FAREI A VÓS O QUE FIZERDES A OUTROS

 Criada em 04/02/2010                 Última alteração em 09/06/2014

RETRIBUIÇÃO – A LEI QUE NOS EDUCA



Caso um homem ao disparar uma arma de fogo, em qualquer direção, tivesse SEMPRE tal projétil voltando para seu próprio corpo naquele mesmo minuto, independente para que direção este homem corresse, certamente este nunca mais dispararia outra vez uma arma de fogo. Sendo imediato o retorno da ação tomada, o humano deixaria de praticar a ação contra seu próximo, por não desejar sentir a dor que isto ocasionaria nele. No entanto, o objetivo de Jeová é maior do que isto.

Assim falou Jesus: (Mateus 26:51-52) . . .. 52 Jesus disse-lhe então: “Devolve a espada ao seu lugar, pois TODOS os que tomarem a espada perecerão pela espada.

NUNCA tome nenhuma atitude agressiva contra ninguém, pois quem agir com agressividade contra a vida, certamente receberá de volta o mesmo tratamento agressivo. Esta é a lei da retribuição.

SEMPRE tome ações benéficas, positivas, em favor dos homens. Isto inclui irmãos amigos e irmãos inimigos. No lugar de estar preocupado em retribuir a ação maléfica ou benéfica praticada por outros homens, seja uma fonte de ações benéficas, positivas, independente da ação tomada pelos outros homens.

SEMPRE tome a iniciativa e SEMPRE faça coisas positivas, benéficas.

(Mateus 7:12) 12 TODAS AS COISAS, PORTANTO, QUE QUEREIS QUE OS HOMENS VOS FAÇAM, VÓS TAMBÉM TENDES DE FAZER DO MESMO MODO A ELES; isto, de fato, é o que a Lei e os Profetas querem dizer.

(Lucas 6:31) 31 Também, ASSIM COMO QUEREIS QUE OS HOMENS FAÇAM A VÓS, FAZEI DO MESMO MODO A ELES.

Estas duas afirmações acima estão na forma ATIVA de fazer e não na forma de não fazer. Jesus traz a atenção o outro lado de não tomar uma atitude agressiva contra o próximo. Assim, além de NUNCA tomar nenhuma ação negativa contra o meu semelhante (os humanos), SEMPRE tome ações positivas, ações que visam o bem estar do meu semelhante.



(Mateus 22:34-40) 34 Tendo os fariseus ouvido que ele silenciara os saduceus, ajuntaram-se num só grupo. 35 E um deles, versado na Lei, perguntou para prová-lo: 36 Instrutor, qual é o maior mandamento na Lei?” 37 Disse-lhe: “‘Tens de amar a Jeová, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua mente.’ 38 Este é o maior e primeiro mandamento. 39 O segundo, semelhante a este, é: ‘Tens de amar o teu próximo como a ti mesmo.’ 40 Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas.”


No entanto, se alguém tomar uma atitude maléfica e agressiva contra você, perdoe. Tantas quantas forem as vezes que tomarem ações agressivas contra você, perdoe. Perdoar é o mesmo que não levar em conta. Isto significa que devo esquecer, não devo lembrar, e finalmente apagar da minha memória toda e qualquer atitude maléfica praticada contra mim. Não se pode negar que a dívida existe. No entanto, eu tenho de tomar a iniciativa em cancelar a dívida.

Estarei errado se eu decidir retribuir ao ofensor o mesmo mal que ele me causou??

O Pai celestial promete que irá usar a lei da retribuição. A mesma atitude que demonstrares ter para com o teu próximo, qualquer humano vivo ou morto, o Pai celestial terá para com você. Neste caso, eu estarei pedindo ao Pai celestial que me trate assim como eu tenho tratado os outros homens.

(Mateus 6:9-12) 9 “Portanto, tendes de orar do seguinte modo: “‘Nosso Pai nos céus, santificado seja o teu nome. 10 Venha o teu reino. Realize-se a tua vontade, como no céu, assim também na terra. 11 Dá-nos hoje o nosso pão para este dia; 12 e PERDOA-NOS as nossas dívidas, ASSIM COMO NÓS também TEMOS PERDOADO aos nossos devedores.

FAREI A VÓS EXATAMENTE O QUE FIZERDES AOS OUTROS.

(Mateus 7:1-2) 7Parai de julgar, para que não sejais julgados; 2 pois, com o julgamento com que julgais, vós sereis julgados; E COM A MEDIDA COM QUE MEDIS, MEDIRÃO A VÓS.

(Mateus 6:14-15) 14 Pois, SE PERDOARDES aos homens as suas falhas, TAMBÉM O VOSSO PAI CELESTIAL VOS PERDOARÁ; 15 ao passo que, SE NÃO PERDOARDES aos homens as suas falhas, TAMPOUCO O VOSSO PAI VOS PERDOARÁ AS VOSSAS FALHAS.

Embora não tenha dado a cada um segundo os seus próprios caminhos, O Pai celestial já usava esta lei da retribuição, tanto no seu relacionamento com o povo escolhido, como com o restante dos humanos, claro, Ele é imparcial.

De que forma Jeová usava e porque Jeová uma lei de retribuição?

Trata-se de um relacionamento educativo. Trata-se de um relacionamento com um objetivo muito bem definido na mente do Pai Celestial.

(Joel 3:1-8) 3Pois, eis que naqueles dias e naquele tempo, quando eu trouxer de volta os cativos de Judá e de Jerusalém, 2 vou também reunir todas as nações e fazê-las descer à baixada de Jeosafá; e ali vou pôr-me em julgamento com elas por causa do meu povo e da minha herança de Israel, que dispersaram entre as nações; e repartiram a minha própria terra. 3 E continuaram a lançar sortes sobre o meu povo; e foram dar o menino por uma prostituta, e venderam a menina por vinho, para beberem. 4 E também, que tendes vós comigo, ó Tiro e Sídon, e todas as regiões da Filístia? É este o tratamento que me dais em recompensa? E se vós me dais tal tratamento, PAGAREI DE VOLTA VELOZ E RAPIDAMENTE VOSSO TRATAMENTO ÀS VOSSAS CABEÇAS. 5 Porque vós tomastes a minha própria prata e o meu próprio ouro e introduzistes nos vossos templos as minhas próprias boas coisas desejáveis; 6 e vendestes os filhos de Judá e os filhos de Jerusalém aos filhos dos gregos, a fim de removê-los para longe do seu próprio território; 7 eis que os desperto [para virem] do lugar ao qual os vendestes E VOU PAGAR DE VOLTA VOSSO TRATAMENTO ÀS VOSSAS PRÓPRIAS CABEÇAS. 8 E vou vender vossos filhos e vossas filhas à mão dos filhos de Judá, e terão de vendê-los aos homens de Sabá, a uma nação longínqua; porque o próprio Jeová [o] falou.

Assim verte a Tradução Almeida: (Joel 3:1-8) 1 Pois eis que naqueles dias, e naquele tempo, em que eu restaurar os exilados de Judá e de Jerusalém, 2 congregarei todas as nações, e as farei descer ao vale de Jeosafá; e ali com elas entrarei em juízo, por causa do meu povo, e da minha herança, Israel, a quem elas espalharam por entre as nações; repartiram a minha terra, 3 e lançaram sortes sobre o meu povo; deram um menino por uma meretriz, e venderam uma menina por vinho, para beberem. 4 E também que tendes vós comigo, Tiro e Sidom, e todas as regiões da Filístia? Acaso quereis vingar-vos de mim? Se assim vos quereis vingar, bem depressa retribuirei o vosso feito sobre a vossa cabeça. 5 Visto como levastes a minha prata e o meu ouro, e os meus ricos tesouros metestes nos vossos templos; 6 também vendestes os filhos de Judá e os filhos de Jerusalém aos filhos dos gregos, para os apartar para longe dos seus termos; 7 eis que eu os suscitarei do lugar para onde os vendestes, e retribuirei o vosso feito sobre a vossa cabeça; 8 pois venderei vossos filhos e vossas filhas na mão dos filhos de Judá, e estes os venderão aos sabeus, a uma nação remota, porque o Senhor o disse.



(Oséias 12:2) 2 E Jeová tem uma causa jurídica CONTRA JUDÁ, sim, para fazer um ajuste de contas com Jacó segundo os seus caminhos; PAGAR-LHE-Á DE VOLTA SEGUNDO AS SUAS AÇÕES.

Assim verte a Tradução Almeida: (Oséias 12:2) 2 O Senhor também com Judá tem contenda, e castigará a Jacó segundo os seus caminhos; segundo as suas obras o recompensará.

Vou fazer contigo exatamente assim como fizestes.

(Isaías 65:6-7) 6 Eis que está escrito diante de mim. Não ficarei quieto, mas vou dar uma recompensa; vou pôr mesmo uma recompensa no seu próprio seio, 7 pelos seus próprios erros e pelos erros dos seus antepassados ao mesmo tempo, disse Jeová. “Visto que fizeram fumaça sacrificial sobre os montes e me vituperaram sobre os morros, também eu vou medir-lhes seu salário primeiro de tudo no seu próprio seio.”

(Ezequiel 16:59-61) 59 Pois assim disse o Soberano Senhor Jeová: ‘TAMBÉM TEREI DE FAZER CONTIGO ASSIM COMO TU FIZESTE, porque desprezaste o juramento, violando [meu] pacto. 60 E eu, eu mesmo, terei de lembrar-me do meu pacto contigo nos dias da tua mocidade e terei de estabelecer para ti um pacto de duração indefinida. 61 E certamente te lembrarás dos teus caminhos e te sentirás humilhada ao acolheres as tuas irmãs, as mais velhas do que tu bem como as mais moças do que tu, e eu hei de dá-las a ti por filhas, mas não devido ao teu pacto.’

(Oséias 9:7) 7 Terão de vir os dias de se receber atenção; TERÃO DE VIR OS DIAS DA DEVIDA RETRIBUIÇÃO. Os de Israel [o] saberão. O profeta será tolo, o homem da expressão inspirada ficará enlouquecido por causa da abundância do teu erro, sendo abundante até mesmo a hostilidade.”

Trarei o teu procedimento sobre a tua própria cabeça.


(Ezequiel 9:9-10) 9 De modo que ele me disse: “O erro da casa de Israel e de Judá é muito, muito grande, e o país está cheio de derramamento de sangue e a cidade está cheia de deturpação; pois disseram: ‘Jeová deixou o país e Jeová não vê.’ 10 E também, no que se refere a mim, meu olho não terá dó, nem terei compaixão. Hei de trazer o procedimento deles sobre a sua própria cabeça.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Ezequiel 9:9-10) 9 Então me disse ele: A iniqüidade da casa de Israel e de Judá é grande em extremo, a terra está cheia de sangue, e a cidade cheia da perversão de juízos; porque dizem: Jeová abandonou a terra, Jeová não vê. 10 Também quanto a mim, os meus olhos não pouparão, nem mostrarei piedade, porém sobre a cabeça deles farei recair o seu caminho.

(Ezequiel 11:21) 21 “‘“Mas quanto àqueles cujo coração está andando nas suas coisas repugnantes e nas suas coisas detestáveis, hei de trazer seu próprio procedimento sobre a sua cabeça, é a pronunciação do Soberano Senhor Jeová.’”


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Ezequiel 11:21) 21 Mas quanto àqueles cujo coração anda após o coração das suas coisas detestáveis e das suas abominações, farei recair nas suas cabeças o seu caminho, diz o Senhor Jeová.

No entanto, fica no ar a seguinte pergunta: Para que serve a lei da retribuição?? A lei da retribuição tem um importante papel na nossa vida.

Decerto, serve para a pessoa tome consciência do grande mal que ela esteve ou ainda está causando a outros humanos semelhantes a ele. Tomando ciência deste fato, o humano deverá se envergonhar. Se for exposto diante da plateia, certamente sentirá grande vergonha e humilhação.

É imprescindível que o errante tome plena consciência do seu erro. Sem que isto ocorra, ele jamais poderá dar meia volta. Enquanto o errante não perceber que é um errante ou não for convencido que é um errante, não poderá dar meia volta. Dar meia volta significa passar a andar no sentido contrário ao que se estava andando até então. Ninguém pode dar meia volta pelo errante; somente ele pode tomar esta atitude e somente depois de tomar consciência. Este é o desejo do Pai.

Quando alguém se torna um opressor e comete um mal contra mim, o que devo fazer?? Devo usar a lei da retribuição?? Afinal, eu sou a vítima. Devo fazer um mal, qualquer mal contra ele?? Que INICIATIVA tenho de tomar??

Ouçamos a Jesus: (Mateus 18:15-17) 15 “Outrossim, se o teu irmão cometer um pecado, vai expor a falta dele entre ti e ele só. Se te escutar, ganhaste o teu irmão. 16 Mas, se não te escutar, toma contigo mais um ou dois, para que, pela boca de duas ou três testemunhas, todo assunto seja estabelecido. 17 Se não os escutar, fala à congregação. Se não escutar nem mesmo a congregação, seja ele para ti apenas como homem das nações e como cobrador de impostos.

Assim, passamos a entender as palavras de Jesus: "Quando teu irmão cometer uma falta contra você, VÁ falar com ele sobre isto". Com que objetivo?? Com que desejo no coração?? Ajudá-lo a tomar consciência do erro praticado, para que ele e somente ele possa dar a esperada meia volta. "Se ele não tomar consciência do erro, tome mais duas ou três pessoas e tente de novo. Se mesmo assim ele não tomar consciência do erro, se mesmo assim ele não for convencido de que houve erro e houve dano, reúna uma assembleia de pessoas para que a presença destas pessoas possa induzi-la a tomar consciência do erro". Se não acontecer o esperado, isto revela que esta pessoa está muito doente. Esqueça o acontecido, pois o perdão, o cancelamento da dívida, já foi concedido (doado) por você muito antes do primeiro passo. Estes passos têm como objetivo, apenas que o errante tome consciência, se envergonhe do seu erro e dê meia volta. Somente o errante pode deixar de ser errante. Este é o desejo do Pai. O Pai não deseja se livrar do errante. O Pai não desiste do errante.

O objetivo destas ações não é ser ressarcido de qualquer bem material envolvido. O objetivo não é convencê-lo que ele pague a dívida, qualquer dívida. O objetivo não é convencê-lo que ele deve receber uma punição como retribuição, como vingança. Poderia ser um dos objetivos apresentados neste parágrafo?? Se for este o caso, revela-se o que o ofendido tem no seu coração, satisfação do desejo de vingança ou compensação. Passamos a perceber que a prerrogativa de usar a lei da retribuição é do Pai.

No entanto, não deve ser o medo de ser punido, que deve induzir o humano a agir em relação a seu próximo. Tampouco o medo de ser exposto e humilhado diante de todos deve ser a motivação ideal no tocante a lidarmos com o nosso semelhante.

A lei da retribuição deve nos levar a outro lugar, a outro patamar.



Jesus nos revela a motivação superior. Assim nos ensina Jesus, repetindo exatamente aquilo que foi falado pelo Pai celestial: (Marcos 12:28-34) 28 Ora, um dos escribas, que se aproximara e os ouvira discutindo, sabendo que ele lhes tinha respondido de modo excelente, perguntou-lhe: “Que mandamento é o primeiro de todos?” 29 Jesus respondeu: “O primeiro é: ‘Ouve, ó Israel: Jeová, nosso Deus, é um só Jeová, 30 e tens de amar a Jeová, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de toda a tua mente, e de toda a tua força.’ 31 O segundo é este: TENS DE AMAR O TEU PRÓXIMO COMO A TI MESMO.NÃO HÁ OUTRO MANDAMENTO MAIOR DO QUE ESTES.” 32 O escriba disse-lhe: “Instrutor, bem disseste em harmonia com a verdade: ‘Ele é Um só, e não há outro senão Ele’; 33 e este amá-lo de todo o coração e de todo o entendimento, e de toda a força, e este amar o próximo como a si mesmo, VALE MUITO MAIS DO QUE TODOS OS HOLOCAUSTOS E SACRIFÍCIOS.” 34 Jesus, em vista disso, discernindo que tinha respondido inteligentemente, disse-lhe: “Não estás longe do reino de Deus.Mas, ninguém tinha mais coragem de interrogá-lo.


Não é o medo de sofrer o mesmo prejuízo dado ao próximo, que deve ser o guia do relacionamento humano de uns para com outros. A preocupação em não causar nenhum mal ao próximo é saber que ele sofrerá em face de minha atitude,
da minha ação ou da minha omissão. Se eu amá-lo, jamais vou querer que ele sofra e, de forma consciente, jamais serei o motivo do seu sofrimento.

O Pai celestial ama muito a mim. O Pai celestial ama meu vizinho com a mesma intensidade. O Pai celestial ama aquele que age como meu inimigo com a mesma intensidade. O Pai celestial ama o opressor com a mesma intensidade com que Ele ama a vítima. O Pai celestial ama aquele que age como inimigo Dele com a mesma intensidade que Ele ama um justo. Sim, é o Pai quem nos ensina o que é AMAR. O Pai está “Mostrando Ser” o que é Amar. Mostrarei Ser é o seu nome.

Assim, se eu amar o Pai celestial acima de tudo, jamais vou querer agir de forma agressiva para com aquele que Ele ama muito. O Pai celestial sofre por me ver sofrer, no entanto, também sofrerá se minha reação fizer outro sofrer. Neste caso, eu serei a causa do Pai celestial estar sofrendo. O Pai celestial deseja que nenhum de seus filhos faça outros sofrerem, e somente o verdadeiro amor entre irmãos é que impedirá que haja sofrimento para o Pai celestial. Qualquer ato agressivo da minha parte fará o Pai sofrer, pois o meu ato agressivo causará uma vítima, mesmo que seja um ato agressivo por retribuição.

O objetivo, o desejo do Pai não é punir aquele filho que causa vítimas; não é cumprir a lei da retribuição, não é sequer cumprir a punição já prometida. O objetivo, o desejo é que este filho se envergonhe por ter sido a causa do sofrimento de um irmão. Isto é verdadeiro, pois o Pai celestial não trará a devida retribuição para aquele que, antes de recebê-la, passa a perceber seus erros e consequentemente dá meia volta. Assim falou o Pai celestial: (Jeremias 18:1-10) 18 A palavra que veio a haver para Jeremias, da parte de Jeová, dizendo: 2 Levanta-te, e tens de descer à casa do oleiro e ali te farei ouvir as minhas palavras.” 3 E passei a descer à casa do oleiro, e eis que ele fazia uma obra na roda de oleiro. 4 E o vaso que fazia do barro foi estragado pela mão do oleiro, e ele tornou e foi fazer dele outro vaso, conforme parecia direito fazer aos olhos do oleiro. 5 E continuou a vir a haver para mim a palavra de Jeová, dizendo: 6 “‘Não posso eu fazer a vós como este oleiro [fez], ó casa de Israel?’ é a pronunciação de Jeová. ‘Eis que, como o barro na mão do oleiro, assim sois vós na minha mão, ó casa de Israel. 7 EM QUALQUER MOMENTO em que eu falar contra uma nação e contra um reino, para [a] desarraigar, e para [a] demolir, e para [a] destruir, 8 e ESTA NAÇÃO REALMENTE RECUAR DA SUA MALDADE contra a qual falei, TAMBÉM EU VOU DEPLORAR A CALAMIDADE QUE PENSEI EM EXECUTAR SOBRE ELA. 9 Mas, em qualquer momento em que eu falar a respeito de uma nação e a respeito de um reino, para [a] edificar e para [a] plantar, 10 e ela realmente fizer o que é mau aos meus olhos por não obedecer à minha voz, também eu vou deplorar o bem que eu disse [para mim] fazer-lhe para seu bem.’

Jeová falou: “Em qualquer momento em que ele recuar, eu vou deplorar a calamidade que afirmei trazer sobre ele”. Isso revela o Seu real objetivo, Sua real vontade.

O caso que envolveu Jeová, Jonas e a cidade de Nínive, explica de forma clara estas palavras acima proferidas pelo Pai e retransmitidas por Jeremias.

O que deseja o Pai celestial?? Não é que eu permaneça fazendo o que é benéfico?? Sim, este é o Seu desejo. Seu desejo é que eu permaneça fazendo o que é benéfico, independente do que acontece à minha volta.

O desejo do Pai não é punir aquele que está fazendo o mal. A punição dada ou prometida serve apenas para que eu tome consciência do mal que estava causando ao meu próximo ou a Ele mesmo. Se eu tomei consciência e comecei a me envergonhar disso, não haverá mais a prometida punição, pois o objetivo do Pai foi alcançado.

Isto é que é um Pai!!! Este é o Pai celestial. Suas qualidades são fantásticas!!!

Eu afirmo: Pai, seja feita a Tua vontade. A realização do desejo do Pai depende de que eu tome consciência deste desejo Dele e que aquele desejo Dele também passe a ser o meu desejo. Como eu tenho o livre arbítrio, que me foi dado pelo Pai, eu tenho de escolher conscientemente participar em realizar o desejo do Pai. Se eu me negar, estarei causando sofrimento no Pai, e com minhas ações, estarei fazendo vítimas. Todas as pessoas contra as quais se pratica o mal, sofrem, mesmo que seja por retribuição. Nota-se claramente que isto é um caso de AMOR (os dois mandamentos).

Passamos assim a perceber que é somente o Pai que tem o direito de usar a lei da retribuição. Como Pai, Ele tem a capacidade de saber até onde ir em BENEFÍCIO do opressor.

Se você escraviza outro ser humano, tendo o Pai Celestial já lhe informado que isto é um pecado, e, no entanto, você continua encontrando motivos válidos para mantê-lo como um escravo seu, nada melhor do que fazer você experimentar a condição de escravo de alguém para que você se convença a nunca mais escravizar nenhum ser humano.

No entanto, se você convenceu-se disso após a palavra falada, o Pai não usará a lei da retribuição, pois não há mais necessidade.

O que ficou claro??

Ficou claro que a lei da retribuição é um instrumento de ensino usado pelo Pai para que o insensível venha a entender uma palavra falada. Usa-se esta ferramenta para transformar um coração de pedra em um coração de carne.

Bem, admirá-lo é fácil, no entanto o Pai também deseja que nós o imitemos na questão do perdão. E quanto a punição pelo mal causado a mim?? Deixe que o Pai celestial cuide do caso. Afinal, você já não perdoou?? Então por que queres uma punição?? Você quer vingança ou você o perdoou?? Quem perdoa não deseja que ocorra a punição, não deseja uma vingança, não deseja nenhuma vingança. Assim, o meu desejo constante e imutável deve ser o de que o ofensor tome consciência de que seu ato, além de me transformar em vítima, também entristece ao Pai celestial.

Podemos ver claramente que o desejo do Pai é constante e imutável em ENDIREITAR, CONCERTAR o opressor. Endireitar é um ato positivo e amoroso.

Isto foi o que o Pai mandou Isaías retransmitir aos demais do povo: (Isaías 1:16-17) 16 Lavai-vos; limpai-vos; removei a ruindade das vossas ações de diante dos meus olhos; cessai de fazer o mal. 17 Aprendei a fazer o bem; buscai a justiça; ENDIREITAI O OPRESSOR; fazei julgamento para o menino órfão de pai; pleiteai a causa da viúva.”
No lugar de eliminar o opressor como vingança, endireitai o opressor; parem de fazer o que é mal. Se você fizer o mal como retribuição, você também está fazendo o mal e estará aumentando o sofrimento do Pai. Depois da vingança, que diferença existe entre você e o opressor?

O MOMENTO DE PUNIÇÃO, APESAR DE DOLOROSO, DEVE SER USADO PARA A REFLEXÃO E O APRENDIZADO

Vamos analisar fatos históricos, ou seja, um relacionamento real, entre o Criador e um humano escolhido, que quando punido, não parou para refletir sobre sua punição. Ele desejou e pediu mais e mais vingança e se vingou até onde pode. Aquilo que não pôde fazer, ele pediu a seu filho para fazer em seu lugar, mesmo depois que ele morresse.

O humano escolhido, um servo escolhido, um servo que tinha um relacionamento com Jeová, que apesar de saber ser pecado, decidiu cometer o pecado. Nosso amado irmão Davi é o servo escolhido de Jeová. Trata-se do caso que envolvia Davi, Bate-Seba e Urias. Urias era descendente de cananeus. Houve apropriação da esposa de Urias, uso de falsidade na tentativa de enganar Urias, plano e execução da morte de Urias. O que o “pleno tratamento de justiça” exigia para este caso?? Bem, deixemos que o próprio Davi responda: (2 Samuel 12:1-6) 12 E Jeová passou a enviar Natã a Davi. Portanto, entrou até ele e disse-lhe: “Sucedeu que havia dois homens numa cidade, um deles rico e o outro de poucos meios. 2 Acontece que o rico tinha muitíssimas ovelhas e gado vacum; 3 mas o homem de poucos meios não tinha senão uma só cordeira, uma pequena, que havia comprado. E conservava-a viva, e ela crescia com ele e com seus filhos, todos juntos. Comia do seu bocado e bebia do seu copo, e deitava-se no seu regaço, e veio a ser para ele como uma filha. 4 Depois de algum tempo chegou um visitante ao homem rico, mas este evitou tomar de suas próprias ovelhas e do seu próprio gado para aprontá-los para o viajante que chegara a ele. Tomou, portanto, a cordeira do homem de poucos meios e a aprontou para o homem que chegara a ele.” 5 Nisso se acendeu grandemente a ira de Davi contra o homem, de modo que ele disse a Natã: POR JEOVÁ QUE VIVE, O HOMEM QUE FEZ ISSO MERECE MORRER! 6 E quanto à cordeira, deve compensá-la com quatro, em conseqüência do fato de ter feito tal coisa e por não ter tido compaixão.”

O fato de Davi ser um servo escolhido por Jeová, um rei escolhido por Jeová e Urias ser um hitita, alguém que sequer fazia parte da nação escolhida, mudava alguma coisa em relação ao cometimento do pecado e da devida “justiça” a ser dada neste caso?? Uma das ordens de Jeová para seu povo escolhido era esta: (Levítico(19:15) 15 “‘Não deveis fazer injustiça no julgamento. Não deves tratar com parcialidade ao de condição humilde e não deves dar preferência à pessoa do grande. Com justiça deves julgar o teu colega.

Assim verte a Tradução Almeida:

(Levítico 19:15) 15 Não farás injustiça no juízo; não farás acepção da pessoa do pobre, nem honrarás o poderoso; mas com justiça julgarás o teu próximo.



. Não deves tratar com PARCIALIDADE ao de condição humilde e NÃO DEVES DAR PREFERÊNCIA À PESSOA DO GRANDE. Com justiça deves julgar o teu colega.

Favorecer, dar preferência à pessoa do grande é cometer um ato de injustiça, uma iniquidade. Neste caso, o que representaria um relacionamento de “plena justiça” (pecou, morreu) entre Jeová e seu servo escolhido Davi?? O próprio Davi respondeu corretamente, valorizando o de condição humilde e não dando preferência à pessoa do homem rico, o “grande”: O homem que fez isto, independente de quem seja e da sua condição de rico, merece morrer. Isto seria praticar a plena justiça, segundo o conceito humano de justiça.

No entanto, o que Jeová decidiu fazer neste caso?? Que decisão tomou o Juiz?? Assim está registrado: (2 Samuel 12:7-12) 7 Então disse Natã a Davi: “Tu mesmo és o homem! Assim disse Jeová, o Deus de Israel:Eu mesmo te ungi rei sobre Israel e eu mesmo te livrei da mão de Saul. 8 E eu estava disposto a dar-te a casa do teu senhor e as esposas do teu senhor no teu regaço, e a dar-te a casa de Israel e de Judá. E se não bastasse, eu estava disposto a acrescentar-te coisas tais como estas, bem como outras coisas. 9 Por que desprezaste a palavra de Jeová, fazendo o que é mau aos seus olhos? A Urias, o hitita, golpeaste com a espada e tomaste-lhe a esposa para ser tua esposa, e a ele mataste pela espada dos filhos de Amom. 10 E AGORA, POR TEMPO INDEFINIDO, NÃO SE AFASTARÁ A ESPADA DA TUA PRÓPRIA CASA, em conseqüência do fato de que me desprezaste, tomando a esposa de Urias, o hitita, para se tornar tua esposa.’ 11 ASSIM DISSE JEOVÁ:Eis que suscito contra ti uma calamidade provinda da tua própria casa; e hei de tomar as tuas esposas debaixo dos teus próprios olhos e dá-las ao teu próximo, e ele se há de deitar com as tuas esposas sob os olhares deste sol. 12 Ao passo que tu mesmo agiste às escondidas, eu, da minha parte, farei esta coisa perante todo o Israel e diante do sol.’”

As ações de Davi, um rei, contra Urias revelaram aquilo que havia no coração de Davi, e o Criador decidiu fazer Davi experimentar do mesmo tratamento que ele havia dispensado a Urias, um escravo hitita, ou pelo menos, parte dele. Jeová afirmou que o tratamento dado por Davi a Urias era uma ação de desprezo à pessoa Dele, Jeová.

Assim como fizeste, será feito a ti. Tua espécie de tratamento retornará sobre a tua própria cabeça. Esta foi a decisão de Jeová, uma decisão imparcial, sem favorecer a pessoa do grande. Um homem que havia praticado iniquidade, logo, um homem iníquo, recebendo de volta o mesmo tratamento que ele deu a outro humano.

Jeová podia matar Davi pelo que Davi havia feito a Urias, no entanto, Jeová traria sobre a cabeça de Davi aquele tratamento desigual, desumano, de total desvalorização de um ser humano, tratamento de Davi em relação a Urias.

O tempo foi passando e as hostilidades contra Davi foram aumentando, assim como o Criador havia definido ser a punição a ser aplicada neste caso específico.

Como se sentiu Davi ao estar recebendo a espécie de tratamento que ele deu a outro humano?? Assim ele se expressou:

(Salmos 35:4-8) 4 Sejam envergonhados e humilhados os que caçam a minha alma. Faça-se que tornem atrás e fiquem encabulados os que maquinam calamidade para mim. 5 tornem-se eles como a pragana diante do vento, E empurre-os o anjo de Jeová. 6 torne-se o caminho deles em escuridão e em lugares escorregadios, e persiga-os o anjo de jeová. 7 Pois, sem causa encobriram de mim a sua cova de redes; Sem causa a cavaram para a minha alma. 8 venha sobre ele a ruína sem que o saiba E apanhe-o a sua própria rede que encobriu; Caia nela com ruína.

(Salmos 28:3-4) 3 Não me arrastes junto com os iníquos e com os que praticam o que é prejudicial, Os que falam de paz com os seus companheiros, mas em cujos corações há o que é mau. 4 Dá-lhes segundo a sua atuação E segundo a ruindade das suas práticas. Dá-lhes segundo o trabalho das suas mãos. paga-lhes de volta o seu próprio ato.

(Salmos 143:12) 12 E na tua benevolência, que tu silencies os meus inimigos; E tens de DESTRUIR todos os que são hostis à minha alma, Porque sou teu servo.



Bem, Davi não gostou de receber tal tratamento. Suas expressões revelaram exatamente isto. Tornando-se vítima de suas próprias ações anteriores, Davi pediu vingança. Neste momento aflitivo, lembrou-se Davi daqueles que foram vitimados por suas ações iníquas?? Não. Não houve o reconhecimento do erro e o natural lamento por ter feito outras pessoas passarem por aquele mesmo mal. Bem, o sentimento revelado foi o desejo de vingança pelo mal que estava sofrendo. Davi queria que Jeová destruísse todos os que lhe eram hostis, afinal ele era um “servo” de Jeová, um escolhido. Ele se via como uma inocente vítima, apesar de Jeová ter falado exatamente o que lhe aconteceria e o motivo.

Que espécie de valor teria Urias, um escravo hitita (um cananeu), para Davi, um descendente de Jacó que havia sido escolhido por Jeová para ser um rei humano.

Como será que um humano se sentia na posição de rei??

Será que ele se sentia no mesmo nível dos demais humanos do seu grupo??

Como um legítimo descendente de Jacó, como será que Davi se sentia em relação aos demais que não eram descendentes de Jacó??

Será que os via como iguais?? Será que atribuía aos não descendentes de Jacó o mesmíssimo valor que ele atribuía aos descendentes de Jacó??

A boca fala daquilo que o coração está cheio. Esta frase de Jeová repetida por Jesus é extremamente instrutiva para nós. As palavras saídas da boca de Davi, nesta linda composição abaixo revelam o que havia em seu coração. O que tinha Davi em seu coração??

Assim ele se expressou: (Salmos 18:34-49) 34 Adestra as minhas mãos para a guerra, E meus braços comprimiram um arco de cobre. 35 E tu me darás o teu escudo de salvação, E a tua própria direita me amparará, E a tua própria humildade me engrandecerá. 36 Tu farás bastante lugar para os meus passos abaixo de mim, E os meus tornozelos certamente não vacilarão. 37 Perseguirei os meus inimigos e os alcançarei; E não voltarei até que tenham sido exterminados. 38 EU OS DESPEDAÇAREI de modo que não poderão mais levantar-se; Cairão sob os meus pés. 39 E tu me cingirás de energia vital para a guerra; Farás tombar debaixo de mim os que se levantam contra mim. 40 E quanto aos meus inimigos, certamente me darás a [sua] cerviz; E quanto aos que me odeiam intensamente, EU OS SILENCIAREI. 41 Clamam por ajuda, mas não há salvador, A Jeová, mas ele realmente não lhes responde. 42 E EU OS ESMIUÇAREI [até ficarem] iguais ao pó diante do vento; Como a lama das ruas os despejarei. 43 Tu me porás a salvo da crítica do meu povo. Designar-me-ás para cabeça das nações. Um povo que não conheci — ESTES ME SERVIRÃO. 44 A um mero rumor ME OBEDECERÃO; Os próprios estrangeiros virão a mim servilmente. 45 Os próprios estrangeiros se desvanecerão E sairão trêmulos dos seus baluartes. 46 Jeová vive, e bendita seja a minha Rocha, E seja enaltecido o Deus de minha salvação. 47 O [verdadeiro] Deus é Quem me dá atos de vingança, E ele me sujeita os povos. 48 Ele me põe a salvo dos meus inimigos irados; Erguer-me-ás acima dos que se levantam contra mim, LIVRAR-ME-ÁS DO HOMEM DE VIOLÊNCIA. 49 É por isso que te elogiarei entre as nações, ó Jeová, E ao teu nome vou entoar melodias.

Assim verte a Tradução Almeida: (Salmos 18:34-48) 34 Adestra as minhas mãos para a peleja, de sorte que os meus braços vergam um arco de bronze. 35 Também me deste o escudo da tua salvação; a tua mão direita me sustém, e a tua clemência me engrandece. 36 Alargas o caminho diante de mim, e os meus pés não resvalam. 37 Persigo os meus inimigos, e os alcanço; não volto senão depois de os ter consumido. 38 Atravesso-os, de modo que nunca mais se podem levantar; caem debaixo dos meus pés. 39 Pois me cinges de força para a peleja; prostras debaixo de mim aqueles que contra mim se levantam. 40 Fazes também que os meus inimigos me dêem as costas; aos que me odeiam eu os destruo. 41 Clamam, porém não há libertador; clamam ao Senhor, mas ele não lhes responde. 42 Então os esmiúço como o pó diante do vento; lanço-os fora como a lama das ruas. 43 Livras-me das contendas do povo, e me fazes cabeça das nações; um povo que eu não conhecia se me sujeita. 44 Ao ouvirem de mim, logo me obedecem; com lisonja os estrangeiros se me submetem. 45 Os estrangeiros desfalecem e, tremendo, saem dos seus esconderijos. 46 Vive o Senhor; bendita seja a minha rocha, e exaltado seja o Deus da minha salvação, 47 o Deus que me dá vingança, e sujeita os povos debaixo de mim, 48 que me livra de meus inimigos; sim, tu me exaltas sobre os que se levantam contra mim; tu me livras do homem violento. 49 Pelo que, ó Senhor, te louvarei entre as nações, e entoarei louvores ao teu nome.

Bem, o que revelou Davi?? Davi revelou ter violência em seu coração. Ele queria fazer violência a outras pessoas, vencendo-as, mas não queria ser vítima da violência de outras pessoas. Ele queria ser obedecido a qualquer custo. Aquele que não viesse a ele servilmente, tornando-se assim seu inimigo, ele o perseguiria, não voltaria até tê-lo exterminado. Até mesmo a crítica do seu próprio povo era uma coisa que ele não suportava, pois ele queria uma obediência servil, afinal de contas, ele era o rei. Falar contra Davi, um servo de Deus, quem poderia se atrever?? Uma intolerância e tanto!!!

Para tanto, para tais afirmações, a pessoa precisa achar-se sendo superior a todas as demais a seu redor, não é verdade??

De forma paralela, o sentimento do povo quando também estava experimentando as mesmas ações iníquas que haviam causado a outros, revelou ser o desejo de vingança pelo mau sofrido. Não houve o reconhecimento do erro cometido contra os outros e o natural lamento de terem feito outras pessoas passarem por aquele mesmo mal que ele estavam passando naquele momento.

Para o povo escolhido e amado, que espécie de valor tinham as demais pessoas que não pertenciam a seu grupo de escolhidos??

Quais foram as expressões do povo??

Assim está registrado: (Salmos 79:1-13) 79 Ó Deus, as nações entraram na tua herança; Aviltaram teu santo templo; Fizeram de Jerusalém um montão de ruínas. 2 Os cadáveres dos teus servos eles deram por alimento às aves dos céus, A carne dos que te eram leais, às feras da terra. 3 Derramaram seu sangue como água Ao redor de Jerusalém, e não há quem faça o enterro. 4 Tornamo-nos um vitupério aos nossos vizinhos, Caçoada e troça para os que estão ao nosso redor. 5 Até quando ficarás irado, ó Jeová? Para sempre? Até quando arderá o teu fervor como fogo? 6 Derrama teu furor sobre as nações que não te conheceram E sobre os reinos que não invocaram teu próprio nome. 7 Pois consumiram a Jacó E causaram a desolação do próprio lugar de permanência dele. 8 Não te lembres contra nós dos erros dos antecessores. Apressa-te! Confrontem-nos as tuas misericórdias, Pois empobrecemos muitíssimo. 9 Ajuda-nos, ó Deus de nossa salvação, Por causa da glória do teu nome; E livra-nos e cobre os nossos pecados por causa do teu nome. 10 Por que deviam as nações dizer: “Onde está o Deus deles?” Saiba-se entre as nações, diante de nossos olhos, A VINGANÇA do sangue dos teus servos que se derramou. 11 Chegue diante de ti mesmo o suspiro do prisioneiro. Segundo a grandeza do teu braço, preserva os destinados à morte. 12 E PAGA DE VOLTA aos nossos vizinhos, SETE VEZES ao seu seio, Seu vitupério com que te vituperaram, ó Jeová. 13 Quanto a nós, teu povo e o rebanho do teu pasto, Agradeceremos a ti por tempo indefinido; Declararemos o teu louvor de geração em geração.

Assim verte a Tradução Almeida: (Salmos 79:1-13) 1 Ó Deus, as nações invadiram a tua herança; contaminaram o teu santo templo; reduziram Jerusalém a ruínas. 2 Deram os cadáveres dos teus servos como pastos às aves dos céus, e a carne dos teus santos aos animais da terra. 3 Derramaram o sangue deles como água ao redor de Jerusalém, e não houve quem os sepultasse. 4 Somos feitos o opróbrio dos nossos vizinhos, o escárnio e a zombaria dos que estão em redor de nós. 5 Até quando, Senhor? Indignar-te-ás para sempre? Arderá o teu zelo como fogo? 6 Derrama o teu furor sobre as nações que não te conhecem, e sobre os reinos que não invocam o teu nome; 7 porque eles devoraram a Jacó, e assolaram a sua morada. 8 Não te lembres contra nós das iniqüidades de nossos pais; venha depressa ao nosso encontro a tua compaixão, pois estamos muito abatidos. 9 Ajuda-nos, ó Deus da nossa salvação, pela glória do teu nome; livra-nos, e perdoa os nossos pecados, por amor do teu nome. 10 Por que diriam as nações: Onde está o seu Deus? Torne-se manifesta entre as nações, à nossa vista, a vingança do sangue derramado dos teus servos. 11 Chegue à tua presença o gemido dos presos; segundo a grandeza do teu braço, preserva aqueles que estão condenados à morte. 12 E aos nossos vizinhos, deita-lhes no regaço, SETUPLICADAMENTE, a injúria com que te injuriaram, Senhor. 13 Assim nós, teu povo ovelhas de teu pasto, te louvaremos eternamente; de geração em geração publicaremos os teus louvores.



Atos iníquos sempre causam sofrimento em alguém. Atos iníquos sempre causam vítimas e as vítimas sempre sofrem. Como parar este círculo vicioso??

As reações de Davi e do povo ao estarem sendo punidos foram idênticas. Embora não tenham se lembrado do mal que causaram a outros, apesar de avisados, não gostaram de receber aquele tratamento que deram a outros. Embora tenham feito vítimas, não gostaram de ser as vítimas.

Será que viam os outros povos como vasos próprios para a destruição?? Será que viam os demais povos como uma escória que deveria ser varrida de cima da terra??

Afinal, eles eram o povo escolhido por Jeová e Jeová afirmou e já havia provado que os amava. “Olhe o que eles estão fazendo com aqueles que o Senhor ama; prove que nos ama e mate-os”, pedia o povo escolhido.

A primeira reação não foi de lembrar-se das pessoas que foram vitimadas pelos seus atos iníquos, antes, foi de revolta por estar recebendo um tratamento agressivo, agora visto como iníquo, uma revolta por estar sendo vítima de iniquidade. Decerto, consideravam-se muito melhores do que àquelas pessoas “incircuncisas” contra quem eles tinham feito iniquidades. Como pode um “incircunciso”, a escória da humanidade, cometer iniquidades contra os “circuncisos” amados de Deus, e ainda permanecerem impunes??

Bem, já que não gostaram de receber tal tratamento iníquo, “façam aos outros apenas aquilo que gostarias que os outros fizessem com você”. Não é esta a moral da história?? Sim, é. Não é este o objetivo da punição dada?? Sim, é.

No entanto, o que faltava àqueles homens??

Faltava o sentimento de igualdade.

Eles não viam os demais humanos como pessoas com os mesmos direitos deveres que eles. Viam-se como muito superiores a todos os demais humanos, principalmente os habitantes da terra de Canaã.

Será que viam todos os habitantes de Canaã como pessoas amaldiçoadas por Jeová, só pelo fato de serem descendentes de Cã??

Será que viam todos os habitantes de Canaã como pessoas amaldiçoadas, só pelo fato de não serem descendentes de Jacó??



VOU FAZÊ-LOS PASSAR PELA CONDIÇÃO DE ESCRAVOS, ESCRAVOS ATRIBULADOS – QUAL SERIA O OBJETIVO DO CRIADOR??

Assim falou Jeová para Abraão, mesmo antes do nascimento de Isaque: “Teus descendentes se tornarão residentes forasteiros e depois escravos atribulados numa terra que não é sua”. (Gênesis 15:13-16) 13 E ele começou a dizer a Abrão: Sabe com certeza que o teu descendente se tornará RESIDENTE FORASTEIRO numa terra que não é sua; e eles TERÃO DE SERVIR-LHES, e estes certamente OS ATRIBULARÃO por quatrocentos anos. 14 Mas eu estou julgando a nação à qual servirão, e depois sairão com muitos bens. 15 Quanto a ti, irás em paz para os teus antepassados; serás enterrado numa boa velhice. 16 Na quarta geração, porém, voltarão para cá, porque ainda não se completou o erro dos amorreus.”

Ser um escravo seria uma coisa agradável?? Seria causa para sofrimento ou para alegria?? Depois de passar quatro gerações sendo escravos, além de desejarem a liberdade, o que mais poderiam desejar estes descendentes de Abraão??

Ao estarem sendo reduzidos à condição de escravos atribulados, e permanecerem nela, o que estes descendentes de Abraão pediam a Jeová?? O que Jeová ouviu?? Bem, assim Ele falou à Moisés: (Êxodo 3:7-9) 7 E Jeová acrescentou: “Indubitavelmente, tenho visto a tribulação do meu povo que está no Egito e TENHO OUVIDO SEU CLAMOR por causa daqueles que os compelem a trabalhar; porque eu bem sei das dores que SOFREM. 8 E estou para descer, a fim de livrá-los da mão dos egípcios e para fazê-los subir daquela terra para uma terra boa e espaçosa, para uma terra que mana leite e mel, para o lugar dos cananeus, e dos hititas, e dos amorreus, e dos perizeus, e dos heveus, e dos jebuseus. 9 E agora, eis que CHEGOU A MIM O CLAMOR DOS FILHOS DE ISRAEL e eu vi também a opressão com que os egípcios os oprimem.

Trabalhos forçados, trabalhos pesados que causavam dores, causavam tribulação. Os escravizados, aqueles que são obrigados a trabalhar para outros, os que sofrem opressão daqueles que os compelem a trabalhar, sempre clamam. Clamor é assim definido por certo dicionário:

CLAMOR s.m. Gritos tumultuosos de reprovação, de descontentamento: os clamores de uma multidão. / Reclamação, queixa.

Depois de sentirem na própria pele o que é estar escravizado, oprimido e atribulado, o que certamente desejariam tais homens?? Nunca mais voltar à condição de povo escravizado, certamente era um dos desejos destes homens.

Depois de libertá-los da “opressão com que os egípcios os oprimiam”, Jeová lhes chamou atenção para certos detalhes. Ainda no deserto, assim falou Jeová para o povo que Ele tinha acabado de libertar da escravidão: (Êxodo 20:1-3) 20 E Deus passou a falar todas estas palavras, dizendo: 2 Eu sou Jeová, teu Deus, que te fiz sair da terra do Egito, da casa dos escravos. 3 Não deves ter quaisquer outros deuses em oposição à minha pessoa.

(Levítico 25:39-40) 39 “‘E caso teu irmão fique pobre ao teu lado e tenha de vender-se a ti, não o deves usar como trabalhador em serviço de escravo. 40 Deve vir a estar contigo como trabalhador contratado, como colono. Deve servir contigo até o ano do jubileu.


(Êxodo 12:49) 49 DEVE HAVER UMA SÓ LEI para o natural e para o residente forasteiro que reside no vosso meio.


(Êxodo 22:21) 21 E NÃO DEVES MALTRATAR NEM OPRIMIR o residente forasteiro, PORQUE vós vos tornastes residentes forasteiros na terra do Egito.


(Êxodo 23:9) 9 E NÃO DEVES OPRIMIR o residente forasteiro, VISTO QUE vós mesmos conhecestes a alma do residente forasteiro, PORQUE vos tornastes residentes forasteiros na terra do Egito.


(Levítico 19:9-10) 9 “‘E quando ceifardes a colheita da vossa terra, não deves ceifar completamente o canto do teu campo e não deves apanhar a respiga da tua colheita. 10 Tampouco deves rebuscar as sobras do teu vinhedo e não deves apanhar as uvas espalhadas do teu vinhedo. Deves deixá-los para o atribulado e para o residente forasteiro. Eu sou Jeová, vosso Deus.


(Levítico 19:33-34) 33 “‘E caso um residente forasteiro resida contigo no vosso país, NÃO DEVEIS MALTRATÁ-LO. 34 O residente forasteiro que reside convosco deve tornar-se para vós como o vosso natural; E TENS DE AMÁ-LO como a ti mesmo, POIS VOS TORNASTES RESIDENTES FORASTEIROS NA TERRA DO EGITO. Eu sou Jeová, vosso Deus.



As palavras faladas por Jesus, não resumem exatamente aquilo que o Criador esperava que o povo escolhido fizesse?? Sim. Depois de experimentarem quão ruim era a condição de escravo, o que o Criador lhes pediu para fazer?? Pediu para tivessem seus próprios escravos para trabalharem para eles?? Era para dar a outros o mesmo tratamento que receberam??

(Mateus 7:12) 12 TODAS AS COISAS, PORTANTO, QUE QUEREIS QUE OS HOMENS VOS FAÇAM, VÓS TAMBÉM TENDES DE FAZER DO MESMO MODO A ELES; isto, de fato, É O QUE A LEI E OS PROFETAS QUEREM DIZER.

A lei dada por Jeová era bem clara quanto ao que Jeová esperava deles. Caso eles decidissem fazer de alguém um escravo, atribulando-o, este certamente clamaria a Deus. Jeová SEMPRE ouve o clamor dos oprimidos, circuncisos ou incircuncisos.

Será que o povo aprendeu esta lição prática?? Centenas de anos depois de Moisés, assim falou Jeová para Isaías:

(Isaías 58:3-6) 3 “‘Por que razão jejuamos e tu não [o] viste, e atribulamos a nossa alma e tu não [o] notavas?’ “Deveras, vós vos agradastes do próprio dia de vosso jejum, QUANDO HAVIA TODOS OS VOSSOS LABUTADORES QUE VÓS IMPELÍEIS A TRABALHAR. 4 Deveras, jejuáveis para altercação e para rixa, e para socar com o punho da iniqüidade. Não continuastes a jejuar como no dia para se fazer ouvir a vossa voz na altura? 5 Acaso deve o jejum que eu escolho tornar-se assim, como um dia em que o homem terreno atribula a sua alma? Para encurvar a sua cabeça como o junco e para que estenda apenas serapilheira e cinzas como o seu leito? É isto o que chamais de jejum e de dia aceitável para Jeová? 6 Não é este o jejum que escolhi? Soltar os grilhões da iniqüidade, DESATAR AS BROCHAS DA CANGA E DEIXAR IR LIVRES OS ESMAGADOS, E QUE ROMPAIS TODA CANGA?

Assim verte a Tradução Brasileira:

(Isaías 58:3-6) 3 Por que temos nós jejuado, dizem eles, e tu não atentas? por que temos afligido as nossas almas e tu não o sabes? Eis que no dia do vosso jejum prosseguis as vossas empresas, e exigis que se façam todos os vossos trabalhos. 4 Eis que jejuais para contendas e rixas, e para ferirdes com punho iníquo; não jejuais hoje, de maneira que a vossa voz se faça ouvir no alto. 5 Acaso pode tal jejum ser o que escolhi? o dia em que o homem humilha a sua alma? Consiste, porventura, em inclinar o homem a cabeça como junco e em estender debaixo de si saco e cinza? porventura chamará a isso jejum, e dia aceitável a Jeová? 6 Acaso não é este o jejum que escolhi-romper as ligaduras da iniqüidade, desatar as ligaduras do jugo, deixar ir livres os oprimidos e quebrar todo o jugo?

Ora, para que serviam os habitantes da terra de Canaã??

Serviam para serem usados como escravos.

Bem, a nação fez escravos e oprimiu seus residentes forasteiros (estrangeiros), fazendo-os passar pela condição de oprimidos, impelindo-os a trabalharem e fazendo-os emitir o clamor característico de quem se encontra nesta condição.

Que mais estava vendo Jeová estes homens praticarem contra outros, que Ele iria fazê-los passar pela mesma situação?? Assim falou Jeová para Seu mensageiro Ezequiel: (Ezequiel 7:23-27) 23 “‘Faze a corrente, porque a própria terra ficou cheia de julgamentos sangrentos e a própria cidade ficou cheia de violência. 24 E vou fazer entrar os piores das nações e eles certamente se apossarão das suas casas, e vou fazer cessar o orgulho dos fortes, e seus santuários terão de ser profanados. 25 Virá angústia, e eles hão de procurar a paz, mas não haverá nenhuma. 26 Virá adversidade sobre adversidade e virá a haver notícia sobre notícia, e as pessoas procurarão realmente uma visão do profeta, e do sacerdote perecerá a própria lei e dos homens idosos o conselho. 27 O próprio rei pôr-se-á a prantear; até mesmo o maioral se vestirá de desolação, e as próprias mãos do povo da terra ficarão perturbadas. Agirei para com eles segundo o seu caminho e os julgarei com os seus julgamentos; e terão de saber que eu sou Jeová.’”

Assim verte a Tradução Brasileira: (Ezequiel 7:23-27) 23 Faze uma cadeia; porque a terra está cheia de crimes de sangue, e a cidade está cheia de violência. 24 Farei vir os péssimos dos pagãos, que possuirão as casas deles; também farei cessar a soberba dos poderosos. Os seus lugares santos serão profanados. 25 Vem a destruição; eles buscarão a paz, e não a haverá. 26 Virá miséria sobre miséria, e levantar-se-á rumor sobre rumor; do profeta buscarão uma visão; do sacerdote perecerá a lei, e dos anciãos o conselho. 27 O rei pranteará, e o príncipe cobrir-se-á de desolação, e as mãos do povo da terra tremerão de medo. Far-lhes-ei conforme o seu caminho, e os julgarei segundo os seus merecimentos; e saberão que eu sou Jeová.

Eles mostraram ser os mais soberbos da terra de Canaã.

Farei com eles segundo eles fizeram contra os demais habitantes de Canaã.

Qual era o caminho praticado pela nação santa?? Aquele caminho que seria praticado contra eles por aquelas outras nações. Somente a insistente violência e o roubo de riquezas seria praticado contra eles.

Jeová afirmou: Agirei com eles segundo os seus caminhos.

Eles aprenderiam pelo modo mais doloroso, que não deviam praticar violência contra os outros povos. Como?? Sentindo na própria pele o que é ser tratado com violência.

Será que aprenderiam?? Vejamos o que Jeová afirmou para Seu mensageiro Jeremias: (Jeremias 23:17-20) 17 Dizem vez após vez aos que são desrespeitosos para comigo: ‘Jeová falou: “Paz é o que vós ireis ter.”’ E [a] todo aquele que anda na obstinação de seu coração disseram: ‘Nenhuma calamidade virá sobre vós.’ 18 Pois, quem estava de pé no grupo íntimo de Jeová para ver e ouvir a sua palavra? Quem deu atenção à sua palavra para ouvi-la? 19 Eis que certamente sairá o vendaval de Jeová, o próprio furor, sim, uma tormenta rodopiante. Rodopiará sobre a cabeça dos iníquos. 20 A ira de Jeová não recuará até que ele tenha executado e até que tenha realizado as idéias de seu coração. Na parte final dos dias dareis a isso vossa consideração com compreensão.

Assim verte a Tradução Almeida: (Jeremias 23:17-20) 17 Dizem continuamente aos que desprezam a palavra do Senhor: Paz tereis; e a todo o que anda na teimosia do seu coração, dizem: Não virá mal sobre vós. 18 Pois quem dentre eles esteve no concílio do Senhor, para que percebesse e ouvisse a sua palavra, ou quem esteve atento e escutou a sua palavra? 19 Eis a tempestade do Senhor! A sua indignação, qual tempestade devastadora, já saiu; descarregar-se-á sobre a cabeça dos ímpios. 20 Não retrocederá a ira do Senhor, até que ele tenha executado e cumprido os seus desígnios. Nos últimos dias entendereis isso claramente.

No entanto, seus antepassados haviam saído de uma condição de escravos. Eles já haviam sofrido como vítimas, no entanto, decidiram fazer outros como suas vítimas.

Quando todos os povos da terra de Canaã voltaram do longo exílio, será que o povo escolhido e amado passou a ver os demais habitantes de Canaã como humanos que tinham diante do Pai Jeová o mesmo valor que eles atribuíam a si mesmos??

Será que permaneceram com o mesmo sentimento que seus antepassados tinham pelos demais povos da terra de Canaã??

As palavras registradas naqueles salmos revelaram o sentimento que tinham pelos demais povos.

Ao verem os demais povos da terra de Canaã retornando assim como eles para habitar na mesma terra, como se expressaram para Jeová??

(Malaquias 3:13-15) 13 Fortes foram as vossas palavras contra mim”, disse Jeová. E dissestes: “Que falamos entre nós contra ti?” 14 Dissestes: ‘De nada vale servir a Deus. E que lucro há em termos cumprido a obrigação para com ele e em termos andado acabrunhados por causa de Jeová dos exércitos? 15 E atualmente declaramos felizes os presunçosos. Também os praticantes da iniqüidade foram edificados. Eles também têm experimentado a Deus e conseguem safar-se.’”


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Malaquias 3:13-15) 13 As vossas palavras têm sido audazes contra mim, diz Jeová. Contudo dizeis: Em que temos falado contra ti? 14 Tendes dito: Vão é servir a Deus: e que nos aproveita termos guardado o seu preceito, e termos andado de luto perante Jeová dos exércitos? 15 Assim nós chamamos ditosos aos soberbos; os que obram impiedade, são edificados; os que tentam a Deus, são libertados.

O que desejavam estes homens??

Não desejavam ver o extermínio de todos os demais povos da terra de Canaã??

Não ficaram decepcionados com Jeová pelo fato daquelas nações da terra de Canaã voltarem a ocupar a terra de Cana, exatamente assim como eles??

O que adiantou sermos os servos de Jeová??

Não foram libertados os que obram a impiedade??

Onde está o Deus da justiça??

Finalmente, eles questionaram:

(Malaquias 2:17) 17 Fatigastes a Jeová com as vossas palavras e dissestes: ‘De que modo [o] fatigamos?’ Por dizerdes: ‘Todo aquele que faz o mal é bom aos olhos de Jeová e de tais é que ele mesmo se agrada’; ou: ‘ONDE ESTÁ O DEUS DA JUSTIÇA?’”


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Malaquias 2:17) 17 Tendes enfadado a Jeová com as vossas palavras. Todavia dizeis: Em que o temos enfadado? Nisto que dizeis: Todo o que faz o mal é bom aos olhos de Jeová, e nestes tais ele se deleita; ou ONDE ESTÁ O DEUS DO JUÍZO?

Os sentimentos em relação aos outros povos da terra de Canaã continuou o mesmo. O olhar do povo escolhido em relação aos demais povos da terra de Canaã continuava o mesmo, ou seja, um olhar soberbo, um olhar de cima para baixo..

Assim, pudemos perceber que esta lição, eles revelaram não ter aprendido. O sofrimento pelo qual passaram não lhes despertou o sentimento que Jeová lhes chamou a atenção.

O forte desejo por riquezas, o guardar ressentimento, o desejo de vingança e o sentimento de superioridade foram alguns dos fatores que impediram o povo escolhido a aprender esta sábia lição ensinada pelo Criador.

Depois de milênios, nós podemos tirar proveito do erro de nossos irmãos e compreender a lição que o nosso Criador ainda continua ensinando a todos nós.



Topo desta página