faria com a fartura produzida pela terra?? Chamaria os pobres para desfrutar desta bênção, bênção esta que ele imaginava ser sua?? Não armazenaria mais esta fartura, aumentando assim a sua riqueza?? Decerto, que sim. Tendo este rico emprestado para o pobre, o que ele via na pequena safra do pobre?? Apesar de sua grande safra, não estava ali o momento do pobre lhe pagar o empréstimo feito?? Neste caso, a bênção enviada PARA O POBRE, por causa do clamor do pobre, não conseguiria beneficiar o pobre. Novamente, este ganancioso continuaria se apossando de coisas, e com sua ação, IMPEDINDO que os pobres usufruam daquilo que Deus enviou para eles. NA VERDADE, O QUE JEOVÁ ESTARIA VENDO?? JEOVÁ ESTARIA VENDO O RICO PEGANDO AQUILO QUE HAVIA SIDO DADO POR ELE PARA OUTROS. O RICO ESTAVA ROUBANDO O ALIMENTO DO POBRE.

Bem, o que Jeová viu no caso de Sodoma, Gomorra e cidades vizinhas?? Assim falou Jeová: “Eu vi a sua fartura, sua despreocupação do sossego e sua omissão de socorro ao atribulado e ao pobre, entre outras coisas”. (Ezequiel 16:49-50) 49 Eis que este é o que mostrou ser o erro de Sodoma, tua irmã: Orgulho, fartura de pão e a despreocupação do sossego foram [as coisas] que vieram a ser dela e das suas aldeias dependentes, e ela não fortaleceu a mão do atribulado e do pobre. 50 E elas continuaram a ser soberbas e a praticar uma coisa detestável diante de mim, e eu finalmente as removi, assim como vi [ser conveniente].

Assim verte a Tradução Brasileira: (Ezequiel 16:49-50) 49 Eis que esta era a iniqüidade de Sodoma, tua irmã: a soberba, a fartura de pão e a próspera tranqüilidade achavam-se nela e em suas filhas, porém não segurava ela a mão do pobre e do necessitado. 50 Eram arrogantes, e cometeram abominações diante de mim; portanto, ao ver isto, as removi do seu lugar.

O que Jeová via?? De um lado havia filhos com fartura de pão e próspera tranquilidade e do outro lado havia filhos pobres e necessitados.

A fartura de pão e a próspera tranquilidade do rico trazia como consequência a carência do pobre e do necessitado. De forma coerente com o seu Pai, Jesus chamou a atenção deste homem rico para o lado aposto, isto é, para o pobre. Enquanto você tem muitas coisas acumuladas, o pobre não tem coisa alguma. O pobre necessita das coisas que estão contigo. Você ama o pobre?? Então divida com ele aquilo que você tem sobrando e acumulado. Você me ama?? Então dê ao pobre aquilo de que ele necessita, de que carece e me faça feliz. Você pode vir a usar esta sobra acumulada apenas dentro de um ou dois anos. O pobre precisa disto para hoje. Evite a morte do pobre. Você o ama, não ama?? Onde está a tua misericórdia??? Quão profundo é o teu amor pelo pobre?? Onde está o teu coração?? Quão profundo é o teu sentimento de misericórdia pelo pobre?? Tua riqueza vale mais do que a VIDA do pobre?? De que é feito o teu coração, de carne ou de pedra??

Não foi exatamente a mesma afirmação do Pai?? "Partilhares o teu pão ao faminto"; esta foi a afirmação do Pai. Que exemplo existe de alguém que partilhou o próprio pão com um faminto desconhecido?? Bem, Jesus chamou a atenção de sua geração para aquela mulher, uma viúva cananeia: (Lucas 4:25-26) 25 Por exemplo, em verdade vos digo: Havia muitas viúvas em Israel nos dias de Elias, quando o céu ficou fechado por três anos e seis meses, de modo que sobreveio grande fome a toda a terra, 26 contudo, Elias não foi enviado a nenhuma destas [mulheres], mas apenas a Sarefá, na terra de Sídon, a uma viúva.



Voltando ao homem rico, diante de tal pedido inédito e profundo, feito por Jesus, o rico ficou triste, mas, continuou com suas coisas acumuladas, revelando onde realmente estava seu coração. Embora desmascarado, o rico preferiu continuar acreditando que suas ações eram aceitáveis para Deus, afinal, ele guardava todos os mandamentos, não guardava?? Sim, guardava-os desde sua mocidade. Ele se achava bem perto de Deus, não se achava?? Ele não aceitou se tornar um pobre de livre e espontânea vontade. De vontade própria, ele não abria mão do verbo “armazenar”. Jeová é o pai do livre-arbítrio e respeita o livre-arbítrio.

Os apóstolos ficaram surpresos com as palavras de Jesus e não com a atitude do homem rico.

Afinal, por que os apóstolos não ficaram surpresos com a atitude do homem rico?? Para os apóstolos, a reação do homem rico era normal e natural, no entanto, as palavras de Jesus é que eram inéditas. Para os apóstolos, ali estava um homem que cumpria os mandamentos, logo um homem digno de ser salvo, um homem justo e recompensado por ser justo, logo, um homem que estava perto de Deus. Segundo o olhar dos discípulos, não havia nada de errado com este homem, pois este homem retratava muito bem aquele lindo salmo: O dia inteiro ele mostra favor e EMPRESTA, E por isso a sua descendência está para receber uma bênção. Depois de ficarem surpresos com a relação oposta estabelecida por Jesus entre “homem rico” e “reino de Deus”, eles perguntaram a Jesus: Quem, de fato, pode ser salvo??

No entanto, a atitude passiva do homem rico condenava à morte, muitos pobres. O homem que acumula para si as coisas que representam vida para outros é deveras muito insensível. Ele revela ter um coração de pedra de esmeril, um coração tão duro quanto o diamante. Ele prefere ver os pobres continuarem a morrer do que doar sua riqueza para eles. Ele pode doar as sobras, emprestar e deixar de cobrar os juros, no entanto, reduzir o nível de sua riqueza, empobrecer por causa do pobre, muito difícil. Isto causaria muita dor no homem rico. Que valor foi atribuído ao pobre por aquele homem rico?? Decerto, um baixo valor.

Perder casas, armazéns e safras, todo o rebanho, todo o ouro e pedras preciosas, perder todas estas coisas em uma catástrofe natural, causa muita dor àquele que se sente dono de tais coisas. As pessoas choram muito quando isto acontece e sempre fazem a mesma pergunta: Ó Deus, por que isto aconteceu comigo? Ela gostaria que Deus impedisse que ela passasse por tal SOFRIMENTO. A dor da perda é enorme. Muitas pessoas sequer conseguem se recuperar emocionalmente por se tornarem e permanecerem pobres em consequência de um desastre natural.

Se a pessoa reage assim (revela seu sofrimento pela perda) quando ocorre uma catástrofe natural, como poderia tomar a iniciativa de vender todas as suas coisas e fazer doação de tudo aos pobres, tornando-se assim um pobre???

Aquele que CAMINHA EM DIREÇÃO À RIQUEZA deverá, de livre vontade, andar em sentido oposto e CAMINHAR EM DIREÇÃO À POBREZA?? Sim, foi isto o que Jesus pediu àquele homem rico.

TRATA-SE DE EXERCER O LIVRE-ARBÍTRIO?? SIM.

O que Jeová vê?

Jeová vê um filho ganancioso PEGANDO PARA SI as coisas que foram destinadas por Ele para outros filhos.

Jeová sempre ouve o clamor dos filhos pobres, em face do que eles carecem. Muitos filhos pobres passam a ser vítimas da ganância de um único homem rico. Logicamente, este homem rico está na direção oposta aos interesses do reino de Deus. De forma inédita e para aqueles homens que desejavam a riqueza, Jesus assim afirmou: (Mateus 6:24) 24 Ninguém pode trabalhar como escravo para dois amos; pois, ou há de odiar um e amar o outro, ou há de apegar-se a um e desprezar o outro. NÃO PODEIS TRABALHAR COMO ESCRAVOS PARA DEUS E PARA AS RIQUEZAS. (Lucas 16:13) 13 Nenhum servo doméstico pode ser escravo de dois amos; pois, ou há de odiar um e amar o outro, ou SE APEGARÁ A UM E DESPREZARÁ O OUTRO. NÃO PODEIS SER ESCRAVOS DE DEUS E DAS RIQUEZAS.

Assim, fica bem claro que aquele que já é rico (já praticou o verbo armazenar) e aquele que deseja praticar o verbo armazenar, estão indo na direção contrária ao reino de Deus. Estão indo na direção contrária aos interesses do próprio Pai. Revelam ter sentimentos opostos aos de Jeová e aos sentimentos de Jesus. Assim, em face de todos os detalhes acima verificados, ficou bem claro que, onde estiver a riqueza, o Pai estará do lado oposto.

NÃO É A ABUNDÂNCIA QUE PRODUZ UM HOMEM RICO. AJUNTAR COISAS PARA SI É O QUE PRODUZ O HOMEM RICO.

AQUELE QUE CAMINHAR EM DIREÇÃO À POBREZA ESTARÁ PROVOCANDO A ALEGRIA DO PAI CELESTIAL.

Estes homens gananciosos CAUSAM o gemido dos que sofrem, e os que sofrem, clamam a Deus e o Pai SEMPRE ouve o clamor dos que sofrem como VÍTIMAS dos gananciosos. Quem é que causa o sofrimento do faminto, daquele que nada tem??

Nossas ações podem provocar vítimas, mesmo sem que nós percebamos?? Sim.

O conceito aceito até então era que o rico GOZAVA DE PROXIMIDADE com Deus. Será que isto era uma verdade?? O que mais falou Jesus para explicar a real proximidade entre o “rico e Deus” e a real proximidade entre o “pobre e Deus”?? O rico vive na sua fartura de pão e na sua despreocupação do sossego ou na próspera tranquilidade enquanto o pobre vive na sua carência de pão. O rico não segura a mão do pobre e do necessitado. Aquilo que o pobre necessita está em poder do homem rico, está nas sobras do homem rico. Esta foi a situação exposta por Jesus.

Usando uma ilustração, assim falou Jesus: (Lucas 16:19-31) 19 Mas, CERTO HOMEM ERA RICO e costumava cobrir-se de púrpura e de linho, regalando-se de dia a dia com magnificência. 20 Mas, CERTO MENDIGO, de nome Lázaro, costumava ser colocado junto ao seu portão, [estando] cheio de úlceras 21 e desejoso de saciar-se com as coisas que caíam da mesa do rico. Sim, também os cães vinham e lambiam as suas úlceras. 22 Ora, no decorrer do tempo, morreu o mendigo e foi carregado pelos anjos para [a posição junto ao] seio de Abraão. “Também o rico morreu e foi enterrado. 23 E no Hades, ele ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu Abraão de LONGE, e Lázaro com ele [na posição junto] AO SEIO. 24 Por isso chamou e disse: ‘Pai Abraão, tem misericórdia de mim e manda que Lázaro mergulhe a ponta do seu dedo em água e refresque a minha língua, porque eu estou em angústia neste fogo intenso.’ 25 Mas Abraão disse: ‘Filho, lembra-te de que recebeste plenamente as tuas boas coisas no curso da tua vida, mas Lázaro, correspondentemente, as coisas prejudiciais. Agora, porém, ele está tendo CONSOLO aqui, mas tu estás em ANGÚSTIA. 26 E, além de todas essas coisas, estabeleceu-se um grande precipício entre nós e vós, de modo que os que querem passar daqui para vós não o podem, nem podem pessoas passar de lá para nós.’ 27 Ele disse então: ‘Neste caso, peço-te, pai, que o envies à casa de meu pai, 28 pois eu tenho cinco irmãos, a fim de que lhes dê um testemunho cabal, para que não cheguem a entrar neste lugar de tormento.’ 29 Mas Abraão disse: ‘Eles têm Moisés e os Profetas; que escutem a estes.’ 30 Ele disse então: ‘Não assim, pai Abraão, mas, se alguém dentre os mortos for ter com eles, arrepender-se-ão.’ 31 Mas ele lhe disse: ‘Se não escutam Moisés e os Profetas, tampouco serão persuadidos se alguém se levantar dentre os mortos.’”

Além de ser pobre, Lázaro possuía muitas úlceras, muitas feridas expostas, fato este visto pelo rico como um motivo mais forte para um afastamento deste pobre. Lázaro era levado e colocado junto ao portão do homem rico, para que este não tivesse a desculpa de não tê-lo visto. Decerto, um homem com tantas feridas só pode ser um grande pecador – assim pensavam tanto o rico, como os demais humanos daquela geração com a qual Jesus convivia.

Vendo-se como um abençoado por Deus, este rico filho de Abraão usufruía das coisas boas no decorrer de sua vida, enquanto que o pobre usufruía das coisas prejudiciais bem à vista do rico, que continuava na sua despreocupação e próspera tranquilidade, não segurando a mão do pobre, necessitado e atribulado irmão. Somente a morte dos dois revelaria a real condição dos dois aos olhos do Pai. Assim, ao final, para a surpresa do rico filho de Abraão, o pobre filho de Abraão revelou ser um filho muito amado pelo Pai Abraão.

No lugar da RIQUEZA gozar de proximidade com Jeová, é a POBREZA que goza de proximidade com Jeová. Esta é a realidade de Jeová.

Bem, a lei dada por Jeová, o Rei, através de Moisés, já determinava o não armazenar, assim como as cobranças feitas através dos profetas, lhes revelavam os sentimentos de Deus sobre a existência de ricos e pobres, bem como o valor que os ricos estavam atribuindo aos pobres dentro do Seu Reino. Apesar das palavras faladas e das ações tomadas pelo Pai em relação a este comportamento, as pessoas continuavam a armazenar, continuavam a enriquecer e continuavam desvalorizando os pobres e os doentes. Isto é uma questão de sentimentos. Isto é uma questão de coração. Então, quem os persuadiria a mudarem de sentimentos?? Pegariam eles as suas coisas armazenadas e as dariam para os pobres??

Lembra-se do que afirmou o compositor deste lindo e aclamado salmo?? Ele afirmou: (Salmos 37:25-26) 25 Eu era moço, também fiquei velho, E, no entanto, não vi nenhum justo completamente abandonado, Nem a sua descendência procurando pão. 26 O dia inteiro ele mostra favor e empresta, E por isso a sua descendência está para receber uma bênção.

Assim como os apóstolos de Jesus, este compositor também ficaria surpreso e assombrado com as palavras faladas por Jesus, palavras opostas as suas. O pobre estava recebendo CONSOLO por estar na posição junto ao seio, uma posição oposta a posição do rico lá longe. Lázaro aceitou a sua condição de pobre e sofreu com a indiferença do rico, indiferença que era fruto do seu coração mais duro que um diamante. Lázaro não sonhava em ser rico, não desejava ser rico. Ele desejava apenas saciar-se do desperdício do rico. No entanto, o reino de Deus é para os pobres, é para aqueles que não armazenam, é para aqueles que de vontade própria, não se apossam de nada, pois esta é a realidade do reino, fruto da vontade do Rei.

Esta era uma situação real entre os humanos na geração de Jesus?? O que Jesus via?? Não via Jesus ricos e pobres convivendo exatamente daquela forma retratada na ilustração?? Sim, era exatamente isto o que Jesus via.

Pegue apenas o que necessitas para o dia de hoje” – O que a oração do Pai Nosso revela??

Aquele mandamento dado no ermo devia continuar a ser obedecido?? Será que se trata de um comportamento definitivo dentro do reino de Deus??

Não foi nenhum humano quem criou a oração do Pai Nosso. Foi o Pai, aquele que criou a oração do Pai Nosso. Ele a criou e mandou-nos repetir para Ele.

Esta é uma das frases que o Pai quer ouvir do humano: “Dá-nos o pão para o dia de hoje”.

Assim se fez registrar: (Mateus 6:11) 11 Dá-nos hoje o nosso pão para este dia;

Assim verte a Tradução Almeida: (Mateus 6:11) 11 o pão nosso de cada dia nos dá hoje;

Tenho coisas guardadas para muitos anos - Dessemelhante desta afirmação do homem rico, o desejo do Pai é que o humano lhe peça o pão para aquele dia. O que fica bem claro?? Fica bem claro que o humano não tem nada armazenado, absolutamente nada. Ao começar cada novo dia, o humano deverá pedir ao Pai o pão para aquele dia.

Como pode um homem rico fazer esta oração ao Pai quando ele tem coisas armazenadas para muitos anos, vivendo a despreocupação do sossego?? Decerto, o homem rico mostraria ser hipócrita se fizesse a oração do Pai Nosso, não é verdade?? Ora, o homem rico já tem o pão para hoje, para amanhã, para depois de amanhã e para muitos dias à frente.

Há ainda alguma dúvida quanto o pegar apenas o que necessitas para o dia de hoje ser um mandamento perpétuo para o súdito do reino de Deus?? Não se trata de uma condição permanente projetada por Jeová para o humano??

Sendo esta a condição permanente projetada pelo Criador para todas as suas criaturas humanas, o que revela ser o homem rico??

NÃO SE APOSSAR DE NADA – esta é a forma de vida projetada pelo Criador para o humano.



E DEPOIS QUE VOCÊ EMPRESTOU, O QUE FAZER??

Em uma situação como esta, o que deve ser feito?? Eu lhe emprestei e ele ainda não me pagou de volta. Como eu devo ver tal pessoa?? Devo vê-la com os olhos de um discípulo de Moisés?? Como um discípulo de Moisés via tal pessoa?? O necessitado que não conseguisse saldar a dívida era visto como um iníquo?? Bem, este era o sentimento geral: (Salmos 37:21) 21 O iníquo toma emprestado e não paga de volta, Mas o justo está mostrando favor e está dando presentes.

Aos olhos do discípulo de Moisés, quem não paga de volta o que tomou emprestado é um iníquo que está causando um prejuízo ao justo. Neste caso, o pobre estava fazendo do rico a sua vítima. Neste caso, o justo podia exigir o pagamento da dívida, mesmo que para isto o “iníquo devedor” viesse a se tornar um escravo do “justo cobrador”. Assim, o empréstimo tinha de ser saudado a qualquer custo. Assim, o rico não poderia continuar sendo vítima de um pobre.

Agora, como um discípulo de Jesus via tal pessoa?? Que sentimento e comportamento deve ter um discípulo de Jesus, isto é, um aluno de Jesus?? Assim falou Jesus: (Lucas 6:34-36) 34 Também, se emprestardes [sem juros] àqueles de quem esperais receber, de que mérito é isso para vós? Até mesmo pecadores emprestam [sem juros] a pecadores, para receberem de volta o mesmo. 35 Ao contrário, continuai a amar os vossos inimigos e a fazer o bem, e a emprestar [sem juros], NÃO ESPERANDO NADA DE VOLTA; e a vossa recompensa será grande, E SEREIS FILHOS DO ALTÍSSIMO, porque ele é benigno para com os ingratos e os iníquos. 36 Continuai a tornar-vos misericordiosos, assim como vosso Pai é misericordioso.

Como emprestar e não esperar receber NADA de volta?? Isto é o mesmo que DAR, não é?? Isto é um ato de misericórdia, um ato de misericórdia. Aquele que fizer isto “mostrará ser” filho do Altíssimo.

Vender todas as coisas para DAR aos pobres o produto da venda é praticar um ato de misericórdia para com o pobre que recebe tais coisas de que carece. Lázaro (pobre e doente) desejava saciar-se com as sobras que caíam da mesa do rico.

Em relação ao EMPRÉSTIMO, como reagiu aquele homem da ilustração de Jesus contada a Pedro?? (Mateus 18:28-35) 28 Mas aquele escravo saiu e achou um dos seus co-escravos, que lhe devia cem denários; e, agarrando-o, começou a estrangulá-lo, dizendo: ‘Paga de volta o que deves.’ 29 Por isso, seu co-escravo prostrou-se e começou a suplicar-lhe, dizendo: ‘Tem paciência comigo, e eu te pagarei de volta.’ 30 No entanto, ele não estava disposto, mas foi e mandou lançá-lo na prisão, até que pagasse de volta o que devia. 31 Portanto, quando seus co-escravos viram o que tinha acontecido, ficaram muito contristados, e foram e esclareceram ao seu amo tudo o que tinha acontecido. 32 O amo dele convocou-o então e disse-lhe: ESCRAVO INÍQUO, eu te cancelei toda aquela dívida, quando me suplicaste. 33 Não devias tu, por tua vez, ter tido misericórdia do teu co-escravo, assim como eu também tive misericórdia de ti?’ 34 Com isso, seu amo, furioso, entregou-o aos carcereiros, até que pagasse de volta tudo o que devia. 35 Do mesmo modo lidará também convosco o meu Pai celestial, se não perdoardes de coração cada um ao seu irmão.”

Aquele que é rico não deseja sofrer perda de nada que ele acumulou para si. Ele deseja ter de volta aquilo que de alguma forma sai do seu depósito. A saída de algo representa perda, diminuição, prejuízo. Ele sempre deseja ter de volta o que sai do seu depósito.

O pobre que é pobre em face das circunstâncias, mas que deseja acumular coisas o suficiente para ter o que emprestar, também verá prejuízo ao não ter de volta, aquilo que saiu do seu depósito (um depósito menor). Em face disso, ele exige de volta aquilo que saiu do seu depósito. Ele vê como um direito seu o ter de volta aquilo que saiu do seu depósito.

Assim, quando estes que tiveram seu depósito diminuído em favor de um pobre, não satisfazem esta vontade de verem o seu depósito voltar, pelo menos, àquela condição anterior ao empréstimo, logo ficam furiosos com aquele que não lhes devolve o que receberam. O que fazer com este que lhe causa um prejuízo no seu estoque??

O que aquele escravo resolveu fazer??

Ele mandou lançar na prisão aquele homem que pediu emprestado e não pagou. Aquele que não pagou foi considerado um criminoso. A lei existente aprovava a ação do cobrador. A reação daquele que empresta é a de EXIGIR de volta aquilo que ele emprestou, ou seja, EXIGIR o pagamento da dívida. Ele sente-se um justo cobrador de um iníquo devedor, pois a lei humana dá àquele que empresta este direito. Ele se sente uma vítima. Naquela sociedade, quem não pagasse a dívida era um “fora da lei”. “Quem não paga o que deve é um iníquo” - não foi isto o que foi afirmado pelo compositor daquele lindo salmo?? No entanto, Jesus revelou qual é a reação do Pai quanto àquele que está em dívida com Ele. A reação daquele escravo mostrou ser uma reação oposta a reação do Altíssimo. Era uma questão de coração, não era??

Quem é que não está em dívida com o Pai??

O iníquo era aquele que devia e não pagava OU aquele que EXIGIA o pagamento da dívida?? Bem, neste caso, percebemos claramente que aquele que insiste em receber de volta o que emprestou é um iníquo. Percebemos que aquele que não perdoa a dívida do seu próximo é um iníquo. Este é o ponto de vista declarado de Jesus. Como as palavras de Jesus sempre eram uma exata repetição das palavras faladas pelo Pai, a quem o Pai via como iníquo??

Que mais disse Jesus?? (Lucas 6:30) 30 A TODO O QUE TE PEDIR, e daquele que te tirar tuas coisas, NÃO [AS] PEÇAS DE VOLTA.

Assim verte a Tradução Brasileira: (Lucas 6: 30) 30 a todo o que te pede; e ao que tira o que é teu, não lho reclames.

PRATIQUE O VERBO “DAR”.

Não peça de volta nem mesmo aquilo que foi tirado de mim?? Mas, Jesus, eu trabalhei muito para obter aquilo que foi tirado de mim, que era minha posse. Eu não dei e nem emprestei, ele a retirou de mim. Eu me tornei uma vítima, não foi?? Eu tenho de deixar pra lá e pronto??

Deixar pra lá e pronto é perdoar.

Será que existe alguma dúvida sobre qual é prática comum no reino de Deus???

Será que há alguma dúvida sobre o que caracteriza o reino de Deus???

Será que há alguma dúvida sobre qual é a principal característica do reino de Deus??

É o perdão, não é mesmo???

Apenas os alunos de Jesus é que precisam sentir e fazer as coisas exatamente assim como Jesus fez e mandou fazer. Os demais não precisam, pois eles ainda não se tornaram alunos de Jesus ou são alunos desobedientes.

E quanto àquele que já se considera um discípulo (aluno) de Jesus e ainda não admite ter os sentimentos e repetir as ações praticadas e ordenadas por Jesus?? Bem, ele precisa aprender a AMAR Jesus, pois quem ama a Jesus, obedece as “palavras” de Jesus. As palavras de Jesus se confundiam com as ações de Jesus, logo, não há dúvida em relação ao que o aluno deve fazer.

SE EU NÃO GANHO RIQUEZAS, ENTÃO, O QUE EU GANHO POR CUMPRIR OS MANDAMENTOS??

Eles queriam uma recompensa por viverem na pobreza?? Tratava-se de um sacrifício que estava sendo feito?? Ao final de tudo isto, o que ganharemos?? Será que se tratava de uma reparação pela perda de algo valioso?? Será que se tratava de pobres que desejavam a riqueza??

Jesus lhes havia pedido para abrirem mão de certas coisas. O abandono destas coisas causava um certo vazio nos apóstolos?? Estas coisas ocupavam uma posição destacada em suas vidas?? Abandonar tais coisas causava algum incômodo aos apóstolos??

Depois de ficarem surpresos e assombrados com estas duas declarações de Jesus em relação ao homem que, embora sendo um cumpridor dos mandamentos e rico, seria mais fácil um camelo passar pelo orifício de uma agulha, do que este entrar no reino de Deus, o que mais perguntaram eles a Jesus?? (Mateus 19:27) 27 Pedro disse-lhe então, em resposta: “Eis que abandonamos todas as coisas e te seguimos; O QUE HAVERÁ REALMENTE PARA NÓS?. . .

Que recompensa há por se cumprir os mandamentos?? Que reparação haverá para os que abandonam todas as coisas e te seguem?? Aquilo que estavam abandonando era algo extremamente desejável, não era?? Bem, esta pergunta revela qual era a expectativa de Pedro. Ele nasceu e foi criado por pessoas que tinham a expectativa fornecida pelas palavras de Moisés, ou seja: cumprir os mandamentos traz riquezas como forma de pagamento, uma forma de recompensa. Deus recompensa com riquezas, àquele que obedece Seus mandamentos – este era o ensinamento dado aos jovens. Se Deus não iria recompensar com riqueza àqueles que cumprissem os mandamentos, então que recompensa haverá para estes?? Papai, papai, o que é que eu ganho por comer tudo??

As “coisas abandonadas” eram coisas “mui desejáveis”.

Haverá uma merecida reparação para aquele que abandonar todas estas coisas??

Bem, que resposta deu Jesus a seus assombrados discípulos?? (Mateus 19:28-29) 28 Jesus disse-lhes: “Deveras, eu vos digo: NA RECRIAÇÃO, quando o Filho do homem se assentar no seu glorioso trono, vós, os que me seguistes, também estareis sentados em doze tronos, julgando as doze tribos de Israel. 29 E todo aquele que tiver abandonado casas, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou filhos, ou terras, por causa do meu nome, receberá muitas vezes mais e herdará a vida eterna.



Assim verte a Tradução Brasileira:

(Mateus 19:28-29) 28 Respondeu-lhe Jesus: Em verdade vos digo que vós que me seguistes, quando na Regeneração o Filho do homem se assentar no trono da sua glória, sentar-vos-eis também em doze tronos, para julgardes as doze tribos de Israel. 29 Todo o que tem deixado casas, irmãos, irmãs, pai, mãe, filhos ou terras por causa do meu nome, receberá muitas vezes mais, e herdará a vida eterna.



Nem mesmo na Regeneração haverá riquezas; não haverá mesmo riquezas. Bem, de acordo com a lei do reino, isto é uma coisa óbvia. Na Regeneração, a figura do homem rico seria definitivamente coisa do passado. Para conseguir entrar no reino, a pessoa não pode ser rica e nem ter o desejo de possuir e armazenar coisas, pois isto é contra a lei do reino, porque não é uma ação de AMOR e coloca a “vida” em risco, produzindo vítimas.

Como a pessoa receberia muitas vezes mais?? Ora, se ele tomar posse de terras e outras coisas materiais, não estará desobedecendo a ordem de “parai de armazenar” ou “não ajunteis”?? Certamente.

Se ele vendeu um castelo e repartiu entre os pobres o produto da venda, receberá ele muitos outros castelos?? Alcançaria a condição de mais rico do que era antes?? Será que Jesus o estava convidando para uma pobreza temporária cuja reparação por tal feito seria a pessoa receber riquezas materiais em quantidade maior do que aquela que ele possuía??

Tratava-se de um investimento?? Tratava-se de uma prova de fé, cuja recompensa seria o aumento da riqueza?? Ao final, tal discípulo de Jesus se tornaria muito mais rico do que antes??

Neste caso, como ele receberia muitas vezes mais??

Embora não fosse dono de nada, ele poderia usufruir de tudo.

UM SENTIMENTO LEVA O HOMEM A BUSCAR, TORNAR-SE E PERMANECER RICO.

É o DESEJO de possuir que leva o homem a armazenar e a ser rico.

O que revela ser o homem rico??

O que é riqueza? É a posse em abundância de qualquer coisa que se atribua algum valor.

Pode existir abundância de qualquer coisa sem que haja um “rico”? Sim, pode.

Não é a existência do ouro que faz alguém rico, antes, é aquele que toma posse do ouro, isto é, aquele que armazena para si, quem se torna rico.

Pode haver um “rico” sem que haja coisas armazenadas por ele ou para ele?? Não, isto nunca ocorre.

Pode existir um “rico” sem que haja abundância de qualquer coisa? Sim, pode, na visão de quem nada tem e desde que alguém armazene até mesmo o pouco que existe.

O que é necessário para que haja um “rico”?

Para que uma pessoa se torne rica é necessário haver o casamento entre duas coisas, isto é, (1) coisas que possam ser armazenadas e (2) o DESEJO de armazenar coisas para si (tomar para si).

Mesmo na carência, aquele que deseja armazenar, certamente acumulará coisas para si. Não havendo nada para ser armazenado, o DESEJO permanecerá ali, podendo até mesmo ser aumentado dia a dia. Na verdade, basta haver um egoísta, para que haja um “rico”. Assim, fica bem claro que ser rico é o resultado prático das ações de um EGOÍSTA. QUANTO MAIS EGOÍSTA FOR UMA PESSOA, mais rica ela poderá ficar, isto é, mais coisas ela desejará e certamente armazenará para si, para seu presente e futuro deleite.

Certamente, o rico sempre encontrará motivos válidos para seu desejo de armazenar coisas para si e de manter suas coisas armazenadas. O rico é um dos frutos do EGOÍSMO, sim, o rico é o resultado prático de um EGOÍSTA em ação.

PODERIA EXISTIR UM MUNDO SÓ DE PESSOAS RICAS?? Bem, quem iria trabalhar para os ricos??

Se tornar e permanecer rico sempre produzirá vítimas, os pobres. A riqueza traz terríveis efeitos colaterais.

PODERIA EXISTIR UM MUNDO SÓ DE PESSOAS POBRES?? Que efeitos colaterais poderiam existir, maléficos ou benéficos??

Agora podemos perguntar: Se torna rico aquele homem que é abençoado por Deus ou se torna rico aquele homem que DESEJA possuir coisas e satisfazendo o seu desejo ele passa a armazenar coisas para si??

Perguntamos de forma adicional: Se tornar rico e permanecer rico são estilos de vida aprovados pelo Pai?? Se tornar rico e permanecer rico são estilos de vida que fazem vítimas?? ESTAS VÍTIMAS NÃO SÃO PESSOAS QUE JEOVÁ AMA, NÃO SÃO “FILHOS” QUE ELE AMA???

SE EU FIZER VÍTIMAS COM AS MINHAS AÇÕES, NÃO ESTOU DEIXANDO O PAI CELESTIAL MUITO TRISTE??

O AMOR AO PRÓXIMO COMO A SI MESMO É O REMÉDIO CONTRA A GANÂNCIA, CONTRA A COBIÇA. Importar-se com o próximo é um antídoto contra o desejo de armazenar coisas para si. Os súditos do reino de Deus amam ao próximo como a si mesmos. Fica assim bem claro que tais sentimentos não podem acompanhar os súditos do reino de Deus, pois certamente haveria risco para a "vida". Será que já sou um súdito do reino de Deus?? Sei muito bem que “súdito” é aquele que nasce ou pede a cidadania no reino. No entanto, a “lei do reino” passa a vigorar para ele assim que ele passa a ser um cidadão do reino. Ele precisa concordar e aceitar esta lei como sendo a COISA CERTA a ser feita, mesmo que todos os demais sejam contra. Esta lei é um fruto da SABEDORIA do Pai.

Amar a Deus acima de todas as coisas e amar ao próximo como a si mesmo – segundo Jesus, TODA a lei depende destes dois mandamentos.

Quem ama ao próximo não se apodera de algo que foi destinado ao próximo e que o próximo necessita para continuar a viver.

Quem ama o Pai não faz o Pai sofrer por Este ver o sofrimento de um de Seus filhos.

Eles têm a Moisés e os profetas. Que escutem a tais....

Aquele homem era rico....

Aquele homem se via como aprovado por Deus. Se via como um abençoado por Deus, ao mesmo tempo em que via o pobre como um amaldiçoado por Deus.

Por que este homem tinha certeza de que sua condição de rico abençoado por Deus, e que ocupava uma condição de aprovado por Deus??

Por que aquela geração via o homem rico como um homem aprovado por Deus??

Alguém havia afirmado isto para eles??

Onde é que estes homens buscavam informações sobre o que Deus achava de sua condição aprovada??

Depois da sua morte, este homem percebeu que O Pai tinha o pobre em alta estima e que tinha o rico em baixa estima.

Este homem passou a saber da real opinião de Deus sobre ele na sua condição de rico....

Somente depois da morte é que o pobre Lázaro ficou sabendo da sua condição de proximidade com Deus.

Neste caso, vem a pergunta:

Por que toda aquela geração via o rico como abençoado, logo, gozando de uma proximidade com Deus, enquanto que também via o pobre como estando em uma condição amaldiçoada diante de Deus???

Por que as gerações anteriores também viam estas coisas sob o mesmo prisma??



Este interessante assunto continua sendo analisado em : Parai de armazenar

Topo desta página