CASAR-SE OU NÃO CASAR-SE COM A CUNHADA??

Criada em 01/08/2011 Última alteração em 03/08/11





UM OUTRO MANDAMENTO DADO POR JEOVÁ A MOISÉS PARA SER REPASSADO AO POVO



Casar-se com sua cunhada, ou simplesmente ter relações com sua cunhada para dar-lhe um filho. Isto era um costume.

Quem praticava este costume??

Na casa de Judá era normal este costume. Será que foram eles que inventaram este costume?? Copiaram este costume dos outros povos?? Foi Jeová quem lhes ensinou tal costume??

Assim está registrado:

(Gênesis 38:6-11) 6 Com o tempo, Judá tomou uma esposa para Er, seu primogênito, e o nome dela era Tamar. 7 Mas Er, primogênito de Judá, mostrou-se mau aos olhos de Jeová; Jeová o entregou por isso à morte. 8 Em vista disso, Judá disse a Onã: “Tem relações com a esposa de teu irmão e realiza um casamento de cunhado com ela, e suscita descendência para teu irmão.9 Mas Onã sabia que a descendência não se tornaria sua; e deu-se que, quando teve relações com a esposa de seu irmão, desperdiçou o seu sêmen na terra, para não dar descendência a seu irmão. 10 Ora, o que ele fez era mau aos olhos de Jeová; por isso, entregou-o também à morte. 11 De modo que Judá disse a Tamar, sua nora: “Mora como viúva na casa de teu pai até crescer Selá, meu filho.” Pois ele disse para si mesmo: “Ele também poderia morrer como seus irmãos.” Concordemente, Tamar foi e continuou a morar na casa de seu próprio pai.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Gênesis 38:6-11) 6 Judá tomou para o seu primogênito Er uma mulher, a qual se chamava Tamar. 7 Ora Er, o primogênito de Judá, era um homem mau aos olhos de Jeová; assim Jeová o matou. 8 Disse Judá a Onã: Toma a mulher de teu irmão, cumpre para com ela o dever dum irmão de seu marido e dá sucessão a teu irmão. 9 Mas Onã sabia que os filhos não havia de ser tidos por seus; assim todas as vezes que ele se unia à mulher de seu irmão, deixava cair o sêmen no chão, para que não desse sucessão a seu irmão. 10 O que ele fazia era mau aos olhos de Jeová, que o matou também a ele. 11 Disse Judá a Tamar, sua nora: Fica-te viúva em casa de teu pai, até que meu filho Selá venha a ser homem; porquanto disse: Para que não morra este, como seus irmãos. Assim se foi Tamar e morou em casa de seu pai.

Um interessante costume humano. Será que havia sido Jeová o originador deste interessante costume??

Os praticantes de tal costume afirmavam que Jeová abençoava tal costume, dando-lhe pleno aval de aprovação.

No entanto, Jeová deu a Moisés um mandamento. Este mandamento não dava qualquer apoio ou aval de aprovação ao costume praticado pela casa de Israel.

Que informação deu Jeová para Moisés??


(Levítico 18:16) 16 “‘NÃO DEVES DESCOBRIR A NUDEZ DA ESPOSA DE TEU IRMÃO. É A NUDEZ DE TEU IRMÃO.



Assim verte a Tradução Brasileira: (Levítico 18:19) 16 Não descobrirás a nudez da mulher de teu irmão; é nudez de teu irmão.

Assim verte a Tradução Almeida: (Levítico 18:19) 16 Não descobrirás a nudez da mulher de teu irmão; é a nudez de teu irmão.

Assim verte a Edição Pastoral: (Levítico 18:19) 16 Não tenha relações sexuais com sua cunhada, pois ela pertence ao seu irmão.



Jeová estabeleceu este mandamento. Era uma ordem bem simples. Jeová afirmou que este era um dos costumes das nações, que não devia ser seguido pelo seu povo escolhido e amado. Do ponto de vista de Jeová, descobrir a nudez da cunhada, casar-se com a cunhada, é estar praticando um pecado.

Se vocês têm praticado este costume até hoje, PAREM de fazê-lo.



A ordem dada por Moisés ao povo foi esta: (Deuteronômio 25:5-6) 5 Caso irmãos morem juntos e um deles morra sem ter filho, a esposa do morto não deve vir a pertencer a um homem estranho, alheio. Seu cunhado deve chegar-se a ela e TEM DE TOMÁ-LA POR SUA ESPOSA, e tem de realizar com ela o casamento de cunhado. 6 E tem de dar-se que o primogênito que ela der à luz deve suceder ao nome de seu falecido irmão, para que seu nome não seja extinto em Israel.

Bem, esta ordem oficial de Moisés não revelava ser 100% oposta ao mandamento saído da boca de Jeová?? Sim, se revelava.

A ordem de Moisés revelava acompanhar o costume que já era praticado antes de Jeová dar o mandamento.

O que aconteceria com aquele que se negasse obedecer a esta ordem oficial de Moisés?? Moisés até mesmo estabeleceu uma humilhação para aquele que não obedecesse a esta ordem sua. Moisés estabeleceu um costume. Este costume está devidamente registrado nas “Escrituras”: (Deuteronômio 25:7-10) 7 Ora, se o homem não se agradar em tomar a viúva de seu irmão, então a viúva de seu irmão tem de subir até o portão, aos anciãos, e tem de dizer: ‘O irmão de meu marido negou-se a preservar o nome de seu irmão em Israel. Não consentiu em realizar comigo o casamento de cunhado.’ 8 E os anciãos da sua cidade têm de convocá-lo e falar com ele, e ele tem de ficar em pé e dizer: ‘Não me agradei em tomá-la.’ 9 Nisso tem de aproximar-se dele a viúva de seu irmão, diante dos olhos dos anciãos, e ela tem de TIRAR-LHE A SANDÁLIA DO SEU PÉ E CUSPIR-LHE NA FACE, e tem de responder e dizer: ‘Assim se deve fazer ao homem que não edificar a família de seu irmão.10 E seu nome tem de ser chamado em Israel: ‘A casa daquele a quem se tirou a sandália.’

Foi Moisés o criador deste costume de casamento de cunhado?? Não, não foi. Os ancestrais de Moisés já o praticavam. Mais do que isto, eles achavam que Jeová se agradava de tal costume, e que Jeová punia àquele que se negasse a praticar tal costume, apesar de Jeová não ter falado nada sobre este assunto, até aquele momento. Assim está registrado na história do adorador de Jeová: (Gênesis 38:6-11) 6 Com o tempo, Judá tomou uma esposa para Er, seu primogênito, e o nome dela era Tamar. 7 Mas Er, primogênito de Judá, mostrou-se mau aos olhos de Jeová; Jeová o entregou por isso à morte. 8 Em vista disso, JUDÁ DISSE a Onã: “TEM RELAÇÕES COM A ESPOSA DE TEU IRMÃO e realiza um casamento de cunhado com ela, e suscita descendência para teu irmão.” 9 Mas Onã sabia que a descendência não se tornaria sua; e deu-se que, quando teve relações com a esposa de seu irmão, desperdiçou o seu sêmen na terra, para não dar descendência a seu irmão. 10 Ora, o que ele fez era mau aos olhos de Jeová; por isso, entregou-o também à morte. 11 De modo que Judá disse a Tamar, sua nora: “Mora como viúva na casa de teu pai até crescer Selá, meu filho.” Pois ele disse para si mesmo: “Ele também poderia morrer como seus irmãos.” Concordemente, Tamar foi e continuou a morar na casa de seu próprio pai.

Qual era mesmo o objetivo deste interessante costume?? Suscitar descendência para o irmão morto?? Como um humano pode suscitar descendência para seu irmão?? É isto possível??

Não se trata de mais um filho daquele que teve relações sexuais com a mulher, independente de quem seja a mulher??

Estando vivo, como alguém poderia tendo relações com a minha esposa, suscitar um filho para mim?? Caso eu estivesse morto, isto passaria a ser possível??

Se um homem fosse infértil, será que alguém poderia suscitar-lhe um filho??

O filho era registrado no nome do homem morto??

O que se diria para aquela criança?? Uma mentira oficial?? Afinal, de quem ela seria realmente filha??

Mateus, depois de três anos que teu pai morreu, você nasceu. Uma frase bem interessante a ser dita para o jovem Mateus, um israelita, fruto deste interessante costume, não é verdade??

Agora, em obediência ao mandamento dado por Moisés, o costume mostrou estar arraigado entre o povo escolhido de Jeová. Uma adoradora de Jeová, ancestral direta do rei Davi, revelou ser este o costume entre os adoradores de Jeová. Assim se fez registrar na história dos adoradores de Jeová: (Rute 1:8-13) 8 Por fim, Noemi disse a ambas as suas noras: “Ide, voltai, cada uma à casa de sua mãe. Que Jeová use de benevolência para convosco assim como vós usastes de benevolência para com os homens agora já mortos e para comigo. 9 Que Jeová vos dê uma dádiva, e achai deveras um lugar de descanso, cada uma na casa de seu esposo.” Então as beijou, e elas começaram a levantar as suas vozes e a chorar. 10 E diziam-lhe: “Não, mas voltaremos contigo ao teu povo.” 11 Noemi disse, porém: “Voltai, minhas filhas. Por que devíeis ir comigo? Acaso tenho ainda filhos nas minhas entranhas e TERIAM DE TORNAR-SE ELES OS VOSSOS MARIDOS? 12 Voltai, minhas filhas, ide, pois fiquei velha demais para vir a pertencer a um esposo. Se eu dissesse que também tenho esperança de certamente vir a ser hoje de noite de um esposo e também de certamente dar à luz filhos, 13 FICARÍEIS ESPERANDO POR ELES ATÉ CRESCEREM? Manter-vos-íeis isoladas para eles para não virdes a ser de algum esposo? Não, minhas filhas, pois é muito amargo para mim, por vossa causa, que a mão de Jeová tenha saído contra mim.”

Depois de passar a morar no país do seu falecido marido, Rute passou a ser tratada segundo o costume deste país. Aconteceu: (Rute 3:9-12) 9 perguntou-lhe: Quem és tu? Respondeu-lhe ela: Sou Rute, tua serva. Estende a tua capa sobre a tua serva; porque tu és parente chegado. 10 Ele disse: Bendita sejas de Jeová, minha filha. Mostraste mais bondade agora do que em outro tempo, visto que não escolheste mancebos pobres ou ricos. 11 Agora, minha filha, não temas; eu farei tudo o que disseres, porque todo o povo da minha cidade sabe que és mulher virtuosa. 12 Ora é verdade que sou parente chegado: contudo há outro mais chegado do que eu.

Aconteceu: (Rute 4:9-10) 9 Boaz disse aos anciãos e a todo o povo: Vós sois hoje testemunhas de que comprei da mão de Noemi tudo o que era de Elimeleque, e tudo o que era de Quiliom e de Malom. 10 Também a Rute, a moabita, que foi mulher de Malom, tomei-a por minha mulher, para fazer reviver o nome do defunto na sua herança, a fim de que o nome dele não seja extinguido dentre seus irmãos, e da porta da sua cidade. Vós hoje sois testemunhas disso.

Aconteceu: (Rute 4:13) 13 Recebeu Boaz a Rute, e ela veio a ser sua mulher. Ele a conheceu, e Jeová concedeu-lhe a ela graça de conceber, e dar à luz um filho.

Aconteceu: (Rute 4:16) 16 Noemi tomou o menino, pô-lo no seu regaço e fazia-lhe as vezes de ama. 17 As mulheres suas vizinhas deram-lhe nome, dizendo: Nasceu um filho a Noemi. Chamaram ao menino Obede. Ele é o pai de Jessé, pai de Davi.

Neste caso, Obede não era filho de Elimeleque. Obede era filho do defunto, defunto que foi perpetuado por esta ação bondosa de Elimeleque.

Neste caso específico não se tratava de Quiliom ou de Malom suscitarem descendência de um para outro como irmãos que eram, pois os dois morreram. Se estivessem vivos era exatamente o que fariam. Além do que, caso se negassem a fazer, seriam humilhados perante a cidade, passando a ter um péssimo nome. As palavras saídas da boca de Noemi revelavam o quão arraigado estava este costume. Este exemplo foi aqui colocado para demonstrar o dia a dia daquele país, ou seja, os costumes sendo colocados em prática por pessoas que fizeram a história com o seu dia a dia. A lei do país era esta. A lei do país era plenamente praticada pelos habitantes das suas cidades. Os que praticassem este costume eram exaltados e aqueles que se negassem a praticá-lo tinham sua imagem denegrida pelos demais humanos.

Tratava-se de uma situação bastante interessante, não é verdade??

Como será que Jeová via tudo isto?? Com paciência, obviamente.

Nos dias de Jesus estar como humano, este costume continuava sendo encarado como uma coisa muito normal. Em um diálogo com Jesus, foi exatamente isto o que revelaram os descendentes de Judá: (Mateus 22:23-28) 23 Naquele dia, os saduceus, que dizem não haver ressurreição, chegaram-se a ele e perguntaram-lhe: 24 Instrutor, Moisés disse: ‘SE UM HOMEM MORRER SEM FILHOS, SEU IRMÃO TEM DE TOMAR A ESPOSA DELE EM CASAMENTO e suscitar descendência para seu irmão.25 Ora, havia conosco sete irmãos; e o primeiro casou-se e faleceu, e, não tendo descendência, deixou a sua esposa para seu irmão. 26 Aconteceu do mesmo modo também com o segundo e com o terceiro, até passar por todos os sete. 27 Por último, morreu a mulher. 28 Conseqüentemente, na ressurreição, de qual dos sete será ela esposa? Pois todos a tiveram.”

Mesmo depois de Jeová dar a sua posição sobre o assunto, os adoradores de Jeová continuaram com o costume anterior, embora rivalizasse com a posição estabelecida por Jeová e informada a Moisés. O que realmente valia era o que Moisés disse e não o que Jeová disse.

Sendo casado, o irmão que fizesse o casamento de cunhado não estava cometendo um adultério autorizado?? Não é ele um homem casado?? A outra esposa não tinha o direito de sentir-se ofendida por este ato de seu esposo?? Parece que não, não é verdade??

No caso de nascer uma menina, o homem deveria continuar tentando até que nascesse um filho homem??

Que situação interessante, não é mesmo??

O que é pecado para a mulher não deveria também ser pecado para o homem?? A imparcialidade assim o determina; a igualdade assim o determina; a isonomia assim o determina.

Como a mulher era vista e tratada nesta sociedade?? Se ela fosse a primogênita, receberia o mesmo tratamento dado a um primogênito, ou será que ela era descartada até o nascimento de um homem??

Onde está a isonomia desta ordem de Moisés?? O que é mesmo isonomia??

Esta é a definição dada por certo dicionário: Princípio segundo o qual TODOS são iguais perante a lei.....

isonomia Datação: 1858

n substantivo feminino

1 estado dos que são governados pelas mesmas leis

2 Rubrica: termo jurídico.

princípio geral do direito segundo o qual todos são iguais perante a lei; não devendo ser feita nenhuma distinção entre pessoas que se encontrem na mesma situação

3 Rubrica: mineralogia.

estado dos cristais que são construídos segundo a mesma lei





Alguém ainda poderia argumentar que, já que ela passou a ser viúva, ela estaria livre para se casar com quem desejasse. Bem, isto é uma verdade. No entanto, foi o próprio Jeová quem determinou a descontinuidade destas ações, para seu povo. Foi Jeová quem determinou as exceções. Em face da morte do meu irmão, a viúva continua sendo minha cunhada, não continua?? O que os olhos de Jeová vêm?? Não é Jeová aquele que está me ensinando o que certo eu que é o errado?? Não é Jeová o Legislador?? Não é Jeová aquele que determina o que é e o que não é pecado??

Jeová também determinou que não se deveria descobrir a nudez da esposa do irmão do teu pai (tia), assim como também não descobrir a nudez da esposa de teu filho (nora): (Levítico 18:14-15) 14 “‘Não deves descobrir a nudez do irmão de teu pai. Não te deves chegar à sua esposa. Ela é tua tia. 15 “‘Não deves descobrir a nudez de tua nora. Ela é a esposa de teu filho. Não deves descobrir a sua nudez.

Assim verte a Tradução Brasileira:

(Levítico 18:14-15) 14 Não descobrirás a nudez do irmão de teu pai, não te chegarás a sua mulher; ela é tua tia. 15 Não descobrirás a nudez de tua nora; ela é mulher de teu filho.



Bem, e depois que o tio morresse?? Poderia o sobrinho descobrir a nudez da esposa de seu tio?? A viúva não é parente consanguíneo.

Bem, e se o filho morresse?? Poderia o pai descobrir a nudez da esposa de seu filho?? Não poderia fazer tal coisa apenas para suscitar descendência para seu próprio filho?? A nora não é parente consanguíneo. Com a morte, perdeu-se tal parentesco?? Em todos os casos, estando vivos seus respectivos maridos, não seria adultério?? Sim, seria. Em todos os casos, tratava-se do que deveria acontecer depois da morte de um dos pactuados. Jeová estava dando esta informação para o humano. Então, não deveria ser simplesmente uma questão de obedecer ao novo mandamento, no lugar de questioná-lo?? Sim, deveria ser. Obedecer voluntariamente ao mandamento, está diretamente relacionado com o concordar com o mandamento. A pessoa precisa concordar com aquele que criou o mandamento.

Quando Jesus informou aos servos de Jeová que se casar com alguém divorciado é estar cometendo adultério, independente do motivo do divórcio, muitos não gostaram do que ouviram. O divórcio humano não anula o casamento perante Jeová. Jeová espera e deseja que o humano perdoe ao ofensor, independente do tamanho da ofensa. “Se esta é a situação do homem é melhor não casar”, foi afirmado pelo servo de Jeová que encontraria dificuldades em obedecer a este mandamento, novo para ele. Independente da dificuldade do servo, para Jeová, pecado é pecado, e Ele espera que o servo obedeça. Agora que o servo foi informado que esta ação é um pecado, resta-lhe aceitar, procurar entender e obedecer. Não deve haver rebeldia.

Quando questionado, Jesus não apresentou um outro mandamento alternativo, ou será que apresentou?? Será que era Jeová quem tinha de mudar de opinião??

Moisés falava face a face com Jeová, poderá argumentar aquele que desejava prosseguir neste costume ancestral. Ele argumentará ainda mais: Jeová continuou abençoando aquele que praticou esta ação, não abençoou?? Depois diria: Jeová não abençoa pecadores. Diria mais: “A bíblia diz que é para fazer assim”. Diria mais: “Esta é a base bíblica para praticar tal ação”.

Será que as ações de Jeová não são prova suficiente de que Ele é um perdoador e que Ele abençoa aqueles que cometem iniquidades??

Deveriam ser.

Neste caso, a mesma resistência apresentada pelas gerações passadas, também são apresentadas pela geração atual em relação ao mesmo mandamento acerca do divórcio?? Neste caso, trata-se da resistência do humano em obedecer aos mandamentos de Deus, não se trata??



Topo desta página