QUEM É QUE ESTÁ NO COMANDO??

Criada em 04 de janeiro de 2013 Última alteração em 31/10/13 às 17 : 35





QUEM ESTÁ NO COMANDO??



Quem sempre esteve no comando da nação de Israel??

Muitos responderão: Jeová sempre esteve no comando.



Quem hoje está no comando da “organização terrestre de Jeová”, como se autodenominam as testemunhas de Jeová???

O que elas responderiam??

1 - Jeová está no comando;

2 - Jesus está no comando;

3- O espírito santo está no comando.

Quem está no comando é um comandante.

O que é um comandante?? Vamos ver a definição dada a esta palavra pelo dicionário Houaiss: “.....autoridade que detém o comando, dirigente, aquele que exerce o comando”. Como exemplo podemos citar o comandante de um navio.

Comandante>

1comandante

adj.2g. (1744) 1 que comanda, que dá ordens a subordinados; dirigente n s.m. 2 aquele que exerce um comando 3 aer mar título que se dá ao oficial que exerce o comando de um navio mercante ou de uma aeronave comercial 4 mil título atribuído a oficiais de qualquer arma e patente quando em exercício de comando 5 mil na hierarquia militar de alguns países, posto equivalente ao de major nos exércitos do Brasil e Portugal 6 o oficial que tem qualquer desses postos 7 futb p.us. m.q. centroavante ² c. em chefe mil posto atribuído a altas patentes militares em exercício de comando de exércitos, grupo de tropas ou de corpos da armada, ou de um comando operacional interarmas, mas que recebe ordens do comando supremo; comandante-chefe • c. superior mil oficial-general provido de um comando operacional interarmas, sob as ordens do comando supremo • c. supremo mil autoridade que detém o comando supremo ¤ etim comandar + -nte, por infl. do fr. commandant 'id.' ¤ sin/var como subst.masc.: ver sinonímia de chefe


O que se espera de alguém que está no comando?? O ser humano tem sua própria visão em relação a isto.

Vejamos a definição desta palavra segundo o dicionário Houaiss: Posição e ações de “controle”.

Comando>

comando

s.m. (1813) 1 ato ou efeito de comandar; controle <perder o c. da situação> 2 poder, função, área de competência ou posto de comandante <era ele quem detinha o c.> 3 mil B unidade, conjunto de unidades, organização ou área territorial sob o comando de um militar 4 p.met. mil B órgão que controla uma unidade de operação; órgão encarregado de determinada missão 5 p.met. mil B a sede ou local de funcionamento do referido órgão 6 mil grupo autônomo constituído e treinado para executar missões rápidas e perigosas; destacamento autônomo <um c. de paraquedistas> 7 p.ana. grupo de ação estratégica <um c. sanitário> <um c. revolucionário> 8 p.met. membro de um comando 9 fig. primeiro lugar; frente <o carro azul estava no c. da prova> 10 aer designação de qualquer elemento de controle do avião 11 eng.mec conjunto dos órgãos que transmitem o movimento em uma máquina; processo de fazer funcionar certos mecanismos <c. a distância> <c. automático> 12 inf sinal enviado pelo usuário a um programa ou sistema operacional com o objetivo de iniciar, finalizar, modificar ou controlar de alguma forma a execução do programa ou de uma operação ² c. em chefe mil m.q. comando-chefe ¤ etim regr. de comandar ¤ sin/var ver sinonímia de direção ¤ hom comando(fl. comandar)




Onde há comando tem de haver controle. O comandante pratica a ação de controlar.

Assim, vamos buscar a definição de “controlar” no mesmo dicionário Houaiss: “submeter a exame e vigilância estritos; fiscalizar, monitorar”; exercer ação restritiva sobre alguém; conter; manter sob o próprio domínio.

Controlar>

controlar

v. (1919) 1 t.d. submeter a exame e vigilância estritos; fiscalizar, monitorar <c. a taxa de glicose de um diabético> <c. a produção para melhorar a qualidade> 2 t.d. exercer ação restritiva sobre; conter, regular <c. gastos> 3 t.d. assegurar o controle imediato de (algo), por meio de reflexo motor, ou por habilidade <não foi possível c. o carro> <o jogador não conseguiu c. a bola> 4 t.d. exercer poder, autoridade sobre (alguém ou algo); manter sob o próprio domínio; dominar <não consegue mais c. os filhos> <os britânicos controlaram Hong Kong por mais de 100 anos> 5 t.d. e pron. moderar (os próprios impulsos); dominar(-se), conter(-se) <c. as paixões> <controlou-se para não perder a paciência> ¤ etim fr. contrôler 'id.' ¤ ant descontrolar ¤ hom controle(1ª3ªp.s.), controles(2ªp.s.) / controle \ô\ (s.m.) e pl.


Em face do significado da palavra controlar, fica bem claro sobre o “motivo” de muitos afirmarem que o mundo não tem a Deus como Seu Comandante. Segundo o humano, o comandante deve controlar o seu comandado.

Quem está no comando da religião católica??

Algumas religiões cristãs e as testemunhas responderiam:

O Diabo.

Quem está no comando das religiões protestantes??

Os protestantes responderiam:

O Senhor Jesus está no comando;

O espírito santo está no comando;

As testemunhas responderiam:

O Diabo.

Quem está no comando de toda religião não cristã, religião chamada “pagã”??

Todos os cristãos, inclusive as testemunhas, responderiam:

O Diabo.

O que pudemos observar??

Pudemos observar que para as testemunhas, somente elas é que não estão sendo “comandadas” pelo Diabo.

Será que o Diabo criou regras de comportamento e as repassou para que o humano as praticasse no dia a dia??

Será que Jeová criou regras de comportamento e as repassou para que o humano as praticasse no dia a dia??

Neste caso, que ideia fazem as pessoas sobre o que seja estar no comando??

Elas afirmam: As ações dos “comandados” são ações direcionadas pelos comandantes.

Se ela estivesse no comando, como seria aquela situação?? Estando ela no comando, será que ela permitiria que certas coisas acontecessem??

Segundo Moisés, como deveria ser exercido o comando pelo sacerdote e/ou juiz??

Assim define Moisés:

(Deuteronômio 17:8-12) 8 Caso alguma causa para decisão judicial te seja extraordinária demais, uma em que se derramou sangue, em que se tenha feito uma demanda judicial, ou se cometeu um ato de violência, questões de disputa, dentro dos teus portões, então tens de levantar-te e subir ao lugar que Jeová, teu Deus, escolher, 9 e tens de dirigir-te aos sacerdotes, aos levitas e ao juiz que estiver em exercício nesses dias, e tens de fazer uma consulta, e eles têm de transmitir-te a palavra da decisão judicial. 10 Então tens de proceder de acordo com a palavra que te transmitirão do lugar que Jeová escolher; e tens de cuidar em fazer segundo tudo o que te instruírem. 11 Deves proceder de acordo com a lei que te indicarão e segundo a decisão judicial que te disserem. Não te deves desviar da palavra que te transmitirão, nem para a direita, nem para a esquerda. 12 E o homem que se comportar presunçosamente, não escutando o sacerdote que ali está de pé para ministrar a Jeová, teu Deus, ou o juiz, tal homem tem de morrer; e tens de eliminar o mal de Israel.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Deuteronômio 17:8-12) 8 Se te surgir em juízo uma questão difícil demais, entre sangue e sangue, entre causa e causa, e entre ferida e ferida, isto é, questões de pendências, dentro das tuas cidades; levantar-te-ás e subirás ao lugar que Jeová teu Deus escolher. 9 Virás aos levitas sacerdotes, e ao juiz que houver nesses dias; indagarás, e eles te mostrarão a sentença do juízo. 10 Farás de acordo com a sentença que te mostrarem no lugar que Jeová escolher; e cuidarás em fazer segundo tudo o que te ensinarem. 11 Segundo o teor do ensino que te derem, e segundo o juízo que te disserem, farás; não te desviarás da sentença que te referirem nem para a direita nem para a esquerda. 12 O homem que se houver com presunção, não ouvindo ao sacerdote que está ali para ministrar diante de Jeová teu Deus nem ao juiz, esse homem morrerá; tirarás de Israel o mal.



Exercer o poder controlador. Neste caso, o sacerdote ou o juiz estavam exercendo plenamente o poder para controlar as ações dos súditos do reino de Deus.

Será que Jeová usava a mesma forma de governar??

Os humanos estabeleceram como regra (diretriz) de que se a pessoa está no “comando”, tudo o que acontece no âmbito do seu comando está relacionado com a sua vontade e aprovação. Neste caso, o comandante deve ser um “controlador” das ações dos outros.

Tendo este pensamento como base, chega-se a conclusão que se Deus estivesse no “comando” do mundo, Ele estaria satisfazendo a Sua vontade, em face de todo o poder que Ele tem. Se as coisas não estão do jeito que Jeová quer, isto significa que não é Ele quem está reinando (governando). Neste caso Deus deveria estar controlando as pessoas para que elas cumpram os Seus mandamentos.

Assim, quando acontecem coisas que contrariam a vontade do comandante, afirma-se que as coisas fugiram do comando. Quando estas coisas persistem em acontecer, afirma-se que tal pessoa perdeu o comando, dando a entender que tal pessoa não consegue controlar o que está acontecendo. Na verdade, o comandante é visto como um grande controlador. Isto é o que o humano espera de um comandante.

Como argumento, ainda pode-se afirmar que as coisas más que estão acontecendo no mundo não correspondem à vontade de Deus, pois Deus ama seus filhos e não permitiria que os iníquos fizessem tantas vítimas. Afirma-se que o Diabo está controlando os humanos, pois, o mundo estar tão iníquo é a satisfação da vontade do Diabo. Afirma-se que é da vontade do Diabo que o mundo esteja assim. Neste caso, as pessoas estariam obedecendo aos mandamentos criados pelo Diabo.

Daí, apresenta-se o plano de Deus de uma terra sem iniquidade, um paraíso sem maldade e afirma-se: Quando Deus estiver no “comando”, quando Ele estiver governando, Ele fará com que a terra seja um paraíso. É desta forma que a vontade de Deus passaria a ser feita.

O raciocínio é plenamente lógico e ademais apresenta uma sequência que encanta o nosso coração.

Daí, vem aquela pergunta: Se você estivesse no “comando”, não seria isto o que farias pelos que você ama??

A resposta é única. Se eu tivesse o poder, era exatamente isto o que eu faria pelas pessoas que eu amo. Apresenta-se como outro argumento a oração do Pai nosso, na qual pedimos que Deus realize a Sua vontade aqui na terra como nos céus. Daí conclui-se afirmando: Quando Deus estiver fazendo a sua vontade na terra não existirão pessoas más, pois todos os iníquos receberão a morte eterna.

Tudo está plenamente lógico e coerente.

A maioria das pessoas não permitiriam que certas coisas acontecessem, no caso delas estarem no comando. Neste caso, as pessoas estariam exercendo o pleno controle. Tais pessoas analisam que se ela permitisse que algo que ela não gosta e que realmente é errado acontecesse, e principalmente contra alguém amado, isto revelaria “falta de comando”. Para tais pessoas estaria havendo uma falha naquele que está no comando. Alguém poderia até mesmo afirmar que está havendo conivência, já que a pessoa sabe e não impede que se faça. Aquele que está no comando vê a coisa errada acontecer, no entanto, além de não impedir que tal coisa aconteça, ela não elimina sumariamente aquele que pratica tal erro.

Jó fez a seguinte observação:

(Jó 9:24) 24 A própria terra foi entregue na mão do iníquo; Ele encobre a face dos seus juízes. Se não [ele], então quem?

No entanto, convêm perguntar: Será que o ser humano foi criado para ser “controlado” por aquele que está no comando, ou seja, no governo, isto é, Deus?? O humano foi criado para ser um marionete??

O que é um marionete??

Marionete – Esta é a definição dada pelo dicionário Houaiss: boneco manipulado por pessoa oculta; fantoche

marionete

s.f. (1899) 1 boneco (pessoa, animal ou objeto animizado) movido por meio de cordéis manipulados por pessoa oculta atrás de uma tela, em um palco em miniatura; títere 2 m.q. fantoche 3 fig. pej. pessoa sem personalidade, que se deixa manipular etim fr. marionette 'instrumento musical; espécie de dança; boneco que se movimenta pela articulação de fios presos à mão de alguém; pessoa manipulável', da f. dissimilada de Mariole, dim. de Marie, designativo de uma pequena imagem da Virgem Maria sin/var boneco, bonifrate, fantoche, mamulengo, presepe, títere


Fantoche – Esta é a definição dada pelo dicionário Houaiss: boneco calçado pela mão de pessoa oculta que o faz representar algum papel teatral.

fantoche

s.m. (1883) 1 boneco (ger. pessoa ou animal) calçado pela mão de pessoa oculta que o faz representar algum papel teatral 2 fig. pej. indivíduo que se deixa manipular; títere, marionete fantoches s.m.pl. 3 m.q. sombrinhas ('lanterna mágica') etim fr. fantoche 'boneco, marionete', do it. fantoccio 'id.' sin/var ver sinonímia de marionete


Examinemos agora a opinião de alguém quanto a um pecado cometido por Davi. Alguns afirmam que Davi foi uma vítima de um ser invisível. O sentido do que está registrado é este.

Assim se fez registrar:

(2 Samuel 24:1) 24 E novamente veio a acender-se a ira de Jeová contra Israel, quando se instigou Davi contra eles, dizendo: “Vai, faze a contagem de Israel e de Judá.”


Assim verte a Tradução Almeida:

(2 Samuel 24:1) 1 A ira do Senhor tornou a acender-se contra Israel, e o Senhor incitou a Davi contra eles, dizendo: Vai, numera a Israel e a Judá.

Assim verte a Tradução Brasileira:

(2 Samuel 24:1) 1 Tornou-se de novo a acender a ira de Jeová contra Israel, e incitou contra eles a Davi, dizendo: Vai, numera a Israel e a Judá.

Alguém instigou Davi contra o povo. Alguém instigou o povo contra Davi. O Senhor incitou Davi contra o povo, mandando-o fazer algo que se sabia ser um pecado.

Alguém invisível fez de Davi um marionete??

Ora, ora, tudo isto só para inocentar Davi de um insistente pecado pessoal???

Até mesmo O Senhor passou a ser acusado de mandar Davi cometer um pecado. Alguém invisível mandou Davi fazer a contagem?? Alguém invisível obrigou Davi a fazer a contagem?? Alguém invisível instigou Davi a fazer a contagem??

Será que Davi foi possuído por um ente espiritual, perdendo sua vontade?? Será que Davi perdeu o comando de suas ações?? Estava Davi sendo controlado por alguém invisível??

Possuído – esta é a definição dada pelo dicionário Houaiss: que sofre possessão (estado do que é habitado por ente sobrenatural); dominado

possuído

adj. (sXV) 1 que sofre uma possessão ('estado do que é habitado por ente sobrenatural'); dominado 2 de que alguém tem a posse 3 com quem se teve cópula (diz-se de pessoa) 4 B infrm. que se julga o melhor; arrogante, presumido n adj.s.m. 5 m.q. possesso ('que ou aquele que se crê dominado') possuídos s.m.pl. 6 coisas e riquezas possuídas, posses, bens, haveres 7 B N. B N.E. infrm. as partes genitais etim part. de possuir


Ora, ora, tratava-se de uma vontade de Davi. Davi era um homem de fortes vontades. Algumas pessoas ainda tentaram convencer Davi a mudar de ideia, mas ele era o rei. Sendo assim, prevaleceu a sua vontade.

Está registrado:

(2 Samuel 24:3-4) 3 Mas Joabe disse ao rei: “Acrescente Jeová, teu Deus, ainda cem vezes mais do que são, vendo-o os próprios olhos do meu senhor, o rei. Mas, quanto ao meu senhor, o rei, por que se deleitou nesta coisa?” 4 Por fim prevaleceu a palavra do rei sobre Joabe e os chefes das forças militares. Portanto, Joabe e os chefes das forças militares saíram de diante do rei para registrar o povo de Israel.



Assim verte a Tradução Almeida:

(2 Samuel 24:3-4) 3 Então disse Joabe ao rei: Ora, multiplique o Senhor teu Deus a este povo cem vezes tanto quanto agora é, e os olhos do rei meu senhor o vejam. Mas por que tem prazer nisto o rei meu senhor; 4 Todavia a palavra do rei prevaleceu contra Joabe, e contra os chefes do exército; Joabe, pois, saiu com os chefes do exército da presença do rei para numerar o povo de Israel.

Assim verte a Tradução Brasileira:

(2 Samuel 24:3-4) 3 Joabe respondeu ao rei: Queira Jeová teu Deus multiplicar o povo cem vezes mais do que agora é, e veja-o o rei meu senhor! mas por que tem prazer nisto o rei meu senhor? 4 Todavia a palavra do rei prevaleceu contra Joabe, e contra os generais do exército. Saiu da presença do rei Joabe, com os generais do exército a contar o povo de Israel.

Era o caso de uma vontade de Davi, não era?? Era o caso da satisfação de uma vontade de Davi, não era??

Agora retornemos ao passado e façamos a mesma pergunta.

Quando Jeová escolhia um “juiz”, (Sansão, por exemplo) todas as ações deste “juiz” eram comandadas por Jeová? Permanecendo vivo e na função de juiz, todas as ações do juiz eram aprovadas por Jeová??

Na nação de Israel, as ações dos sacerdotes eram “comandadas” por Jeová?? Na nação de Israel, as ações dos profetas eram “comandadas” por Jeová?? Na nação de Israel, as ações dos membros individuais da nação eram “comandadas” por Jeová?? Deviam as ações destes homens serem “controladas” por Jeová?? Deviam estes humanos serem “controlados” por Jeová para que fizessem exatamente aquilo que Ele queria?? Jeová era o Rei, não era?? Certamente.

Quando Saul estava reinando sobre as doze tribos de Israel, todas as suas ações foram “comandadas” por Jeová?? Devia Saul ser controlado por Jeová, aquele que o escolheu qual rei humano??

Ao estar fazendo algo contrário à vontade de Jeová/Javé, não deveria ser imediatamente morto e/ou substituído por outro??

Quando Davi estava reinando sobre as doze tribos de Israel, todas as suas ações foram “comandadas” por Jeová?? Devia Davi ser controlado por Jeová??

Se Davi viesse a praticar alguma iniquidade, não deveria ser imediatamente substituído por outro??

Quando Salomão estava reinando sobre as doze tribos de Israel, quem é que estava no “comando” da nação de Israel?? Não continuava Jeová o Rei da casa de Israel?? Devia Salomão ser controlado por Jeová??

Se Salomão viesse a praticar alguma iniquidade, não deveria ser imediatamente substituído por outro??

O que responderão??

Será que a existência destes reis e toda a sua realeza era a satisfação da vontade de Jeová?? Será que a existência desta realeza estava no projeto de Jeová para o relacionamento humano??

Séculos depois da existência de reis humanos sobre a nação de Israel, o que afirmou Jeová??

Lemos:

(Oséias 13:10-11) 10 Onde, então, está o teu rei, para que te salve em todas as tuas cidades, e teus juízes, [dos] quais disseste: ‘Dá-me deveras um rei e príncipes’? 11 Passei a dar-te um rei na minha ira e [o] tirarei na minha fúria.

Assim verte a Tradução Almeida:

(Oséias 13:10-11) 10 Onde está agora o teu rei, para que te salve em todas as tuas cidades? e os teus juízes, dos quais disseste: Dá-me rei e príncipes? 11 Dei-te um rei na minha ira, e tirei-o no meu furor.

Assim verte a Tradução Brasileira:

(Oséias 13:10-11) 10 Onde está agora o teu rei, para que te salve em todas as tuas cidades? onde estão os teus juízes, de quem disseste: Dá-me rei e príncipes 11 Dei-te um rei na minha ira, e tirei-o no meu furor.

Séculos depois, a afirmação de Jeová foi bem clara, não foi?? “Dei-te um rei na minha ira; onde está aquele que me pediste para ser vosso rei??” Logo, aquela realidade existente, ou seja, a existência de reis humanos, toda a sua realeza, riqueza, glórias e palácios, não era a vontade de Jeová. Toda a situação existente era contrária a vontade de Jeová.

Se não estava sendo feita a Sua vontade, isto significava que Jeová não estava no comando?? Significava que Jeová não estava regendo a casa de Israel?? Significava que Jeová era o responsável por todas as iniquidades cometidas por aqueles reis humanos??

Não podemos esquecer que neste tempo havia escravidão e os israelitas eram aqueles que escravizavam os povos vizinhos. Estava tudo bem para eles que escravizavam. Também foi o tempo em que a realeza da nação de Israel mais acumulou riquezas. Será que estas coisas eram o cumprimento da vontade de Jeová?? Estavam sendo comandados por Jeová ou não estavam sendo comandados por Jeová?? Estavam fazendo a vontade de Jeová?? Estavam fazendo segundo o planejado por Jeová??

Quem estava realmente no comando?? O fato de ocorrerem certos pecados entre o povo era a prova de que Jeová não estava no comando do povo??

Se o povo decidisse guerrear, matar homens, saquear cidades e escravizar mulheres e crianças, isto revelava que estavam sendo "comandados” por Jeová para praticarem tais atos?? Estariam satisfazendo a vontade de Jeová, o Rei invisível deles??

Se não estavam sendo comandados por Jeová, isto significava que Jeová havia perdido o comando da nação??

Por não exterminar todo aquele que se portava iniquamente, será que Jeová passava a ser cúmplice das iniquidades cometidas??

Quando a nação de Israel estava matando todo macho e escravizando mulheres e crianças das outras nações vizinhas, será que estavam sendo dirigidas por Jeová?? Será que estas ações eram a materialização da vontade de Jeová?? Eram ações aprovadas por Jeová?? Eram ações comandadas por Jeová??

Afinal de contas, por que o povo israelita rejeitou a Jeová como COMANDANTE invisível deles??

Porque Jeová não estava satisfazendo a perspectiva deles em relação ao que o comandante devia fazer. Eles desejavam que Jeová fizesse certas coisas que Jeová não estava fazendo.

O que desejavam??

(1 Samuel 8:19-20) 19 No entanto, o povo negou-se a escutar a voz de Samuel e disse: “Não, mas um rei virá a estar sobre nós. 20 E também nós teremos de tornar-nos iguais a todas as nações, e o nosso rei terá de julgar-nos, e terá de sair na nossa frente e travar as nossas batalhas. . .

Assim verte a Tradução Almeida:

(1 Samuel 8:19-20) 19 O povo, porém, não quis ouvir a voz de Samuel; e disseram: Não, mas haverá sobre nós um rei, 20 para que nós também sejamos como todas as outras nações, e para que o nosso rei nos julgue, e saia adiante de nós, e peleje as nossas batalhas.

Assim verte a Tradução Brasileira:

(1 Samuel 8:19-20) 19 Mas o povo não quis escutar a voz de Samuel; e disseram: Não; mas queremos ter um rei sobre nós, 20 para que sejamos também como todas as nações. O nosso rei nos julgará, marchará à nossa frente e pelejará as nossas batalhas.

Será que era isto mesmo o que o povo queria??

Quando houvesse problemas entre as tribos, era o rei que decidiria o que devia ser feito. Neste caso, o rei serviria de juiz, dando soluções (decisões judiciais) para os problemas de relacionamento entre os súditos.

Será que Jeová já não havia dado mandamentos para que os súditos resolvessem os problemas de relacionamento entre eles no dia a dia??

O que ocorreu na escolha do primeiro rei??

(1 Samuel 10:26-27) 26 Quanto ao próprio Saul, foi para a sua casa em Gibeá e homens valentes, cujo coração Deus havia tocado, passaram a ir com ele. 27 Quanto aos homens imprestáveis, disseram: “COMO é que este nos SALVARÁ?” Conseqüentemente, desprezaram-no e não lhe trouxeram nenhum presente. Mas ele continuou como alguém que ficou sem fala.

Assim verte a Tradução Brasileira: (1 Samuel 10:26-27) 26 Voltou Saul também para a sua casa em Gibeá; e foram com ele os homens de valor, cujos corações Deus tinha tocado. 27 Mas os filhos de Belial disseram: Como pode este homem SALVAR-NOS? Desprezaram-no, e não lhe trouxeram presentes. Saul, porém, portou-se como se fora surdo.

O povo desejava um comandante que tomasse a posição de liderança contra os inimigos, que não eram poucos. Queriam um comandante destemido, forte e lutador para salvá-los dos seus inimigos.

Mas, Jeová não estava no comando?? Não via Jeová tudo o que estava acontecendo?? Afinal, porque Jeová não impedia que os inimigos os fustigassem todo o tempo. Provavelmente perguntavam entre si: Afinal, Jeová está ou não no comando?? Por que Ele permite que as coisas continuem desta forma??

O que ficou bem claro é que aqueles humanos estavam descontentes com a forma como Jeová praticava o Seu Comandar.

Ficou bem claro que se fossem eles no comando, as coisas seriam feitas de forma diferente. Haveria uma imposição de vontades.

O Comandante Jeová foi rejeitado. Foi rejeitado por não estar satisfazendo a vontade imediata do povo.

O Rei foi rejeitado, E agora, o que Ele vai fazer??

Bem, Jeová decidiu respeitar a decisão tomada pelo povo, mesmo sabendo do sofrimento que povo passaria a ter em face dos seus reis (pastores) humanos.

Se fossem outros comandantes, isto não aconteceria. Sendo muito mais forte, o comandante imporia a sua vontade e pronto, principalmente se fosse para o bem do povo.

Segundo o humano, se os comandados não estão fazendo o que você, como comandante, lhes pediu, então você não está no comando, ou ainda, você não está capacitado para comandar aquelas pessoas. Muitos afirmam que está faltando pulso firme.

Quem está no comando, está praticando a ação de comandar, de dirigir.

Comandar – Esta é a definição dada por certo dicionário (Houaiss): dirigir como alguém superior; governar; mandar; dominar.

comandar

v. (1789) 1 t.d. mil dirigir como superior em qualquer arma <comandava um contingente de 300 soldados> 2 t.d.int. deter autoridade sobre outrem <c. um grupo armado> <comanda a família com mão de ferro> <é inteligente mas não sabe c.> 3 t.d.int. governar, administrar, gerir <c. um grupo de fábricas> <atingiu o topo mas nunca chegou a c.> 4 t.d. dar orientação a, atuando como líder; chefiar <c. um assalto> 5 t.d. operar o mecanismo de controle de (um veículo), fazendo-o seguir um trajeto ou rumo <c. uma embarcação> 6 t.d. fig. fazer (uma parte do corpo) mover-se da maneira pretendida <bêbedo, não conseguia c. as pernas> 7 t.d. fig. estabelecer preceitos, ordens; ordenar, mandar <os mandamentos comandam que não matemos> 8 t.d. fig. ter domínio sobre; conduzir <a alegria comanda o espetáculo> 9 t.d. fig. estar em posição mais elevada que; dominar <a praça-forte comanda a entrada da barra> etim fr. commander 'id.' sin/var ver sinonímia de conduzir hom comando(1ªp.s.) / comando(s.m.)


A grande maioria dos humanos acham que aquele que comanda deve IMPEDIR que certas coisas aconteçam entre aqueles que se está comandando. Os humanos esperam que os comandantes tomem medidas visando impedir que certas coisas ocorram ou que continuem a acontecer.

No entanto, tais humanos despercebem que a ação de IMPEDIR alguém de fazer alguma coisa, qualquer coisa, é estar praticando a TIRANIA.

IMPEDIR é a ação de um TIRANO.

Toda tirania é um pecado (uma ofensa) contra o livre-arbítrio.

A pessoa gostaria de fazer algo, mas, ela só não faz porque ela é impedida.

Neste caso houve uma violação do livre-arbítrio deste indivíduo. Ele foi impedido de satisfazer a sua vontade.

O comandante deve OBRIGAR o comandado a fazer alguma coisa?? O comandante deve impedir que o comandado faça alguma coisa?? Deve o comandante praticar o ato de OBRIGAR, quando a coisa a ser feita é para benefício do próprio comandado??

OBRIGAR também é a ação de um tirano.

No entanto, o humano deseja que Jeová impeça certas coisas e imponha certas coisas.

IMPOR – esta é a definição dada pelo dicionário (Houaiss): forçar a cumprir; tornar obrigatório

impor

v. (sXIV) 1 t.d.bit. e pron. tornar obrigatório ou indispensável; forçar(-se) a cumprir <i. um novo regime de trabalho (aos alunos)> <ela se impôs pesadas tarefas> 2 t.d.bit. fazer que se apresente ao espírito; incutir, infundir, inspirar <a sua figura impunha respeito (a todos)> 3 t.d.bit. pôr em vigor; criar, estabelecer, fixar <o governo vem impondo (à população) pesados tributos> 4 t.d.bit. aplicar; cominar, infligir <i. um castigo> <o padre impôs-lhe pesada penitência> 5 bit. pôr sobre ou em cima; apor, sobrepor <i. as mãos na cabeça de alguém> 6 bit. imputar caluniosamente; assacar <impuseram-lhe coisas que jamais fez ou disse> 7 t.i. e pron. afetar, dar(-se) aparência ou ares <i. de sábio> <gostava de i.-se como intelectual> ¤ gram a respeito da conj. deste verbo, ver gram no verbete pôr ¤ etim lat. impóno,is,posùi, posìtum,ponère 'pôr como obrigação, obrigar a, impor' ¤ sin/var ver sinonímia de exigir e obrigar ¤ par impunha(1ª3ªp.s.), impunham(3ªp.pl.), impúnhamos(1ªp.pl.), impunhas(2ªp.s.) / empunha, empunham, empunhamos, empunhas(fl.empunhar); impúnheis(2ªp.pl.) / empunheis(fl.empunhar)




Estamos presenciando a seguinte cena:

(Números 31:14-18) 14 E Moisés ficou indignado com os homens designados das forças combatentes, os chefes dos milhares e os chefes das centenas, que retornavam da expedição militar. 15 De modo que Moisés lhes disse: “Preservastes viva a toda a fêmea? 16 Eis que estas são as que pela palavra de Balaão serviram para induzir os filhos de Israel a cometerem infidelidade para com Jeová na questão de Peor, de modo que veio o flagelo sobre a assembléia de Jeová. 17 E agora, matai a todo o macho dentre os pequeninos e matai a toda a mulher que tiver tido relações com um homem por se deitar com um macho. 18 E preservai vivas para vós a todas as pequeninas dentre as mulheres, que não tiverem conhecido o ato de se deitar com um macho.

Quem estava no comando do povo?? Quem era o Rei??

Jeová era o Rei.

Quem estava no comando daquela situação??

Muitos dirão: Jeová estava no comando daquela situação.

Agora, pergunte-se:

  1. Era Jeová quem estava satisfazendo a Sua vontade??

  2. Era Moisés quem estava satisfazendo a sua vontade??

  3. Se tal coisa não fosse da vontade de Jeová, devia Jeová impedir que tal coisa acontecesse??

Estamos presenciando a seguinte cena:

(Êxodo 32:25-29) 25 E Moisés chegou a ver que o povo ficara desenfreado, porque Arão os deixara ficar desenfreados para ignomínia entre seus opositores. 26 Moisés postou-se então no portão do acampamento e disse: “Quem está do lado de Jeová? A mim!” E todos os filhos de Levi começaram a ajuntar-se a ele. 27 Disse-lhes então: “Assim disse Jeová, o Deus de Israel: ‘Ponde cada um de vós a sua espada ao seu lado. Percorrei o acampamento e voltai, de portão a portão, e matai cada um o seu irmão, e cada um o seu próximo, e cada um o seu conhecido íntimo.’” 28 E os filhos de Levi passaram a fazer o que Moisés dissera, de modo que naquele dia caíram do povo cerca de três mil homens. 29 E Moisés prosseguiu, dizendo: “Enchei hoje vossas mãos de poder para Jeová, porque cada um de vós é contra seu próprio filho e contra seu próprio irmão, e para que ele vos conceda hoje uma bênção.”

Quem estava no comando do povo?? Quem era o Rei do povo??

Era Jeová.

Quem estava no comando daquela situação??

Muitos dirão: Jeová estava no comando.

Agora, pergunte-se:

  1. Era Jeová quem estava satisfazendo a Sua vontade??

  2. Era Moisés quem estava satisfazendo a sua vontade??

  3. Se Moisés não estava fazendo a vontade de Jeová, devia Jeová impedir que tal coisa acontecesse??

Agora passamos para uma cena em que os padres católicos e líderes protestantes estão abençoando tanques, aviões e soldados cristãos que estão em plena luta contra povos pagãos.

Quem estava no comando dos cristãos?? Quem é o Senhor dos cristãos??

O Senhor dos cristãos é Jesus.

Quem é que comandava aquela situação??

As testemunhas dirão:

O Diabo.

Agora passamos para uma cena em que uma mulher foi pega em pleno ato de adultério está sendo apedrejada na presença de Moisés em face da ordem dada por Moisés.

Quem está no comando desta situação??

Muitos dirão: Jeová

Agora passemos para uma cena em que um homem está bem na frente de Moisés e sendo apedrejado por ter blasfemado o nome de Jeová.

Quem está no comando desta situação??

Muitos dirão: Jeová

Agora passemos para uma cena em que um homem é expulso de uma sinagoga de estudos da Bíblia. Ele cometeu o pecado do adultério. Este homem estende a sua mão e sua amizade para um grupo de pessoas que estudam nesta mesma sinagoga, no entanto, todos lhe viram a cara, todos o discriminam por seu pecado.

Quem está no comando desta situação??

Muitos dirão: Jeová

Jesus afirmou: Eu e o Pai somos um.

Tomando como base esta afirmação, agora perguntamos:

Você consegue ver Jesus comandando todas estas ações?? Você consegue ver Jesus ordenando que os humanos pratiquem estas ações??

Embora estas pessoas tenham a Jesus como sendo o seu Senhor, parecem desconhecer a verdadeira personalidade do seu próprio Senhor Jesus, não é verdade??

Geralmente são as sobreviventes vítimas destas pessoas (que tomam decisões) que perguntam sobre quem está no comando desta ou daquela situação.

Muitos cristãos afirmam hoje que é Jesus quem está comandando suas vidas, mesmo quando elas estão dirigindo um carro poluidor do meio ambiente, quando estão pilotando um avião de guerra, quando estão acumulando riquezas, quando estão exigindo que o opressor pague pelo seu pecado, quando estão entrando na justiça (poder judiciário), no desejo de receber uma indenização qualquer em face de uma real ofensa cometida contra ele, ou mesmo quando decidem formar uma comissão judicativa para julgar um pecador qualquer.

Jesus afirmou que muitos dos seus discípulos, mesmo aqueles discípulos que recebessem espírito santo para realizar tarefas dentro do reino, não estavam sendo comandados por ele, nas ações que praticavam.

Assim ele afirmou:

(Mateus 7:22-23) 22 Muitos me dirão naquele dia: ‘Senhor, Senhor, não profetizamos em teu nome e não expulsamos demônios em teu nome, e não fizemos muitas obras poderosas em teu nome?’ 23 Contudo, eu lhes confessarei então: Nunca vos conheci! Afastai-vos de mim, vós obreiros do que é contra a lei.

Fizemos todas estas coisas em teu nome. Com o poder que nos deste, fizemos todas estas coisas em teu nome. Como não nos conhece??

Segundo Jesus, o indivíduo não estava fazendo a vontade de Deus. Segundo Jesus, este indivíduo o tinha como seu Senhor (Amo, Mestre, Comandante) e o chamava de seu Senhor (Amo, Mestre, Comandante). No entanto, este indivíduo não estava fazendo a vontade do Pai, que está nos céus.

Ora, ora, uma pessoa que recebe o espírito santo de Deus, e que por isto cura pessoas, que chama a Jesus de seu Amo e Senhor, e, que no entanto, Jesus afirma que não o conhece??

Porque Jesus afirma que não o conhece?? Porque esta pessoa, embora tivessem recebido poderes, poderes dados pelo espírito santo, mesmo assim era um obreiro do que é contra a lei. Se Jesus estivesse no lugar daquela pessoa, ele não agiria igual àquela pessoa.

Neste caso, Jesus não reconhece tal pessoa como sendo um discípulo seu, afinal, o discípulo copia o seu mestre. Consegue ser um discípulo de Jesus aquele humano, qualquer humano, que conseguir ser uma cópia de seu Mestre Jesus.

Não foi Jesus quem deu o espírito santo para esta pessoa?? Sim, foi. Mas Jesus não estava comandando esta pessoa?? Não estava Jesus dirigindo tal pessoa?? Jesus é o comandante, no entanto, ele NÃO IMPEDE que o comandado pratique qualquer tipo de ação. Jesus prova que respeita o livre-arbítrio. Jesus prova que não é um tirano.

Agora vejamos outra cena real.

O grupo dos recabitas estavam dentro da cidade de Jerusalém, algo incomum a estes homens.

Estando em Jerusalém, foram colocados à prova pelo próprio Jeová.

No final, estes humanos revelaram quem os estava comandando.

Vejamos o que está registrado:

(Jeremias 35:1-16) 35 A palavra que veio a haver para Jeremias da parte de Jeová nos dias de Jeoiaquim, filho de Josias, rei de Judá, dizendo: 2 Vai à casa dos recabitas, e tens de falar com eles e trazê-los à casa de Jeová, a um dos refeitórios; e tens de dar-lhes vinho a beber.” 3 Portanto, tomei a Jaazanias, filho de Jeremias, filho de Habazinias e seus irmãos, e todos os seus filhos, e todos os da casa dos recabitas, 4 e passei a levá-los à casa de Jeová, ao refeitório dos filhos de Hanã, filho de Igdalias, homem do [verdadeiro] Deus, que se achava ao lado do refeitório dos príncipes, que estava por cima do refeitório de Maaséias, filho de Salum, guarda da porta. 5 Então pus diante dos filhos da casa dos recabitas cálices cheios de vinho e copos, e disse-lhes: “Bebei vinho.” 6 Mas eles disseram: Não beberemos vinho, porque Jonadabe, filho de Recabe, nosso antepassado, foi quem nos deu a ordem, dizendo: ‘Não deveis beber vinho, nem vós nem os vossos filhos, por tempo indefinido. 7 E não deveis construir casa e não deveis semear semente; e não deveis plantar vinhedo, nem deve tornar-se vosso. Mas em tendas é que deveis morar todos os vossos dias, para que continueis vivendo por muitos dias na superfície do solo onde residis como forasteiros.’ 8 De modo que continuamos a obedecer à voz de Jonadabe, filho de Recabe, nosso antepassado, em tudo o que nos ordenou, não bebendo absolutamente nenhum vinho, todos os nossos dias, nós, nossas esposas, nossos filhos e nossas filhas, 9 e não construindo casas para morarmos nelas, para que nenhum vinhedo, nem campo, nem semente se tornem nossos. 10 E continuamos a morar em tendas e a obedecer e a fazer segundo tudo o que Jonadabe, nosso antepassado, nos ordenou. 11 Mas, aconteceu que, quando Nabucodorosor, rei de Babilônia, subiu contra o país, começamos a dizer: ‘Vinde e entremos em Jerusalém, por causa da força militar dos caldeus e por causa da força militar dos sírios, e moremos em Jerusalém.’” 12 E passou a vir a haver a palavra de Jeová para Jeremias, dizendo: 13 Assim disse Jeová dos exércitos, o Deus de Israel: ‘Vai, e tens de dizer aos homens de Judá e aos habitantes de Jerusalém: “Não recebestes continuamente exortação para obedecerdes às minhas palavras?” é a pronunciação de Jeová. 14 Houve cumprimento das palavras de Jonadabe, filho de Recabe, que ele ordenou aos seus filhos, para não beberem vinho, e eles não beberam nenhum até o dia de hoje, porque obedeceram ao mandamento de seu antepassado. E no que se refere a mim, falei-vos, levantando-me cedo e falando, mas não me obedecestes. 15 E eu continuei a enviar-vos todos os meus servos, os profetas, levantando-me cedo e enviando-os, dizendo: ‘Recuai, por favor, cada um do seu mau caminho, e tornai boas as vossas ações, e não andeis atrás de outros deuses para servi-los. E continuai morando no solo que dei a vós e aos vossos antepassados.’ Mas vós não inclinastes o vosso ouvido nem me escutastes. 16 Mas os filhos de Jonadabe, filho de Recabe, cumpriram o mandamento de seu antepassado, que este lhes ordenou; quanto a este povo, porém, não me escutaram.”’”



Assim verte a Tradução Brasileira:

(Jeremias 35:1-16) 1 A palavra que da parte de Jeová veio a Jeremias nos dias de Jeoaquim, filho de Josias, rei de Judá, dizendo: 2 Vai à casa dos recabitas, fala com eles e, introduzindo-os na casa de Jeová, em uma das câmaras, dá-lhes vinho a beber. 3 Tomei a Jazanias, filho de Jeremias, filho de Habazinias, e a seus irmãos e a todos os seus filhos e a toda a casa dos recabitas; 4 e os introduzi na casa de Jeová, na câmara dos filhos de Hanã, filho de Jigdalias, homem de Deus, a qual estava junto à câmara dos príncipes, e ficava sobre a câmara de Maaséias, filho de Salum, guarda do vestíbulo; 5 e pus diante dos filhos da casa dos recabitas taças cheias de vinho, e copos, e disse-lhes: Bebei vinho. 6 Eles, porém, responderam: Não beberemos vinho, porque Jonadabe, filho de Recabe, nosso pai, nos ordenou, dizendo: Não bebereis vinho, nem vós, nem vossos filhos, nunca jamais; 7 não edificareis casa, nem semeareis semente, nem plantareis vinha, nem a possuireis; mas habitareis em tendas todos os vossos dias, para que vivais muitos dias sobre a face da terra, em que vós sois peregrinos. 8 Temos obedecido à voz de Jonadabe, filho de Recabe, nosso pai, em toda a palavra que nos ordenou, de não bebermos vinho em todos os nossos dias, nós, nossas mulheres, nossos filhos e nossas filhas; 9 nem de edificarmos casas para nossa moradia; nem de possuirmos vinha, nem campo, nem semente; 10 mas temos habitado em tendas, e temos obedecido e feito segundo tudo o que Jonadabe, nosso pai, nos ordenou. 11 Quando, porém, Nabucodonozor, rei de Babilônia, subia à nossa terra, dissemos: Vinde, e vamo-nos a Jerusalém por causa do exército dos caldeus, e por causa do exército dos siros; assim habitamos em Jerusalém.12 Veio a palavra de Jeová a Jeremias, dizendo: 13 Assim diz Jeová dos exércitos, Deus de Israel: Vai, e dize aos homens de Judá e aos habitantes de Jerusalém: Acaso não recebereis instrução para ouvirdes as minhas palavras? diz Jeová. 14 Guardadas têm sido as palavras de Jonadabe, filho de Recabe, pelas quais ordenou a seus filhos que não bebessem vinho; e até o dia de hoje não o têm bebido, porque obedecem ao mandamento de seu pai; eu, porém, vos tenho falado a vós, levantando-me cedo e falando, e não me tendes escutado. 15 Também vos tenho enviado a vós todos os meus servos, os profetas, levantando-me cedo e enviando-os, a dizer: Tornai-vos agora, cada um do seu mau caminho, e emendai os vossos feitos, e não vades após outros deuses para os servirdes, e habitareis na terra que vos dei a vós e a vossos pais; porém não inclinastes os vossos ouvidos, nem me escutastes. 16 Porquanto os filhos de Jonadabe, filho de Recabe, têm guardado o mandamento de seu pai, que lhes ordenou, mas este povo não tem escutado;

Gerações haviam se passado, no entanto os recabitas mostravam continuar sendo comandados por Jonadabe. Jonadabe não estava ali entre eles para fiscalizar se estavam ou não obedecendo ao que foi pedido por ele.

Os recabitas provaram para Jeremias e outras pessoas que continuavam sendo comandados por Jonadabe, um antepassado deles. Não deixaram-se comandar por Jeremias ou por quaisquer outros que tentassem desobedecer o mandamento de Jonadabe.

Depois desta interessante prova de lealdade a seu comandante já morto por parte dos recabitas, foi a vez de Jeová falar sobre o que Ele estava vendo.

Jeová passou a fazer uma comparação entre Ele como Comandante da casa de Israel e Jonadabe como comandante da casa dos recabitas.

Os recabitas aceitavam o comando de Jonadabe mesmo ele estando morto. No entanto, a casa de Israel não aceitava o comando de Jeová, apesar dos constantes apelos de Jeová.


Uma situação assombrosa.

Jeová finalmente falou: “Os recabitas têm guardado o mandamento de seu pai, enquanto este povo não tem guardado os meus mandamentos; os recabitas estão fazendo a vontade de Jonadabe, enquanto este povo não têm feito a minha vontade”.

Ainda havia mais. A casa de Israel estava rejeitando o comando de Jeová e ainda por cima estava indo atrás de outros senhores a quem servir.

Jeová afirmou: “Eis que tenho enviado os meus profetas pedindo que vós recueis dos vossos caminhos e que não andeis atrás de outros deuses para os servirdes”, mas vós não me escutastes.


O que percebemos??

Percebemos coisas incríveis.

Percebemos que o problema estava no povo. O povo não aceitava os mandamentos do Pai Celestial.

Percebemos que o povo pode deixar-se comandar ou não deixar-se comandar.

Percebemos também que o comando pode ser exercido sem qualquer tipo de controle por parte do comandante.

Percebemos que todos os comandados continuavam a obedecer ao mandamento dado pelo comandante, mesmo em condições adversas, mesmo estando dentro do templo de Jerusalém e recebido um pedido de um profeta de Jeová.

Percebemos que os comandados deixaram-se conduzir pelas palavras de um antepassado, ou seja, de alguém já morto, sem haver qualquer tipo de imposição deste comandante.

Do lado oposto, também percebemos que a casa de Israel não deixou-se conduzir pelas palavras de Jeová, o seu Comandante que estava vivo.



O que mais percebemos??

No caso dos recabitas, percebemos que o comandante apresentou o mandamento e depois morreu, ou seja, o comandante apresentou o mandamento e depois ausentou-se.

Isto revela que no caso dos recabitas, o mandamento dado por pelo comandante foi aceito pelos comandados. Apesar de outros humanos discordarem daqueles mandamentos deixados por Jonadabe, os recabitas os praticavam no seu dia a dia, revelando assim, que concordavam com o mandamento.

Os recabitas revelaram que faziam questão de ter Jonadabe como o seu comandante, apesar de outros tentarem fazê-los modificar seus hábitos.

O que ocorreu no caso da casa de Israel??

A casa de Israel também recebeu mandamentos da parte do Comandante Jeová.

O que ocorreu logo depois da casa de Israel receber tais mandamentos??

O que falou Jeová sobre isto??



Jeová afirmou que aquela geração que recebeu os mandamentos Dele no deserto, foi a primeira a rejeitar os mandamentos recebidos ainda no deserto.

Assim falou Jeová:

(Ezequiel 20:10-17) . 10 Por isso os fiz sair da terra do Egito e os levei ao ermo. 11 “‘“E passei a dar-lhes os meus estatutos; e dei-lhes a conhecer as minhas decisões judiciais, para que o homem que continuar a cumpri-las também continue a viver por meio delas. 12 E também lhes dei os meus sábados, para se tornarem um sinal entre mim e eles, para que soubessem que sou eu, Jeová, quem os santifica. 13 “‘“Mas eles, [os] da casa de Israel, rebelaram-se contra mim no ermo. Não andaram nos meus estatutos e rejeitaram as minhas decisões judiciais, por meio das quais, continuando a cumpri-las o homem, também continuará a viver. E profanaram muitíssimo os meus sábados, de modo que prometi derramar sobre eles meu furor no ermo, a fim de exterminá-los. 14 Mas agi em prol do meu próprio nome, para que não fosse profanado perante os olhos das nações, diante de cujos olhos eu os fizera sair. 15 E eu mesmo também levantei a minha mão [em juramento] a eles no ermo, de não levá-los à terra que eu [lhes] dera, uma [terra] que manava leite e mel, (ela é o ornato de todas as terras,) 16 visto que rejeitaram as minhas próprias decisões judiciais; e quanto aos meus estatutos, não andaram neles, e profanaram meus sábados, porque seu coração ia atrás dos seus ídolos sórdidos. 17 “‘“E meu olho começou a ter dó deles [para me impedir] de arruiná-los, e não os exterminei no ermo.



Assim verte a Tradução Brasileira:

(Ezequiel 20:12-17) 10 Assim os fiz sair da terra do Egito, e os trouxe para o deserto. 11 Dei-lhes os meus estatutos, e mostrei-lhes os meus juízos, os quais, se os observar o homem, viverá por eles. 12 Demais lhes dei também os meus sábados para servirem de sinal entre mim e eles, a fim de que soubessem que eu sou Jeová que os santifica. 13 Mas a casa de Israel rebelou-se contra mim no deserto; não andaram nos meus estatutos, e rejeitaram os meus juízos, os quais, se os observar o homem, viverá por eles; e profanaram grandemente os meus sábados. Então eu disse que derramaria o meu furor sobre eles no deserto para os consumir. 14 Porém o fiz por amor do meu nome, para que ele não fosse profanado à vista das nações, a cujos olhos os fiz sair. 15 Demais levantei também as minhas mãos para eles no deserto, jurando que eu não os introduziria na terra que lhes havia dado, que mana leite e mel, a qual é a glória de todas as terras; 16 porque rejeitaram os meus juízos e não andaram nos meus estatutos e profanaram os meus sábados. Pois o seu coração ia após os seus ídolos. 17 Não obstante os meus olhos os pouparam, para não os destruir, nem os acabei de todo no deserto.

Dei-lhes meus mandamentos no deserto. Ainda no deserto, aquela geração rejeitou os meus mandamentos.

Diferente dos recabitas, que concordaram e aceitaram e passaram a viver no dia a dia os mandamentos de Jonadabe, fazendo questão de praticá-los no dia a dia, a casa de Israel discordou e rejeitou os mandamentos de Jeová, passando a viver o dia a dia segundo outros mandamentos, mandamentos estes praticados por antepassados seus.

Ainda no deserto, Jeová falou para a geração seguinte, ou seja, a segunda geração no deserto: “Não andem nos mandamentos de vossos pais. Andem nos meus mandamentos”.

(Ezequiel 20:18-21) 18 E passei a dizer aos filhos deles no ermo: ‘Não andeis nos regulamentos dos vossos antepassados, e não guardeis os seus julgamentos, e não vos avilteis com os seus ídolos sórdidos. 19 Eu sou Jeová, vosso Deus. Andai nos meus próprios estatutos e guardai as minhas próprias decisões judiciais e cumpri-as. 20 E santificai os meus próprios sábados, e eles terão de servir como sinal entre mim e vós, [para] saberdes que eu sou Jeová, vosso Deus.’ 21 “‘“E os filhos começaram a rebelar-se contra mim. Não andaram nos meus estatutos, e não guardaram as minhas decisões judiciais por cumpri-las, por meio das quais, continuando a cumpri-las o homem, também continuará a viver. Profanaram meus sábados. De modo que prometi derramar sobre eles o meu furor, a fim de levar a cabo a minha ira contra eles no ermo. . .



Assim verte a Tradução Brasileira:

(Ezequiel 20:19-21) 18 Eu disse a seus filhos no deserto: Não andeis nos estatutos de vossos pais, nem observeis os seus juízos, nem vos contamineis com os seus ídolos. 19 Eu sou Jeová vosso Deus. Andai nos meus estatutos, e guardai os meus juízos, e praticai-os; 20 santificai os meus sábados, e eles servirão de sinal entre mim e vós para que saibais que eu sou Jeová vosso Deus. 21 Os filhos, porém, rebelaram-se contra mim: não andaram nos meus estatutos, nem guardaram os meus juízos para os praticarem, os quais, se os observar o homem, viverá por eles; profanaram os meus sábados. Então eu disse que eu derramaria sobre eles o meu furor, para cumprir contra eles a minha ira no deserto.

A primeira geração no deserto recebeu e rejeitou os mandamentos de Jeová passando a ir atrás de ídolos. A geração que havia saído do Egito tinha ídolos aos quais obedecia, por fazerem as mesmas coisas que tais ídolos haviam feito. Jeová pediu para a segunda geração não andar nos regulamentos da primeira geração e nem se contaminar com os ídolos da primeira geração.

Confirmou-se plenamente o que Jeová falou para Jeremias no momento da prova de lealdade dos recabitas ao seu comandante Jonadabe: “Também tenho enviado a vós todos os Meus profetas, levantando-me cedo e enviando-os, porém, vós não tendes Me escutado”.

Os mandamentos do Comandante estavam sendo rejeitados desde a primeira geração do deserto, logo após saírem do Egito.

Será que o problema está na escolha feita pelo comandante??

Vejamos o caso de Davi, por exemplo. Tratava-se de alguém que foi escolhido por Jeová para ocupar a posição de rei. Tratava-se de um ungido, tratava-se de alguém que havia recebido o espírito santo para realizar tarefas. Davi podia até afirmar ser um homem íntegro e chamar a Jeová de seu Senhor (Comandante), no entanto, o que Jeová diria para Davi?? Se Jeová afirmasse para Davi: “Davi, você é um obreiro do que é contra a lei”, não estaria Jeová falando uma verdade em relação a Davi?? Claro que, sim.

Quem havia dado poderes para Davi?? Não estava o espírito santo sobre Davi?? Sim, estava. O fato de Davi estar com o espírito santo, revelava que Jeová aprovava as ações de Davi?? Óbvio que não. O fato de Davi estar com o espírito santo, fazia de Davi um mero passageiro consciente, estando o seu corpo sob o comando do espírito santo?? Alguns humanos acreditam que as coisas acontecem desta forma, já que o Comandante continuou a se relacionar com Davi.

Agora vejamos o que Jesus predisse em relação àqueles que afirmavam tê-lo como Senhor (Amo):

(Mateus 24:11) 11 E surgirão muitos falsos profetas, e desencaminharão a muitos;

Assim verte a Tradução Almeida:

(Mateus 24:11) 11 Igualmente hão de surgir muitos falsos profetas, e enganarão a muitos;

Assim verte a Tradução Brasileira:

(Mateus 24:11) 11 hão de se levantar muitos falsos profetas, e a muitos enganarão;

Ora, se muitos serão enganados pelos falsos profetas, então porque permitir que eles enganem as pessoas?? Não deviam ser impedidos de enganar as pessoas??

Ora, ora, pessoas estão sendo enganadas e quem está no comando nada faz para impedir estas pessoas de enganarem outras??

Visando ajudar a maioria, não deviam os falsos profetas serem impedidos de falar?? Será que neste caso a tirania não seria a coisa certa a ser feita??

O que correu no caso do profeta “sem nome”??

(1 Reis 13:15-19) 15 E ele prosseguiu, dizendo-lhe: “Vem comigo à casa e come pão.” 16 Mas ele disse: “Não posso voltar contigo nem entrar contigo, e não posso comer pão nem beber água contigo neste lugar. 17 Porque me foi falado pela palavra de Jeová: ‘Não deves comer pão nem beber água ali. Não deves voltar pelo caminho em que foste.’” 18 A isto ele lhe disse: “Eu também sou profeta igual a ti, e um anjo é que falou comigo pela palavra de Jeová, dizendo: ‘Faze-o voltar contigo à tua casa, para que coma pão e beba água.’” (Enganou-o.) 19 De modo que voltou com ele para comer pão na sua casa e para beber água.



No caso do profeta “sem nome” que morreu por ter sido enganado por um outro profeta, Jeová não praticou a ação de IMPEDIR que tal profeta fosse enganado por outro profeta. Vimos que Jeová responsabilizou o profeta que foi enganado, punindo-o com uma morte. Houve uma ação punitiva de morte para aquele que deixou-se enganar, enquanto que aquele que enganou continuo vivo.

Houve um prejuízo máximo, mas não houve uma ação de IMPEDIMENTO da parte de Jeová.

IMPEDIR é uma ação de quem não respeita o livre-arbítrio. É a ação de um TIRANO.

Neste caso, o que ficou provado??

  1. Ficou provado que é o humano quem está satisfazendo a sua vontade.

  2. Ficou provado que Jeová respeita o livre-arbítrio.

  3. Ficou provado que Jesus respeita o livre-arbítrio.

  4. Ficou provado que o humano é o culpado pelo pecado que ele praticar.

  5. Ficou provado que é errado colocar a culpa de ter cometido um pecado qualquer, em criaturas invisíveis ou em outras criaturas humanas.

O que fazer em relação ao falso profeta, isto é, aquele que fala em nome de Deus, aquele cujas palavras são tidas como saídas da boca Jeová ou de Jesus??

Em relação a impedir alguém de falar, veja a palavra falada por alguém e registrada nas Escrituras como sendo uma ordem e obedecida como tal:

(Tito 1:10-11) 10 Pois há muitos indisciplinados, conversadores improfícuos e enganadores da mente, especialmente os homens que aderem à circuncisão. 11 É preciso fechar a boca de tais, visto que estes mesmos persistem em subverter famílias inteiras por ensinarem coisas que não deviam, por causa de ganho desonesto....

Assim verte a Tradução Almeida:

(Tito 1:10-11) 10 Porque há muitos insubordinados, faladores vãos, e enganadores, especialmente os da circuncisão, 11 aos quais é preciso tapar a boca; porque transtornam casas inteiras ensinando o que não convém, por torpe ganância.

Assim verte a Tradução Brasileira:

(Tito 1:10-11) 10 Pois há muitos insubordinados, loquazes e impostores, principalmente entre os que são da circuncisão, 11 aos quais é preciso tapar-lhes a boca; porque pervertem famílias inteiras, ensinando o que não convém, por torpe ganho.

Embora seja uma ordem registrada nas “escrituras”, esta ordem desrespeita claramente o livre-arbítrio. Também afronta a forma histórica como Jeová lidou com os profetas, com os sacerdotes e demais humanos da nação de Israel. Por serem discípulos de Jesus, estes homens, revelavam discordar da forma como Jesus resolvia assuntos como estes.

O que Jeová permitiu acontecer?? Os sacerdotes fizeram violência contra a lei dada por Jeová; os profetas inventavam palavras e as colocavam na boca de Jeová.

(Ezequiel 22:26) 26 Os próprios sacerdotes dela têm feito violência à minha lei, e eles continuam a profanar meus lugares santos. Não fizeram nenhuma diferença entre a coisa santa e a comum, e nada deram a conhecer entre a coisa impura e a pura, e ocultaram os seus olhos dos meus sábados, e eu sou profanado no meio deles....

Continuou falando:

(Ezequiel 22:28) 28E seus profetas deram uma caiadura para eles, visionando uma irrealidade e adivinhando para eles uma mentira, dizendo: “Assim disse o Soberano Senhor Jeová”, quando o próprio Jeová não tinha falado.

Assim verte a Tradução Almeida:

(Ezequiel 22:26) 26 Os seus sacerdotes violentam a minha lei, e profanam as minhas coisas santas; não fazem diferença entre o santo e o profano, nem ensinam a discernir entre o impuro e o puro; e de meus sábados escondem os seus olhos, e assim sou profanado no meio deles.

(Ezequiel 22:28) 28 E os profetas têm feito para eles reboco com argamassa fraca tendo visões falsas, e adivinhando-lhes mentira, dizendo: Assim diz o Senhor Deus; sem que o Senhor tivesse falado.



Assim verte a Tradução Brasileira:

(Ezequiel 22:26) 26 Os seus sacerdotes violentam a minha lei, e profanam as minhas coisas sagradas. Não distinguem entre o santo e o profano, nem fazem que os homens discernam a diferença entre o imundo e o limpo, e dos meus sábados escondem os seus olhos, e eu sou profanado entre eles.

(Ezequiel 22:28) 28 Vendo vaidades e adivinhando-lhes mentiras, os seus profetas rebocam para eles com argamassa magra, dizendo: Assim diz o Senhor Jeová, quando Jeová não falou.

Bem, Jeová permitiu que o profeta falasse palavras que Ele mesmo não havia falado, não permitiu??

No entanto, o humano pensa e age de forma diferente.

- “Alguém tem de fazer alguma coisa. Impeça-o de falar para ele não desvirtuar outras pessoas. Vamos proteger as possíveis vítimas”.

Trata-se de uma ação bem-intencionada. Trata-se de uma ação de tirania que servirá para proteger os inocentes. Expulse-o do grupo para a proteção do grupo.

Bem, trata-se de uma ação de tirania, independente do motivo. Quem toma esta ação?? Aquele que se coloca ou que é colocado na posição de comando. Ele concorda que as coisas devam ser feitas desta forma. Muitos comandados também concordam. O que existe?? Uma cumplicidade. Se aquele outro estivesse no comando, ele faria exatamente igual. Além disto, os comandados pedirão para que o comandante faça as coisas desta forma. Qual a desculpa?? As pobres vítimas.

Neste caso, esta ação de tirania é uma ação tomada para o benefício do grupo, para o benefício da coletividade.

Assim falou Jesus:

(Mateus 7:21) 21 Nem todo o que me disser: ‘Senhor, Senhor’, entrará no reino dos céus, senão aquele que fizer a vontade de meu Pai, que está nos céus.

Percebemos o que Jesus falou??

Jesus afirmou que o humano faz a vontade do Pai ou não faz a vontade do Pai. Trata-se de uma escolha pessoal. As circunstâncias não irão mudar o mandamento. As circunstâncias não mudam a vontade de Jeová sobre como o problema deve ser resolvido. Jesus não falou em o humano ser comandado pelo Pai, no sentido de ser manipulado (ser usado) pelo Pai. Alguém pode até mesmo ser usado como um “instrumento” para que Jeová faça alguma coisa. Será que este ser humano passa a ser um inanimado pedaço de madeira na mão de Jeová??

Muitos acham que as coisas acontecem desta forma.

Neste caso, este humano seria possuído pelo espírito santo, e, independente de sua vontade, ele passaria a fazer coisas e coisas para Deus. Neste caso, o espírito santo seria o comandante daquele corpo. Muitos afirmam, que neste caso, houve o respeito pelo livre-arbítrio.

Neste caso, este humano não é culpado de nada, pois ele não estava no comando do seu próprio corpo. Tudo o que acontecer a partir daquele momento é culpa do espírito santo, que está satisfazendo a vontade de Jeová com a plena permissão do humano.

Vamos ver um caso em que os humanos imaginaram que a ação de um ungido não tivesse o comando da vontade deste ungido.

(Juízes 14:1-4) 14 Sansão desceu então a Timná e viu em Timná uma mulher das filhas dos filisteus. 2 Por isso subiu e o contou a seu pai e a sua mãe, e disse: “Há uma mulher que vi em Timná, das filhas dos filisteus, e agora obtende-a para mim por esposa.” 3 Seu pai e sua mãe disseram-lhe, porém: “Não há mulher entre as filhas dos teus irmãos e entre todo o meu povo, que vás tomar esposa dentre os filisteus incircuncisos?” Contudo, Sansão disse a seu pai: “Obtém-me só esta, porque ela é que está direita aos meus olhos.” 4 Quanto a seu pai e sua mãe, não sabiam que isto era da parte de Jeová, que ele estava procurando uma oportunidade contra os filisteus, visto que naquele tempo específico os filisteus dominavam sobre Israel.

Assim verte a Tradução Almeida:

(Juízes 14:1-4) 1 Desceu Sansão a Timnate; e vendo em Timnate uma mulher das filhas dos filisteus, 2 subiu, e declarou-o a seu pai e a sua mãe, dizendo: Vi uma mulher em Timnate, das filhas dos filisteus; agora pois, tomai-ma por mulher. 3 Responderam-lhe, porém, seu pai e sua mãe: Não há, porventura, mulher entre as filhas de teus irmãos, nem entre todo o nosso povo, para que tu vás tomar mulher dos filisteus, daqueles incircuncisos? Disse, porém, Sansão a seu pai: Toma esta para mim, porque ela muito me agrada. 4 Mas seu pai e sua mãe não sabiam que isto vinha do Senhor, que buscava ocasião contra os filisteus; porquanto naquele tempo os filisteus dominavam sobre Israel.

Assim verte a Tradução Brasileira:

(Juízes 14:1-4) 1 Desceu Sansão a Timna, onde viu uma mulher das filhas dos filisteus. 2 Subiu, e deu notícias disso a seu pai e a sua mãe, e disse: Vi em Timna uma mulher das filhas dos filisteus; agora tomai-ma por mulher. 3 Responderam-lhe seu pai e sua mãe: Não há mulheres entre as filhas de teus irmãos, ou entre todo o meu povo, para que tu vás tomar mulher dos filisteus incircuncisos? Sansão disse a seu pai: Toma-me esta, porque ela muito me agrada. 4 Mas seu pai e sua mãe não sabiam que isso vinha de Jeová, pois ele procurava ocasião contra os filisteus. Ora naquele tempo os filisteus dominavam sobre Israel.

Jeová buscava oportunidade contra os filisteus?? Jeová procurava ocasião contra os filisteus?? Tratava-se de um plano de Jeová contra os filisteus??

Será que Jeová nutria uma inimizade pelos filisteus?? Será que Jeová sentia-se inimigo dos filisteus?? Será que Jeová guardava ressentimento de alguma ação passada dos filisteus e só estava esperando uma oportunidade para praticar a vingança??

Ora, a palavra de Sansão foi bem clara, não foi?? “Ela muito me agrada” - foi o que afirmou Sansão, não foi??

Embora tenha sido esta a palavra de Sansão, afirmou-se que isto era um plano de Jeová contra os filisteus. Os humanos chegaram a conclusão que era um plano de Deus. Exatamente assim como no caso de Davi, afirmou-se que Jeová estava usando o ungido qual instrumento Dele contra um inimigo Dele.

Quem é que pode escolher??

A escolha é dada para aquele que TEM o livre-arbítrio. Neste caso, o Pai expõe a Sua vontade e o humano escolhe entre fazer ou não fazer a vontade do Pai. Isto é exercitar o livre-arbítrio. Assim, aquele que está no comando revela o seu respeito pelo livre-arbítrio dos seus comandados. O Pai expõe para o Seu filho: “Filho, eu gostaria que você fosse perdoador”. O Pai já é um perdoador. Ser um perdoador é algo que o Pai não impõe ao filho. O filho precisa desejar ser um perdoador e começar a praticar isto no seu dia a dia, na medida em que forem surgindo as oportunidades. O filho decide se perdoa ou não as ofensas que forem surgindo, até tornar-se um pleno perdoador. Para que a vontade do Pai possa se tornar realidade, o filho precisa fazer da vontade do Pai a sua própria vontade.

Muitos desejam que as coisas sejam diferentes disto. Eles preferem que aquele que está no comando IMPEÇA que certas coisas sejam praticadas. E as pobres vítimas?, questionam eles. Eles preferem acreditar que pessoas que não fazem a vontade de Deus são pessoas manipuladas pelo Diabo. Desta forma colocamos a culpa em alguém, até mesmo em alguém invisível. Papai, a culpa é dele.

Espere aí. Você quer dizer que aquele que foi enganado pelo falso profeta também é culpado de pecado??

Segundo o Pai, ele é culpado de pecado. Segundo o Pai, ele não é inocente.

Veja, ele concordou com a informação dada pelo falso profeta. Ele confiou no falso profeta. Daí, ele passou a agir de forma diferente daquela como Jesus agiu. Embora ele esteja defendendo uma vítima, ele não está fazendo a vontade do Pai. Jesus não resolveria aquele problema da mesma forma como aquele discípulo decidiu resolver. O discípulo passou a tomar um ação que desconsidera o livre-arbítrio de alguém.

Meras acusações: “A culpa do que fazemos está em alguém invisível. O caos no qual estamos vivendo é por culpa de alguém invisível”.

Parece que vivemos em uma sociedade de acusadores, uma sociedade de pobres vítimas de alguém invisível. O humano prefere acreditar que o bem que fazemos é comandado por Deus e o mal que fazemos é comandado pelo Diabo.

Bem, e quanto ao humano?? Neste caso, o humano não passa de uma vítima de um manipulador de humanos, um manipulador invisível. Alguns humanos são manipulados por Deus e pelo espírito santo de Deus, enquanto outros são manipulados pelo Diabo. Afirmam que o Diabo se transforma em anjo de luz e engana as pobres vítimas humanas.

Desta forma, tais pessoas desejam que Deus IMPEÇA que o Diabo, tanto pratique o mal, quanto me use para praticar o mal. Desta forma, o Diabo passa a ser o culpado por eu praticar o mal.

Será que Jeová usa o espírito santo para manipular o ser humano?? Será que Jeová usa o espírito santo para modificar o ser humano?? Será que Jeová usa o espírito santo para fazer modificações na personalidade do ser humano?? Será que o “espírito santo” é o instrumento usado por Deus para concertar o ser humano?

Afirma-se: (2 Coríntios 4:3-4) 3 Agora, se as boas novas que declaramos estão de fato veladas, estão veladas entre os que perecem, 4 entre os quais o deus deste sistema de coisas tem cegado as mentes dos incrédulos, para que não penetre o brilho da iluminação das gloriosas boas novas a respeito do Cristo, que é a imagem de Deus.

O que Jesus afirmou??

(Mateus 13:18-19) 18 Escutai, então, a ilustração do homem que semeou. 19 Quando alguém ouve a palavra do reino, mas não a entende, vem o iníquo e arrebata o que foi semeado no seu coração; este é o semeado à beira da estrada.

Jesus afirmou que a pessoa ouve e que a pessoa não entende o que foi falado. Em consequência disso, vem o iníquo e arrebata o que foi semeado NO SEU CORAÇÃO. O entendimento é algo pessoal. Ninguém pode entender por mim. Desta forma, Jesus deixou claro que se trata de um problema de coração do ouvinte. Trata-se de uma questão de sensibilidade do coração daquele que ouve. Trata-se de uma escolha do ouvinte. Percebemos o respeito pelo livre-arbítrio, não percebemos??

Qual é a diferença??

Jesus não transferiu a responsabilidade para o Diabo, não colocou a culpa no Diabo, pessoa invisível aos olhos humanos.

Nas palavras de Paulo foi transferida a responsabilidade para o Diabo.

Quem é o iníquo na afirmação de Jesus?? Na afirmação de Jesus pode ser qualquer um humano bem intencionado que convence aquela pessoa a fazer o oposto do que Jesus pediu para fazer, como ocorreu no caso do profeta “sem nome”.

O Diabo passou a ser o responsável por esta ou aquela pessoa não entender, pois o Diabo cega a mente dos incrédulos para que não penetre a informação que lhe será dada.

Em certa ocasião, o que disse Jesus acerca dos “fariseus”??

Você não entram no reino e ainda impedem de entrar aqueles que desejam entrar”.

(Mateus 23:13) 13 Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque fechais o reino dos céus diante dos homens; pois, vós mesmos não entrais, nem deixais entrar os que estão em caminho para entrar.



Assim verte a Tradução Almeida:

(Mateus 23:13) 13 Mas ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! porque fechais aos homens o reino dos céus; pois nem vós entrais, nem aos que entrariam permitis entrar.

Assim verte a Tradução Brasileira:

(Mateus 23:13) 13 Mas ai de vós, escribas e fariseus hipócritas! porque fechais aos homens o reino dos céus; pois nem vós entrais, nem deixais entrar os que estão entrando.

Jesus não falou que era o Diabo. Jesus afirmou que eram os fariseus. Como os fariseus faziam isto?? Eles praticavam o verbo IMPEDIR.

Eles usavam a violência psicológica e também, usavam a violência física. Afirmavam que o que Jesus fazia era por meio de Belzebu. É óbvio que os que ouviam tal coisa ficavam receosos de chegar perto de Jesus e ouvir as palavras.

Também afirmavam que somente os que não entendiam a lei, logo, amaldiçoados, é que acreditavam nas palavras de Jesus.

Também expulsavam das sinagogas aqueles que revelassem publicamente que acreditavam em Jesus.

Jesus não acusou o Diabo, ou será que acusou?? Jesus não acusou alguém invisível, ou será que acusou??

Segundo Jesus, o coração insensível do ouvinte é o culpado.

Segundo Paulo, o Diabo é o culpado.

A pessoa afirma: O Diabo cegou a minha mente, e por isto eu nada via.

Trata-se de uma acusação, não é verdade??

Em um passe de mágica o Diabo cega a minha mente. Em outro passe de mágica, o espírito santo clareia a minha mente.

Neste caso, aquele que for mais forte entre os dois é que vencerá e eu serei vitimado (dominado) por um dos dois. Neste caso, não sou uma mera vítima da briga existente entre Deus e o Diabo??

Muitos humanos gostariam que as coisas fossem assim, pois assim, ele se exime da responsabilidade. Ele é apenas uma inocente vítima de uma batalha entre Deus e o Diabo. Ele não assume a culpa; ele não se vê como culpado; ele não se sente culpado; ele não se envergonha; ele não se cura daquele pecado.

Muitos cristãos afirmam que ao receberem o espírito santo são agora moldados pelo espírito santo. Encaram-se como pessoas diferentes e especiais. Vêm a si mesmos como pessoas diferentes e especias, pessoas que são aprovadas por Deus. Encaram o receber espírito santo como um “estado aprovado”. Será que o espírito santo os transformaria em pessoas obedientes??

Se transforma um, transformaria qualquer um, não é verdade?? A isonomia assim o pede.

No entanto, não é o espírito santo que molda alguém. Isto seria ausência de livre-arbítrio. Isto seria uma afronta ao livre-arbítrio.

Por exemplo, Sansão recebeu o espírito santo. Tornou-se ele perdoador?? Foi moldado em uma pessoa pacífica??

Elias recebeu o espírito santo. Tornou-se ele perdoador?? Foi moldado em uma pessoa pacífica?? Não. Usando o espírito santo, ele matou muitas pessoas.

Eliseu recebeu espírito santo. Tornou-se ele perdoador?? Foi moldado em uma pessoa pacífica?? Não. Usando o espírito santo ele matou muitas pessoas.

Qual dos profetas mostrou-se perdoador e pacífico??

Os apóstolos Tiago e João já haviam recebido espírito santo, mas não foram moldados em homens pacíficos e perdoadores. Não desejavam eles queimar toda uma aldeia de samaritanos?? Será que se tratava da vontade do espírito santo?? A posição adotada por Jesus revelou a correta resposta.

Pedro já havia recebido espírito santo. Foi Pedro moldado em um homem pacífico e perdoador?? Quem foi que cortou a orelha daquele homem na noite em que Jesus foi preso??

- “Eu e o Pai somos um”, afirmou Jesus. Neste caso, Jesus estava revelando qual era a vontade do Pai. Novas palavras seriam retransmitidas pelo espírito santo. Será que se tratava de um espírito santo rebelde?? Óbvio que não. O espírito santo nunca estaria em oposição a Jesus, que era um com o Pai.

As palavras de Jeová para Jeremias são esclarecedoras:

(Jeremias 18:1-10) 18 A palavra que veio a haver para Jeremias, da parte de Jeová, dizendo: 2 Levanta-te, e tens de descer à casa do oleiro e ali te farei ouvir as minhas palavras.” 3 E passei a descer à casa do oleiro, e eis que ele fazia uma obra na roda de oleiro. 4 E o vaso que fazia do barro foi estragado pela mão do oleiro, e ele tornou e foi fazer dele outro vaso, conforme parecia direito fazer aos olhos do oleiro. 5 E continuou a vir a haver para mim a palavra de Jeová, dizendo: 6 “‘Não posso eu fazer a vós como este oleiro [fez], ó casa de Israel?’ é a pronunciação de Jeová. ‘Eis que, como o barro na mão do oleiro, assim sois vós na minha mão, ó casa de Israel. 7 Em qualquer momento em que eu falar contra uma nação e contra um reino, para [a] desarraigar, e para [a] demolir, e para [a] destruir, 8 e esta nação realmente recuar da sua maldade contra a qual falei, também eu vou deplorar a calamidade que pensei em executar sobre ela. 9 Mas, em qualquer momento em que eu falar a respeito de uma nação e a respeito de um reino, para [a] edificar e para [a] plantar, 10 e ela realmente fizer o que é mau aos meus olhos por não obedecer à minha voz, também eu vou deplorar o bem que eu disse [para mim] fazer-lhe para seu bem.’

Assim verte a Tradução Almeida:

(Jeremias 18:1-10) 1 A palavra que veio do Senhor a Jeremias, dizendo: 2 Levanta-te, e desce à casa do oleiro, e lá te farei ouvir as minhas palavras. 3 Desci, pois, à casa do oleiro, e eis que ele estava ocupado com a sua obra sobre as rodas. 4 Como o vaso, que ele fazia de barro, se estragou na mão do oleiro, tornou a fazer dele outro vaso, conforme pareceu bem aos seus olhos fazer. 5 Então veio a mim a palavra do Senhor, dizendo: 6 Não poderei eu fazer de vós como fez este oleiro, ó casa de Israel? diz o Senhor. Eis que, como o barro na mão do oleiro, assim sois vós na minha mão, ó casa de Israel. 7 Se em qualquer tempo eu falar acerca duma nação, e acerca dum reino, para arrancar, para derribar e para destruir, 8 e se aquela nação, contra a qual falar, se converter da sua maldade, também eu me arrependerei do mal que intentava fazer-lhe. 9 E se em qualquer tempo eu falar acerca duma nação e acerca dum reino, para edificar e para plantar, 10 se ela fizer o mal diante dos meus olhos, não dando ouvidos à minha voz, então me arrependerei do bem que lhe intentava fazer.

Assim verte a Tradução Brasileira:

(Jeremias 18:1-10) 1 A palavra que veio da parte de Jeová a Jeremias, dizendo: 2 Levanta-te, desce à casa do oleiro e lá te farei ouvir as minhas palavras. 3 Desci, pois, à casa do oleiro, e eis que ele estava ocupado com a sua obra sobre as rodas. 4 Quando se estragou nas suas mãos o vaso que o oleiro fazia de barro, tornou a fazer dele outro vaso, conforme pareceu bem aos seus olhos. 5 Então veio a mim a palavra de Jeová, dizendo: 6 Acaso não poderei fazer de vós, casa de Israel, como este oleiro? diz Jeová. Eis que, como o barro na mão do oleiro, assim sois vós na minha mão, ó casa de Israel. 7 No momento em QUE FALAR acerca duma nação, e acerca de um reino, para arrancar e para derrubar e para destruir; 8 se aquela nação, acerca da qual falei, se converter do seu mal, arrepender-me-ei do mal que intentei fazer-lhe. 9 No momento em QUE FALAR acerca duma nação, e acerca dum reino, para edificar e para plantar; 10 se fizer o mal diante dos meus olhos, não escutando a minha voz, arrepender-me-ei do bem, que disse-lhe faria.

O que Jeová deixou claro para Seu profeta??

Jeová deixou claro que Ele desejava moldar o ser humano. No entanto, o que Ele estava usando?? Ele não estava usando o espírito santo. Ele estava usando a palavra.

A “palavra” falada por Jeová é que devia moldar o humano. O humano precisava deixar-se moldar “pelas palavras” faladas pelo Pai. Como?? Concordando com a palavra e fazendo da palavra uma base para todas as suas decisões pessoais.

Neste caso, o livre-arbítrio é respeitado, pois é a própria pessoa quem decide deixar-se moldar. O humano se deixará mudar pela “palavra”.

Depois de ouvir a palavra, o humano se convencerá ou não em relação a um determinado assunto. Depois de convencido, o humano passa a adotar uma posição. Se este humano já esposava uma opinião, depois de convencido, ele muda de opinião, passando a pensar de forma diferente e de agir de forma diferente em relação àquele determinado assunto.

Precisará haver um convencimento em relação a cada assunto. Muitas vezes, ao ser convencido em relação a apenas um assunto, este humano poderá mudar de opinião sobre diversos assuntos, no caso dos demais terem este primeiro assunto como base.

Depois de plenamente convencido, é o humano quem toma uma decisão de mudar de caminho.

O que Jeová usa?? A palavra.

Para que?? Para que haja o convencimento daquele que ouve a palavra. Isto revela respeito pelo livre-arbítrio.

Ninguém pode beber água por mim, assim como também ninguém pode, em meu lugar, praticar a ação de recuar do meu mal caminho. Isto é algo impossível.

Assim falou Jeová para Ezequiel: “Me agrado (me alegro) em que o iníquo recue dos seus caminhos”. Meu desejo é que ele se converta de seus caminhos.

(Ezequiel 18:23) 23 “‘Acaso me agrado de algum modo na morte do iníquo’, é a pronunciação do Soberano Senhor Jeová, ‘[e] não em que ele recue dos seus caminhos e realmente continue a viver?’

Assim verte a Tradução Almeida:

(Ezequiel 18:23) 23 Tenho eu algum prazer na morte do ímpio? diz o Senhor Deus. Não desejo antes que se converta dos seus caminhos, e viva?

Assim verte a Tradução Brasileira:

(Ezequiel 18:23) 23 Acaso tenho eu prazer na morte do ímpio? diz o Senhor Jeová; não quero eu antes que se converta do seu caminho, e viva?

Continuou falando Jeová para Ezequiel: Quando o iníquo enxergar suas transgressões e recuar delas, continuará a viver. Quando reconsiderar...

(Ezequiel 18:27-28) 27 “‘E quando o iníquo recuar de sua iniqüidade que praticou e passar a praticar o juízo e a justiça, é ele quem preservará viva a sua própria alma. 28 Quando vir todas as suas transgressões que praticou e recuar delas, positivamente continuará a viver. Não morrerá.

Assim verte a Tradução Almeida:

(Ezequiel 18:27-28) 27 Mas, convertendo-se o ímpio da sua impiedade que cometeu, e procedendo com retidão e justiça, conservará este a sua alma em vida. 28 pois que reconsidera, e se desvia de todas as suas transgressões que cometeu, certamente viverá, não morrerá

Assim verte a Tradução Brasileira:

(Ezequiel 18:27-28) 27 Outrossim, quando o ímpio se desviar da sua impiedade que cometeu, e fizer o que é de eqüidade e justiça, conservará este a sua alma em vida. 28 Porquanto considera e se desvia de todas as suas transgressões que cometeu, certamente viverá, não morrerá.

Notamos que as palavras usadas são: se converta; recuar de sua iniquidade; se desviar da sua impiedade.

O que notamos nestas palavras?? Notamos que o comando é do humano. Ele toma a decisão. Depois de convencido, ele toma a decisão.

Ficou claro que é imprescindível haver o convencimento. O recuo só pode acontecer após o convencimento. A troca de direção deve ser uma decisão pessoal.

O que ficou bem claro??

Alguns fatos ficam bem claros.

Jeová é o Rei de todos as criaturas, inclusive dos humanos.

Jeová “reina” respeitando o livre-arbítrio de cada súdito, logo, Ele não impõe seu mandamento e não impede que outros apresentem mandamentos diferentes ou opostos ao Dele.

Jeová ser o Rei é um fato, pois isto depende Dele, depende da capacidade Dele. A forma como Ele reina (rege) sobre suas criaturas é pessoal e depende exclusivamente Dele, isto e, da personalidade Dele.

Jeová ser aceito como Rei por um súdito qualquer é outro fato, pois dependerá deste súdito concordar e aceitar obedecer os mandamentos do Rei. Depois de informado do mandamento, o súdito tem a liberdade de aceitar ou não aceitar. Isto vai depender da capacidade de entendimento de cada súdito. O Rei Jeová entende e respeita esta condição de cada súdito.

Jesus deixou bem claro como isto se dá.

(Mateus 13:23) 23 Quanto ao semeado em solo excelente, este é o que ouve a palavra e a entende, que realmente dá fruto e produz, este cem vezes mais, aquele sessenta vezes mais, outro trinta vezes mais.”

Assim verte a Tradução Brasileira:

(Mateus 13:23) 23 O que foi semeado na boa terra, é quem ouve a palavra e a entende, e verdadeiramente dá fruto, produzindo a cento, a sessenta e a trinta por um.

Ficou bem claro que os humanos sempre estão no comando de suas ações. Suas ações são precedidas de uma opinião sobre aquele determinado assunto e sua opinião é formada depois da análise de certas informações. No entanto, o humano pode mudar de opinião, mudando assim a direção para onde estava indo.

O que ficou claro é que a informação correta é imprescindível para a continuidade da vida. De acordo com a fonte da informação, nossas opiniões nos levarão a certas ações.

Logo, vem a pergunta: Quem estava no comando quando eu pratiquei certo pecado?? A resposta a esta pergunta deixará muitas pessoas embaraçadas.

Eu estava no comando quando eu cometi todos os meus pecados.

Jeová é o comandante, Ele é o Rei, ele é o Professor. Ele já externou o que Ele deseja que eu faça.

Se as coisas não estão da forma como Jeová deseja, a culpa é minha, pois eu discordo da forma como Jeová quer que as coisas aconteçam. Eu tomei a decisão de não fazer o que Ele deseja. A responsabilidade é individual, ou seja, é de cada súdito.

Jeová não me isentará de culpa por causa do falso profeta ter me dado um informação errada. Eu serei responsabilizado pelo pecado que cometi, assim como o profeta será responsabilizado pelo pecado dele. Não sou inocente por ter concordado com o falso profeta.

O que acontecerá com as vítimas que forem desencaminhadas pelo falso profeta??

Serão punidas por terem se deixado desencaminhar.

Se as coisas não estão do jeito que Jeová quer, a culpa não é Dele.

Se as coisas não estão do jeito que o comandante quer, a culpa não é do comandante. A culpa é dos comandados.

ç



Topo desta página