GIBEÁ - Grave pecado contra o perdão

Criada em 09 de abril de 2013 Última alteração em 06/09/13 às 18 : 22



GIBEÁ – UMA INTRIGANTE LIÇÃO

O QUE FAZER COM O PECADOR?? A PALAVRA DE MOISÉS COLOCADA EM PRÁTICA.

REAÇÃO DE HUMANOS A UMA DETERMINADA SITUAÇÃO.



O que é reação??

Reação – Esta é a definição dada pelo dicionário Houaiss: ato ou efeito de reagir; resposta a uma ação anterior; comportamento de um ser vivo manifestado em presença de um estímulo.

reação

s.f. (1720) 1 ato ou efeito de reagir 1.1 resposta a uma ação anterior 2 comportamento de um ser vivo manifestado em presença de um estímulo 2.1 movimento de opinião que age em sentido oposto ao que o precedeu 2.2 força, princípio ou tendência contrária; oposição, resistência 3 fís força de mesma magnitude mas oposta a uma outra 4 fisl modificação produzida no organismo por causa mórbida 5 pol filosofia conservadora ou contrária à evolução política e social do ser humano 6 p.met. pol força política ultraconservadora, contrária a ideias político-sociais revolucionárias 7 p.metf. pol qualquer manifestação de autoridade tendendo à tirania e à opressão; despotismo 8 quím fenômeno que se produz entre duas substâncias químicas postas em contato, com quebra e formação de suas ligações, dando origem a novas substâncias e compostos r. convergente fís.nuc reação em cadeia provocada por um nêutron, em que a quantidade de nêutrons resultante diminui com o tempo • r. de Western blot pat técnica de sorodiagnóstico que permite pesquisar proteínas antigênicas, esp. virais, ou anticorpos contra tais proteínas, us. freq. para confirmar o teste Elisar. Diels-Alder quím reação por adição entre um dieno conjugado e um dienófilo (alceno ou alcino) • r. divergente fís.nuc reação em cadeia provocada por um nêutron, em que a quantidade de nêutrons resultante aumenta com o tempo • r. em cadeia fís.nuc 1 série de reações nucleares em que um dos agentes que a produz é por sua vez produzido por uma reação e dará origem a outras e assim subsequentemente; reação nuclear em cadeia 2 fig. sucessão de fatos ocorridos sob a ação de causa e efeito • r. fotonuclear fís.nuc reação nuclear iniciada por radiação eletromagnética (fótons) de alta energia • r. nuclear fís.nuc qualquer reação em que ocorram modificações de um ou mais núcleos atômicos • r. nuclear em cadeia fís.nuc m.q. reação em cadeiar. termonuclear fís.nuc m.q. fusão nuclear etim re- + ação



Duas substâncias químicas, quando postas em contato produzem uma “reação”. O ser humano aprendeu muito com as reações químicas. Estas reações passaram a ser observadas e controladas, em face de serem previsíveis.

Quando o ser humano entra em contato com uma situação ele também revela ter uma reação. Quando o humano se torna vítima de uma determinada circunstância, ele tem reações.

O medo é uma reação humana quando ele entra em contato ou se expõe a uma situação desconhecida para ele, ou na qual ele associa o perigo, isto é, a sensação de que corre um risco de dano.

Medo – Esta é a definição dada pelo dicionário Houaiss: estado afetivo suscitado pela consciência do perigo ou que, ao contrário, suscita esta consciência.

medo

\ê\ s.m. (sXIII) 1 psic estado afetivo suscitado pela consciência do perigo ou que, ao contrário, suscita essa consciência <m. ao se sentir ameaçado> 2 temor, ansiedade irracional ou fundamentada; receio <m. de tomar injeções> 3 apreensão em relação a (algo desagradável) <m. de decepcionar> a m. com hesitação, timidamente • não ter m. de caretas fraseol. não se deixar intimidar • pelar-se de m. ser tomado por grande pavor • ter m. da própria sombra fraseol. 1 assustar-se por qualquer coisa 2 ser covarde etim lat. mètus,us 'id.' sin/var ver antonímia de coragem ant intrepidez; ver sinonímia de coragem hom medo(adj.s.m.)



Perigo – Esta é a definição dada pelo dicionário Houaiss: situação em que se encontra, sob ameaça, a existência ou a integridade de uma pessoa, um animal, um objeto, etc.; risco; aquilo que provoca esta circunstância.

perigo

s.m. (sXIII) 1 situação em que se encontra, sob ameaça, a existência ou a integridade de uma pessoa, um animal, um objeto etc.; risco <fugiam ao p.> <expunham-se ao p.> 2 aquilo que provoca essa circunstância <o fumo é um p. para a saúde> 3 infrm. mulher sedutora 4 infrm. homem conquistador 5 jur situação ou eventualidade em que pode ocorrer um dano p. atual jur perigo presente, que já começou a produzir dano ou que inevitavelmente o produzirá • a p. infrm. 1 sem dinheiro; duro 2 em situação de perigo, de risco etim lat. pericùlum,i 'tentativa, prova; risco, doença' sin/var ver sinonímia de tribulação ant segurança; ver tb. antonímia de desdita hom perigo(fl.perigar)



A reação de um humano ou de um grupo de humanos quando submetidos a uma determinada circunstância, pode ser chamada de pecado?? Quem tem a autoridade para definir se aquela reação é um pecado ou não?? Pode haver diferença de opinião entre humanos sobre se certa reação é ou não é pecado?? Será que é a circunstância que define se determinada reação é ou não um pecado??

Vamos analisar as reações de alguns humanos quando submetidos a determinadas circunstâncias.

Onde se encontrava a cidade de Gibeá??

(Juízes 19:14) 14 Passaram assim adiante e seguiram seu caminho, e o sol começou a pôr-se quando estavam perto de Gibeá, que pertence a Benjamim.

A cidade de Gibeá era habitada por benjamitas, isto é, descendentes de Benjamim, um dos doze filhos de Jacó, neste caso um dos dois filhos com a esposa que ele amava, isto é, Raquel.

O que aconteceu ali de tão importante??

(Juízes 19:1-4) 19 Ora, aconteceu que naqueles dias não havia rei em Israel. E sucedeu que certo levita residia por um tempo nas partes mais remotas da região montanhosa de Efraim. Com o tempo tomou para si uma esposa, uma concubina, de Belém de Judá. 2 E sua concubina começou a cometer fornicação contra ele. Por fim ela se foi embora dele para a casa de seu pai em Belém de Judá e permaneceu lá por quatro meses inteiros. 3 Seu esposo se levantou então e foi atrás dela para falar-lhe consoladoramente, a fim de a trazer de volta; e havia com ele seu ajudante e uma parelha de jumentos. Assim, ela o fez entrar na casa de seu pai. E vendo-o o pai da moça, alegrou-se imediatamente de se encontrar com ele. 4 Por conseguinte, seu sogro, o pai da moça, agarrou-o, de modo que ficou morando com ele por três dias; e comiam e bebiam, e ele pernoitava ali.

Trata-se da história de um levita (tribo de Levi, um dos dez filhos de Jacó com Lia (Léia), irmã mais velha de Raquel) que concedia o seu perdão para a sua esposa adúltera.

Concubina.

O que era mesmo uma concubina??

O dicionário Online de Português, assim define

Significado de Concubina

s.f.Mulher que vive de modo marital com um homem, mas que não é casada com o mesmo perante a lei. [Pejorativo] Designação comum de prostituta.

Diante desta descrição, o que era esta mulher para este homem??

Uma esposa, uma amante, uma segunda esposa??

Será que perante Deus, este homem vivia em adultério??

Algo de bem interessante encontramos neste relato histórico, não é mesmo??

Ora, ela não havia sido morta apedrejada?? Não, não havia.

O ofendido havia perdoado a adúltera?? Sim, havia.

Uma interessante reação de um humano quando submetido a uma determinada circunstância.

Ele queria que ela voltasse para sua companhia?? Sim, desejava. Ele estava revelando que não havia guardado nenhum ressentimento dela; ele estava provando isto para ele e para todos os observadores.

Quatro meses depois de ela ter ido embora da casa do levita na região montanhosa de Efraim, ele decidiu ir atrás dela em Belém de Judá, na casa dos pais dela, com o objetivo de levá-la de volta para sua casa.

A mulher não foi apedrejada como determinava Moisés em um dos mandamentos da lei dada à nação.

(Levítico 20:10) 10 “‘Ora, o homem que comete adultério com a esposa de outro homem é um que comete adultério com a esposa de seu próximo. Sem falta deve ser morto, tanto o adúltero como a adúltera.

(Deuteronômio 22:22) 22 Caso um homem seja encontrado deitado com uma mulher que tenha dono, então ambos têm de morrer juntos, o homem que se deitou com a mulher e a mulher. Assim tens de eliminar o mal de Israel.

Bem, sendo ela uma adúltera, deveria continuar a viver?? Deveria ser permitido este verdadeiro descumprimento da lei dada por Moisés??

Jeová havia dado dois mandamentos bem claros:

(Êxodo 20:13-14) 13 Não deves assassinar. 14 Não deves cometer adultério.

(Êxodo 20:13-14) 13 Não matarás. 14 Não adulterarás.

Será que matar deixaria de ser pecado de acordo com as circunstâncias??

Será que adulterar deixaria de ser pecado de acordo com as circunstâncias??

Afrontando a lei dada por Moisés, este levita havia perdoado sua esposa. Notamos no histórico que não foi ele quem expulsou a adúltera de sua casa. Ela saiu por vontade própria, no entanto, mesmo assim ele decidiu ir ao encontro dela confirmando o seu perdão, decidido a levá-la de volta para sua casa.

A “Escritura” era bem clara quanto ao que devia ser feito em uma situação como esta. Será que estava prevista em lei um comportamento diferente de matar a adúltera?? A afirmação é bem clara: “Sem falta deve ser morto, tanto a adúltera quanto o adúltero”.

Neste caso, Moisés havia aberto um precedente em relação a matar. “Quando alguém adulterar, então podeis matar”.

Deixar de matar a adúltera constituiria em uma clara desobediência à Escritura, não é verdade??

O que este levita estava fazendo?? Estava indo contra a lei dada por Moisés?? Será que ele estava fazendo uma coisa abominável?? Aceitar de volta uma esposa depois dela ter sido aviltada por outro homem, constituía uma coisa abominável?? Praticar tal coisa não faria a terra ficar abominada??

(Deuteronômio 24:1-4) 24Caso um homem tome uma mulher e faça dela sua propriedade, como esposa, então tem de suceder que, se ela não achar favor aos seus olhos por ele ter encontrado alguma coisa indecente da parte dela, então tem de escrever-lhe um certificado de divórcio e pô-lo na mão dela, e tem de despedi-la de sua casa. 2 E ela tem de sair da sua casa, e tem de ir e tornar-se de outro homem. 3 Se este último homem veio a odiá-la e lhe tiver escrito um certificado de divórcio e lho tiver posto na mão, e a tiver despedido da sua casa, ou caso morra o último homem que a tomou por sua esposa, 4 não se permitirá ao primeiro dono dela, que a despediu, tomá-la novamente de volta para se tornar sua esposa depois de ela ter sido aviltada; pois isso é algo detestável perante Jeová e não deves levar ao pecado a terra que Jeová, teu Deus, te dá por herança.



Assim verte a Edição Pastoral:

(Deuteronômio 24:1-4) 1 Quando um homem se casa com uma mulher e consuma o matrimônio, se depois ele não gostar mais dela, por ter visto nela alguma coisa inconveniente, escreva para ela um documento de divórcio e o entregue a ela, deixando-a sair de casa em liberdade. 2 Tendo saído de sua casa, se ela se casar com outro, 3 e também este se divorciar dela e lhe entregar nas mãos um documento de divórcio e a deixar ir embora em liberdade, ou se o segundo marido morrer, 4 então o primeiro marido, que se havia divorciado dela, não poderá casar-se outra vez com ela, pois estará contaminada: seria um ato abominável diante de Javé. Você não deve tornar culpada de pecado a terra que Javé seu Deus vai lhe dar como herança.

O perdão foi colocado como algo inadmissível para o caso de uma esposa contaminada por outro homem. O interessante neste mandamento é que o primeiro marido não contaminava a mulher. A mulher recebia um certificado de divórcio e podia ser de outro homem. Não havia pecado em um homem casar-se com uma mulher que recebia um certificado de divórcio do seu primeiro marido. Só haveria ato abominável se aquela mulher fosse contaminada por um segundo marido. Ela nunca poderia voltar ao primeiro marido, pois isto era contra a lei, lei que definia que tal ato era algo abominável diante de Javé.

A lei determinava que este levita estava cometendo um pecado, pois a terra se tornaria culpada de pecado em face dele a tomar de volta como esposa após ela ter sido aviltada por outro homem (sem haver casamento).

Como este levita seria visto por alguém que, sendo um adorador de Jeová, obedecesse esta lei dada por Moisés, revelando sua total concordância com esta lei?? Que reação teria este alguém ao ser confrontado com esta situação??

O que ocorreu depois de sua chegada na casa do pai de sua esposa??

Sua esposa o fez entrar na casa e o seu sogro alegrou-se grandemente.

Assim, ela o fez entrar na casa de seu pai. E vendo-o o pai da moça, alegrou-se imediatamente de se encontrar com ele. 4 Por conseguinte, seu sogro, o pai da moça, agarrou-o, de modo que ficou morando com ele por três dias; e comiam e bebiam, e ele pernoitava ali.

O pai da moça estava alegre com o seu genro, tratando-o hospitaleiramente e insistindo que ficasse mais alguns dias com ele, afinal de contas se tratava de alguém perdoador.

Depois de cinco dias, o levita não se deixou mais convencer e decidiu partir de Belém de Judá para sua casa na região montanhosa de Efraim, levando consigo a sua esposa.

(Juízes 19:8-10) 8 Quando se levantou de manhã cedo para ir, no quinto dia, então lhe disse o pai da moça: “Por favor, toma sustento para o teu coração.” E demoraram-se até se desvanecer o dia. E ambos continuavam comendo. 9 O homem levantou-se então para ir, ele e sua concubina, bem como seu ajudante; mas seu sogro, o pai da moça, disse-lhe: “Eis que já declinou o dia, tornando-se noitinha. Por favor, pernoitai. Eis que o dia está por acabar. Pernoita hoje aqui e sinta-se bem o teu coração. E amanhã tendes de levantar-vos cedo para a vossa jornada, e tens de ir para a tua tenda.” 10 No entanto, o homem não concordou em pernoitar, mas levantou-se e pôs-se a caminho, e ele chegou até defronte de Jebus, isto é, Jerusalém; e havia com ele a parelha de jumentos selados, bem como sua concubina e seu ajudante.

Até aqui tudo corria bem. Afinal, o que este homem estava fazendo era a vontade de Jeová ou ele estava tornando a terra culpada de pecado??

Estando em viagem, eles precisariam pernoitar em alguns lugares, até chegarem à região montanhosa de Efraim.

Depois que chegaram às cercanias de Jebus, o ajudante sugeriu ao levita que pernoitassem em Jebus, o que o levita negou-se a fazer, não querendo se desviar para uma cidade estrangeira.

Passaram por Jebus e foram em direção às cidades de Gibeá e Ramá, cidades pertencentes a seus irmãos. No entanto, quando o sol estava se pondo, eles já se encontravam perto de Gibeá, cidade pertencente aos da tribo de Benjamim.

(Juízes 19:11-14) 11 Estando perto de Jebus, visto que a luz do dia declinara consideravelmente, o ajudante disse então ao seu amo: “Vem agora e desviemo-nos para esta cidade dos jebuseus, e pernoitemos nela.” 12 Seu amo, porém, lhe disse: “Não nos desviemos para uma cidade de estrangeiros que não são parte dos filhos de Israel; e temos de passar adiante até Gibeá.” 13 E prosseguiu, dizendo ao seu ajudante: “Vem e cheguemo-nos a um dos lugares, e temos de pernoitar quer em Gibeá, quer em Ramá.” 14 Passaram assim adiante e seguiram seu caminho, e o sol começou a pôr-se quando estavam perto de Gibeá, que pertence a Benjamim.

Chegaram assim em Gibeá. Bem, o levita sentia-se seguro ali, pois estava entre os filhos de Israel.

Ao chegar à cidade, o que ocorreu?? Foram recebidos hospitaleiramente??

(Juízes 19:15) 15 Por conseguinte, desviaram-se ali para entrar, a fim de pernoitar em Gibeá. E passaram a entrar e a sentar-se na praça pública da cidade, e não houve quem os acolhesse em casa para pernoitarem.

Seria uma coisa normal e natural deixar um desconhecido pernoitar na praça??

Pelo menos para Ló, isto não era uma coisa normal.

Lemos a respeito de seus atos:

(Gênesis 19:1-3) 19 Ora, os dois anjos chegaram a Sodoma ao anoitecer, e Ló estava sentado no portão de Sodoma. Avistando-os Ló, levantou-se para ir ao seu encontro e curvou-se com o rosto por terra. 2 E passou a dizer: “Ora, por favor, meus senhores, desviai-vos, por favor, para a casa do vosso servo e pernoitai ali, e lavem-se os vossos pés. Então tereis de levantar-vos cedo e seguir o vosso caminho.” A isto disseram: “Não, mas pernoitaremos na praça pública.” 3 Mas instava com eles, de modo que se desviaram para ele e entraram na sua casa. Preparou-lhes então um banquete e cozeu pães não fermentados, e eles passaram a comer.

O que será que Jeová achava de, no Seu reino, os Seus súditos permitirem algum desconhecido pernoitar na praça??

(Isaías 58:6-7) 6 Não é este o jejum que escolhi? Soltar os grilhões da iniqüidade, desatar as brochas da canga e deixar ir livres os esmagados, e que rompais toda canga? 7 Não é partilhares o teu pão ao faminto e introduzires na [tua] casa pessoas atribuladas, sem lar? Que, caso vejas alguém nu, tu o tenhas de cobrir, e que não te ocultes da tua própria carne?

Será que este levita teve de dormir na praça pública??

(Juízes 19:16-21) 16 Finalmente, eis que vinha um homem idoso do seu trabalho no campo, ao anoitecer, e o homem era da região montanhosa de Efraim e residia por um tempo em Gibeá; mas os homens do lugar eram benjamitas. 17 Quando levantou os seus olhos, estava vendo o homem, o viajante, na praça pública da cidade. Disse, pois, o homem idoso: “Para onde vais e donde vens?” 18 Ele lhe disse, por sua vez: “Estamos de passagem de Belém de Judá para as partes mais remotas da região montanhosa de Efraim. Sou de lá, mas fui a Belém de Judá; e vou para a minha própria casa, e não há quem me acolha em casa. 19 E há tanto palha como forragem para os nossos jumentos, e há tanto pão como vinho para mim e para a tua escrava, e para o ajudante com o teu servo. Não há falta de coisa alguma.” 20 No entanto, o homem idoso disse: “Paz seja contigo! Deixa só ao meu cargo qualquer carência tua. Somente não pernoites na praça pública.” 21 Com isso o levou à sua casa e deu pasto aos jumentos. Depois lavaram os pés e começaram a comer e a beber.

Assim como Ló, este homem idoso também não era natural da cidade, embora estivesse residindo ali, praticou uma ação de hospitalidade.

Será que por estar entre os filhos de Israel, este levita encontrava segurança tanto para ele como para os que estavam com ele??

O que passou a ocorrer depois que anoiteceu??

(Juízes 19:22) 22 Enquanto faziam seus corações sentir-se bem, eis que homens da cidade, homens imprestáveis, cercaram a casa, empurrando-se um ao outro contra a porta; e diziam ao homem idoso, o dono da casa: “Traze para fora o homem que veio à tua casa para que tenhamos relações com ele....

Ora, este levita escolheu pernoitar nesta cidade. Não é provável que tal prática fosse comum a esta cidade, pois certamente ela ficaria com má fama e as pessoas passariam bem longe dali.

Que motivos poderiam ter estes homens para tratar este levita desta forma??

O que ficou bem claro??

Ficou bem claro haver uma animosidade contra tal homem desde o momento que ele entrou na cidade. Esta atitude revelou que o fato dele não sido recebido hospitaleiramente na cidade, era algo que tinha um motivo.

Será que este levita não estava tornando a terra culpada de pecado?? Será que pelo fato dele ter perdoado sua esposa adúltera e ter decidido ir buscá-la para levá-la de volta para sua casa, estes homens viam alguma iniquidade em tal levita??

Não sabemos, não sabemos, não podemos afirmar categoricamente. No entanto, esta reação mostrou ser muito estranha, não é verdade??

Qual foi a reação daquele que o hospedava??

(Juízes 19:23-24) 23 Em vista disso, o dono da casa saiu a ter com eles e disse-lhes: “Não, meus irmãos, por favor, não cometais nenhum mal, visto que este homem entrou na minha casa. Não cometais esta ignominiosa insensatez. 24 Eis a minha filha virgem e a concubina dele. Por favor, deixai-mas trazer para fora, e violentai-as e fazei com elas o que for bom aos vossos olhos. Mas não deveis fazer a este homem tal coisa ignominiosa, insensata.”

O que notamos nesta reação do idoso hospitaleiro??

Ele desejava proteger o seu hóspede de qualquer dano. Tratava-se de uma atitude elogiável.

No entanto, pudemos observar outra coisa em relação ao valor que as mulheres tinham naquela época.

Percebemos também que as mulheres eram consideradas como meros objetos de compra e venda, possuindo assim um valor muito abaixo do valor dado aos homens.

Para livrar o hóspede de qualquer dano físico, este hospitaleiro homem idoso passou a oferecer tanto a sua filha como a esposa do levita no lugar deste.

Esta situação deixou bem clara a diferença de valor que o homem tinha em relação à mulher.

O que passou a ocorrer depois disso??

(Juízes 19:25) 25 E os homens não quiseram escutá-lo. Portanto, o homem agarrou a sua concubina e levou-a para fora a eles; e eles começaram a ter relações com ela e continuaram a abusar dela a noite inteira, até à manhã, mandando-a depois embora quando subiu a alva.

O próprio levita levou sua esposa e a entregou aos homens imprestáveis, que passaram a abusar dela toda a noite.

O que ocorreu depois disso??

(Juízes 19:26-28) 26 A mulher veio então por volta do amanhecer e caiu à entrada da casa do homem onde se achava seu amo — até a luz do dia. 27 Mais tarde se levantou seu amo, de manhã, e abriu as portas da casa e saiu para se pôr a caminho, e eis a mulher, sua concubina, caída à entrada da casa com as suas mãos sobre o limiar! 28 Disse-lhe, pois: “Levanta-te e vamos.” Mas não houve quem respondesse. O homem a pôs então sobre o jumento, e se levantou e foi para seu lugar.

A mulher não resistiu a tamanha brutalidade e morreu.

O levita a colocou sobre o jumento e encaminhou-se para o seu destino, isto é, sua casa.

Chegando em casa, será que o levita foi providenciar o enterro de sua esposa??

(Juízes 19:29-30) 29 Entrou então na sua casa e tomou o cutelo, e agarrou sua concubina e cortou-a em doze pedaços, conforme os seus ossos, e enviou-a a todo o território de Israel. 30 E sucedeu que todo aquele que viu isso disse: “Nunca aconteceu tal coisa nem se viu desde o dia em que os filhos de Israel subiram da terra do Egito até o dia de hoje. Fixai nisso os vossos corações, aconselhai-vos e falai.”

Aquele homem que havia perdoado a sua esposa de adultério, estava tomando uma atitude diferente em relação àquela brutalidade a que foi submetida sua esposa, que veio a morrer em face dela e a ação inamistosa contra ele por parte dos homens de Gibeá.

Algo monstruoso foi feito. O que será feito em relação a isto?? Ficará impune tal monstruosidade?? O que será feito em face desta ignominiosa insensatez?? Que espécie de reação deveria haver?? Que reação houve??

(Juízes 20:1-2) 20 Por conseguinte, todos os filhos de Israel saíram e a assembléia congregou-se como um só homem a Jeová em Mispá, desde Dã para baixo até Berseba, junto com a terra de Gileade. 2 Assim, os homens-chave de todo o povo e todas as tribos de Israel tomaram sua posição na congregação do povo do [verdadeiro] Deus, quatrocentos mil homens a pé, que puxavam da espada.

Já armados com suas espadas estes homens chegaram até a cidade de Mispá para ouvir o relato deste terrível caso. Foram convocados para tomarem uma decisão sobre o que fazer em relação a este pecado hediondo.

(Juízes 20:3-7) 3 E os filhos de Benjamim souberam que os filhos de Israel haviam subido a Mispá. Os filhos de Israel disseram então: “Falai. Como se deu esta coisa má?” 4 Nisso o homem, o levita, esposo da mulher assassinada, respondeu e disse: “Cheguei a Gibeá, que pertence a Benjamim, eu e minha concubina, para pernoitar. 5 E os proprietários de terras de Gibeá passaram a levantar-se contra mim e a cercar a casa contra mim de noite. Era a mim que tencionaram matar, mas foi a minha concubina que violentaram, e ela por fim morreu. 6 Por isso segurei a minha concubina e a cortei em pedaços, e enviei-a a todo campo da herança de Israel, porque se haviam empenhado em conduta desenfreada e em ignominiosa insensatez em Israel. 7 Eis todos vós, filhos de Israel, dai aqui vossa palavra e vosso conselho.”

Jeová era o Rei. Não deveria ser Ele a quem este levita devia recorrer para ouvir a palavra e o conselho?? Certamente.

No entanto, não foi isto o que ocorreu. O levita recorreu à assembleia dos filhos de Israel.

Armando-se com suas espadas, estes homens decidiram que esta ignominiosa insensatez devia ser reparada através da punição aos culpados. O que decidiram??

(Juízes 20:8-11) 8 Todo o povo levantou-se, pois, como um só homem, dizendo: “Nenhum de nós irá para a sua tenda, nem se retirará qualquer de nós para a sua casa. 9 E agora, esta é a coisa que faremos a Gibeá. Subamos por sortes contra ela. 10 E temos de tomar dez homens dentre cem de todas as tribos de Israel, e cem dentre mil, e mil dentre dez mil, a fim de obterem provisões para o povo, para que tomem ação, indo contra Gibeá de Benjamim, em vista de toda a ignominiosa insensatez que fizeram em Israel.” 11 Assim se ajuntaram todos os homens de Israel contra a cidade, como um só homem, como aliados.

Todas as tribos dos filhos de Israel, exceto Benjamim, uniram-se contra aquilo que aconteceu em Gibeá e exigindo uma punição pelo erro. Fizerem um pacto de união contra o mal. Só parariam depois que o mal fosse removido do meio de Israel. Formaram uma aliança contra o mal.

Depois de decididos, o que fizeram os aliados??

(Juízes 20:12-13) 12 Concordemente, as tribos de Israel enviaram homens a todos os membros da tribo de Benjamim, dizendo: “Que coisa má é esta que se deu entre vós? 13 E agora, entregai os homens, os homens imprestáveis que há em Gibeá, para os entregarmos à morte, e eliminemos de Israel o mal.” E os filhos de Benjamim não quiseram escutar a voz de seus irmãos, os filhos de Israel.

Foi dado um ultimato à tribo de Benjamim. “Entregai os homens que fizeram tal iniquidade para que nós os matemos e assim eliminemos o mal de Israel”.

Ultimatoesta é a definição dada por certo dicionário (Houaiss):

ultimato

s.m. (1834) 1 num processo de negociação diplomática, exigência, pedido ou proposta final cuja rejeição acarretará o fim das conversações e o uso de uma ação direta 2 na guerra, comunicado enviado por um chefe militar ao inimigo exigindo rendição imediata, sob ameaça de obtê-la por meios mais violentos 3 p.ext. declaração final e irrevogável <diante do u. da esposa, ele parou de beber, para que ela não o deixasse> 4 jur no direito das sucessões, disposições que alguém faz em vida, para serem respeitadas após a morte ¤ etim lat.tar. ultimatum, der. de ultìmus,a,um 'o mais afastado, o mais remoto, último'

Qual era o objetivo?? Eliminar o mal de Israel através da morte dos culpados.

O que fazer com aquele culpado de um crime hediondo?? Que reação tiveram estes homens??

A união dos filhos de Israel decidiu pela exterminação dos praticantes do crime hediondo.

O mandamento “não matarás” estava sendo questionado. Estava havendo uma circunstância na qual tal mandamento poderia ser desobedecido.

Os de Benjamim não aceitaram o ultimato. Estava declarada a guerra. O que se faz em uma guerra?? Pratica-se o verbo “matar”.

Os onze filhos de Israel decidiram que Jeová devia participar nesta solução encontrada por eles para resolver este problema. Os onze filhos de Israel solicitaram que Jeová ficasse do lado deles, abençoando os seus esforços militares de eliminar o mal de Israel. Qual o motivo de desejarem eliminar o mal de Israel?? Certamente visavam manter a santidade do povo, pois desejavam eliminar o mal do meio do povo. Um povo santo tem como objetivo manter-se sempre como um povo limpo. O que ocorreu??

Se for para manter a limpeza do povo em relação a um pecado cometido, estais liberados para praticar o verbo “matar”.

(Juízes 20:14-21) 14 Então os filhos de Benjamim foram ajuntar-se das cidades a Gibeá, para saírem a batalhar contra os filhos de Israel. 15 De modo que naquele dia foram arrolados os filhos de Benjamim dentre as cidades, vinte e seis mil homens que puxavam da espada, além dos habitantes de Gibeá, dos quais foram arrolados setecentos homens seletos. 16 Entre todo este povo havia setecentos homens seletos que eram canhotos. Cada um destes podia atirar com a funda pedras num cabelo, e não errava. 17 E os homens de Israel foram recrutados separados de Benjamim, quatrocentos mil homens que puxavam da espada. Cada um destes era homem de guerra. 18 E passaram a levantar-se e a subir a Betel, e a indagar de Deus. Então disseram os filhos de Israel: “Quem de nós deve subir na dianteira à batalha contra os filhos de Benjamim?” A isso Jeová disse: “Judá na dianteira.” 19 Depois, os filhos de Israel se levantaram de manhã e se acamparam contra Gibeá. 20 Os homens de Israel saíram então à batalha contra Benjamim; e os homens de Israel passaram a pôr-se em formação de batalha contra eles em Gibeá. 21 Saíram, pois, os filhos de Benjamim de Gibeá e causaram a ruína a vinte e dois mil homens em Israel, derrubando-os por terra naquele dia.

Vinte e dois mil homens morreram do lado da Aliança. Será que não havia nada de errado?? Jeová estava do lado destes carrascos ou não estava?? Se eles estavam fazendo a vontade de Jeová, isto é, exterminando os praticantes de um crime hediondo, por que se permitia que os culpados e os defensores dos culpados ainda matassem os autênticos defensores da lei de Jeová que estavam ali como meros “carrascos??

Apenas os culpados da ignominiosa insensatez é que deviam ser punidos, não é verdade??

Se Jeová quisesse que tais homens fossem punidos, não tomaria Ele a iniciativa de punir tais homens e somente a tais homens?? Precisaria Jeová que humanos se armassem com espadas para que o mal fosse retirado do meio de Israel?? Será que estes homens que formavam a “aliança” sabiam quem eram os verdadeiros culpados daquela ignominiosa insensatez?? Saberiam diferenciá-los entre os demais??

Afinal de contas, toda a nação estava envolvida em uma guerra e milhares de pessoas estavam morrendo. No entanto, os culpados daquele pecado ainda estavam vivos. Quantos mais ainda precisariam morrer?? Será que os aliados desistiram?? Seria esta a forma como Jeová eliminaria o mal do meio de Israel?? A sabedoria se prova verdadeira através dos frutos produzidos por ela, não é verdade??

(Juízes 20:22-25) 22 No entanto, o povo, os homens de Israel, mostraram-se corajosos e foram novamente pôr-se em formação de batalha no lugar em que se puseram em formação de batalha no primeiro dia. 23 Os filhos de Israel subiram então e choraram perante Jeová até à noitinha e indagaram de Jeová, dizendo: “Devo novamente chegar-me à batalha contra os filhos de Benjamim, meu irmão?” A isso Jeová disse: “Subi contra ele.” 24 Portanto, os filhos de Israel chegaram-se aos filhos de Benjamim no segundo dia. 25 Benjamim, por sua vez, saiu de Gibeá ao encontro deles, no segundo dia, e causou a ruína a mais dezoito mil homens dentre os filhos de Israel, derrubando-os por terra, todos estes sendo dos que puxavam da espada.

Mais dezoito mil homens pertencentes à Aliança morreram. Será que não havia nada de errado?? Os culpados da ignominiosa insensatez ainda estavam vivos. Não deveriam ser apenas os culpados que deveriam morrer??

Será que os aliados desistiram de praticar o verbo “matar”?? Existia um mandamento simples e direto que dizia: “Não deves matar”. Será que estes homens viam alguma obrigatoriedade de cumprirem este mandamento?? Ou será que eles se achavam liberados do cumprimento deste mandamento?? Suas ações respondem de modo bem claro.

Depois de todo o acontecido até então, o que estes homens decidiram fazer??

(Juízes 20:26-47) 26 Em vista disso, todos os filhos de Israel, sim, todo o povo, subiram e vieram a Betel, e choraram e se sentaram ali perante Jeová, e jejuaram naquele dia até à noitinha, e fizeram ofertas queimadas e ofertas de participação em comum perante Jeová. 27 Após isso, os filhos de Israel indagaram de Jeová, pois era ali que se achava a arca do pacto do [verdadeiro] Deus naqueles dias. 28 Ora, Finéias, filho de Eleazar, filho de Arão, estava de pé diante dela naqueles dias, dizendo: “Devo ainda sair à batalha contra os filhos de Benjamim, meu irmão, ou devo desistir?” A isso Jeová disse: “Subi, porque amanhã o entregarei na tua mão.” 29 Então Israel pôs homens de emboscada contra Gibeá, em todo o redor. 30 E os filhos de Israel passaram a subir contra os filhos de Benjamim no terceiro dia e a pôr-se em formação de batalha contra Gibeá, assim como das outras vezes. 31 Quando os filhos de Benjamim saíram ao encontro do povo, foram afastados da cidade. Então, assim como das outras vezes, principiaram a golpear alguns do povo, ferindo-os mortalmente, nas estradas principais, uma das quais sobe a Betel e a outra a Gibeá, no campo, cerca de trinta homens em Israel. 32 De modo que os filhos de Benjamim começaram a dizer: “Estão sendo derrotados diante de nós como no princípio.” Quanto aos filhos de Israel, disseram: “Fujamos, e havemos de afastá-los da cidade para as estradas principais.” 33 E todos os homens de Israel se levantaram dos seus lugares e foram pôr-se em formação em Baal-Tamar, enquanto os de Israel na emboscada lançaram um ataque dos seus lugares na vizinhança de Gibeá. 34 Assim, dez mil homens seletos de todo o Israel chegaram diante de Gibeá e a luta foi intensa; e os benjamitas não sabiam que os aguardava uma calamidade. 35 E Jeová passou a derrotar Benjamim diante de Israel, de modo que, naquele dia, os filhos de Israel causaram a ruína a vinte e cinco mil e cem homens em Benjamim, todos estes sendo dos que puxavam da espada. 36 No entanto, os filhos de Benjamim imaginavam que os homens de Israel enfrentavam a derrota, quando cediam diante de Benjamim por confiarem na emboscada que tinham posto contra Gibeá. 37 Quanto aos da emboscada, agiram rapidamente e investiram contra Gibeá. Os da emboscada se espalharam então e golpearam toda a cidade com o fio da espada. 38 Ora, os homens de Israel tinham combinado com [os da] emboscada para fazerem subir um sinal de fumaça da cidade. 39 Quando os filhos de Israel se voltaram na batalha, Benjamim principiou a golpear cerca de trinta homens dentre os filhos de Israel, ferindo-os mortalmente, pois disseram: “Sem dúvida, não estão senão sofrendo derrota diante de nós, como na primeira batalha.” 40 E o sinal principiou a subir da cidade numa coluna de fumaça. Portanto, virando Benjamim a face para trás, eis que a cidade inteira subia [em fumo] para o céu. 41 E os filhos de Israel deram meia-volta e os homens de Benjamim ficaram perturbados, pois viam que os atingira a calamidade. 42 Por isso se viraram diante dos homens de Israel para o ermo e a batalha seguia-os de perto, enquanto os homens saindo das cidades lhes causavam a ruína, derrubando-os no seu meio. 43 Cercaram a Benjamim. Perseguiram-no sem lhe deixar lugar de descanso. Pisaram-no logo defronte de Gibeá em direção ao nascente do sol. 44 Finalmente, caíram dezoito mil homens de Benjamim, todos estes sendo homens valentes. 45 Viraram-se, pois, e foram fugir para o ermo, para o rochedo de Rimom. E fizeram uma rebusca de cinco mil homens deles nas estradas principais, e seguiam-nos de perto até Gidom e assim mataram a golpes mais dois mil homens deles. 46 E todos os de Benjamim que caíram naquele dia somaram por fim vinte e cinco mil homens que puxavam da espada, todos estes sendo homens valentes. 47 Seiscentos homens, porém, viraram-se e puseram-se em fuga para o ermo, para o rochedo de Rimom, e ficaram morando no rochedo de Rimom por quatro meses.

Mais vinte e cinco mil pessoas foram mortas por espadas, agora benjamitas. Será que não havia nada de errado?? Será que os culpados da ignominiosa insensatez ainda estavam vivos?? Quem poderia identificá-los?? Será que os culpados não seriam estes únicos seiscentos homens sobreviventes?? Não seriam todos estes únicos sobreviventes aqueles naturais de Gibeá?? Isto seria algo engraçado e extremamente embaraçoso, não seria??

Humanos afirmaram que Jeová estava participando desta batalha. Afirmam que Jeová derrotou Benjamim usando os exércitos armados da “Aliança”. Neste caso, Jeová estava usando a espada da “Aliança” para limpar a terra dos culpados de um crime hediondo.

Estariam certos os humanos que fizeram tal afirmação??

O que fariam agora os aliados?? Matariam os únicos sobreviventes para assegurar que os culpados da ignominiosa insensatez pagariam pela ignominiosa insensatez??

Que mais fizeram os aliados??

(Juízes 20:48) 48 E os homens de Israel se voltaram contra os filhos de Benjamim e foram golpear os da cidade com o fio da espada, [desde] os homens até o animal doméstico, todos os que acharam. Também todas as cidades que acharam entregaram ao fogo.

Eles mataram homens, mulheres, crianças, animais domésticos e tudo o que acharam. Queimaram as cidades. O que estavam fazendo?? Estavam matando mulheres e crianças?? Estavam motivados pelo ódio, não estavam??

Estava a “Aliança” satisfazendo a vontade de Jeová para a solução deste caso?? Se Jeová fosse convocado para resolver tal situação, o que Ele faria??

Se Jesus fosse convocado para solucionar tal caso, o que ele faria??

A “Aliança” estava removendo o mal de Israel, não estava?? O desejo era este, não era??

Faltavam apenas seiscentos homens para que o mal fosse plenamente removido.

O que fazer??

O mal tinha de ser totalmente removido da terra, não tinha?? Se o mal não fosse removido, a terra ficaria poluída, não ficaria??

O que fizeram os aliados??

(Juízes 21:1-4) 21 Ora, os homens de Israel haviam jurado em Mispá, dizendo: “Nenhum homem nosso dará a sua filha a Benjamim por esposa.” 2 Por conseguinte, o povo veio a Betel, e eles ficaram sentados ali diante do [verdadeiro] Deus até à noitinha, e continuaram a levantar a sua voz e a entregar-se a muito choro. 3 E diziam: Ó Jeová, Deus de Israel, por que aconteceu isso em Israel, que uma tribo esteja hoje faltando a Israel?” 4 E sucedeu, no dia seguinte, que o povo passou a subir cedo e a construir ali um altar, e passaram a oferecer ofertas queimadas e ofertas de participação em comum.

Pergunta estranha esta que fizeram, não é mesmo??

Ó Jeová, por que aconteceu isto em Israel??

Não estavam decididos a remover o mal do meio de Israel??

Ora, aconteceu uma ignominiosa insensatez, não aconteceu??

O mal tinha de ser removido, não tinha??

Eles estavam praticando a ação de remover o mal do meio de Israel, não estavam??

Almejavam a santidade, não almejavam??

Estavam satisfazendo suas vontades, não estavam??

Estavam prestes a exterminar a tribo de Benjamim, não estavam??

Ora, já haviam exterminado todas as mulheres e crianças de Benjamim, não haviam??

Só restavam aqueles seiscentos homens, não é verdade??

Agora estavam se entregando ao choro??

O que decidiram fazer?? Construir um altar e oferecer ofertas queimadas e ofertas de participação em comum.

Depois do choro e das ofertas queimadas, o que os aliados decidiram fazer??

(Juízes 21:5-12) 5 Então disseram os filhos de Israel: “Quem dentre todas as tribos de Israel não subiu na congregação a Jeová, pois há um grande juramento referente àquele que não subisse a Jeová em Mispá, dizendo: ‘Seja sem falta entregue à morte.’” 6 E os filhos de Israel começaram a sentir-se pesarosos por causa de Benjamim, seu irmão. Por isso disseram: “Hoje foi cortada uma tribo de Israel. 7 Que devemos fazer quanto a esposas para os que sobraram, visto que nós mesmos temos jurado por Jeová não lhes dar nenhumas das nossas filhas por esposas?” 8 E prosseguiram, dizendo: “Qual das tribos de Israel não subiu a Jeová em Mispá?” E eis que ninguém de Jabes-Gileade viera ao acampamento, à congregação. 9 Quando se contou o povo, ora, eis que não havia ali nenhum homem dos habitantes de Jabes-Gileade. 10 Portanto, a assembléia passou a enviar para lá doze mil dos homens mais valentes e a ordenar-lhes, dizendo: “Ide, e tendes de golpear os habitantes de Jabes-Gileade com o fio da espada, até mesmo as mulheres e os pequeninos. 11 E esta é a coisa que deveis fazer: Todo macho e toda mulher que já teve a experiência de se deitar com um macho deveis devotar à destruição.” 12 No entanto, acharam dentre os habitantes de Jabes-Gileade quatrocentas moças, virgens, que nunca tiveram relações com algum homem, deitando-se com um macho. Trouxeram-nas, pois, ao acampamento em Silo, que se acha na terra de Canaã.

Decidiram matar mais gente?? Ora, a “Aliança” decidiu matar mais humanos com suas espadas?? O que estes homens haviam feito?? De novo estavam covardemente matando idosos, crianças e mulheres, passando-os ao fio da espada??

Sim. Agora, os “aliados” externaram o seu ódio contra aqueles únicos que decidiram não participar naquela aliança contra Benjamim. Seria uma falta de lealdade a Jeová ou seria uma falta de lealdade para com a “aliança dos justiceiros”??

Ora, não estavam pesarosos pelo que tinham feito contra Benjamim??

Agora decidem exterminar mais outra cidade, só porque não haviam sido cúmplices da decisão de matar Benjamim, removendo assim o mal do meio de Israel?? Uma incrível e grandiosa incoerência.

Do ponto de vista de Jeová, estes homens de Jabes-Gileade estavam fazendo a coisa certa ou a coisa errada??

Pobres homens, mulheres e crianças de Jabes-Gileade. Foram todos mortos. Foram todos massacrados. Uma verdadeira carnificina ocorreu em Jabes-Gileade. Deixaram sobrar apenas quatrocentas virgens que seriam doadas para os que sobraram de Benjamim.

Que exemplo em relação a esta ação havia dado Moisés??

(Números 31:13-18) 13 Então Moisés e Eleazar, o sacerdote, e todos os maiorais da assembléia saíram-lhes ao encontro fora do acampamento. 14 E Moisés ficou indignado com os homens designados das forças combatentes, os chefes dos milhares e os chefes das centenas, que retornavam da expedição militar. 15 De modo que Moisés lhes disse: “Preservastes viva a toda a fêmea? 16 Eis que estas são as que pela palavra de Balaão serviram para induzir os filhos de Israel a cometerem infidelidade para com Jeová na questão de Peor, de modo que veio o flagelo sobre a assembléia de Jeová. 17 E agora, matai a todo o macho dentre os pequeninos e matai a toda a mulher que tiver tido relações com um homem por se deitar com um macho. 18 E preservai vivas para vós a todas as pequeninas dentre as mulheres, que não tiverem conhecido o ato de se deitar com um macho.



Esta verdadeira carnificina acontecida em Jabes-Gileade seguia o modelo praticado por Moisés no caso dos midianitas.

Eram seiscentos homens sobreviventes de Benjamim. Quatrocentos receberam mulheres, virgens de Jabes-Gileade, mas ainda faltavam duzentos homens sem esposas, afinal de contas, eles haviam massacrado as mulheres e as crianças de Benjamim, ou seja, todas elas.

O que a “aliança” decidiu fazer??

(Juízes 21:13-18) 13 E toda a assembléia mandou então falar aos filhos de Benjamim que estavam no rochedo de Rimom e oferecer-lhes paz. 14 Concordemente, Benjamim voltou naquele tempo. Deram-lhes então as mulheres que preservaram vivas dentre as mulheres de Jabes-Gileade; mas não acharam bastante para eles. 15 E o povo sentiu-se pesaroso por causa de Benjamim, porque Jeová havia feito uma brecha entre as tribos de Israel. 16 Por isso disseram os anciãos da assembléia: “Que faremos quanto a esposas para os homens que sobraram, visto que as mulheres de Benjamim foram aniquiladas?” 17 Então disseram: “Deve haver uma posse para os que escaparam de Benjamim, a fim de que não se extinga de Israel uma tribo. 18 Quanto a nós, não se nos permite dar-lhes esposas dentre as nossas filhas, visto que os filhos de Israel juraram, dizendo: ‘Maldito aquele que der uma esposa a Benjamim.’”

Quem foi acusado de praticar tal coisa hedionda em Israel??

Foi Jeová quem fez esta suposta brecha entre as tribos de Israel?? Foi Jeová quem mandou estes homens armarem-se de espadas e matarem outros humanos?? Armando-se de ódio e ressentimento, ainda juraram não dar suas filhas para os de Benjamim.

Puxa vida Pai YHWH, olha só o que o Senhor fez em Israel......

O Senhor abriu uma brecha em Israel...

Isso é uma coisa muito má, Papai YHWH..

Que coisa, hein??

Depois de tudo isto, Jeová é que era o culpado??

Jeová foi acusado de fazer tal coisa?? Sim, Jeová foi o acusado.

Ofereceram paz aos que sobraram dos de Benjamim e estavam preocupados em como providenciar novas esposas para aqueles duzentos que ainda estava sem esposas. Por que aqueles homens estavam sem esposas?? Porque a “aliança” havia matado todas as mulheres de Benjamim.

O que fazer em favor destes duzentos de Benjamim??

(Juízes 21:19-23) 19 Por fim disseram: “Eis que há de ano em ano uma festividade de Jeová em Silo, que se acha ao norte de Betel, para o leste da estrada principal que sobe de Betel a Siquém, e para o sul de Lebona.” 20 Ordenaram assim aos filhos de Benjamim, dizendo: “Ide, e tendes de ficar de emboscada nos vinhedos. 21 E tendes de olhar, e eis aí, saindo as filhas de Silo para dançar em rodas, então tendes de sair dos vinhedos e tendes de arrebatar para vós, cada um a sua esposa dentre as filhas de Silo e tendes de ir para a terra de Benjamim. 22 E tem de dar-se que, se vierem seus pais ou seus irmãos para pleitearem uma causa contra nós, então havemos de dizer-lhes: ‘Fazei-nos um favor por sua causa, pois não tomamos para cada um a sua esposa por meio de guerra, visto que não fostes vós que [as] destes a eles num tempo em que vos tornaríeis culpados.’” 23 Portanto, os filhos de Benjamim fizeram assim, e passaram a levar esposas para o seu número dentre as mulheres que dançavam em roda, as quais arrebataram; depois foram embora e voltaram à sua herança, e construíram as cidades e passaram a morar nelas.

Através de um artifício eles quebraram a própria promessa que haviam feito contra Benjamim e os permitiram raptar mulheres para serem suas esposas. Estavam sendo autorizados a praticarem o crime de raptar pessoas??

Mulheres sendo desrespeitadas do seu livre-arbítrio??

Será que estavam reparando aquilo que Jeová havia feito??

Será que a “aliança” estava satisfeita??

(Juízes 21:24) 24 E naquele tempo os filhos de Israel começaram a dispersar-se dali, cada um para a sua própria tribo e para a sua própria família; e foram embora dali, cada um para a sua própria herança.

Bem, a “aliança” foi assim desfeita e cada qual foi para a sua casa.

Qual foi mesmo o motivo de tudo isto ter acontecido??

O levita decidiu que tinha de haver alguma punição para aquele terrível mal que tinha acontecido contra ele, que culminou a forma vil que sua esposa havia sido tratada, morrendo em face deste tratamento hediondo.

Muitas vidas foram sacrificadas neste objetivo de remover o mal do meio de Israel. Com este objetivo em mente, o que fizeram estes homens?? Praticaram maldade em cima de maldade. Foram crimes hediondos atrás de crimes hediondos. Depois de tanta maldade praticada, será que estes homens pelo menos conseguiram eliminar o mal de Israel??

Que dois mandamentos haviam sido dados pelo rei deste reino de sacerdotes e retransmitidos por Moisés, que deveriam ser usados no dia a dia por este levita e por todo povo??

(Levítico 19:17) 17 “‘Não deves odiar teu irmão no teu coração. Decerto deves repreender o teu colega, para que não leves o pecado junto com ele.

Não odeie o teu irmão. Não deixe de repreender o teu irmão.

(Levítico 19:18) 18 “‘Não deves tomar vingança nem ter ressentimento contra os filhos do teu povo; e tens de amar o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou Jeová.

Não se vingue do teu irmão e não guarde ressentimento do que ele fizer contra você.

Segundo a casa de Israel, eles não tinham rei nesta ocasião. Segundo a casa de Israel, nesta ocasião eles faziam o que era direito aos seus próprios olhos.

(Juízes 21:25) 25 Naqueles dias não havia rei em Israel. Cada um costumava fazer o que era direito aos seus próprios olhos.

E quanto aos mandamentos dados por Jeová, para que serviam??

Séculos depois, o que falou Jeová sobre este incidente de Gibeá??

(Oséias 10:9-10) 9 Pois pecaste desde os dias de Gibeá, ó Israel. Ali ficaram parados. Em Gibeá não chegou a alcançá-los a guerra contra os filhos da injustiça. 10 Quando for meu almejo, também os disciplinarei. E contra eles hão de ajuntar-se povos quando forem atrelados aos seus dois erros.

Assim verte a Tradução Brasileira:

(Oséias 10:9-10) 9 Desde os dias de Gibeá tens pecado, ó Israel; ali pararam, para que a batalha contra os filhos da iniqüidade não os alcançasse em Gibeá. 10 Quando eu quiser, castigá-los-ei; os povos se congregarão contra eles, quando forem atados às suas duas transgressões.

Assim verte a Tradução Almeida:

(Oséias 10:9-10) 9 Desde os dias de Gibeá tens pecado, ó Israel; ali permaneceram; a peleja contra os filhos da iniqüidade não os alcançará em Gibeá. 10 Quando eu quiser, castigá-los-ei; e os povos se congregarão contra eles, quando forem castigados pela sua dupla transgressão.

O Pai considerou as ações ocorridas em Gibeá como pecados, e não poderia ser diferente. “Os povos também farão uma Aliança contra eles”, previu Jeová.

O que foi observado em Gibeá??

Houve uma vítima. Esta vítima passou a queixar-se com um grupo de humanos. Os ouvintes formaram uma “aliança”, tomaram partido da vítima e decidiram punir os agressores. Por outro lado, os agressores receberam a proteção de outro grupo. A “aliança” dos justiceiros decidiu punir os culpados da ignominiosa insensatez praticada em Israel. Da resistência produziu-se uma guerra da qual morreram muitas pessoas dos dois lados do confronto armado. Também foram assassinados muitos idosos, muitas crianças e muitas mulheres que não participavam dos confrontos armados. Muitos animais domésticos também foram mortos. Ademais a “aliança” decidiu matar àqueles que se negaram a participar da aliança.

Sendo assim, o que foi observado ao final?? Milhares de pessoas mortas por causa de uma vítima que não perdoou os seus agressores.

A sabedoria é provada justa através dos frutos produzidos por ela. Que mandamentos foram seguidos pela “aliança dos justiceiros”?? Que frutos foram produzidos??

Percebemos que os mandamentos seguidos pela “aliança” eram mandamentos devidamente registrados nas “Escrituras”, dados por Moisés. Trava-se de soluções a serem dadas aos problemas de relacionamento humano. A “aliança” colocou em prática os mandamentos dados por Moisés. Tratava-se de reações humanas quando submetidos a uma determinada circunstância.

Esta luta poderia produzir o extermínio de todo o Israel, não poderia?? Sim, poderia.

Os mandamentos do Pai definem que determinadas ações são pecados.

Será que de acordo com as circunstâncias aquilo que é definido como pecado deixa de ser pecado??

Será que são as circunstâncias que definem se certas reações são ou não pecado??

São os frutos que definirão se certo mandamento é sábio ou tolo.

Llllll

bbb

cc

 





Topo desta página