PARA JEOVÁ, ADULTÉRIO NÃO ANULA CASAMENTO

Criada em 21/03/10 Última alteração em 16/12/12






DIVÓRCIO – CONDIÇÃO TEMPORÁRIA OU ETERNA??

CASAMENTO – CONDIÇÃO TEMPORÁRIA OU ETERNA??

Qual é a vontade de Jeová??

Jeová revela que o casamento é uma relação indissolúvel, enquanto existir vida nos dois pactuados. Para Jeová APENAS A MORTE pode romper o casamento. Mesmo depois de divorciado, nenhum dos pactuantes está livre para buscar e efetivar um outro pacto. Se o fizer, estará incorrendo em pecado, estará incorrendo em um erro. Este pecado é denominado de adultério. Assim nos explicou Jesus: (Mateus 5:31-32) 31 Outrossim, foi dito: ‘Quem se divorciar de sua esposa, dê-lhe certificado de divórcio.’ 32 No entanto, eu vos digo que todo aquele que se divorciar de sua esposa, a não ser por causa de fornicação, expõe-na ao adultério, e QUEM SE CASAR COM UMA MULHER DIVORCIADA COMETE ADULTÉRIO.

Assim verte a Tradução Almeida: (Mateus 5:31-32) 31 Também foi dito: Quem repudiar sua mulher, dê-lhe carta de divórcio. 32 Eu, porém, vos digo que todo aquele que repudia sua mulher, a não ser por causa de infidelidade, a faz adúltera; e quem casar com a repudiada, comete adultério.

Assim verte a Tradução Brasileira: (Mateus 5:31-32) 31 Também foi dito: Quem repudiar sua mulher, dê-lhe carta de divórcio. 32 Eu, porém, vos digo que todo o que repudia sua mulher, a não ser por causa de infidelidade, a faz ser adúltera; e qualquer que se casar com a repudiada, comete adultério.

Assim verte a Edição Pastoral:

(Mateus 5:31-32) 31 Também foi dito: ‘Quem se divorciar de sua mulher, lhe dê uma certidão de divórcio’. 32 Eu, porém, lhes digo: todo aquele que se divorcia de sua mulher, a não ser por causa de fornicação, faz com que ela se torne adúltera; e quem se casa com a mulher divorciada, comete adultério.

Segundo as palavras de Jesus, Moisés estava autorizando os filhos de Jacó a praticarem o adultério, pois tratava-se de um adultério consentido. Jesus afirmou que aquela união consentida por Moisés, união posterior a um divórcio, não passava de um adultério.

As palavras de Jesus foram:

Havia nas Escrituras uma autorização para que a divorciada (o) pudesse se casar de novo?? Sim havia.

Neste caso, estava Jesus indo de encontro (discordando) à Escritura?? Sim, estava.

Esta inédita informação foi repassada por Jesus. Esta era a nova lei que já estava valendo. Esta era a lei do reino dos céus, a lei do reino de Deus. Não só era inédita aos ouvintes como também era contrária ao que já era praticado por séculos e séculos naquele reino.

Obviamente esta inédita informação causaria resistência por parte dos humanos. Depois de Jesus ter repassado tal informação inédita aos humanos ali presentes, obviamente muitos comentários, muitos questionamentos, muitas dúvidas e muitas reclamações saíram das mentes e bocas dos humanos que as ouviram. Obviamente estes homens amavam o divórcio. O divórcio é algo amado e desejado pelos homens e mulheres. O divórcio era a solução humana usada para resolver determinados problemas no casamento.

Quem poderia tirar todas as dúvidas?? Será que aquele que repassou tal informação, poderia responder a todas as perguntas?? Sim, desde que houvesse interesse do humano.

AFINAL, O DIVÓRCIO É LÍCITO OU NÃO?? É DEFINITIVO OU NÃO??

A antiga lei dizia que: “quem se divorciar de sua esposa, dê-lhe certificado de divórcio” que ela se case com outro. Em certa ocasião, os defensores da antiga lei, aquela dada por Moisés, vieram a Jesus com um questionamento. Assim foi registrado: (Mateus 19:3-9) 3 E vieram ter com ele fariseus, decididos a tentá-lo, e disseram: “É lícito que um homem se divorcie de sua esposa por qualquer motivo?” 4 Em resposta, ele disse: “Não lestes que aquele que os criou desde [o] princípio os fez macho e fêmea, 5 e disse: ‘Por esta razão deixará o homem seu pai e sua mãe, e se apegará à sua esposa, e os dois serão uma só carne’? 6 De modo que não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus pôs sob o mesmo jugo, não o separe o homem.” 7 Disseram-lhe: “Então, por que prescreveu Moisés que se desse um certificado de repúdio e que ela fosse divorciada?” 8 Ele lhes disse: “Moisés, por causa da dureza dos vossos corações, vos fez a concessão de vos divorciardes de vossas esposas, mas este não foi o caso desde [o] princípio. 9 EU VOS DIGO que todo aquele que se divorciar de sua esposa, exceto em razão de fornicação, e se casar com outra, comete adultério.”

Assim verte a Tradução Almeida: (Mateus 19:3-9) 3 Aproximaram-se dele alguns fariseus que o experimentavam, dizendo: É lícito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo? 4 Respondeu-lhe Jesus: Não tendes lido que o Criador os fez desde o princípio homem e mulher, 5 e que ordenou: Por isso deixará o homem pai e mãe, e unir-se-á a sua mulher; e serão os dois uma só carne? 6 Assim já não são mais dois, mas um só carne. Portanto o que Deus ajuntou, não o separe o homem. 7 Responderam-lhe: Então por que mandou Moisés dar-lhe carta de divórcio e repudiá-la? 8 Disse-lhes ele: Pela dureza de vossos corações Moisés vos permitiu repudiar vossas mulheres; mas não foi assim desde o princípio. 9 Eu vos digo porém, que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de infidelidade, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério.



Jesus se colocou definitivamente a favor do Pai Celestial. Jesus se colocou definitivamente a favor dos humanos respeitarem a vontade do Pai Celestial.

Tratava-se de um diálogo inteligente. Os questionadores foram buscar na lei, uma base para seu questionamento. Eles chegaram até Jesus depois de discutirem o assunto e de terem chegado a conclusão de que haviam achado um erro naquela afirmação de Jesus. Chegaram a Jesus com uma pergunta capciosa, em face do que Jesus lhes havia anunciado anteriormente lá no Monte: É lícito o divórcio?? Sim ou não seria a resposta esperada. A resposta de Jesus revelava um conhecimento mais profundo, revelava um profundo entendimento, revelava um profundo discernimento. Disse Jesus após lhes repetir o que eles já tinham lido, sim, o que eles já tinham como conhecimento: Portanto, o que Deus pôs sob o mesmo jugo, NÃO O SEPARE o homem. Outra afirmação de Jesus que era inédita àqueles humanos dentro do reino. Os questionadores, sendo estudiosos das “Escrituras”, apresentaram outro contra argumento: Então, por que prescreveu Moisés que se desse o divórcio?? Os questionadores estavam apresentando as “Escrituras” como base para seus raciocínios e suas conclusões.

RESPEITEM A VONTADE DO PAI. Se esta é a vontade do Pai, então porque Moisés, aquele que falava com Deus, mandou praticar o divórcio e repudiar a esposa, estando livre para novo casamento??



A resposta de Jesus lhes deixou surpresos: Foi feita uma concessão em face da DUREZA dos vossos corações. Concessão e dureza dos nossos corações; por esta eles realmente não esperavam. Se não era correto o que eu estava fazendo, embora a lei me autorizasse a fazer, neste caso, porque fui autorizado a fazer?? O Criador estava apenas me dando uma concessão por causa da dureza do meu coração?? Estava o Pai me liberando oficialmente para que eu fizesse aquilo que eu desejava, isto é, me livrar da união (serão uma só carne), para que eu fizesse uma outra união (serão uma só carne)?? Ou será que foi Moisés, aquele que fez tal concessão em face da pressão do povo?? Na verdade eu estava praticando pecado todo o tempo??

As palavras de Jesus foram bem claras: “Moisés vos permitiu”.

Depois destas palavras, Jesus reafirmou a nova lei: O divorciado que se casar de novo está cometendo adultério.

Repetindo, as palavras de Jesus foram:

Isto significava que a expressão “não o separe o homem” era 100% válida e totalmente radical. Isto significava que o homem divorciado não estava livre para entrar em um outro relacionamento conjugal?? Ele tinha de continuar sozinho?? Em face das afirmações de Jesus, não estava livre, não. O divorciado não estava livre e se iniciasse um novo relacionamento estaria cometendo um pecado. E os dois serão uma só carne – esta foi a vontade declarada por Deus lá no princípio. A alma que pecar, esta é que morrerá. Jesus confirmou: Eu vos digo que todo aquele divorciado que se casar de novo comete adultério. O homem que se casar com uma mulher divorciada, comete adultério. Da mesma forma, a mulher que se casar com um homem divorciado, comete adultério. Bem, todos os nossos antepassados estavam vivendo em adultério e nós mesmos também estamos vivendo em adultério??? Mas, nós somos a nação santa, não somos??? Isto significa que nós, mesmo vivendo em adultério, temos apedrejado os adúlteros?? Trata-se de adúlteros apedrejando outros adúlteros??

A palavra de Jesus havia sido bem clara e oposta à palavra de Moisés: “Quem se casar com uma mulher divorciada comete adultério”.

Ora, isto significava que Moisés havia autorizado a adultério, afirmando que aquele novo relacionamento não era um adultério.

Era uma questão de acreditar nas palavras faladas por Jesus. Era uma coisa totalmente nova e contrária aos meus costumes, costume este que teve a assinatura de Moisés para torná-lo um costume aprovado por Jeová.

Não é o caso desde o princípio??

O que tinha acontecido no princípio??

(Gênesis 2:24) 24 Por isso é que o homem deixará seu pai e sua mãe, e tem de se apegar à sua esposa, e eles têm de tornar-se uma só carne.



Assim verte a Tradução Brasileira:

(Gênesis 2:24) 24 Portanto deixa o homem a seu pai e a sua mãe, e se une à sua mulher; e são uma só carne.

Este foi o princípio a que Jesus se referiu.

Uma só esposa e os dois se tornam uma só carne.

O que aconteceu com o passa do tempo??

O humano criou uma carta de repúdio que cancelava aquela união (uma só carne), dando a cada um o direito de juntar-se a outra pessoa para se tornar uma só carne.

Quais eram os motivos aceitos como válidos para a existência desta separação daquilo que o Pai havia unido??

De acordo com o ponto da linha do tempo, os humanos têm apresentado seus motivos plenamente válidos para separar aquilo que o Pai uniu (uma só carne)

Quem foi mesmo que criou a tal carta de repúdio, tal carta de divórcio que anulava a união (uma só carne)??

Foi o Pai IHVH ou foi o humano??

Foi o humano.

Jesus deixou isso bem claro, quando levou aqueles humanos para aquele ponto da linha do tempo, ou seja, o princípio.

Por que o humano decidiu criar tal carta??

Foram os problemas existentes na união (uma só carne). Era uma solução humana para resolver problemas existentes na relação marido e mulher, relação esta que, segundo o Pai devia ser o de uma só carne.

Jesus deixou bem claro que não se tratava do projeto de Deus para um casal.

Depois de Jesus levar seus ouvintes até o princípio, e lhes revelar que segundo a vontade do Pai, não haveria o tão desejado, segundo, terceiro, quarto casamento.

Este era o grande problema.

Será que Jesus satisfaria a vontade dos seus ouvintes, autorizando-os a praticarem o desejado segundo, terceiro e quarto casamento??

Bem, este era o problema dos ouvintes de Jesus, não era??

Esta reafirmação de Jesus foi bem aceita por todos?? Bem, agora era a vez dos próprios discípulos apresentarem seus protestos, apresentarem seus sentimentos. Ora, os próprios discípulos expressaram o que havia nos seus corações?? Sim. Não podemos esquecer que alguns dos discípulos já tinham ouvido lá no monte as palavras originais faladas por Jesus. Então, o que disseram os discípulos?? Assim foi registrado: (Mateus 19:10-12) 10 Os discípulos disseram-lhe: “SE ESTA É A SITUAÇÃO DO HOMEM COM SUA ESPOSA, NÃO É ACONSELHÁVEL CASAR-SE.11 Disse-lhes ele: “Nem todos os homens dão lugar a esta palavra, mas somente os a quem é dado. 12 Pois há eunucos que nasceram tais da madre de sua mãe, e há eunucos que foram feitos eunucos pelos homens, e há eunucos que se fizeram eunucos por causa do reino dos céus. DÊ LUGAR A ISSO AQUELE QUE PODE DAR LUGAR A ISSO.”

Assim verte a Tradução Almeida: (Mateus 19:10-12) 10 Disseram-lhe os discípulos: Se tal é a condição do homem relativamente à mulher, não convém casar. 11 Ele, porém, lhes disse: Nem todos podem aceitar esta palavra, mas somente aqueles a quem é dado. 12 Porque há eunucos que nasceram assim; e há eunucos que pelos homens foram feitos tais; e outros há que a si mesmos se fizeram eunucos por causa do reino dos céus. Quem pode aceitar isso, aceite-o.

De que condição falavam os discípulos??

Não era a condição de não haver autorização para um novo casamento??

Aquele que se divorciasse da sua esposa sem ser por motivo de infidelidade sexual, fazia da sua esposa uma adúltera.

Naquela anterior ocasião lá no monte, Jesus já tinha falado sobre o fato de que aquele que se divorciasse de sua esposa, a não ser por causa de fornicação, passava a expô-la ao adultério, passava a induzi-la ao erro. E por quê?? Porque se ela decidisse casar-se com outro, estaria cometendo adultério. Agora, nesta nova ocasião, os discípulos passaram a revelar aquilo que estava dentro de seus corações: “Já que não pode se separar definitivamente, já que tem de aturar, já que mesmo se divorciando não pode casar de novo, não é aconselhável casar-se”. A resposta de Jesus não foi um consolo, não foi uma esperança para que estes pudessem satisfazer suas vontades. Se você estiver pronto para fazer, então faça, mas se não tiver, não faça. No entanto, as regras do Pai são estas. O Pai não vai mudar as regras apenas para agradar a humanos insensíveis, pois a concessão passou a existir exatamente por causa da dureza dos vossos corações, corações de pedra. Decerto, não foi o Criador quem lhes havia dado tal concessão. Realmente, havia sido o próprio Moisés.

Será que Jesus cederia aos chorosos protestos de seus discípulos??

Os discípulos, assim como todos os demais judeus, que já estavam acostumados com o divórcio, divórcio com ou sem o pré adultério, gostavam desta situação. Seus corações desejavam a continuidade desta concessão. Não era a mudança anunciada por Jesus no Monte, que estava causando todas aquelas reações?? Sim, eram.

Um outro detalhe que não pode passar despercebido, é o fato de que se um dos pactuados fosse pego praticando o adultério, este tinha de ser morto, segundo a lei antiga, aquela instituída por Moisés. Isto livrava o outro pactuado para um novo casamento. Mas, tendo sido exposto como mentira o julgamento, a condenação e a resultante execução do (a) adúltero (a), por esta real lei (desde o princípio), o que aconteceria nesta relação?? E agora que não poderia ser definitivamente encerrada através da morte do (a) adúltero (a)??

O discípulo Marcos assim registrou o mesmo incidente mostrado acima, porém, segundo o evangelho de Mateus: (Marcos 10:1-12) 10 Dali ele se levantou e chegou às fronteiras da Judéia e ao outro lado do Jordão, e novamente se ajuntaram a ele as multidões, e assim como costumava fazer, tornou a ensiná-las. 2 Aproximaram-se então fariseus, e, para o porem à prova, começaram a interrogá-lo, se era lícito que um homem se divorciasse da esposa. 3 Em resposta, ele lhes disse: “Que vos ordenou Moisés?” 4 Disseram: “Moisés concedeu a escrita dum certificado de repúdio e divorciar-se [dela].” 5 Mas Jesus disse-lhes: “Foi por causa da dureza de vossos corações que ele vos escreveu este mandamento. 6 No entanto, desde [o] princípio da criação ‘Ele os fez macho e fêmea. 7 Por esta razão deixará o homem seu pai e sua mãe, 8 e os dois serão uma só carne’; de modo que não são mais dois, mas uma só carne. 9 Portanto, o que Deus pôs sob o mesmo jugo, não o separe o homem.” 10 Quando novamente na casa, os discípulos começaram a interrogá-lo a respeito disso. 11 E ele lhes disse: QUEM SE DIVORCIAR DE SUA ESPOSA E SE CASAR COM OUTRA, COMETE ADULTÉRIO CONTRA ELA, 12 E, SE UMA MULHER, DEPOIS DE DIVORCIAR-SE DE SEU MARIDO, SE CASAR COM OUTRO, ELA COMETE ADULTÉRIO.”

Assim verte a Tradução Almeida: (Marcos 10:2-12) 2 Então se aproximaram dele alguns fariseus e, para o experimentarem, lhe perguntaram: É lícito ao homem repudiar sua mulher? 3 Ele, porém, respondeu-lhes: Que vos ordenou Moisés? 4 Replicaram eles: Moisés permitiu escrever carta de divórcio, e repudiar a mulher. 5 Disse-lhes Jesus: Pela dureza dos vossos corações ele vos deixou escrito esse mandamento. 6 Mas desde o princípio da criação, Deus os fez homem e mulher. 7 Por isso deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á à sua mulher, 8 e serão os dois uma só carne; assim já não são mais dois, mas uma só carne. 9 Porquanto o que Deus ajuntou, não o separe o homem. 10 Em casa os discípulos interrogaram-no de novo sobre isso. 11 Ao que lhes respondeu: Qualquer que repudiar sua mulher E CASAR com outra comete adultério contra ela; 12 e se ela repudiar seu marido E CASAR com outro, comete adultério.

Percebemos a diferença, não percebemos??

Segundo o evangelho de Mateus, existiria uma exceção, o que significaria satisfazer a vontade do humano que tanto protestava conta a informação dada por Jesus.

Decerto, estas palavras de Jesus, segundo Marcos, se opunham às palavras faladas por Moisés. Logo depois de as ouvirem, os humanos passaram a apresentar os seus protestos contra as palavras faladas por Jesus. Tratava-se de um costume diferente, não é verdade??? Jesus estava instituindo um novo costume, um costume contrário ao costume instituído por Moisés e praticado pelo povo por centenas de anos. No entanto, Jesus estava apenas levando as pessoas a fazerem aquilo que deveria ser feito desde o princípio.

Nas palavras do discípulo Marcos, fica bem claro que estava havendo uma repetição das palavras proferidas por Jesus lá no Monte. As palavras são claras: “Os pactuados numa relação de casamento, enquanto vivos, nunca ficam livres para entrar em outra relação de casamento, sem cometerem adultério, nem mesmo estando divorciados”.

Parece que para os discípulos que ouviram Jesus falar estas palavras, não poderia haver mais qualquer tipo de dúvida em relação a este assunto. Que situação difícil!! Os discípulos revelaram ter entendido a grande dificuldade que haveria à frente.

O discípulo Lucas assim registrou as palavras proferidas por Jesus sobre este assunto, não deixando nenhuma dúvida: (Lucas 16:18) 18 “TODO AQUELE QUE SE DIVORCIAR DE SUA ESPOSA E SE CASAR COM OUTRA, COMETE ADULTÉRIO, E QUEM SE CASAR COM UMA MULHER DIVORCIADA DO MARIDO, COMETE ADULTÉRIO.

Assim verte a Tradução Almeida: (Lucas 16:18) 18 TODO AQUELE que repudia sua mulher E CASA com outra, comete adultério; E QUEM CASA com a que foi repudiada pelo marido, também comete adultério.

As palavras faladas por Jesus lá no Monte, a lei de Deus retransmitida por Jesus lá no Monte, é bem clara: “Para Jeová, o divórcio praticado pelo humano não acaba com o casamento”. Para Jeová, apesar do divórcio praticado pelo humano, o casamento continua valendo. Logo, aquele (a) divorciado (a) que se une a um novo cônjuge está cometendo adultério. Logo, todo aquele (a) que se une a um (a) divorciado (a) está participando no adultério.

Nesta situação, o que pode fazer o (a) ofendido (a)??

Um ser humano qualquer, mesmo um discípulo de Jesus poderá questionar este mandamento de Jeová?? Sim, claro que pode. Ele poderá perguntar, por exemplo: E quando um dos pactuados comete fornicação, ou seja, ele tem relações sexuais com alguém que não é o (a) parceiro (a) do pacto?? E agora que ele (a) não é mais apedrejado, o que fazer?? Neste caso, o pacto (casamento) não está definitivamente rompido?? Estando definitivamente rompido e havendo outro pacto, continuaria a existir adultério??

Bem, Jesus disse: “Não o separe o homem”.

Talvez, apenas isto seja suficiente para alguns. Talvez, apenas esta frase seja suficiente para alguns.

No entanto, muitos já magoados com tal ação (fornicação) do outro pactuado, talvez necessitem de palavras adicionais para serem convencidos. Se além de palavras, também houver um exemplo real, as coisas ficarão mais fáceis de serem entendidas e aceitas.

O que deve fazer a vítima de um adultério??

Em palavras bem claras, Jeová assim se pronunciou a respeito do divórcio: “Eu odeio o divórcio”. Assim falou Jeová: (Malaquias 2:13-16) 13 “E esta é a segunda coisa que fazeis, [resultando em] que o altar de Jeová esteja coberto de lágrimas, de choro e de suspiros, de modo que não mais se olha para a oferenda, nem se tem prazer [em qualquer coisa] procedente da vossa mão. 14 E dissestes: ‘Por que razão?’ Por esta razão: que o próprio Jeová deu testemunho entre ti e a esposa da tua mocidade, para com a qual tu mesmo AGISTE TRAIÇOEIRAMENTE, embora ela seja tua parceira e a esposa do teu pacto. 15 E houve um que não [o] fez, visto que tinha o que restava do espírito. E o que procurava este um? A descendência de Deus. E vós tereis de guardar-vos quanto ao vosso espírito, e que nenhum [de vós] aja traiçoeiramente com a esposa da sua mocidade. 16 POIS ELE TEM ODIADO O DIVÓRCIO, disse Jeová, o Deus de Israel;e aquele que cobriu a sua vestimenta de violência”, disse Jeová dos exércitos. “E tendes de guardar-vos quanto ao vosso espírito e NÃO DEVEIS AGIR TRAIÇOEIRAMENTE.

Assim verte a Tradução Almeida: (Malaquias 2:13-16) 13 Ainda fazeis isto: cobris o altar do Senhor de lágrimas, de choros e de gemidos, porque ele não olha mais para a oferta, nem a aceitará com prazer da vossa mão. 14 Todavia perguntais: Por que? Porque o Senhor tem sido testemunha entre ti e a mulher da tua mocidade, para com a qual procedeste deslealmente sendo ela a tua companheira e a mulher da tua aliança. 15 E não fez ele somente um, ainda que lhe sobejava espírito? E por que somente um? Não é que buscava descendência piedosa? Portanto guardai-vos em vosso espírito, e que ninguém seja infiel para com a mulher da sua mocidade. 16 POIS EU DETESTO O DIVÓRCIO, diz o Senhor Deus de Israel, e aquele que cobre de violência o seu vestido; portanto cuidai de vós mesmos, diz o Senhor dos exércitos; e não sejais infiéis.

O que devo fazer se ela agir de modo infiel??

O Criador associou o divórcio com o agir traiçoeiramente. O humano magoado e ofendido ainda poderá dizer: “Eu posso entender isto se aplicando apenas àqueles que não sofreram traição sexual. Vocês não sabem a dor que esta traição causa”. Sim, isto é verdade. Causa dor na vítima...

O USO QUE JEOVÁ FEZ DO DIVÓRCIO

Jeová revela que o divórcio é uma relação temporária. Jeová também revela que o PERDÃO deve cancelar o divórcio.

O QUE FAZER COM AQUELA QUE ATRAVÉS DE SUA AÇÃO PECAMINOSA, TORNOU-SE AVILTADA, TORNOU-SE IMPURA??

Bem, passemos então a ver um exemplo real em que um dos pactuantes passa a agir de modo infiel, tornando-se aviltado e impuro, em que o ofendido passa dar um certificado de pleno divórcio para a ofensora impura e aviltada e em que o ofendido também passa a anular este divórcio, tomando a iniciativa de chamar de volta a impura adúltera ofensora, concedendo-lhe o seu perdão.

Não podemos deixar de perceber que as afirmações se encontram na 1ª pessoa do singular (Eu). As palavras são do próprio Jeová, palavras retransmitidas por um dos profetas escolhidos por Ele, neste caso, o profeta Jeremias: (Jeremias 3:1-20) 3 Há um ditado: “Se um homem mandasse embora a sua esposa e ela realmente se afastasse dele e se tornasse de outro homem, deveria ele ainda retornar a ela?” Não foi decididamente poluída essa terra? E TU MESMA COMETESTE PROSTITUIÇÃO COM MUITOS COMPANHEIROS; E DEVERIA HAVER UM RETORNO A MIM?é a pronunciação de Jeová. 2 “Levanta os olhos para as veredas batidas e vê. Onde é que não foste estuprada? Tu te sentaste para eles à beira dos caminhos, assim como o árabe no ermo; e continuas a poluir a terra com OS TEUS ATOS DE PROSTITUIÇÃO e com a tua maldade. 3 Por isso se retém as chuvas copiosas e não veio a haver nem mesmo chuva primaveril. E testa de uma ESPOSA QUE COMETE PROSTITUIÇÃO é que se tornou a tua. Tu te negaste a sentir-te humilhada. 4 Não clamaste A MIM, daí para diante: ‘Meu Pai, tu és o amigo íntimo da minha mocidade! 5 Deve-se ficar ressentido por tempo indefinido ou ficar vigiando [algo] para sempre’? Eis que falaste, e prosseguiste a fazer coisas más e a prevalecer.6 E Jeová passou a dizer-me nos dias de Josias, o rei: “‘Viste o que fez a infiel Israel? Ela anda sobre todo monte alto e debaixo de toda árvore frondosa, para ali cometer prostituição. 7 E depois de ela fazer todas estas coisas, eu continuava a dizer que devia voltar a mim, mas ela não voltou; e Judá olhava para a sua própria irmã traiçoeira. 8 Quando cheguei a ver isso, pela própria razão de que a infiel Israel COMETERA ADULTÉRIO, mandei-a embora E PASSEI A DAR-LHE UM CERTIFICADO DE SEU PLENO DIVÓRCIO, contudo, a traiçoeira Judá, sua irmã, não ficou com medo, mas ela mesma também começou a ir e a cometer prostituição. 9 E a sua prostituição veio a dar-se por causa do [seu] conceito frívolo, e ela continuou a poluir a terra e a cometer adultério com pedras e com árvores; 10 e mesmo apesar de tudo isso, sua traiçoeira irmã Judá não voltou a mim de todo o seu coração, [mas] somente de modo falso’, é a pronunciação de Jeová.” 11 E Jeová prosseguiu, dizendo-me: “A infiel Israel mostrou que a sua própria alma era mais justa do que a traiçoeira Judá. 12 Vai, e tens de proclamar estas palavras ao norte e dizer: “‘“VOLTA DEVERAS, Ó RENEGADA ISRAEL, é a pronunciação de Jeová.’Não deixarei a minha face decair [em ira] para convosco, porque sou leal”, é a pronunciação de Jeová.’ ‘“Não ficarei ressentido por tempo indefinido. 13 TÃO-SOMENTE NOTA O TEU ERRO, pois é contra Jeová, teu Deus, que transgrediste. E continuaste a dispersar os teus caminhos para os estranhos, debaixo de cada árvore frondosa, mas a minha voz é que não escutastes”, é a pronunciação de Jeová.’” 14 “VOLTAI, Ó FILHOS RENEGADOS”, é a pronunciação de Jeová. “POIS EU MESMO ME TORNEI DONO MARITAL DE VÓS; e vou tomar-vos, um dentre uma cidade e dois dentre uma família, e vou trazer-vos a Sião. 15 E vou dar-vos pastores de acordo com o meu coração, e eles hão de alimentar-vos com conhecimento e perspicácia. 16 E terá de acontecer que vós vos tornareis muitos e certamente dareis fruto na terra, naqueles dias”, é a pronunciação de Jeová. “Não mais dirão: ‘A arca do pacto de Jeová!’ nem subirá ao coração, nem se lembrarão dela ou sentirão sua falta, e não mais será feita. 17 Naquele tempo chamarão Jerusalém de trono de Jeová; e a ela terão de ser ajuntadas todas as nações, ao nome de Jeová em Jerusalém, e não mais andarão seguindo a obstinação do seu mau coração.” 18 “Naqueles dias andarão, a casa de Judá ao lado da casa de Israel, e juntas sairão da terra do norte para a terra que dei como propriedade hereditária aos vossos antepassados. 19 E eu mesmo disse: ‘Oh! como passei a pôr-te entre os filhos e a dar-te a terra desejável, a propriedade hereditária do ornato dos exércitos das nações!’ E eu disse mais: ‘“Meu Pai!” vós me chamareis, e não recuareis de seguir-me.’ 20 ‘VERDADEIRAMENTE, [ASSIM COMO] A ESPOSA SE AFASTOU TRAIÇOEIRAMENTE DO SEU COMPANHEIRO, ASSIM VÓS, Ó CASA DE ISRAEL, AGISTES TRAIÇOEIRAMENTE PARA COMIGO, é a pronunciação de Jeová.”

Tudo muito claro. Jeová passa a chamar atenção para um ditado entre os humanos, que representava uma realidade praticada pelos humanos, ou seja, seus filhos pactuados. O questionamento era: “Deveria ele ainda retornar a ela”?? Para tais humanos, retomar um relacionamento com uma esposa adúltera era algo abominável. A adúltera havia se tornado algo aviltado, algo impuro, o que era verdade. No entanto, que SENTIMENTO tinham eles por esta mulher que agora estava no estado de impura?? A adúltera não tinha que ser morta?? Pensavam que Jeová nunca faria tal coisa, isto é, retornar a uma adúltera, pois isto também seria uma coisa abominável para Jeová, pois a adúltera realmente se encontrava no estado de impura. Durante séculos, este foi o pensamento e o sentimento do humano. Notamos que Jeová fala: Não vou deixar minha face decair em ira para convosco porque eu sou leal. Como ser leal com uma mulher muito infiel??

Aquele ditado, aquela expressão proverbial, expressava o SENTIMENTO HUMANO em relação a àquela situação específica, quando uma mulher se tornava aviltada e impura por cometer infidelidade para com aquele que ela estava pactuada em um casamento. Deste sentimento humano, nascia uma reação humana contra aquela que realmente se tornava aviltada e impura.

Um povo que matava a adúltera, jamais admitiria ter tal adúltera de volta em sua casa. Estes humanos se referiam a uma esposa que foi mandada embora por uma decisão do marido, que não fosse o adultério, obviamente. Ela iria embora e se tornaria de outro. Tendo se tornado de outro, o primeiro marido não podia aceitá-la de volta.

O que então representava o “certificado de divórcio”??

Pra que servia este certificado de divórcio??

Ela tinha de sair da casa daquele que até então era seu marido e podia tornar-se de outro homem.

Como é que é??

Ela era de um homem (uma só carne), depois era dispensada.

De posse de um certificado de divórcio, ela poderia ser de outro homem??

Sim, ela poderia.

Ao deixar de ser do primeiro marido e se tornar de um segundo marido, não havia nada de errado?? Não havia sido aviltada pelo primeiro marido??

Segundo aqueles humanos, não.

Este tinha sido o mandamento dado por escrito pelo profeta Moisés para o povo. Tratava-se de um costume milenar. Ela não seria apedrejada por causa desta ação. Se ela praticasse esta ação, ou seja, tornar-se de outro homem antes do certificado de divórcio, ela era apedrejada por ter praticado o adultério.

Neste caso, aquele certificado de divórcio transformava uma nova relação dela com outro homem em uma relação legítima. Sem o certificado de divórcio, era um pecado punido com a morte, no entanto, com o certificado de divórcio não era pecado. Este certificado de divórcio valia uma vida, pois impedia que uma mulher fosse apedrejada até a morte. Tratava-se de um “salvo conduto”. Tratava-se de uma “autorização especial” para um novo relacionamento. Ela estava “livre” do compromisso.

VEJAMOS O PENSAMENTO HUMANO - No caso em questão, não é afirmado que a mulher tenha agido traiçoeiramente para com seu primeiro marido. No entanto, o espírito da coisa e o sentimento pela mulher é o expressado por Moisés, pois ela manteve relações com outro homem, após um correto divórcio. Romper o primeiro relacionamento e casar-se com outro homem foi determinado ser uma coisa normal e correta, foi estipulado que isto não era um pecado. Até então não se tinha cometido nenhum pecado. No entanto, retornar ao primeiro marido depois de pertencer ao segundo, isto sim é que era pecado, isto sim é que era algo detestável.

Estes humanos eram incríveis em seus pensamentos, não eram??

Sair de um primeiro relacionamento e unir-se a um segundo relacionamento não era nenhum aviltamento, mas, sair do segundo para retornar ao primeiro passava a ser algo aviltante.

Assim está registrado em Deuteronômio: (Deuteronômio 24:1-4) 24 "Caso um homem tome uma mulher e faça dela sua propriedade, como esposa, então tem de suceder que, se ela não achar favor aos seus olhos por ele ter encontrado alguma coisa indecente da parte dela, então tem de escrever-lhe um certificado de divórcio e pô-lo na mão dela, e tem de despedi-la de sua casa. 2 E ela tem de sair da sua casa, e tem de ir e tornar-se de outro homem. 3 Se este último homem veio a odiá-la e lhe tiver escrito um certificado de divórcio e lho tiver posto na mão, e a tiver despedido da sua casa, ou caso morra o último homem que a tomou por sua esposa, 4 NÃO SE PERMITIRÁ ao primeiro dono dela, que a despediu, tomá-la novamente de volta para se tornar sua esposa depois de ela ter sido AVILTADA; POIS ISSO É ALGO DETESTÁVEL PERANTE JEOVÁ e não deves levar ao PECADO a terra que Jeová, teu Deus, te dá por herança.

DEPOIS DE EXPRESSAREM OS SEUS SENTIMENTOS, OS HUMANOS AFIRMARAM QUE ESTE TAMBÉM ERA O SENTIMENTO DE JEOVÁ.

No entanto, Jeová lhes mostra de forma bem clara, que Ele não tem os mesmos pensamentos e os mesmos sentimentos dos humanos. Para a vergonha dos humanos pactuados, eles foram pegos no momento da traição e ainda juntos com seus companheiros de prostituição. No entanto, Jeová, o pactuado ofendido com tal prostituição, apesar de lhes dar um certificado de pleno divórcio, toma a iniciativa de perdoar a contínua infidelidade, chamando-os para voltarem ao relacionamento pactuado. Jeová lhes diz: “Note o que fizeste; perceba a tua atuação; Tão somente, apenas, note o teu erro. Foi contra Mim que tu pecaste, tua transgressão foi contra Mim. Você está perdoada; volta, ó tu que foste renegada por Mim por causa da tua impureza”.

Jeová repete: “Ó casa de Israel (Samaria), vós agistes comigo assim como uma esposa traiçoeira age com seu marido”.

Assim, Jeová revelou na prática, a forma correta de se tratar uma esposa infiel, adúltera, uma esposa que procura amantes e que passa a agir com infidelidade. Muito embora Ele tenha dado um certificado de divórcio, Ele também perdoou e também tomou a iniciativa de chamar de volta a esposa infiel, adúltera. Jeová afirma: Eu me mantenho LEAL; Eu sou LEAL.

O que pode anular o certificado de pleno divórcio?? Decerto, é o Perdão.

Assim, Jeová revelou que o casamento, uma relação pactuada, NUNCA poderá ser desfeita, nem mesmo com a infidelidade de um dos pactuantes.

Qual será a reação do discípulo?? Se for assim é aconselhável não casar?? Bem, esta foi a reação dos discípulos de Jesus, ao ouvirem as palavras de Jesus, que, de forma diferente deles, afirmavam a mesma verdade a respeito do Pai: O que Deus pôs sob o mesmo jugo NÃO O SEPARE o homem.

Há ainda alguma dúvida por parte de algum humano disposto a raciocinar sobre tal assunto emocionalmente difícil de lidar??

Podemos considerar outro exemplo dado pelo próprio Criador, obviamente. Agora vamos analisar a lição que Jeová quer que vejamos nesta interessante situação em que Ele viveu e que também pediu a um humano para compartilhar. É incrível, Jeová revela seus sentimentos por um povo adúltero, um povo que apesar da relação pactuada, comete fornicação com vários outros deuses.

Trata-se daquilo que nos é contado por outro profeta. Agora, trata-se do profeta Oséias.

Jeová chama Oséias para participar, fazendo o mesmo que Jeová estava fazendo: (Oséias 1:1-2) 1 A palavra de Jeová que veio a haver para Oséias, filho de Beeri, nos dias de Uzias, Jotão, Acaz [e] Ezequias, reis de Judá, e nos dias de Jeroboão, filho de Joás, rei de Israel. 2 Deu-se início à palavra de Jeová por meio de Oséias, e Jeová passou a dizer a Oséias: VAI, TOMA PARA TI UMA ESPOSA DE FORNICAÇÃO e filhos de fornicação, porque é positivamente por meio de fornicação que a terra se desvia de seguir a Jeová.

Oséias obedece, aceita o convite: (Oséias 1:3) 3 E ele passou a ir e a tomar Gômer, filha de Diblaim, de modo que ela ficou grávida e no tempo devido lhe deu à luz um filho.

Neste relacionamento, Jeová continua orientando Oséias: Este relacionamento gerará filhos. Dê a estes filhos os nomes de Jezreel, Lo-Ruama e Lo-Ami, nomes que têm a ver com a casa de Israel, com a condição presente e futura da casa de Israel: (Oséias 1:4-9) 4 E Jeová prosseguiu, dizendo-lhe: “Chama-o pelo nome de Jezreel, pois ainda um pouco e terei de ajustar contas pelos atos de derramamento de sangue de Jezreel, contra a casa de Jeú, e terei de fazer cessar o domínio real da casa de Israel. 5 E naquele dia terá de acontecer que terei de quebrar o arco de Israel na baixada de Jezreel.” 6 E ela passou outra vez a ficar grávida e a dar à luz uma filha. E Ele prosseguiu, dizendo-lhe: “Chama-a pelo nome de Lo-Ruama, pois não mais terei misericórdia para com a casa de Israel, porque positivamente os levarei embora. 7 Mas terei misericórdia para com a casa de Judá, e vou salvá-los por Jeová, seu Deus; mas não os salvarei pelo arco, ou pela espada, ou pela guerra, por cavalos ou por cavaleiros.” 8 E ela foi desmamar Lo-Ruama e passou a ficar grávida e a dar à luz um filho. 9 De modo que Ele disse: “Chama-o pelo nome de Lo-Ami, porque vós não sois meu povo e eu mesmo mostrarei não ser vosso.

Durante um certo tempo, você será chamada de “aquela que não se teve misericórdia”.

Durante certo tempo você será chamada de “vós não sois meu povo

A casa de Israel não será definitivamente abandonada, apesar de tudo o que fizeram: (Oséias 1:10-11) 10 E o número dos filhos de Israel terá de tornar-se como os grãos de areia do mar que não se podem medir nem contar. E terá de acontecer que no lugar em que se costumava dizer-lhes: ‘Vós não sois meu povo’, ser-lhes-á dito: ‘Os filhos do Deus vivente.’ 11 E os filhos de Judá e os filhos de Israel certamente serão reunidos em união e realmente estabelecerão para si mesmos um só cabeça e sairão subindo da terra, porque grande será o dia de Jezreel.

Não se teve misericórdia” e “não sois meu povo” foi uma condição temporária vivida pelos adúlteros filhos de Israel, foi um divórcio temporário.

Trata-se de um relacionamento com uma mulher que comete adultério, relacionamento que não foi definitivamente rompido, apesar dos atos de fornicação. Jeová convida Oséias para sentir os mesmos sentimentos de Jeová para com uma mulher adúltera: (Oséias 3:1-5) 3 E Jeová prosseguiu, dizendo-me: Vai mais uma vez, AMA UMA MULHER amada por um companheiro e QUE COMETE ADULTÉRIO, COMO NO CASO DO AMOR DE JEOVÁ PARA COM OS FILHOS DE ISRAEL, ao passo que eles se viram para outros deuses e amam bolos de passas.2 E passei a adquiri-la para mim por quinze [moedas] de prata, e por um ômer de cevada e meio ômer de cevada. 3 Então eu lhe disse: “Morarás por muitos dias como sendo minha. Não deves cometer fornicação e não deves vir a pertencer a [outro] homem; e também eu serei para ti.” 4 Isto é porque os filhos de Israel morarão por muitos dias sem rei, e sem príncipe, e sem sacrifício, e sem coluna, e sem éfode e terafins. 5 Depois, os filhos de Israel voltarão e certamente procurarão a Jeová, seu Deus, e a Davi, seu rei; e certamente virão trêmulos a Jeová e à sua bondade, na parte final dos dias.

Não havia nojo, não havia repugnância da parte de Jeová para com a adúltera esposa que cometeu fornicação com vários companheiros. Jeová disse para Oséias: Ame a mulher que comete adultério, como no caso do amor de Jeová para com os filhos de Israel.

Jeová está ensinando ao ser humano o que é o amor. Vejam meus alunos: Isto é que é um ato de amor. Aquilo que vocês chamam de “algo detestável”, na realidade é um ato de amor.

Embora haja infidelidade do humano pactuado, embora o humano tenha violado o pacto, Jeová afirma que Ele não violaria o pacto, Ele não se tornaria igual ao humano. Eu sou leal. Assim afirmou Jeová: (Levítico 26:44) 44 E apesar de tudo isso, enquanto continuarem na terra dos seus inimigos, certamente não os rejeitarei, nem os abominarei a ponto de exterminá-los, PARA VIOLAR MEU PACTO COM ELES; POIS EU SOU JEOVÁ, SEU DEUS. . .

PROSTITUTA, sim, Jeová chama de prostituta. Tanto Oolá (Samaria) como Oolibá (Jerusalém) são prostitutas. Jeová manteve uma relação amorosa com um povo que continuamente agiam em prostituição contra Jeová. No capítulo 26 de Ezequiel, Jeová ilustra para os alunos que já estavam sendo punidos com exílio em Babilônia, aquilo que realmente estava acontecendo a eles. Um pouco antes de Jeová pronunciar estas palavras sobre Oolá e Oolibá para Ezequiel, Ele havia falado para Isaías: “Onde então está o certificado de divórcio da vossa mãe que eu mandei embora?? De fato, mandei-a embora em face das transgressões dela. No entanto, por um acaso, não há poder na minha mão para remir”?? Isaías 50: 1,2 Não havia Jeová punido uma inteira geração com a morte no ermo?? Não eram eles os filhos (descendentes) da geração punida?? Agora, eles eram uma geração que estava sendo punida. Eles produziriam filhos, produziriam outra geração de filhos rebeldes. (Ezequiel 20:13-22) 13 “‘“Mas eles, [os] da casa de Israel, rebelaram-se contra mim no ermo. Não andaram nos meus estatutos e rejeitaram as minhas decisões judiciais, por meio das quais, continuando a cumpri-las o homem, também continuará a viver. E profanaram muitíssimo os meus sábados, de modo que prometi derramar sobre eles meu furor no ermo, a fim de exterminá-los. 14 Mas agi em prol do meu próprio nome, para que não fosse profanado perante os olhos das nações, diante de cujos olhos eu os fizera sair. 15 E eu mesmo também levantei a minha mão [em juramento] a eles no ermo, de não levá-los à terra que eu [lhes] dera, uma [terra] que manava leite e mel, (ela é o ornato de todas as terras,) 16 visto que rejeitaram as minhas próprias decisões judiciais; e quanto aos meus estatutos, não andaram neles, e profanaram meus sábados, porque seu coração ia atrás dos seus ídolos sórdidos. 17 “‘“E meu olho começou a ter dó deles [para me impedir] de arruiná-los, e não os exterminei no ermo. 18 E PASSEI A DIZER AOS FILHOS DELES NO ERMO:Não andeis nos regulamentos dos vossos antepassados, e não guardeis os seus julgamentos, e não vos avilteis com os seus ídolos sórdidos. 19 Eu sou Jeová, vosso Deus. Andai nos meus próprios estatutos e guardai as minhas próprias decisões judiciais e cumpri-as. 20 E santificai os meus próprios sábados, e eles terão de servir como sinal entre mim e vós, [para] saberdes que eu sou Jeová, vosso Deus.’ 21 “‘“E OS FILHOS COMEÇARAM A REBELAR-SE CONTRA MIM. Não andaram nos meus estatutos, e não guardaram as minhas decisões judiciais por cumpri-las, por meio das quais, continuando a cumpri-las o homem, também continuará a viver. Profanaram meus sábados. De modo que prometi derramar sobre eles o meu furor, a fim de levar a cabo a minha ira contra eles no ermo. 22 E retirei a minha mão e fui agir em prol do meu próprio nome, para que não fosse profanado perante os olhos das nações, diante de cujos olhos eu os fizera sair.

Estava havendo adultério, estava havendo punição, estavam sendo afastados de casa (terra que mana leite e mel) e passariam um período em cativeiro. Embora fossem chamados de “aquela que não se teve misericórdia” e fossem tratados como “vós não sois meu povo”, este “divórcio” de Jeová era bem diferente do “divórcio” usado pelos humanos. O divórcio de Jeová MOSTROU SER temporário. O casamento de Jeová MOSTROU SER definitivo, pois ambos os pactuantes permaneciam vivos e Jeová MOSTROU SER um pactuante LEAL.

Jeová manda o humano fazer o mesmo. Jeová afirma: Perdoe, perdoe e perdoe, assim como Eu perdoo.

Bem, e agora?? Certamente o erro não está em Jeová. Jeová deseja que passemos a ver as coisas através de outros olhos, através de Seus olhos. Pode ser um início difícil, mas se for, será em face de sentimentos antigos, aquilo que Jeová chamou de “ditados antigos”. Modificar sentimentos não é uma coisa fácil de se fazer, mas é possível.

Minha esposa cometeu adultério, e agora, o que é que eu faço?? Você pode até divorciar-se dela temporariamente, no entanto, o pacto não acabou. Não faça a mesma coisa que ela fez, não lhe pague na mesma moeda, não cometa adultério por casar-se outra vez.

Ela usou de deslealdade, e agora, o que fazer?? Não faça a mesma coisa que ela fez. Mantenha-se na lealdade.

Lembre-se que ela ainda está viva, logo, o pacto permanece. Lembre-se que Jeová associou o divórcio à dureza do coração. Jesus afirmou que o divórcio praticado por eles, o povo escolhido, foi uma concessão de Moisés aos que eram pessoas de coração duro, coração insensível, coração de pedra. Se você não tiver um coração de pedra, perdoe-a e reinicie o pacto.

Eu sou divorciado e casei outra vez. E agora?? Bem, do ponto de vista de Jeová, eu estou vivendo em adultério. Que fazer?? Tão somente, nota o teu erro. Tome ciência do teu erro.

A nova lei dada por Jeová e retransmitida por Jesus lá no monte, nos revela a real personalidade de Jeová. Jesus cumpriu cada um dos detalhes desta lei. Esta nova lei acha-se transcrita em Mateus 5:1-7:28.

Jeová deixa claro através da nova lei, que o casamento NUNCA será anulado pelo divórcio.

Bem, o que fazer quando houver qualquer tipo de incompatibilidade ou mesmo quando houver adultério no casamento??

A resposta se encontra na oração que devemos fazer para Jeová: (Lucas 11:2-4) 2 Ele lhes disse então: “Sempre que orardes, dizei: ‘Pai, santificado seja o teu nome. Venha o teu reino. 3 Dá-nos o nosso pão para o dia, segundo as exigências do dia. 4 E PERDOA-NOS OS NOSSOS PECADOS, POIS NÓS MESMOS TAMBÉM PERDOAMOS A TODO AQUELE QUE ESTÁ EM DÍVIDA CONOSCO; e não nos leves à tentação.’”

Perdoamos “todo aquele” que.... “Todo aquele” inclui a esposa adúltera ou o marido adúltero.

Esta parte da oração é fruto de um dos artigos da nova lei do reino de Deus: (Mateus 6:14-15) 14 “Pois, se perdoardes aos homens as suas falhas, também o vosso Pai celestial vos perdoará; 15 ao passo que, SE NÃO PERDOARDES AOS HOMENS AS SUAS FALHAS, TAMPOUCO O VOSSO PAI VOS PERDOARÁ AS VOSSAS FALHAS.

Nesta oração, nós Afirmamos para Jeová: Pai, eu tenho cumprido este artigo da lei.

Será que temos mesmo??

Realmente, Jeová não autorizaria o homem a cometer o pecado de adultério ao mesmo tempo em que puniria o humano por cometer o pecado de adultério.

Ou será que o adultério havia deixado de ser pecado a partir daquelas palavras de Moisés??


A que conclusão chegamos??

  1. Do ponto de vista do Pai, não existe nenhum motivo válido que possa desfazer o pacto do casamento.

  2. Se houver a decisão de afastamento, nenhum dos dois pactuados poderá formar um outro pacto com uma outra terceira pessoa, pois não houve rompimento do pacto.

  3. Depois de temporariamente afastados, os pactuados podem voltar a ficar juntos.

  4. Do ponto de vista do Pai, independente de qual tenha sido a ofensa, deve haver o perdão.

  5. Do ponto de vista do Pai, se não houver o perdão, configura-se pecado, pois deixar de perdoar é um pecado.



Topo desta página