SENHOR, SENHOR - QUEM É O TEU SENHOR??

Criada em 06 de fevereiro de 2014 Última alteração em 28/04/16 às 10 : 12





Permanente e incondicional.

Gostaria de iniciar esta sabatina tendo duas palavras de Jesus como a base para nossos raciocínios. A primeira é esta: Toda lei saída da boca de Jeová tem o amor como base.

(Mateus 22:35-40) 35 e um deles, doutor da lei, para o experimentar, fez-lhe esta pergunta: 36 Mestre, qual é o grande mandamento da Lei? 37 Respondeu-lhe Jesus: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento. 38 Este é o grande e primeiro mandamento. 39 O segundo semelhante a este é: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. 40 Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os profetas.

A segunda é esta: Ver Jesus falando é o mesmo que ver Jeová falando e ver Jesus praticando ações é o mesmo que ver Jeová praticando ações.

(João 10:30) 30 Eu e meu Pai somos um.



Senhor, Senhor – o que esta expressão quer realmente dizer??

Estou afirmando que a pessoa a quem estou me dirigindo é um Senhor para mim. Deve ser de forma permanente e incondicional??

O que é incondicional??

Incondicional – esta é a definição dada pelo dicionário Houaiss: que não depende de, não está sujeito a qualquer tipo de condição, restrição ou limitação, incondicionado;

incondicional

adj.2g. (1873) 1 que não depende de, não está sujeito a qualquer tipo de condição, restrição ou limitação; incondicionado <rendição i.> <amizade i.> 2 fisl psic m.q. incondicionado 3 que, em quaisquer circunstâncias e sem discussão, toma partido de alguém, de uma corrente, de uma doutrina, de uma causa <amigo i.> <admirador i. da obra machadiana> 4 que se deve fazer, executar em quaisquer circunstâncias e condições <pagamento i.> ¤ etim in- + 1condicional ¤ sin/var integral, irrestrito, total; ver tb. sinonímia de absoluto ¤ ant condicional; ver tb. antonímia de absoluto


Se é incondicional então é integral, irrestrito, total e absoluto. Trata-se de algo que se deve fazer ou continuar a ser em quaisquer circunstâncias e condições.

O que é permanente??

Permanente – esta é a definição dada pelo dicionário Houaiss: que permanece no tempo, duradouro, estável; definitivo; constante, frequente, continuado;

permanente

adj.2g. (1702) 1 que permanece no tempo; duradouro, estável 1.1 definitivo <decisão p.> 2 constante, frequente, continuado <dor p.> 3 que tem estabilidade <comissão p.> 4 diz-se de dente da segunda dentição; definitivo n s.m. B 5 documento que autoriza ao seu portador ingresso gratuito em casas de diversões, eventos, instituições, transportes etc. v s.2g. B 6 arranjo ou penteado, mais ou menos duradouro, que deixa os cabelos ondulados ¤ etim lat. permànens,entis, part. de permanére ¤ sin/var como adj.: constante, contínuo, definitivo, duradouro, durável, efetivo, estável, eterno, fixo, imorredouro, imortal, imperecível, imutável, inalterável, incessante, indelével, infinito, ininterrupto, interminável, invariável, irrevogável, perdurável, perene, perpétuo, persistente ¤ ant como adj.: breve, caduco, descontinuado, efêmero, finito, fugaz, impermanente, inconstante, infrequente, instável, interino, intermitente, interrupto, momentâneo, morredouro, mortal, móvel, mutável, ocasional, passageiro, perecível, provisório, temporário, transitório, volátil


Eu devo ver esta pessoa ou coisa como um “senhor” para mim de forma incondicional e permanente.

Deveria ser uma coisa automática?? Devia a pessoa aceitar a Jeová como sendo seu Senhor de forma automática??

Automático – Esta é a definição dada pelo dicionário Houaiss: cuja operação independe da intervenção consciente da vontade; maquinal; não deliberado;

automático

adj. (1836) 1 próprio de autômato 2 que se move ou funciona por meios puramente mecânicos <balança a.> 3 tec que funciona por si, dispensando operadores (diz-se de aparelho) <arma a.> 4 fig. cuja operação independe da intervenção consciente da vontade; maquinal, não deliberado <movimento a.> 5 fig. que necessariamente se realiza, sem intervenção de novas causas <o preenchimento das vagas foi a.> n s.m. eng.mec 6 aparelho que apresenta, numa parte envidraçada ou de plástico transparente, certo artigo que se pode adquirir colocando-se, numa ranhura, uma moeda, cuja introdução provoca a sua descida para uma espécie de gaveta ou abertura ² a. da morsa gráf dispositivo que corta o avanço do disco de moldes na linotipo e paralisa a fundição, se a cabeça do primeiro elevador não estiver assentada sobre a plataforma da morsa, evitando desse modo o escorrimento de chumbadas e a inutilização de matrizes ¤ etim autômato + ico


Isto significa que, embora se deva ver esta pessoa ou coisa como “senhor” de forma incondicional e permanente, isto não ocorre de maneira automática, pois é necessário que a pessoa esteja consciente da sua vontade todo o tempo. Em momento algum a pessoa perde o comando sobre sua vontade, excetuando os momentos em que estiver dormindo.

O que é Senhor??

Senhor - Esta é a definição dada pelo dicionário Houaiss: pessoa que exerce poder, dominação, influência; aquele que tem autoridade como rei, imperador; um soberano; um chefe.

senhor

\ô\ s.m. (sXIII) 1 proprietário de feudo 2 aquele que possui algo; dono, proprietário 3 dono da casa; patrão, amo 4 pessoa que exerce poder, dominação, influência 5 fig. aquele que tem pleno domínio sobre si, sobre uma coisa, sobre uma situação <s. de si> <s. da situação> 6 aquele que tem autoridade como rei, imperador; soberano, chefe 7 pessoa nobre ou distinta; homem da burguesia ou de outra condição social 8 homem de meia-idade ou idoso 9 tratamento cerimonioso ou respeitoso dispensado aos homens [abrev.: Sr.] F ver gram a seguir 10 abs. Deus, esp. na pessoa de Jesus Cristo F inicial maiúsc. 11 m.q. senhorio ('proprietário') n adj. 12 imponente, distinto, senhoril ² s. de baraço e cutelo senhor com poder absoluto sobre seus vassalos, com poder de condená-los a castigos corporais, mutilações e mesmo à morte • s. de engenho B dono de engenho de açúcar F cf. senhor-de-engenhos. do seu nariz aquele que não necessita dar satisfação a ninguém, que procede com autonomia, cônscio do que faz • s. feudal m.q. suseranoadormecer no S. morrer, falecer • Nosso S. Jesus Cristo • o s. us. como pronome de tratamento ¤ gram a) aum.irreg.: senhoraço; b) na acp. 9, emprega-se, na linguagem informal, seu em lugar de senhor, quando acompanhado do nome próprio: seu Joaquim veio aqui ontem; c) o senhor funciona na verdade como um pronome pessoal, razão por que é classificado como pronome de tratamento em frases como: o senhor pode passar-me o açúcar?; d) como adj., senhor, informalmente empr. antes de um subst., sugere a ideia de 'grande, ótimo, perfeito, desejável': um senhor carro ¤ etim lat. senìor,óris 'mais antigo, mais velho', comparativo de senex,senis 'ancião, velho'; como tratamento, pode ocorrer na linguagem popular do Brasil sob as f. reduzidas siô, , sinhô, inhô, inhor, nhô, nhonhô, 1ioiô (e respectivos dim.) e ainda sob a f. 2seu e , sor, us. na língua em geral ¤ sin/var cavalheiro, seu, sinhô, siô, sô (os quatro últimos infrm.)


Não pudemos desperceber que a palavra senhor pode adquirir certos sentidos em face da frase em que for usada.

No entanto, queremos chamar a atenção para o uso feito pelo Pai celestial a esta palavra em algumas situações. Nos casos que analisaremos, perceberemos se tratar de “pessoa (algo visível ou invisível) que exerce poder, dominação, influência” sobre um humano ou um grupo de humanos. Em face do livre-arbítrio, é o humano quem aceita ou rejeita esta ou aquela pessoa como seu “senhor”.

Será que uma pessoa invisível pode ser meu “senhor”??

Será que alguma coisa invisível pode agir como “senhor” para mim??

O que precisa acontecer para que alguém seja realmente o meu “senhor”??

Basta a pessoa ter poder, isto é, ser poderosa, ter mais poder do que eu, e ela passa a ser meu “senhor”??

Em face do livre-arbítrio que cada criatura tem, como uma pessoa pode ser “senhor” de outra pessoa??

Para ser senhor de outra pessoa é necessário usar a força??

Devo ser coagido a ter alguém como meu “senhor”??

Como poderia uma pessoa invisível ser “senhor” de uma pessoa visível?? Como pode uma pessoa visível ser “senhor” de uma pessoa invisível??

Como poderia alguma coisa invisível ser “senhor” do ser humano??

O humano tem vontade própria, não tem??

As palavras e as ações do homem são fruto de sua “vontade”, não é mesmo??

A vontade é uma coisa invisível.

É muito difícil e por vezes impossível obrigar alguém a fazer algo contra a sua vontade, não é mesmo?? Neste caso, a pessoa morre mas não faz nada contra a sua vontade, não é mesmo??

Percebemos então que eu preciso admitir e aceitar que a pessoa “A” ou a pessoa “B” seja um “senhor” para mim.

Eu tenho a liberdade de me “rebelar” contra a vontade deste senhor a qualquer momento, não tenho?? Sim, eu tenho.

A pessoa que admite (aceita) ter a outra como sendo seu senhor irá perder o seu livre-arbítrio?? Isto também não acontece.

Isto significa que esta história de “senhor” é um pouco complicada, não é verdade??

Vamos ouvir uma parte da “história” sendo contada pelo próprio Jeová e entender um pouco mais sobre “senhor”. Muito tempo depois de Moisés, o próprio Jeová passou a contar para Ezequiel a história do Seu povo, isto é, dos antepassados de Ezequiel:


(Ezequiel 20:5-8) 5 E tens de dizer-lhes: ‘Assim disse o Soberano Senhor Jeová: “No dia em que escolhi Israel, passei também a levantar a minha mão [em juramento] à descendência da casa de Jacó e a dar-me a conhecer a eles na terra do Egito. Sim, passei a levantar a minha mão [em juramento] a eles, dizendo: ‘Eu sou Jeová, vosso Deus.’ 6 Naquele dia levantei a minha mão [em juramento] a eles de fazê-los sair da terra do Egito para uma terra que espiei para eles, uma [terra] que manava leite e mel. Era o ornato de todas as terras. 7 E prossegui, dizendo-lhes: ‘Lançai fora, cada um de vós, as coisas repugnantes dos seus olhos, e não vos avilteis com os ídolos sórdidos do Egito. Eu sou Jeová, vosso Deus.’ 8 “‘“E eles começaram a rebelar-se contra mim e não quiseram escutar-me. As coisas repugnantes dos seus olhos eles não lançaram fora, individualmente, e não abandonaram os ídolos sórdidos do Egito, de modo que prometi derramar sobre eles o meu furor, a fim de levar a cabo a minha ira contra eles no meio da terra do Egito.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Ezequiel 20:5-8) 5 e dize-lhes: Assim diz o Senhor Deus: No dia em que escolhi a Israel, e levantei a minha mão para a estirpe da casa de Jacó, e me dei a conhecer a eles na terra do Egito, quando levantei a minha mão para eles, dizendo: Eu sou Jeová vosso Deus; 6 naquele dia levantei a minha mão para eles, jurando que eu os tiraria da terra do Egito para uma terra que lhes tinha espiado, que mana leite e mel, a qual é a glória de todas as terras. 7 Disse-lhes: Lançai de vós, cada uma as abominações dos seus olhos, e não vos contamineis com os ídolos do Egito; eu sou Jeová vosso Deus. 8 Mas rebelaram-se contra mim, e não me quiseram ouvir; não lançaram de si cada um as abominações dos seus olhos, nem abandonaram os ídolos do Egito: então eu disse que derramaria o meu furor contra eles, para cumprir contra eles a minha ira no meio da terra do Egito.

Jeová era o “Senhor” de toda a nação de Israel, aliás Ele era o Senhor de todos os humanos e animais neste planeta, e ainda continua sendo. A própria nação de Israel assim afirmava, logo, eles “concordavam” em ter Jeová como Senhor para eles. O primeiro passo já havia sido dado, afinal, eles concordavam. Estava havendo o respeito pelo livre-arbítrio. Tratava-se de uma relação baseada no livre-arbítrio.

Será que em algum momento, este livre-arbítrio devia ser desrespeitado?? Óbvio que não.

Percebemos que o livre-arbítrio nunca deve ser desrespeitado.


Eu pedi para que abandonassem as coisas que para mim eram abomináveis, mas que para eles eram encantadoras aos seus olhos.

Eu pedi que abandonassem os ídolos do Egito.

No entanto, eles não fizeram caso dos Meus pedidos.


Eles se rebelaram contra Mim. Eles se rebelaram, não contra a minha pessoa física, antes, eles se rebelaram contra uma vontade Minha.


Esta frase é muito forte, não é??

Jeová era o Senhor destes humanos, não era??

Jeová já havia feito a Sua parte, não havia??

Então, onde estava a dominação de Jeová sobre eles?? Onde estava a influência exercida de Jeová sobre eles??

Onde estava o reconhecimento do exercício do poder de Jeová sobre eles??

Se suas ações no dia a dia não recebiam a influência de Jeová, certamente recebiam a influência de outra fonte que lhes servia de “senhor”.

As palavras do Senhor Jeová deviam ter uma influência sobre cada decisão que o humano tomasse no seu dia a dia??


Jeová havia exposto a Sua vontade. Estes homens tinham uma outra vontade.


Até aquele momento eles viviam de acordo com as regras de comportamento definidas pelos egípcios. Os costumes egípcios é que definiam o bom e o mal (o certo e o errado) para aquele povo.

Eles idolatravam as coisas praticadas pelos egípcios e as tinham como as coisas a serem feitas de acordo com as circunstâncias do dia a dia. Os costumes praticados pelos egípcios mostravam aos seus olhos serem coisas encantadoras. Eles desejavam copiar a forma de vida vivida no dia a dia pelos egípcios.

Eles eram escravos no Egito. Eles observavam a forma de vida vivida pelos egípcios e desejavam viver daquela forma de vida ao se tornarem um povo livre.


Quando estavam sendo libertos da sua condição de escravos, eles foram para o deserto carregando todas as coisas que eles puderam se apoderar dos egípcios. Eles se apoderaram das riquezas dos egípcios.

Ora, como foi que eles se apoderaram das riquezas dos egípcios??


Foi aproveitando-se da situação em que os egípcios se encontravam naquele momento. Estavam se aproveitando das circunstâncias. Tratava-se de uma situação de total desespero por parte dos egípcios em face da morte dos seus primogênitos provocada por Jeová.

Moisés havia sido escolhido por Jeová para a função de “mensageiro”, ou seja, aquele que recebia uma informação de Jeová e que deveria repassá-la integralmente para os descendentes de Jacó.

Moisés também devia ter Jeová como seu Senhor, não é verdade??


Naquele momento, cada descendente de Jacó devia ter a Jeová como sendo o seu Senhor, pois se trata de uma coisa individual.

Será que Moisés deveria sair de sua condição de mensageiro e passar para a condição de “senhor” para os descendentes de Jacó??


Como Moisés faria isso??

Por dar uma ordem aos descendentes de Jacó, uma ordem que ele não houvesse ouvido de Jeová, pois Moisés era apenas um mensageiro, e mensageiro não tem autonomia para criar mensagens.


O que aconteceu naquela ocasião??


Foi nesta situação de desespero dos egípcios que Moisés lhes deu uma ordem: Ide pedir aos egípcios objetos (joias, etc) de prata, objetos (joias, etc) de ouro e vestidos.


(Êxodo 12:33-36) 33 E os egípcios começaram a pressionar o povo, a fim de mandá-los depressa para fora do país, “porque”, disseram eles, “a bem dizer já estamos todos mortos!” 34 Por conseguinte, o povo carregou no seu ombro a sua massa antes de ela ter ficado levedada, com as suas amassadeiras embrulhadas nas suas capas. 35 E os filhos de Israel fizeram segundo a palavra de Moisés, indo pedir dos egípcios objetos de prata, e objetos de ouro, e capas. 36 E Jeová deu ao povo favor aos olhos dos egípcios, de modo que estes lhes concederam o que se pedia; e despojaram os egípcios.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Êxodo 12:33-36) 33 Os egípcios apertavam o povo, para o lançarem fora da terra à pressa, pois diziam: Todos nós somos mortos. 34 O povo tomou a sua massa antes que fosse ela levedada, sendo as suas amassadeiras atadas em seus vestidos sobre os seus ombros. 35 Fizeram também os filhos de Israel segundo as palavras de Moisés: pediram aos egípcios jóias de prata, e jóias de ouro, e vestidos. 36 Jeová deu ao povo graça aos olhos dos egípcios, de maneira que estes deram ao povo o que pedia. E despojaram aos egípcios.


Aproveitando-se das circunstâncias. Quais eram as circunstâncias?? O povo egípcio estava desesperado e querendo se livrar dos descendentes de Jacó. Saiam, saiam logo.


Decisão de Moisés: “Antes de sairmos, queremos riquezas, queremos joias e vestidos, queremos coisas valiosas”.

Neste momento, estava Moisés agindo como “mensageiro” ou como “líder”??

Neste momento, não estava Moisés agindo como um “senhor” para o povo??


Não se tratava de uma espontânea doação?? Percebemos que não se trava de espontânea doação. Não foram os egípcios que tomaram a iniciativa de lhes doar coisas para o novo lar que teriam.

Era uma espécie de coação, não era??


Obviamente que não se tratavam de vestidos velhos e rasgados.


Tratava-se de uma ação organizada por todos os filhos de Israel.


<> - “Antes de nós sairmos do Egito, queremos suas joias e suas roupas”.

Ora, eram as joias usadas pelos egípcios e as roupas usadas pelos egípcios no dia a dia. Este pedido revelava a cobiça existente em seus corações, não é verdade??

Será que entre as joias recebidas, estavam incluídas espadas, flechas e outras armas??


Os descendentes de Jacó já tinham suas próprias roupas, não tinham??

Por que queriam as roupas de luxo dos egípcios??

Para que eles queriam as riquezas em ouro e prata dos egípcios?? Por que desejavam possuir tais coisas?? Será que tais coisas também eram vistas como “tesouros” pelos descendentes de Jacó??

Onde estiver o teu tesouro, lá estará o teu coração” – afirmação de Jesus.


Não deviam tais coisas ficarem para trás??

Não eram exatamente estas coisas que se mostravam “atraentes” aos olhos dos israelitas?? Quem tomou a iniciativa em pedir joias em troca da saída?? Seriam tais coisas atraentes aos olhos de Jeová??

Jeová via tais coisas como “coisas abomináveis”, não via??

Estes humanos estavam atrás de riquezas. Estes homens desejavam ardentemente a riqueza, pois condenavam sua condição de escravos e achavam que sendo ricos jamais voltariam para a condição de escravos.


Como as palavras de Jesus nos ajudam a entender esta questão da riqueza desejada pelos descendentes de Jacó ao saírem do Egito na condição de pobres??

(Mateus 6:24) 24 Ninguém pode trabalhar como escravo para dois amos; pois, ou há de odiar um e amar o outro, ou há de apegar-se a um e desprezar o outro. Não podeis trabalhar como escravos para Deus e para as Riquezas.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Mateus 6:24) 24 Ninguém pode servir a dois senhores; pois ou há de aborrecer a um e amar ao outro, ou há de unir-se a um e desprezar ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas.


Se o Pai estiver do lado direito, a riqueza estará do lado esquerdo. Não se misturam, logo, são como água e óleo.

Será que eles desejavam a riqueza, o domínio, o comércio e a glória praticados pelo Egito, visando conquistá-las para si mesmos através de tais coisas desejáveis aos seus olhos, coisas que estavam carregando do Egito??

Quem tem riqueza pode comprar e comprar.

Tinham carência de muitas coisas, não tinham??


O que será que a história mostrou??

Será que a vontade de Jeová para o dia a dia dos descendentes de Jacó na terra de Canaã envolvia em tornarem-se ricos e viverem assim como os egípcios viviam o dia a dia??


O desejo dos descendentes de Jacó era este, não era??


Além de tesouros físicos, o que mais encantava os olhos dos descendentes de Jacó?? Será que haviam costumes egípcios que eles desejavam levar consigo para a terra prometida??


Apedrejar pecadores – este era um dos costumes praticados pelos egípcios.


Assim falou Moisés para Faraó:

(Êxodo 8:25-27) 25 Por fim, Faraó chamou Moisés e Arão, e disse: “Ide, oferecei sacrifícios ao vosso Deus no país.” 26 Moisés disse, porém: “Não é admissível fazer isso, pois ofereceríamos em sacrifício a Jeová, nosso Deus, algo detestável para os egípcios. Suponhamos que sacrificássemos algo detestável para os egípcios, diante dos seus olhos; não nos apedrejariam? 27 Iremos numa jornada de três dias ao ermo e ofereceremos definitivamente sacrifícios a Jeová, nosso Deus, assim como ele nos disse.”


Assim reza a Tradução Brasileira:

(Êxodo 8:25-27) 25 Chamou Faraó a Moisés e a Arão e disse: Ide, oferecei sacrifícios a vosso Deus nesta terra. 26 Respondeu Moisés: Não convém que se faça assim, pois ofereceremos a abominação dos egípcios como sacrifício a Jeová nosso Deus. Oferecendo nós a abominação dos egípcios diante dos seus olhos, não nos apedrejarão eles? 27 Havemos de ir ao deserto caminho de três dias, e oferecer sacrifícios a Jeová nosso Deus, como ele nos ordenar.

Será que o povo escolhido também tinha o desejo de apedrejar desafetos?? Será que encaravam esta forma de resolver problemas no dia a dia como a coisa certa a ser feita?? Será que existiam outras formas de resolver os problemas do dia a dia?? Será que concordavam com esta maneira de fazer as coisas no dia a dia??

Pelo menos foi isto o que Moisés falou para Jeová no ermo de Sim, quando o povo estava impaciente por causa da falta de água:

(Êxodo 17:2-4) 2 E o povo foi altercar com Moisés e dizer: “Dá-nos água, para que bebamos.” Moisés, porém, disse-lhes: “Por que estais altercando comigo? Por que persistis em pôr Jeová à prova?” 3 E o povo tinha ali sede de água, e o povo resmungava contra Moisés e dizia: “Por que é que nos fizeste subir do Egito para fazer morrer de sede tanto a nós como nossos filhos, e nosso gado?” 4 Por fim, Moisés clamou a Jeová, dizendo: “Que hei de fazer com este povo? Mais um pouco e eles me apedrejarão!”


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Êxodo 17:2-4) 2 Contendeu, pois, o povo com Moisés e disse: Dá-nos água para bebermos. Respondeu-lhes Moisés: Por que contendeis comigo? porque tentais a Jeová? 3 Ali o povo teve sede de água, e murmurou o povo contra Moisés, dizendo: Por que nos fizeste sair do Egito, para nos matares de sede a nós, a nossos filhos e ao nosso gado? 4 Clamou Moisés a Jeová: Que farei a este povo? por pouco me não apedreja.

Bem, o povo carregava no seu coração esta forma de resolver problemas. Resolviam problemas com o apedrejamento, ou seja, a morte. Revelavam amar a violência e assolação contra aqueles que não satisfaziam suas vontades imediatas.

Antes de receber os mandamentos dados por Jeová (os dez mandamentos), que incluía o mandamento “não matarás”, assim falou Moisés para o povo:

(Êxodo 19:10-13) 10 E Jeová prosseguiu, dizendo a Moisés: “Vai ao povo, e tens de santificá-los hoje e amanhã, e eles terão de lavar as suas capas. 11 E terão de mostrar-se prontos para o terceiro dia, porque no terceiro dia Jeová descerá sobre o monte Sinai diante dos olhos de todo o povo. 12 E terás de pôr termos ao redor para o povo, dizendo: ‘Guardai-vos de subir ao monte, e não toqueis na extremidade dele. Todo aquele que tocar no monte será positivamente morto. 13 Nenhuma mão deve tocar nele, porque ele será positivamente apedrejado ou será positivamente traspassado [por flechas]. Quer animal quer homem, não viverá.’ Ao toque da buzina de carneiro poderão eles mesmos chegar ao monte.”


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Êxodo 19:10-13) 10 Disse Jeová a Moisés: Vai ter com o povo, e santifica-os hoje e amanhã. Lavem os seus vestidos, 11 e estejam prontos para o terceiro dia, porque no terceiro dia descerá Jeová à vista de todo o povo sobre o monte Sinai. 12 Marcarás em roda limites ao povo, dizendo: Guardai-vos não subais ao monte, nem toqueis o seu termo; todo o que tocar o monte certamente será morto. 13 Mão alguma tocará naquele que o fizer, mas ele será apedrejado ou asseteado; quer seja animal, quer seja homem, não viverá. Quando se prolongar o som da buzina, subirão eles ao monte.

Será que esta era a forma de Jeová ter a obediência às Suas ordens?? Ou obedece ou morre?? Ou faz o que te peço ou vou mandar te matar com espadas e pedras??

Havia uma coação, não havia??

Coação – Esta é a definição dada pelo dicionário Houaiss: violência física ou moral imposta a alguém para que faça, deixe de fazer ou permita que se faça alguma coisa.

2coação

s.f. (1694) 1 ato ou efeito de coagir 2 jur constrangimento, violência física ou moral imposta a alguém para que faça, deixe de fazer ou permita que se faça alguma coisa ¤ etim lat. coactìo,ónis 'ação de recolher, de arrecadar, emprego ou ofício de cobrador; condição imposta, obrigação'


Será que Jeová amava a coação e a usava para ser o “Senhor” dos descendentes de Jacó??

Esta era a forma de autoridade praticada no Egito, não é verdade??

Será que Jeová era um tirano??

Será que Jeová era um ditador??

Será que Jeová estava mandando humanos apedrejarem outros humanos ou matá-los com flechas??

Matem apedrejando ou atirando flechas naquele que desobedecer a esta ordem Minha??

Será que Jeová estava elegendo certos humanos como “carrascos” armados com flechas e pedras??

Matem, simplesmente matem a todo aquele que desobedecer a ordem de não se aproximar da montanha??

Onde é que estes homens haviam conseguido flechas?? Por que estes homens se apoderaram de flechas??

Momentos depois, na montanha, Moisés recebeu o mandamento: “Não matarás”.

Trata-se de um mandamento simples, claro e direto.

Será que Moisés ficou surpreso com este mandamento??

Será que Moisés entendia que o “não matarás” era algo incondicional e permanente?? Em que circunstâncias matar deixava de ser pecado?? Do ponto de vista do Pai, o matar era pecado independente de qualquer circunstância, mas, e para Moisés, o que representava??

O que as ações de Moisés revelaram sobre o seu entendimento de como funcionava tal mandamento??

Moisés mandou que um humano fosse “apedrejado” em pleno deserto por ter blasfemado contra Jeová:

(Levítico 24:10-16) 10 Então, o filho duma mulher israelita, o qual, porém, era filho dum homem egípcio, saiu pelo meio dos filhos de Israel, e o filho da israelita e um homem israelita começaram a brigar entre si no acampamento. 11 E o filho da mulher israelita começou a maldizer o Nome e a invocar o mal sobre ele. De modo que o trouxeram a Moisés. Incidentalmente, o nome de sua mãe era Selomite, filha de Dibri, da tribo de Dã. 12 Puseram-no então em detenção até que se lhes desse um esclarecimento segundo a declaração de Jeová. 13 E Jeová passou a falar a Moisés, dizendo: 14 Leva para fora do acampamento aquele que invocou o mal; e todos os que o ouviram têm de pôr suas mãos sobre a cabeça dele e a assembléia inteira tem de atirar [pedras] nele. 15 E deves falar aos filhos de Israel, dizendo: ‘Caso algum homem invoque o mal sobre o seu Deus, então tem de responder pelo seu pecado. 16 Assim, quem maldisser o nome de Jeová, sem falta deve ser morto. A assembléia inteira deve sem falta atirar pedras nele. O residente forasteiro, igual ao natural, deve ser morto por maldizer o Nome.



(Levítico 24:23) 23 Depois, Moisés falou aos filhos de Israel e eles levaram aquele que invocara o mal para fora do acampamento, e atiraram pedras nele. Deste modo os filhos de Israel fizeram assim como Jeová mandara a Moisés.


Assim verte a Tradição Brasileira:

(Levítico 24:10-16) 10 Dentre os filhos de Israel saiu o filho duma mulher israelita, o qual teve por pai um egípcio. Houve uma contenda no arraial entre o filho da mulher israelita, e um homem de Israel; 11 o filho da mulher israelita blasfemou o Nome, e praguejou. Trouxeram-no a Moisés. Ora o nome de sua mãe era Selomite, filha de Dibri, da tribo de Dã. 12 Puseram-no em prisão, para que viesse a sentença da boca de Jeová. 13 Disse Jeová a Moisés: 14 Tira o que blasfemou para fora do arraial; todos os que o ouviram porão as mãos sobre a cabeça dele, e toda a congregação o apedrejará. 15 Dirás aos filhos de Israel: Todo o homem que amaldiçoar ao seu Deus, levará sobre si o seu pecado. 16 Aquele que blasfemar o nome de Jeová certamente será morto; toda a congregação o apedrejará. Será morto tanto o estrangeiro como o natural, quando blasfemar o Nome.

(Levítico 24:23) 23 Então falou Moisés aos filhos de Israel; eles tiraram aquele que praguejara para fora do arraial, e o apedrejaram. Fizeram os filhos de Israel como Jeová ordenou a Moisés.

Jeová já havia matado diretamente algum humano pelo simples fato de ter blasfemado contra Ele?? Que histórico temos das ações diretas de Jeová quanto a ser blasfemado??

Será que Jeová era uma pessoa que se caracterizava pela intolerância quanto a ser blasfemado??

Será que Jeová usava a coação como motivação para ser “Senhor” da nação de Israel??

Ora, não havia sido Jeová o ofendido?? Não tinha Jeová o poder para punir tal blasfemador no momento que Ele quisesse?? Será que estes homens se sentiram ofendidos no lugar de Jeová?? Será que Moisés estava revelando amar a violência como forma de resolver problemas de ofensas??

Estava Moisés indo muito além de sua função de “mensageiro”??

Não estava Moisés ocupando uma posição de “senhor”??

O que falou Jesus sobre a reação de Jeová ao ser blasfemado??

(Marcos 3:28) 28 Deveras, eu vos digo que todas as coisas serão perdoadas aos filhos dos homens, não importa que pecados e blasfêmias cometam blasfemamente.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Marcos 3:28) 28 Em verdade vos digo: Que aos homens serão perdoados todos os pecados, e as blasfêmias que proferirem;

Será que o fato de Jeová não ter tomado nenhuma ação pessoal neste caso, apesar de todo o poder que tinha, não revelou nada para Moisés e nem para o povo??

Será que Jesus é um grande mentiroso??

Não estava Moisés colocando uma assinatura falsa de Jeová sobre um novo mandamento. Esta regra de comportamento tinha a Jeová como o criador intelectual dela?? Era um mandamento de Jeová ou apenas um mandamento que tinha uma assinatura falsificada de Jeová??

Em outra ocasião, um homem foi visto apanhando gravetos em um sábado.

O que Moisés determinou que fosse feito a este homem que violava o sábado??

(Números 15:32-36) 32 Enquanto os filhos de Israel continuavam no ermo, acharam certa vez um homem apanhando gravetos no dia de sábado. 33 Então os que o acharam apanhando gravetos trouxeram-no a Moisés e a Arão, e a toda a assembléia. 34 Puseram-no então em detenção, porque não se esclarecera o que se havia de fazer com ele. 35 Então, Jeová disse a Moisés: O homem, sem falta, deve ser morto, toda a assembléia atirando nele pedras, fora do acampamento.” 36 Concordemente, a assembléia inteira levou-o para fora do acampamento e atirou nele pedras, de modo que morreu, assim como Jeová mandara a Moisés.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Números 15:32-36) 32 Estando os filhos de Israel no deserto, acharam um homem apanhando lenha no dia de sábado. 33 Os que o acharam apanhando lenha, trouxeram-no a Moisés, a Arão e a toda a congregação. 34 Meteram-no em prisão, porque ainda não estava declarado o que se lhe devia fazer. 35 Então disse Jeová a Moisés: O homem certamente será morto; toda a congregação o apedrejará fora do arraial. 36 Toda a congregação o levou para fora do arraial e o apedrejou, e ele morreu; como Jeová ordenou a Moisés.

De novo a violência?? De novo a intolerância contra o pecador?? De novo “apedrejar”?? Estava Jeová mandando o povo desobedecer ao mandamento que Ele mesmo havia dado para o povo obedecer?? Estava Jeová atribuindo ao povo o dever de matar qualquer homem que violasse o sábado??

Não era este o costume praticado no Egito contra os rebeldes??

Será que o Senhor Jeová era uma pessoa assim como o senhor Faraó, isto é, com as mesmas reações??

Não matarás – este era o mandamento que tinham acabado de receber, não é verdade?? Quando começariam a obedecer este mandamento?? Será que Jeová estava abrindo exceções, determinando circunstâncias nas quais este mandamento não precisava ser obedecido?? Será que nestas circunstâncias o “matar” deixava de ser pecado??

Será que se tratava de uma ação de amor ao próximo como a ti mesmo??

Onde ficava o mandamento “não matarás”??

Quando toda a nação violou o sábado, o que Jeová deveria ter feito com toda a nação??

Quem deveria atirar pedras em toda a nação para que morresse??

Não se afirmava ser este um mandamento dado por Jeová?? Sendo um mandamento de Jeová, deveria haver imparcialidade de Jeová no uso do mandamento, não deveria?? Afinal, independente de quem seja, transgressor do sábado é transgressor do sábado, não é verdade?? Se um transgressor foi morto apedrejado, então, qualquer outro transgressor do sábado devia ser apedrejado, não é verdade??

Que mandamento praticou Jeová nesta ocasião em que toda a nação desrespeitava o sábado??

Foram exterminados?? Não continuaram vivos??

Será que a violência e intolerância através do apedrejamento era um mandamento de Jeová ou um mandamento que tinha uma assinatura falsificada de Jeová??

Será que o apedrejamento passou a ser um mandamento oficial para o povo praticar no dia a dia?? Passou a ser uma regra de comportamento característico daquele reino?? Ao se despedir do povo, que mandamento deixou Moisés para ser obedecido pelo povo??

(Deuteronômio 13:6-10) 6 Caso teu irmão, filho de tua mãe, ou teu filho, ou tua filha, ou tua querida esposa, ou teu companheiro que é como a tua própria alma tente engodar-te às escondidas, dizendo: Vamos e sirvamos a outros deuses’, que não conheceste, nem tu nem teus antepassados, 7 alguns dos deuses dos povos ao redor de vós, os que estão perto de ti e os que estão longe de ti, de uma extremidade do país à outra extremidade do país, 8 não deves aceder ao seu desejo, nem o deves escutar, nem deve teu olho ter dó dele, nem deves ter compaixão, nem deves encobri-lo [em proteção]; 9 mas deves impreterivelmente matá-lo. Tua mão deve ser a primeira a vir sobre ele para o entregar à morte, e depois a mão de todo o povo. 10 E tens de matá-lo a pedradas e ele tem de morrer, visto que procurou desviar-te de Jeová, teu Deus, que te fez sair da terra do Egito, da casa dos escravos.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Deuteronômio 13:6-10) 6 Se teu irmão, filho de tua mãe, ou teu filho, ou tua filha, ou a mulher do teu coração, ou o teu amigo, que te é como a tua alma, te incitar em segredo, dizendo: Vamos e sirvamos outros deuses desconhecidos a ti e a teus pais, 7 dos deuses dos povos que estão ao redor de ti, perto ou longe de ti, desde uma extremidade da terra até a outra,8 não lhe cederás, nem o ouvirás, o teu olho não terá piedade dele, nem o pouparás, nem o esconderás; 9 mas certamente o matarás. A tua mão será a primeira contra ele para o matar, e depois a mão de todo o povo. 10 Tu o apedrejarás, até que morra; porque procurou apartar-te de Jeová teu Deus, que te tirou da terra do Egito, da casa de servidão.

Um mandamento de Jeová ou um mandamento com uma falsa assinatura de Jeová??

Ele tentou desviar-te de seguir a Jeová, teu Deus, logo deveis apedrejá-lo até que morra.

Ora, somente porque alguém tentou convencer outra pessoa sobre determinado assunto, ela deve ser apedrejada??

Não deveria tal pessoa ser convencida de seu erro em lugar de ser apedrejada até a morte??

Quem sabe o que está fazendo não se deixa ser convencido, não é verdade?? Ele convence em lugar de ser convencido, não é verdade?? Trata-se de uma batalha de argumentos, não é verdade??

Bem, isto é o que podemos chamar de intolerância, não é mesmo??

O que aconteceria se alguém, ao tomar conhecimento das tábuas de pedra, e lesse o mandamento “não matarás” e fosse questionar o costume de apedrejar alguém, só porque tal pessoa estava tentando convencer uma outra, ou outro apedrejamento qualquer??

Deveria este homem ser apedrejado por discordar do mandamento dado por Moisés para apedrejar pessoas?? O que diriam a este homem??

Diriam: “Por um acaso você está tentando modificar os costumes deixados por Moisés??”

No entanto, convém perguntar: Seria esta a forma de Jeová fazer as coisas no seu dia a dia com os humanos?? Tratava-se de um costume de Jeová ou um costume de humanos?? Estavam copiando este costume de Jeová ou de outros humanos??

Estavam tendo a IHVH como sendo o Senhor deles??

Será que IHVH praticava a coação para ser o Senhor daqueles humanos??

Se outras nações tentassem desviar a casa de Israel de servirem a Jeová, o que será que Jeová devia fazer a estas nações?? Devia agir de acordo com tal mandamento, matando aqueles que tentavam induzir Israel ao erro??

Todo o povo passou a servir outros deuses, deuses não conhecidos por seus antepassados. O que lhes fez Jeová?? Será que Jeová os apedrejou até o extermínio??

(Jeremias 7:8-11) 8 Eis que confiais em palavras falazes — isto certamente não será de nenhum proveito. 9 Pode haver furto, assassinato, e adultério, e perjúrio, e [oferta de] fumaça sacrificial a Baal, e a ida atrás de outros deuses que não conhecestes, 10 e é preciso que chegueis e que fiqueis de pé diante de mim nesta casa sobre a qual se invocou meu nome e que digais: ‘Havemos de ser livrados’, visto que fazeis todas estas coisas detestáveis? 11 Tornou-se esta casa sobre a qual se invocou meu nome um mero covil de salteadores aos vossos olhos? Eis que eu mesmo também [o] vi”, é a pronunciação de Jeová.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Jeremias 7:8-11) 8 Eis que vós confiais em palavras mentirosas que não vos podem aproveitar.9 Acaso furtareis, matareis, cometereis adultério, jurareis falso, queimareis incenso a Baal, e andareis após outros deuses a quem não conhecestes, 10 e vireis a apresentar-vos diante de mim nesta casa, que é chamada do meu nome, e direis: Somos livres, para que pratiqueis todas estas abominações? 11 Esta casa que é chamada do meu nome, porventura se tornou aos vossos olhos um covil de salteadores? Eis que eu, eu o vi, diz Jeová.

O estado de Judá era deplorável. Estava indo atrás de outros deuses.

O que devia fazer Jeová?? Cumprir este mandamento de apedrejamento de todo o povo, exterminando-o??

(Jeremias 11:9-13) 9 Além disso, Jeová disse-me: “Achou-se conspiração entre os homens de Judá e entre os habitantes de Jerusalém. 10 Eles voltaram aos erros de seus antepassados, os primeiros, que se negaram a obedecer às minhas palavras, mas que andaram, eles mesmos, atrás de outros deuses, a fim de os servir. A casa de Israel e a casa de Judá violaram o meu pacto que concluí com os seus antepassados. 11 Portanto, assim disse Jeová: ‘Eis que trago sobre eles uma calamidade da qual não poderão sair; e certamente clamarão a mim por socorro, mas não os escutarei. 12 E as cidades de Judá e os habitantes de Jerusalém terão de ir e clamar por socorro aos deuses aos quais fazem fumaça sacrificial, mas que positivamente não lhes trarão salvação no tempo da sua calamidade. 13 Porque os teus deuses tornaram-se tantos quantas as tuas cidades, ó Judá; e colocastes tantos altares para a coisa vergonhosa quantas são as ruas de Jerusalém, altares para fazer fumaça sacrificial a Baal.’


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Jeremias 11:9-13) 9 Disse-me mais Jeová: Uma conspiração se achou entre os homens de Judá, e entre os habitantes de Jerusalém. 10 Tornaram às iniqüidades de seus pais, que recusaram ouvir as minhas palavras; e já se foram após outros deuses, para os servir; a casa de Israel e a casa de Judá quebraram a minha aliança que fiz com seus pais. 11 Por isso assim diz Jeová: Eis que vou trazer sobre eles calamidades, de que não poderão escapar; clamarão a mim, porém não os escutarei. 12 Então irão as cidades de Judá e os habitantes de Jerusalém, e clamaram aos deuses aos quais queimarão incenso; mas estes não salvarão de maneira alguma no tempo da sua aflição. 13 Pois segundo o número das tuas cidades são os teus deuses, ó Judá; e segundo o número das ruas de Jerusalém tendes erigido altares a uma coisa vergonhosa, altares para queimardes incenso a Baal.

Tantos deuses quantas são as tuas cidades, ó Judá. Tantos altares erigidos em face de uma coisa vergonhosa quantas são as ruas de Jerusalém.

Será que isto ainda é pouco??

Não deveria Jeová simplesmente cumprir tal mandamento de apedrejamento, aniquilando Judá e todos os habitantes de Jerusalém??

Afinal de contas, Jeová tinha sido o criador deste mandamento de apedrejamento, ou será que não??

O mandamento de apedrejamento era um mandamento de Jeová ou um mandamento que tinha uma assinatura falsificada de Jeová??

Vamos repetir parte do mandamento oposto a um dos dez mandamentos:

não lhe cederás, nem o ouvirás, o teu olho não terá piedade dele, nem o pouparás, nem o esconderás; 9 mas certamente o matarás.

não deves aceder ao seu desejo, nem o deves escutar, nem deve teu olho ter dó dele, nem deves ter compaixão, nem deves encobri-lo [em proteção]; 9 mas deves impreterivelmente matá-lo.



Foram ensinados por outras nações, não foram?? O que disse Jeová??

(Ezequiel 11:10-12) 10 Caireis à espada. No termo de Israel vos julgarei; e tereis de saber que eu sou Jeová. 11 Ela mesma não virá a ser para vós uma panela de boca larga e vós mesmos não vireis a ser carne no meio dela. No termo de Israel vos julgarei, 12 e tereis de saber que eu sou Jeová, pois não andastes nos meus regulamentos e não executastes os meus julgamentos, mas fizestes segundo os julgamentos das nações ao vosso redor.’”



Assim verte a Tradição Brasileira:

(Ezequiel 11:10-12) 10 Caireis à espada; nos confins de Israel vos julgarei e sabereis que eu sou Jeová. 11 Esta cidade não será a vossa caldeira, nem vós sereis a carne no meio dela; nos confins de Israel vos julgarei, 12 e sabereis que eu sou Jeová. Pois não tendes andado nos meus estatutos, nem executado os meus juízos, porém tendes feito conforme as ordenanças das nações que estão ao redor de vós.

Não há qualquer dúvida. Receberam os ensinamentos das nações ao redor, aprenderam e amaram fazer conforme foram ensinadas por estas nações. As regras de comportamento praticadas por Jerusalém eram as regras das nações e não as regras de Jeová. Em face desta situação e do mandamento dado por Moisés, o que Jeová deveria fazer?? Não deveria exterminar tais rebeldes??

Será que Jeová exterminou as nações que ensinaram Judá e Israel a se desviarem de Jeová??

O que Jeová desejava que cada humano fizesse com o seu companheiro??

(Zacarias 7:8-12) 8 E continuou a vir a haver a palavra de Jeová para Zacarias, dizendo: 9 Assim disse Jeová dos exércitos: ‘Fazei o vosso julgamento com verdadeira justiça; e praticai mutuamente benevolência e misericórdias; 10 e não defraudeis nem viúva, nem menino órfão de pai, nem residente forasteiro, nem atribulado, e não maquineis nada de mal um contra o outro nos vossos corações.11 Mas, persistiram em negar-se a prestar atenção e continuaram a oferecer um ombro obstinado, e fizeram seus ouvidos demasiadamente irresponsivos para ouvir. 12 E tornaram seu coração como pedra de esmeril para não obedecer à lei e às palavras que Jeová dos exércitos enviara por meio de seu espírito, por intermédio dos profetas anteriores; de modo que ocorreu grande indignação da parte de Jeová dos exércitos.”


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Zacarias 7:8-12) 8 A palavra de Jeová veio a Zacarias, dizendo: 9 Assim falou Jeová dos exércitos: Julgai juízo verdadeiro, e mostrai misericórdia e compaixão, cada um para com o seu irmão; 10 não oprimais a viúva e o órfão, nem o estrangeiro e o pobre; nenhum de vós intente no seu coração o mal contra o seu irmão. 11 Mas recusaram atender, e rebeldes voltaram a mim as costas, e fecharam os seus ouvidos para não ouvirem. 12 Fizeram duros como diamante os seus corações, para não ouvirem a lei, nem as palavras que Jeová dos exércitos tinha enviado pelo seu espírito por intervenção dos profetas anteriores; portanto da parte de Jeová dos exércitos se acendeu grande ira.

O que fazer com o pecador??

e praticai mutuamente benevolência e misericórdias;

e mostrai misericórdia e compaixão, cada um para com o seu irmão;

Mesmo que o meu irmão faça algo de mal contra mim, o que devo fazer??


e não maquineis nada de mal um contra o outro nos vossos corações.

nenhum de vós intente no seu coração o mal contra o seu irmão

Isto foi o que Jeová pediu. Esta era a vontade declarada de Jeová para o dia a dia da nação.

Usando plenamente o livre-arbítrio, o que fizeram os escolhidos??

Mas, persistiram em negar-se a prestar atenção e continuaram a oferecer um ombro obstinado, e fizeram seus ouvidos demasiadamente irresponsivos para ouvir. 12 E tornaram seu coração como pedra de esmeril para não obedecer à lei e às palavras que Jeová dos exércitos enviara por meio de seu espírito, por intermédio dos profetas anteriores;


Mas recusaram atender, e rebeldes voltaram a mim as costas, e fecharam os seus ouvidos para não ouvirem. 12 Fizeram duros como diamante os seus corações, para não ouvirem a lei, nem as palavras que Jeová dos exércitos tinha enviado pelo seu espírito por intervenção dos profetas anteriores;

Negaram-se a aceitar Jeová como sendo o Senhor deles. Como fizeram isto??

Por se negarem a obedecer aos mandamentos de Jeová, mandamentos de benevolências e misericórdias; mandamentos de misericórdia e compaixão. Mandamentos dados a Moisés.

Segundo Jesus, qual era a base da lei dada por Jeová para Moisés??

(Mateus 22:35-40) 35 E um deles, versado na Lei, perguntou para prová-lo: 36 Instrutor, qual é o maior mandamento na Lei?” 37 Disse-lhe: “‘Tens de amar a Jeová, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua mente.’ 38 Este é o maior e primeiro mandamento. 39 O segundo, semelhante a este, é: ‘Tens de amar o teu próximo como a ti mesmo.’ 40 Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Mateus 22:35-40) 35 e um deles, doutor da lei, para o experimentar, fez-lhe esta pergunta: 36 Mestre, qual é o grande mandamento da Lei? 37 Respondeu-lhe Jesus: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento. 38 Este é o grande e primeiro mandamento. 39 O segundo semelhante a este é: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. 40 Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os profetas.

Estas palavras de Jesus respondem de forma clara sobre a origem dos mandamentos de intolerância, ódio e morte plenamente registrados nas Escrituras, dados por Moisés e cuja origem é atribuída a Jeová.

Estas palavras de Jesus revelam que aqueles mandamentos de violenta intolerância e apedrejamento tinham uma assinatura falsificada de Jeová.

O pedido de Jeová foi que amassem de forma incondicional e permanente todo próximo. Certamente, isto acarretaria em amar àqueles que agissem como inimigos, pois tais supostos inimigos também eram “próximos”. Ou será que “próximo” é somente aquele que me trata bem e que me ama??

Será que era isto o que deveriam fazer desde Moisés?? Será que era isto o que Jeová havia pedido e esperava deles desde Moisés?? O que disse Jesus??

(Mateus 5:43-46) 43 Ouvistes que se disse: ‘Tens de amar o teu próximo e odiar o teu inimigo.’ 44 No entanto, eu vos digo: Continuai a amar os vossos inimigos e a orar pelos que vos perseguem; 45 para que mostreis ser filhos de vosso Pai, que está nos céus, visto que ele faz o seu sol levantar-se sobre iníquos e sobre bons, e faz chover sobre justos e sobre injustos. 46 Pois, se amardes aos que vos amam, que recompensa tendes? Não fazem também a mesma coisa os cobradores de impostos?


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Mateus 5:43-46) 43 Tendes ouvido que foi dito: Amarás o teu próximo e aborrecerás o teu inimigo. 44 Eu, porém, vos digo: Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem, 45 para que vos torneis filhos de vosso Pai que está nos céus, porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e vir chuvas sobre justos e injustos. 46 Pois se amardes aos que vos amam, que recompensa tendes? não fazem os publicanos também o mesmo?

Ficou bem claro que Jeová havia pedido e esperava que a casa de Israel amasse seus inimigos em lugar de odiar os seus inimigos. Usando o livre-arbítrio, a casa de Israel rejeitou este pedido de Jeová e passou a se submeter às informações de outros senhores que lhes davam alimento espiritual.



Sendo Jeová o criador e praticante de tal costume de apedrejamento, os filhos de Israel que copiassem tal costume estavam tendo a Jeová como Senhor.

No entanto, estavam esquecendo aquele mandamento dado por Jeová, não estavam??

Qual era o mandamento??

Não matarás”.

Percebemos que qualquer mandamento que mande matar um pecador qualquer possui uma assinatura falsificada de Jeová.

Mesmo antes de Jesus, o que o Pai Jeová havia informado??

e não maquineis nada de mal um contra o outro nos vossos corações.

nenhum de vós intente no seu coração o mal contra o seu irmão.

Ora, isto é bem claro, não é??

Jesus afirmou: Eu e o Pai somos um.

Será que Jesus daria para seus discípulos a ordem de apedrejar algum pecador??

Ordenaria o Pai que algum filho Seu apedrejasse algum pecador, qualquer pecador??

O que Jesus afirmou em relação as palavras e ações do Pai??

Eu só faço as coisas que o Pai já fez, logo, aquilo que o Pai não fez, eu também não faço.

(João 5:19) 19 Portanto, em resposta, Jesus prosseguiu a dizer-lhes: “Digo-vos em toda a verdade: O Filho não pode fazer nem uma única coisa de sua própria iniciativa, mas somente o que ele observa o Pai fazer. Porque as coisas que Este faz, estas o Filho faz também da mesma maneira.



Assim verte a Tradução Brasileira:

(João 5:19) 19 Jesus, pois, lhes disse: Em verdade, em verdade vos digo que o Filho nada pode fazer de si mesmo, senão o que vir o Pai fazer; porque tudo o que ele fizer, o faz também semelhantemente o Filho.

Será que foi Jeová quem estabeleceu que esta era a diretriz correta para o dia a dia do humano??

Será que foi Jeová quem estabeleceu este costume??

Podemos chamar este costume de “coisa detestável”??

O que fez Jeová ao ser continuamente ofendido na face??

Ele mesmo nos diz o que fez.

(Isaías 65:2-3) 2 O dia inteiro estendi as minhas mãos para um povo obstinado, os que andam no caminho que não é bom, atrás dos seus pensamentos; 3 o povo [que se compõe] dos que de contínuo me ofendem diretamente à minha face, sacrificando nos jardins e fazendo fumaça sacrificial sobre os tijolos,

Assim verte a Tradução Brasileira:

(Isaías 65:2-3) 2 Estendi as minhas mãos o dia todo a um povo rebelde, que anda por um caminho que não é bom, após os seus pensamentos; 3 ao povo que de contínuo me provoca diante da minha face, sacrificando nos jardins e queimando incenso sobre os tijolos;



O que Jeová falou para Ezequiel, centenas de anos depois de Moisés??

Mesmo quando ainda estavam saindo no Egito, os vossos antepassados não me tinham como Senhor, pois eles se rebelaram contra o Meu pedido feito a eles, pois não abandonaram os ídolos do Egito”.

Ora, se eles não levaram para o deserto os ídolos que estavam nos templos dos egípcios, então que ídolos eles levavam??

Eles levavam ídolos visíveis e ídolos invisíveis.

Apedrejar pecadores era um dos ídolos egípcios, isto é, tratava-se de uma solução para a resolução de problemas no dia a dia (violência e assolação). Tratava-se de uma diretriz para o dia a dia. Era uma diretriz fruto da intolerância para com o pecador. A diretriz que define a destruição do pecador como solução para uma vida sem pecados foi a diretriz aceita e vivida no dia a dia pela casa de Israel.

Jeová apresentava uma diretriz (amor incondicional ao próximo), no entanto o povo preferia uma outra diretriz (amor à vítima e ódio ao agressor) que segundo eles era melhor que a diretriz apresentada pelo Pai. O povo discordava da diretriz apresentada por Jeová.

Com o amor incondicional ao próximo, a pessoa deveria continuar amando ao agressor o tanto quanto amava a vítima.

O povo preferia ficar do lado da vítima e contra o agressor, passando a odiar o agressor e a praticar ações de violência e assolação contra o agressor.

A diretriz apresentada por Jeová (uma coisa espiritual) entrava em confronto com outra diretriz apresentada por alguém (praticada por um amado antepassado), diretriz esta que eles concordavam plenamente. De forma simples, este alguém passava a ser o “senhor” para a casa de Israel, pois sua forma de agir passava a ser defendida e copiada por eles.

Desta forma, toda e qualquer diretriz não saída da boca de Jeová passava a ser um invisível ídolo para a casa de Israel.

<> Não queremos mais IHVH como nosso Senhor. Agora queremos um rei humano, para que ele nos julgue nos nossos problemas do dia a dia, resolvendo nossas questões e problemas. <>

O que é isso que a nação de Israel estava dizendo para Jeová??

Não o queriam mais como um Senhor??

Queriam ter um senhor humano chamado de rei?? Este era o desejo do povo??

Quando foi que aconteceu tal catástrofe??

Assim está registrado este fato histórico:

(1 Samuel 8:7-8) 7 Jeová disse então a Samuel: “Escuta a voz do povo referente a tudo o que te dizem; pois, não é a ti que rejeitaram, mas é a mim que rejeitaram como rei sobre eles. 8 Conforme todos os seus feitos que praticaram desde o dia em que os fiz sair do Egito até o dia de hoje, continuamente me abandonando e servindo a outros deuses, assim estão também fazendo a ti.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(1 Samuel 8:7-8) 7 Disse Jeová a Samuel: Ouve a voz do povo em tudo o que eles te dizem; pois não é a ti que eles rejeitaram, mas a mim, para eu não reinar sobre eles. 8 Segundo todas as obras que têm feito desde o dia em que os fiz subir do Egito até o dia de hoje, pois me abandonaram a mim e serviram a outros deuses, assim também te fazem a ti.

Foi nos dias em que o mensageiro Samuel estava vivo.

O povo decidiu ter um senhor humano na figura de um rei.

No entanto, o que disse o Pai sobre o comportamento do povo até aquela data??

Eram obedientes até aquela data, e somente a partir dali é que serviam a outros senhores??

O que disse o Pai??

Rebeldia contínua desde o dia em que IHVH os fez sair do Egito??

O Pai IHVH estava sendo tolerante todo este tempo, admitindo que tivessem outros senhores e que servissem a outros senhores??

O Pai continuaria sendo tolerante com mais esta rebeldia declarada em colocar uma figura humana como rei naquele reino do qual Ele era o Rei??

As informações do Pai sobre aquela situação eram bem claras, não eram??

Desde quando??

O que isso prova??

Prova que o Pai IHVH é uma pessoa tolerante.

<> Uma Pessoa assim tão tolerante não manda matar ninguém que o blasfeme, não é verdade?? <>

Para que queriam esta figura humana diante deles??

(1 Samuel 8:19-20) 19 No entanto, o povo negou-se a escutar a voz de Samuel e disse: “Não, mas um rei virá a estar sobre nós. 20 E também nós teremos de tornar-nos iguais a todas as nações, e o nosso rei terá de julgar-nos, e terá de sair na nossa frente e travar as nossas batalhas....


Assim verte a Tradução Brasileira:

(1 Samuel 8:19-20) 19 Mas o povo não quis escutar a voz de Samuel; e disseram: Não; mas queremos ter um rei sobre nós, 20 para que sejamos também como todas as nações. O nosso rei nos julgará, marchará à nossa frente e pelejará as nossas batalhas.

Queremos ser iguais a todas as nações. Todas elas têm um rei. Todas elas são organizadas em um reinado.

Quem decidirá as nossas questões do dia a dia?? Quem julgará as nossas disputas?? Quem julgará as nossas desavenças?? Quem será senhor sobre nós?? Quem decidirá o que temos de fazer?? Quem nos defenderá daqueles que nos atacam?? Quem é que matará àqueles que nos atacam? Quem defenderá os nossos interesses diante das outras nações??

Bem, eles tinham problemas no dia a dia, não tinham??

Eles tinham o rei humano como a solução para seus problemas, não tinham??

O rei humano os organizaria como um povo e resolveria seus problemas do dia a dia.

Todas as nações ao redor tinham seus senhores, os reis.

Bem, aqueles rebeldes diante de IHVH, desejavam e pediam a existência da figura de um senhor (rei) que os conduziria no dia a dia. De dentro deste senhor (rei) é que sairiam as decisões quanto ao que deviam fazer para resolverem seus problemas do dia a dia

Mas, espere aí. O Pai IHVH já não havia dado os Seus regulamentos, regulamentos estes que eles deveriam praticar no dia a dia??

(Levítico 18:4-5) 4 Deveis cumprir as minhas decisões judiciais e deveis guardar os meus estatutos, para andardes nelas. Eu sou Jeová, vosso Deus. 5 E tendes de guardar os meus estatutos e as minhas decisões judiciais, cumprindo as quais o homem também tem de viver por meio delas. Eu sou Jeová.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Levítico 18:4-5) 4 Cumprireis os meus juízos, e guardareis os meus estatutos, para neles andardes; eu sou Jeová vosso Deus. 5 Guardareis, pois, os meus estatutos e os meus juízos; fazendo os quais, o homem viverá por eles: eu sou Jeová.

Bem, eles já tinham as normas de comportamento que deveriam usar como base para resolverem seus problemas do dia a dia.

<> Vamos ver como foi que Jesus, o rei, agiu nesta circunstância, ou seja, quando dois humanos o procuraram para ele resolver uma disputa entre eles?? <>

Será que Jesus decidiu ser um juiz, como faziam todos os demais reis e autoridades??

(Lucas 12:13-15) 13 Disse-lhe então um dos da multidão: “Instrutor, dize a meu irmão que divida comigo a herança.” 14 Ele lhe disse: “Homem, quem me designou juiz ou partidor sobre vós?” 15 Então lhes disse: “Mantende os olhos abertos e guardai-vos de toda sorte de cobiça, porque mesmo quando alguém tem abundância, sua vida não vem das coisas que possui.”


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Lucas 12:13-15) 13 Um homem disse-lhe do meio da multidão: Mestre, manda a meu irmão que reparta comigo a herança. 14 Mas ele lhe respondeu: Homem, quem me constituiu juiz ou partidor entre vós? 15 Disse ao povo: Olhai e guardai-vos de toda a avareza, porque a vida de um homem não consiste na abundância das coisas que possui.

Ora, era uma situação que exigia um juiz ou partidor?? Havia um problema ente duas pessoas, não havia?? Alguém em autoridade devia decidir aquela questão, não deveria??

Será que Jesus estava agindo de forma errada??

Ou será que Jesus estava agindo da forma mais sábia existente e em plena sintonia com o Pai IHVH??

Jesus negou-se a ser um juiz para aqueles dois homens.

O que fez Jesus??

Jesus apontou a lei.

Jesus lhes apontou o motivo deles estarem naquela disputa.

O erro estava na existência daquela disputa.

Jesus lhes revelou que só havia aquela disputa entre eles dois, porque havia a cobiça neles dois.

Jesus deixou bem claro: Se não houver a cobiça, não haverá a disputa.

Salomão foi aclamado como sábio em face daquela decisão em face da disputa entre aquelas duas mulheres, não é verdade??

Bem, por que será que Jesus não é aclamado como sábio em face desta decisão em relação àqueles dois homens??

Por que será??



Que dizer da escravidão??

O Egito era uma sociedade escravocrata. Toda a sua forma de vida do dia a dia, principalmente a economia, estava baseada no uso de pessoas como escravas. Tratava-se de pessoas que perdiam o seu livre-arbítrio e viviam obrigadas a prestar serviço para outras pessoas. Eram pessoas que viviam para satisfazer as vontades de outras pessoas de forma obrigatória.

Será que a escravidão de algum humano, qualquer humano seria uma vontade de Jeová??

Ora, Jeová estava libertando os descendentes de Jacó da condição de escravos, isto é, pessoas sem livre-arbítrio, e dando-lhes a condição de homens livres.

O que Jeová falou a Moisés no monte Horebe??

(Êxodo 3:7-10) 7E Jeová acrescentou: “Indubitavelmente, tenho visto a tribulação do meu povo que está no Egito e tenho ouvido seu clamor por causa daqueles que os compelem a trabalhar; porque eu bem sei das dores que sofrem. 8 E estou para descer, a fim de livrá-los da mão dos egípcios e para fazê-los subir daquela terra para uma terra boa e espaçosa, para uma terra que mana leite e mel, para o lugar dos cananeus, e dos hititas, e dos amorreus, e dos perizeus, e dos heveus, e dos jebuseus. 9 E agora, eis que chegou a mim o clamor dos filhos de Israel e eu vi também a opressão com que os egípcios os oprimem. 10 E agora vem, e deixa-me enviar-te a Faraó, e faze que meu povo, os filhos de Israel, saia do Egito.”


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Êxodo 3:7-10) 7 Então disse Jeová: Certamente tenho visto a aflição do meu povo que está no Egito, e tenho ouvido o seu clamor por causa dos seus superintendentes. Conheço os seus sofrimentos, 8 e desci para o livrar da mão dos egípcios e para o fazer subir daquela terra para uma terra boa e espaçosa, para uma terra que mana leite e mel; para o lugar do cananeu, do heteu, do amorreu, do perizeu, do heveu e do jebuseu. 9 Agora, eis que o clamor dos filhos de Israel é vindo a mim; demais tenho visto a opressão com que os egípcios os oprimem. 10 Vem tu, pois, e eu te enviarei a Faraó, para que tires do Egito o meu povo, os filhos de Israel.

Para que existem os escravos??

Para serem respeitados quanto ao livre-arbítrio??

Podem escolher tarefas, se devem fazer, e quando e como fazer tais tarefas??

O que falou Jesus sobre o tratamento comumente dado pelos humanos aos seus escravos??

(Lucas 17:7-9) 7 Quem de vós, que tiver um escravo arando ou cuidando do rebanho, lhe dirá, ao chegar ele do campo: ‘Vem logo para cá, e recosta-te à mesa’? 8 Antes, não lhe dirá: ‘Apronta-me algo para a minha refeição noturna, e põe o avental e ministra-me até eu ter acabado de comer e de beber, e depois podes comer e beber’? 9 Será que ele sentirá gratidão pelo escravo porque ele fez as coisas determinadas?


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Lucas 17:7-9) Qual de vós, tendo um servo ocupado na lavoura ou guardando gado, lhe dirá, quando ele voltar do campo: Vem já sentar-te à mesa; 8 e que antes não lhe dirá: Prepara-me a ceia, cinge-te e serve-me, enquanto eu como e bebo; e depois comerás tu e beberás? 9 Porventura agradecerá ao servo, por ter este feito o que lhe havia ordenado?

Os escravos eram tratados com igualdade??

Óbvio que não. Eles não tinham liberdade e nem livre-arbítrio. Só por isto já dá para ver que escravo não é tratado com igualdade (isonomia).

Será que estes homens livres estavam sendo liberados dali do Egito para formarem uma outra sociedade escravocrata, tendo agora os seus próprios escravos??

Será que estes homens desejavam ter seus próprios escravos ou será que tinham repugnância desta ofensa ao livre-arbítrio do indivíduo??

O que a história mostrou??

(Jeremias 34:13-21) 13 Assim disse Jeová, o Deus de Israel: ‘Eu mesmo concluí um pacto com os vossos antepassados no dia em que os fiz sair da terra do Egito, da casa dos servos, dizendo: 14 Ao fim de sete anos deveis cada um de vós deixar ir seu irmão, hebreu, que chegou a ser vendido a ti e que te serviu por seis anos; e tens de deixá-lo ir livre de estar contigo.” Mas, vossos antepassados não me escutaram, nem inclinaram seu ouvido. 15 E vós mesmos vos voltais hoje e fazeis o que é reto aos meus olhos, cada um proclamando liberdade ao seu companheiro, e concluís um pacto perante mim, na casa sobre a qual se tem invocado meu nome. 16 Então voltais atrás e profanais meu nome, e trazeis de volta, cada um seu servo e cada um sua serva, que havíeis deixado ir livres, ao agrado da sua alma, e os sujeitais para se tornarem vossos servos e vossas servas.’ 17 Portanto, assim disse Jeová: ‘Vós mesmos não me obedecestes, para continuardes a proclamar liberdade, cada um a seu irmão e cada um ao seu companheiro. Eis que vos proclamo uma liberdade’, é a pronunciação de Jeová, ‘para a espada, para a pestilência e para a fome, e certamente vos darei para tremor a todos os reinos da terra. 18 E eu vou entregar os homens que infringem meu pacto, visto que não cumpriram as palavras do pacto que concluíram perante mim [com] o bezerro que cortaram em dois para passarem entre os seus pedaços; 19 [a saber,] os príncipes de Judá e os príncipes de Jerusalém, os oficiais da corte, e os sacerdotes, e todo o povo da terra, que passaram entre os pedaços do bezerro — 20 sim, vou entregá-los na mão dos seus inimigos e na mão dos que procuram a sua alma; e seus cadáveres terão de tornar-se alimento para as criaturas voadoras dos céus e para os animais da terra. 21 E Zedequias, rei de Judá, e seus príncipes entregarei na mão dos seus inimigos, e na mão dos que procuram a sua alma, e na mão das forças militares do rei de Babilônia, que se estão retirando de [ir] contra vós.’


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Jeremias 34:13-21) 13 Assim diz Jeová, Deus de Israel: Eu fiz uma aliança com vossos pais no dia em que os tirei da terra do Egito, da casa de servidão, dizendo: 14 Ao fim de sete anos, deixareis ir cada um a seu irmão hebreu que te for vendido e que te houver servido seis anos, deixá-lo-ás ir de ti livre; vossos pais, porém, não me ouviram, nem inclinaram os seus ouvidos. 15 Há pouco tornastes e fizestes o que é reto nos meus olhos, apregoando liberdade cada um ao seu próximo; tínheis feito uma aliança diante de mim na casa que é chamada do meu nome; 16 mas tornastes a profanar o meu nome, fazendo voltar cada um o seu servo, e cada um a sua serva, que haveis deixado ir livres conforme a sua vontade, e sujeitando-os para que fossem vossos servos e servas. 17 Portanto assim diz Jeová: Vós não me ouvistes, para apregoardes a liberdade, cada um a seu irmão e cada um ao seu próximo; eis que vos estou apregoando a liberdade, diz Jeová, para a espada, para a peste e para a fome; farei que sejais um espetáculo horrendo a todos os reinos da terra. 18 Entregarei os homens que transgrediram a minha aliança, e não cumpriram as palavras da aliança que fizeram diante de mim, quando dividiram em duas partes o bezerro e passaram pelo meio das suas porções. 19 Os príncipes de Judá, e os príncipes de Jerusalém, e os eunucos, e os sacerdotes, e todo o povo da terra, os quais passaram pelo meio das porções do bezerro; 20 eu os entregarei nas mãos dos seus inimigos, e nas mãos dos que procuram tirar-lhes a vida; os seus cadáveres servirão de pasto para as aves do céu e para os animais da terra. 21 A Zedequias, rei de Judá, e os seus príncipes, entregá-los-ei nas mãos dos seus inimigos e nas mãos dos que procuram tirar-lhes a vida, e nas mãos do exército do rei de Babilônia, que se retiraram de vós.

Eles não amavam a “liberdade”. Eles não abominavam a escravatura. Eles eram uma nação escravocrata assim como o Egito o era, e todas as demais nações ao redor o eram.

Eles eram escravocratas e amavam ter seus escravos. Revelaram estar viciados em ter escravos. Revelaram não conseguir viver sem escravos.

O que dizer dos homens, mulheres e crianças escravizados pelo povo amado de Jeová, será que também eram amados por Jeová?? Certamente, que sim.

O que teria de acontecer para que não mais existissem escravos?? Que os escravocratas mudassem de opinião em relação à “escravidão”.

Para deixar de haver escravos, aqueles homens precisavam “libertar” os seus escravos. Não deveriam ser obrigados a libertarem os escravos. Deviam libertá-los de livre e espontânea vontade. Praticando o livre-arbítrio, eliminariam sua vontade de escravizar pessoas, passando a amar a liberdade para todas as pessoas.

A história revela que, embora Jeová os tenha libertado da escravidão do Egito, aqueles escravos libertados já desejavam escravizar humanos e continuaram a praticar a escravidão de outros humanos, mesmo no deserto.

Será que revelavam aceitar ter Jeová como Senhor para o dia a dia deles??

A história dá a resposta.

No entanto, aqueles homens apresentavam um mandamento que os autorizava a escravizarem outros humanos. Seria um mandamento dado por Jeová ou seria um mandamento com uma assinatura falsificada de Jeová??

Diferente de todos os humanos, que tratamento deu Jesus como Amo aos seus escravos??

(João 13:12-17) 12 Tendo então lavado os pés deles e vestido a sua roupagem exterior, e tendo-se deitado novamente à mesa, disse-lhes: “Sabeis o que vos tenho feito? 13 Vós me chamais de ‘Instrutor’ e ‘Senhor’, e falais corretamente, pois eu o sou. 14 Portanto, se eu, embora Senhor e Instrutor, lavei os vossos pés, vós também deveis lavar os pés uns dos outros. 15 Pois estabeleci o modelo para vós, a fim de que, assim como eu vos fiz, vós também façais. 16 Digo-vos em toda a verdade: O escravo não é maior do que o seu amo, nem é o enviado maior do que aquele que o enviou. 17 Se sabeis estas coisas, felizes sois se as fizerdes.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(João13:12-17) 12 Depois de lhes ter lavado os pés, tomou as suas vestes e, pondo-se de novo à mesa, perguntou-lhes: Compreendeis o que vos tenho feito? 13 Vós me chamais Mestre, e Senhor, e dizeis bem; porque eu o sou. 14 Se eu, pois, sendo Senhor e Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns aos outros; 15 porque vos dei exemplo, a fim de que, como eu fiz, assim façais vós também. 16 Em verdade, em verdade vos digo que o servo não é maior do que seu senhor, nem o enviado maior do que aquele que o enviou. 17 Se sabeis estas coisas, bem-aventurados sois se as praticardes.

Eu sou o Mestre e Senhor de vocês, no entanto, eu respeito o vosso livre-arbítrio e lavei os vossos pés em sinal de humildade. Eu vos estabeleço o modelo também neste assunto.

Será que a “riqueza” é um senhor??

Vamos recorrer a Jesus. O que ele falou a respeito da riqueza no sermão do monte??

(Mateus 6:24) 24 Ninguém pode trabalhar como escravo para dois amos; pois, ou há de odiar um e amar o outro, ou há de apegar-se a um e desprezar o outro. Não podeis trabalhar como escravos para Deus e para as Riquezas.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Mateus 6:24) 24 Ninguém pode servir a dois senhores; pois ou há de aborrecer a um e amar ao outro, ou há de unir-se a um e desprezar ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas.

A riqueza é um amo. A riqueza é um senhor.

A riqueza exerce poder, dominação e influência sobre pessoas, logo, é um senhor, um amo.

A pessoa passa a desejá-la e a viver em função dela.

A riqueza tem a sua filosofia própria para a vida no seu dia a dia.

Aquele que aceita a riqueza como sendo seu senhor, sujeita-se a filosofia de vida que levará à riqueza, pois concorda plenamente com ela.

Quem busca a riqueza está indo na direção oposta de Jeová – esta foi a afirmação de Jesus.

Quem busca a riqueza não está adotando Jeová como seu Senhor, na verdade esta pessoa está adotando um outro senhor, isto é, a riqueza.

O que buscava o povo escolhido quando ainda estava no ermo?? O que desejava??

Que perspectivas lhes criou Moisés em relação ao senhor chamado “riqueza”??

(Deuteronômio 15:4-6) 4 No entanto, ninguém deve ficar pobre no teu meio, porque Jeová, sem falta, te abençoará na terra que Jeová, teu Deus, te dá por herança, para tomares posse dela, 5 contanto que impreterivelmente escutes a voz de Jeová, teu Deus, de modo a cuidar em cumprir todo este mandamento que hoje te ordeno. 6 Pois, Jeová, teu Deus, deveras te abençoará assim como te prometeu, e certamente emprestarás sob caução a muitas nações, ao passo que tu mesmo não tomarás empréstimo; e tens de dominar sobre muitas nações, ao passo que elas não dominarão sobre ti.



Assim verte a Tradução Brasileira:

(Deuteronômio 15:4-6) 4 Contudo não haverá entre ti pobre algum (pois Jeová certamente te abençoará na terra que Jeová teu Deus te está dando por herança para a possuíres), 5 se somente ouvires diligentemente a voz de Jeová teu Deus, para cuidares de cumprir todo este mandamento que eu hoje te ordeno. 6 Porque Jeová teu Deus te abençoará, como te prometeu; emprestarás a muitas nações, mas não tomarás empréstimos; dominarás sobre muitas nações, porém elas não dominarão sobre ti.

Em relação a alcançar a riqueza (senhor riqueza), o que mais falou Moisés??

(Deuteronômio 28:12-13) 12 Jeová te abrirá seu bom depósito, os céus, para dar chuva à tua terra na sua estação e para abençoar todo ato da tua mão; e certamente emprestarás a muitas nações, ao passo que tu mesmo não tomarás empréstimo. 13 E Jeová te porá deveras à cabeça e não na cauda; e terás de vir a estar somente em cima e não virás a estar embaixo, por estares obedecendo aos mandamentos de Jeová, teu Deus, que hoje te ordeno observar e cumprir.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Deuteronômio 28:12-13) 12 Jeová te abrirá o seu bom tesouro, o céu, para dar a chuva da tua terra a seu tempo, e para abençoar todas as obras das tuas mãos. Emprestarás a muitas nações, porém não tomarás emprestado. 13 Jeová fará que sejas a cabeça, e não a cauda; e só estarás em cima, e não debaixo; desde que ouças os mandamentos de Jeová teu Deus, que eu hoje te ordeno, para os observares e cumprires.

Prosperidade e mais prosperidade. Tanta prosperidade que teriam para emprestar a muitas nações e não depender do empréstimo de nenhuma nação.

Ora, não é esta a filosofia de vida da riqueza??

O povo estava ouvindo exatamente aquilo que desejava ouvir. Estavam liberados para buscarem continuamente a riqueza e serem mais ricos que todos os demais povos da terra.

Tanta prosperidade que chegariam ao ponto de dominar sobre as demais nações, comandar as demais nações (ser a cabeça e não a cauda) e dominar as demais nações (só estar em cima, e não viras a estar embaixo).

O que proporcionaria toda esta situação de domínio sobre as outras nações??

A riqueza, obviamente.

A riqueza traria o domínio e o domínio traia mais riquezas.

Sonho dos israelitas quando Moisés ainda estava vivo: Uma nação abençoada receberia mais que as outras nações (nações não abençoadas), logo, teria mais a armazenar. Quem tem mais armazenado empresta e lucra. Quem empresta e lucra, certamente enriquece. Quanto maior a riqueza, maior é o domínio sobre os outros.

Tratava-se de uma informação dada por Jeová ou seria mais uma informação com uma assinatura falsificada de Jeová??

Uma coisa ficou bem óbvia em relação ao povo escolhido: Eles amavam e buscavam a riqueza. Eles trabalhavam como escravos para a riqueza; eles serviam ao senhor (a) chamado “riqueza”.

Desejavam a riqueza, não desejavam??

Onde estava o coração destes humanos?? Onde estiver o teu tesouro ali estará o teu coração.

O que pensavam quanto aos juros, aqueles que tinham a riqueza como “senhor”??

O que é o juro??

É um dos elementos essenciais na busca da riqueza.

Juro – esta é a definição dada pelo dicionário Houaiss: quantia que se remunera um credor pelo uso do seu dinheiro por parte de um devedor durante um período determinado.

juro

s.m. (1101) 1 quantia que remunera um credor pelo uso de seu dinheiro por parte de um devedor durante um período determinado, ger. uma percentagem sobre o que foi emprestado 2 renda ou rendimento de capital investido 3 fig. <a vingança virá com juros> 4 fig. recompensa, prêmio <aqui tem os j. de sua boa ação> ² j. composto econ juro calculado sobre um montante principal acrescido de seus próprios juros • j. de mora econ aquele que é devido pelo atraso no pagamento de uma dívida • j. simples econ juro calculado sobre um capital fixo, sobre o montante principal de um empréstimo ¤ uso em todas as acp., mais empr. no pl. ¤ etim lat. jus,juris 'direito, equidade, justiça' ¤ hom juro(fl.jurar)


Trata-se do ganho obtido quando se pratica o ato de emprestar algo. Trata-se da vantagem que se usufrui em face da necessidade da outra pessoa que vem a ti pedir aquilo que tens sobrando.

O juro é algo desejável aos olhos daquele que tem a riqueza como sendo senhor (a).

Aos olhos de Jeová, o que é o juro??

(Êxodo 22:25) 25 Se emprestares dinheiro ao meu povo, ao atribulado ao teu lado, não deves tornar-te como agiota para ele. NÃO LHE DEVES IMPOR JUROS.

Assim verte a Tradução Brasileira: (Êxodo 22:25) 25 Se emprestares dinheiro a algum pobre dentre o meu povo que está contigo, não lhe serás como credor; nem lhe exigirás juros.


Aquele que cobra juros se torna um agiota, agindo como um credor e visando o ganho, o lucro.

O Pai Jeová estipulou uma regra de comportamento para aqueles humanos: “No vosso relacionamento não deve existir a palavra '‘lucro’' logo, não deve existir o ato de lucrar”.


Aquele humano que realmente tivessem a Jeová como seu Senhor, viveria o seu dia a dia de acordo com esta regra de comportamento, ou seja iria abolir completamente o “lucro” da sua vida.


Lucro – esta é a definição dada pelo dicionário Houaiss: qualquer vantagem, benefício (material, intelectual ou moral) que se pode tirar de alguma coisa.


lucro

s.m. (1696) 1 qualquer vantagem, benefício (material, intelectual ou moral) que se pode tirar de alguma coisa 2 econ ganho auferido durante uma operação comercial ou no exercício de uma atividade econômica ² l. bruto econ aquele que é dado pela diferença efetiva entre o preço de aquisição, ou de custo, e o preço de venda alcançado • l. líquido econ aquele que é dado pela diferença entre o preço de aquisição ou de custo, aumentado das despesas necessárias para operar a venda ¤ etim lat. lucrum,i 'ganho, vantagem, proveito' ¤ sin/var ágio, benefício, emolumento, gança, ganço, ganho, interesse, maneio, proveito, usura, vantagem ¤ ant prejuízo ¤ hom lucro(fl.lucrar)


Receber mais do que emprestou é praticar o “lucro”. Praticar juros é praticar o lucro, é buscar e tirar “vantagem” em cima de outra pessoa.


JUROSA PALAVRA SAÍDA DA BOCA DE JEOVÁ E FALADA DIRETAMENTE A EZEQUIEL CENTENAS DE ANOS DEPOIS: "COBRAR JUROS" É UM ATO DE INIQÜIDADE, É UMA COISA DETESTÁVEL, INDEPENDENTE DE QUEM SEJA A VÍTIMA.


(Ezequiel 18:5-9) 5 “‘E no que se refere ao homem, se ele veio a ser justo e tem praticado o juízo e a justiça; 6 se não comeu nos montes e não elevou seus olhos para os ídolos sórdidos da casa de Israel, e não aviltou a esposa de seu companheiro, e não se chegou a uma mulher na sua impureza; 7 e se não maltratou a nenhum homem; se restituiu o penhor tomado pela dívida; se não arrebatou nada em roubo; se deu o seu próprio pão ao faminto e cobriu com roupa ao que estava nu; 8 SE NÃO DEU NADA EM TROCA DE JUROS e não tomou usura; se retirou sua mão da injustiça; se praticou a verdadeira justiça entre homem e homem; 9 se tem andado nos meus estatutos e tem guardado as minhas decisões judiciais para praticar a verdade, ELE É JUSTO. Ele positivamente continuará a viver’, é a pronunciação do Soberano Senhor Jeová.

(Ezequiel 18:10-13) 10 “‘E [se] alguém se tornou pai de um filho que é salteador, derramador de sangue, que fez coisas semelhantes a uma destas; 11 (mas ele mesmo não fez nenhuma destas coisas;) se também comeu sobre os montes e aviltou a esposa de seu companheiro; 12 se maltratou o atribulado e pobre; se arrebatou coisas em roubo, não restituindo a coisa tomada em penhor; e se elevou seus olhos para os ídolos sórdidos, fez uma coisa detestável. 13 Deu em troca de usura e COBROU JUROS, e ele positivamente não continuará a viver. Fez todas estas coisas detestáveis. POSITIVAMENTE SERÁ MORTO. Sobre ele é que virá a haver seu próprio sangue.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Ezequiel 18:5-9) 5 Porém, se um homem for justo, e fizer o que é de eqüidade e justiça, 6 e se não comer sobre os montes, nem levantar os seus olhos para os ídolos da casa de Israel, nem contaminar a mulher do seu próximo, nem se chegar à mulher na sua separação; 7 se não oprimir a ninguém, porém tornar ao devedor o seu penhor, se não tirar nada do alheio por violência, se der do seu pão ao que tem fome e ao nu cobrir com vestido; 8 se não der o seu dinheiro à usura, nem receber mais do que o que emprestou, se desviar a sua mão da iniqüidade, e fizer verdadeiro juízo entre homem e homem; 9 se andar nos meus estatutos, e guardar os meus juízos, para proceder segundo a verdade; este tal é justo, certamente viverá, diz o Senhor Jeová.

(Ezequiel 18:10-13) 10 Se ele gerar um filho que se torne salteador, que derrame sangue e que faça a seu irmão qualquer destas coisas, 11 e que não cumpra com nenhum destes deveres, porém coma sobre os montes, e contamine a mulher do seu próximo, 12 oprima ao pobre e necessitado, tire de outro com violência, não devolva o penhor, e levante os seus olhos aos ídolos, cometa abominações, 13 dê o seu dinheiro à usura, e receba mais do que emprestou: acaso viverá ele? não viverá. Comete todas estas abominações; certamente morrerá, o seu sangue será sobre ele.


Se recebeu mais do que emprestou ele cometeu uma abominação. Se cobrou juros ele cometeu uma abominação. Se viveu de ganho, ele cometeu uma abominação.

Se ele viveu sem cobrar juros, ele é justo.

Justo é aquele que vive o seu dia a dia sem praticar o lucro.

Se cobrou juros e deu algo em troca de usura, em troca de lucro (agiota, interesseiro), se condicionou o "dar", fez uma coisa detestável. Aquele que praticou o lucro certamente morrerá. Sua penalidade é a morte.


O que fez o povo durantes os séculos depois da morte de Moisés??


Recebeu mais do que emprestou. O Povo tinha o lucro como a base de suas negociações. O povo tinha o lucro como base do seu relacionamento no dia a dia entre si mesmos e com outros povos.

Apesar do povo achar totalmente normal a forma de vida que viviam, o que o Pai estava vendo o povo fazer??


(Ezequiel 22:12) 12 Em ti aceitaram suborno com o fim de derramar sangue. Cobraste juros e usura, e continuas a lucrar violentamente dos teus companheiros com defraudação, e a mim me esqueceste’, é a pronunciação do Soberano Senhor Jeová.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Ezequiel 22:12) 12 No meio de ti receberam peitas para derramarem o sangue; usura e ganhos ilícitos tomaste, e ávido de sórdidas ganâncias trataste o teu próximo com opressão, e de mim te esqueceste, diz o Senhor Jeová.


Não era o lucro a base do relacionamento entre todos os povos?? Como negociar sem lucro?? Como viver sem negociar??


O povo escolhido passou a dizer: “Eles não vão tirar vantagem sobre nós. Somos nós que vamos tirar vantagens em cima deles, pois nós temos a bênção de Deus”.


Qual foi o resultado visto pelo Pai??

- Continuas a lucrar violentamente dos teus companheiros com defraudação.

- Ávido de sórdidas ganâncias trataste o teu próximo com opressão.

Assim se comportam as pessoas que têm a riqueza como seu senhor. Estes se comportam de uma forma oposta àquela pedida pelo Pai.

Desta forma, ficou bem claro que o povo escolhido não tinha a Jeová como seu Senhor. Ficou bem claro que tinham outros senhores.

No entanto, aqueles humanos apresentavam um mandamento que os autorizava a cobrar juros dos estrangeiros. Novamente perguntamos: Tratava-se de um mandamento dado por Jeová ou não passava demais um dos mandamentos que tinham uma assinatura falsificada de Jeová??

Um outro “senhor” lhes autorizou a cobrarem juros. Outro “senhor” lhes autorizou a viverem o dia a dia cobrando juros.

(Deuteronômio 23:19-20) 19 Não deves fazer teu irmão pagar juros, juros sobre dinheiro, juros sobre mantimentos, juros sobre qualquer coisa pela qual se possam cobrar juros. 20 Podes fazer o estrangeiro pagar juros, mas não deves fazer teu irmão pagar juros, para que Jeová, teu Deus, te abençoe em todo empreendimento teu na terra à qual vais para tomar posse dela.


Assim verte a Tradução Brasileira:


(Deuteronômio 23:19-20) 19 Não exigirás de teu irmão juros, nem de dinheiro, nem de comida, nem de coisa alguma por que se exigem juros. 20 De um estrangeiro poderás exigir juros; porém de teu irmão não os exigirás, para que Jeová teu Deus te abençoe em todas as coisas em que puseres a mão, na terra em que tu estás entrando para a possuíres.

No entanto, o Senhor Jeová avisou que os estava punindo por viverem o dia a dia praticando o lucro.

Lucrastes em cima de teus companheiros. Tratastes o teu próximo com defraudação.


Mesmo que não tivessem praticado o lucro entre os membros da organização de Jeová, não haviam praticado o lucro em cima dos estrangeiros??

Será que para o Senhor Jeová havia diferença entre lucrar contra os naturais ou lucrar contra os estrangeiros??


O Senhor Jeová revelou que o ato de lucrar e a palavra lucro não deviam fazer parte do dia a dia daqueles que o tivessem como Senhor.



No entanto o “senhor” Moisés lhes autorizou a viverem o dia a dia praticando o lucro.

Ff

ll

Fornecido um exemplo.

O Pai celestial chama a atenção de seu povo para um grupo de pessoas que considera um antepassado morto como um “senhor” para eles.

Que povo era este?? Quem era o antepassado morto?? Qual era o comportamento do povo em relação a este antepassado morto??

(Jeremias 35:3-10) 3 Portanto, tomei a Jaazanias, filho de Jeremias, filho de Habazinias e seus irmãos, e todos os seus filhos, e todos os da casa dos recabitas, 4 e passei a levá-los à casa de Jeová, ao refeitório dos filhos de Hanã, filho de Igdalias, homem do [verdadeiro] Deus, que se achava ao lado do refeitório dos príncipes, que estava por cima do refeitório de Maaséias, filho de Salum, guarda da porta. 5 Então pus diante dos filhos da casa dos recabitas cálices cheios de vinho e copos, e disse-lhes: “Bebei vinho.” 6 Mas eles disseram: “Não beberemos vinho, porque Jonadabe, filho de Recabe, nosso antepassado, foi quem nos deu a ordem, dizendo: ‘Não deveis beber vinho, nem vós nem os vossos filhos, por tempo indefinido. 7 E não deveis construir casa e não deveis semear semente; e não deveis plantar vinhedo, nem deve tornar-se vosso. Mas em tendas é que deveis morar todos os vossos dias, para que continueis vivendo por muitos dias na superfície do solo onde residis como forasteiros.’ 8 De modo que continuamos a obedecer à voz de Jonadabe, filho de Recabe, nosso antepassado, em tudo o que nos ordenou, não bebendo absolutamente nenhum vinho, todos os nossos dias, nós, nossas esposas, nossos filhos e nossas filhas, 9 e não construindo casas para morarmos nelas, para que nenhum vinhedo, nem campo, nem semente se tornem nossos. 10 E continuamos a morar em tendas e a obedecer e a fazer segundo tudo o que Jonadabe, nosso antepassado, nos ordenou.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Jeremias 35:3-10) 3 Tomei a Jazanias, filho de Jeremias, filho de Habazinias, e a seus irmãos e a todos os seus filhos e a toda a casa dos recabitas; 4 e os introduzi na casa de Jeová, na câmara dos filhos de Hanã, filho de Jigdalias, homem de Deus, a qual estava junto à câmara dos príncipes, e ficava sobre a câmara de Maaséias, filho de Salum, guarda do vestíbulo; 5 e pus diante dos filhos da casa dos recabitas taças cheias de vinho, e copos, e disse-lhes: Bebei vinho. 6 Eles, porém, responderam: Não beberemos vinho, porque Jonadabe, filho de Recabe, nosso pai, nos ordenou, dizendo: Não bebereis vinho, nem vós, nem vossos filhos, nunca jamais; 7 não edificareis casa, nem semeareis semente, nem plantareis vinha, nem a possuireis; mas habitareis em tendas todos os vossos dias, para que vivais muitos dias sobre a face da terra, em que vós sois peregrinos. 8 Temos obedecido à voz de Jonadabe, filho de Recabe, nosso pai, em toda a palavra que nos ordenou, de não bebermos vinho em todos os nossos dias, nós, nossas mulheres, nossos filhos e nossas filhas; 9 nem de edificarmos casas para nossa moradia; nem de possuirmos vinha, nem campo, nem semente; 10 mas temos habitado em tendas, e temos obedecido e feito segundo tudo o que Jonadabe, nosso pai, nos ordenou.

O que diziam eles?

De modo que continuamos a obedecer à voz de Jonadabe, filho de Recabe, nosso antepassado, em tudo o que nos ordenou,

Temos obedecido à voz de Jonadabe, filho de Recabe, nosso pai, em toda a palavra que nos ordenou

Tal antepassado não estava ali presente e nem estava vivo, no entanto, eles afirmavam estarem obedecendo a voz de um homem morto, apesar de todos os demais povos em volta estarem andando na direção oposta. Estes homens faziam questão de obedecer à voz de Jonadabe. Estes homens faziam questão de obedecer à voz de um homem morto.

Permanente e incondicional. Esta foi a forma como obedeciam ao mandamento de Jonadabe, um homem morto. Não enriqueçam - isto foi o que pediu Jonadabe.

O que Jeová chamou a atenção??

(Jeremias 35:12-16) 12 E passou a vir a haver a palavra de Jeová para Jeremias, dizendo: 13 Assim disse Jeová dos exércitos, o Deus de Israel: ‘Vai, e tens de dizer aos homens de Judá e aos habitantes de Jerusalém: “Não recebestes continuamente exortação para obedecerdes às minhas palavras?” é a pronunciação de Jeová. 14 Houve cumprimento das palavras de Jonadabe, filho de Recabe, que ele ordenou aos seus filhos, para não beberem vinho, e eles não beberam nenhum até o dia de hoje, porque obedeceram ao mandamento de seu antepassado. E no que se refere a mim, falei-vos, levantando-me cedo e falando, mas não me obedecestes. 15 E eu continuei a enviar-vos todos os meus servos, os profetas, levantando-me cedo e enviando-os, dizendo: ‘Recuai, por favor, cada um do seu mau caminho, e tornai boas as vossas ações, e não andeis atrás de outros deuses para servi-los. E continuai morando no solo que dei a vós e aos vossos antepassados.’ Mas vós não inclinastes o vosso ouvido nem me escutastes. 16 Mas os filhos de Jonadabe, filho de Recabe, cumpriram o mandamento de seu antepassado, que este lhes ordenou; quanto a este povo, porém, não me escutaram.”’”


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Jeremias 35:12-16) 12 Veio a palavra de Jeová a Jeremias, dizendo: 13 Assim diz Jeová dos exércitos, Deus de Israel: Vai, e dize aos homens de Judá e aos habitantes de Jerusalém: Acaso não recebereis instrução para ouvirdes as minhas palavras? diz Jeová. 14 Guardadas têm sido as palavras de Jonadabe, filho de Recabe, pelas quais ordenou a seus filhos que não bebessem vinho; e até o dia de hoje não o têm bebido, porque obedecem ao mandamento de seu pai; eu, porém, vos tenho falado a vós, levantando-me cedo e falando, e não me tendes escutado. 15 Também vos tenho enviado a vós todos os meus servos, os profetas, levantando-me cedo e enviando-os, a dizer: Tornai-vos agora, cada um do seu mau caminho, e emendai os vossos feitos, e não vades após outros deuses para os servirdes, e habitareis na terra que vos dei a vós e a vossos pais; porém não inclinastes os vossos ouvidos, nem me escutastes. 16 Porquanto os filhos de Jonadabe, filho de Recabe, têm guardado o mandamento de seu pai, que lhes ordenou, mas este povo não tem escutado;

Um povo que tinha Jonadabe como um “senhor”.

Eles obedeceram ao antepassado morto, mas vós, não me obedecestes.

Ter alguém como “senhor” é revelado através da contínua obediência a um pedido feito por esta pessoa, independente das circunstâncias, na presença ou na ausência, e mesmo que todas as demais pessoas ao redor façam diferente do que foi pedido por esta pessoa.

O povo dizia: Jeová é o nosso Senhor. O Senhor deve satisfazer as nossas vontades.

O povo afirmava: Temos a Jeová como nosso Deus.

Jeová dizia: Vocês são rebeldes e vivem servindo a vários senhores.

Até então, acompanhamos o comportamento do povo escolhido e ensinado de Israel no tocante a ter a Jeová como sendo seu Senhor.

Agora vejamos as palavras de Jesus prevendo o comportamento de seus discípulos na corrente do tempo e mostrando claro o que é ter ao Pai como “Senhor”.

Quando Jesus estava como humano o que ele falou para seus discípulos quanto a estes o chamarem de Senhor??

(Lucas 6:46) 46 Por que, então, me chamais de ‘Senhor! Senhor!’, mas não fazeis o que eu digo?


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Lucas 6:46) 46 Por que me chamais, Senhor, Senhor, e não fazeis o que vos mando?

O que temos como definição dada por Jesus??

Ter uma pessoa como senhor se revela quando você passa a fazer o que ela manda ou o que ela diz. Não se trata de mera afirmação com os lábios.

Que previsão fez Jesus em relação ao futuro de seus discípulos??

(Mateus 7:21-23) 21 Nem todo o que me disser: ‘Senhor, Senhor’, entrará no reino dos céus, senão aquele que fizer a vontade de meu Pai, que está nos céus. 22 Muitos me dirão naquele dia: ‘Senhor, Senhor, não profetizamos em teu nome e não expulsamos demônios em teu nome, e não fizemos muitas obras poderosas em teu nome?’ 23 Contudo, eu lhes confessarei então: Nunca vos conheci! Afastai-vos de mim, vós obreiros do que é contra a lei.


Assim verte a Tradição Brasileira:

(Mateus 7:21-23) 21 Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor, entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus. 22 Naquele dia muitos hão de dizer-me: Senhor, Senhor, não profetizamos em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? 23 Então lhes direi claramente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, os que praticais a iniqüidade.

De forma idêntica, os discípulos de Jesus cometeriam os mesmos erros da nação de Israel. Com a boca, afirmariam ter a Jesus como Senhor. Até mesmo mostrariam seus feitos, que, segundo eles os identificavam como tendo a Jesus como sendo Senhor.

O que apresentavam como indicativo de terem Jesus como Senhor?? Profetizamos em teu nome; expulsamos demônios em teu nome; fizemos muitos milagres em teu nome.

Estas coisas apresentadas eram reais?? Sim. Eram coisas realmente feitas em nome de Jesus, com o poder dado por Jesus para que eles as fizessem. Sim, haviam recebido o espírito santo para fazerem tais coisas e as fizeram.

Novamente, Jesus revelou o que é ter ao Pai como Senhor.

Ele afirmou:

senão aquele que fizer a vontade de meu Pai, que está nos céus.

mas aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus

Aquele humano individual que fizer a vontade do meu Pai.

Fazer a vontade do Pai.

Abrir mão de sua vontade para fazer a vontade do Pai.

Tornar a vontade do Pai a sua própria vontade.

O humano perguntaria: Eu recebi o espírito santo e realizei a vontade do meu Pai, não realizei??

O Pai expressa a Sua vontade. O humano satisfaz esta vontade externada pelo Pai.

O que dizer da vontade do Pai externada em relação ao discípulo como pessoa?? Será que o discípulo realizou esta vontade??

De forma consciente, permanente e incondicional. Esta é a forma como este humano satisfará a vontade do Pai.

Não dependerá das circunstâncias.

O profeta sem nome dos dias de Jeroboão representa muito bem o que Jesus queria que seus discípulos percebessem.

Eles iriam se comportar exatamente como o profeta sem nome.

O que ocorreu com o profeta sem nome??

Tudo aquilo que dependia da força dada pelo espírito santo, aquele profeta conseguiu fazer.

No entanto, quando passou a ser algo que dependia exclusivamente dele, este profeta não conseguiu satisfazer a vontade do Pai para ele, isto é, ele não conseguiu continuar a obedecer.

Apesar de começar obedecendo, as circunstâncias o levaram a desobedecer.

O que Jeová falou para ele??

(1 Reis 13:20-24) 20 E sucedeu, enquanto estavam sentados à mesa, que a palavra de Jeová veio ao profeta que o tinha trazido de volta; 21 e ele começou a clamar para o homem do [verdadeiro] Deus, que saíra de Judá, dizendo: “Assim disse Jeová: ‘Visto que te rebelaste contra a ordem de Jeová e não guardaste o mandamento que Jeová, teu Deus, te ordenou, 22 mas voltaste para comer pão e beber água no lugar de que te falou: “Não comas pão nem bebas água”, teu cadáver não entrará na sepultura dos teus antepassados.’” 23 E sucedeu que, depois de ele comer pão e depois de beber água, selou para ele imediatamente o jumento, isto é, para o profeta a quem tinha trazido de volta. 24 E ele se pôs a caminho. Mais tarde um leão o achou na estrada e o entregou à morte, e seu cadáver ficou lançado na estrada. E o jumento estava parado ao lado dele e o leão estava parado ao lado do cadáver.


Assim verte a Tradição Brasileira:

(1 Reis 13:20-24) 20 Estando eles à mesa, veio a palavra de Jeová ao profeta que o tinha feito voltar; 21 e clamou ao homem de Deus que tinha vindo de Judá, dizendo: Assim diz Jeová: Porquanto não obedeceste a ordem de Jeová, e não guardaste o mandamento que Jeová teu Deus te ordenou, 22 mas voltaste, e comeste pão e bebeste água no lugar de que te disse: Não comas pão, nem bebas água; o teu cadáver não entrará no sepulcro de teus pais. 23 Quando o profeta a quem tinha feito voltar havia comido pão e bebido água, albardou o jumento para ele. 24 Foi-se e no caminho um leão saiu-lhe ao encontro, e matou-o; o seu cadáver ficou estendido no caminho, o jumento estava parado junto a ele e também o leão ficou perto do cadáver.

O profeta sem nome não obedeceu ao mandamento dado por Jeová para ele, exclusivamente para ele. Desta forma, ele revelou não ter a Jeová como o seu Senhor naquele momento específico que dependia exclusivamente dele obedecer. As circunstâncias se apresentaram com um pouco de dificuldade?? Sim. Será que as circunstâncias adversas fariam mudar o mandamento?? Era o que desejava o profeta sem nome. Sendo assim, ele passou a ser vítima de seu próprio desejo.

O escravo deve obedecer ao seu senhor de forma incondicional, transformando a vontade do seu senhor na sua vontade.

O escravo prova que tem tal pessoa por amo por obedecer de forma consciente, permanente e incondicional ao mandamento dado a ele pelo seu senhor. O escravo deve obedecer exclusivamente ao seu senhor e não ao amigo do senhor ou um outro escravo.

Esta é a forma que o Pai esperava que o povo escolhido obedecesse aos Seus mandamentos, ou seja, de forma consciente, permanente e incondicional.

Esta é a forma que Jesus espera que seus discípulos obedeçam aos mandamentos deixados por ele, ou seja, de forma consciente, permanente e incondicional.

Jesus afirma que, assim como o profeta sem nome, seus discípulos realizariam as obras poderosas segundo o poder dado pelo espírito santo. No entanto, quanto ao mandamento pessoal, eles também não obedeceriam.

Vejamos o caso do perdão.

Será que Jesus estabeleceu circunstâncias em que o discípulo podia deixar de perdoar??

O que ele afirmou??

(Mateus 6:14-15) 14 Pois, se perdoardes aos homens as suas falhas, também o vosso Pai celestial vos perdoará; 15 ao passo que, se não perdoardes aos homens as suas falhas, tampouco o vosso Pai vos perdoará as vossas falhas.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Mateus 6:14-15) 14 Pois se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará; 15 mas se não perdoardes aos homens, tão pouco vosso Pai perdoará as vossas ofensas.

Neste caso, algum discípulo de Jesus poderia tomar qualquer atitude restritiva e/ou condenatória quer temporária, quer definitiva, em relação a qualquer pecador??

Faça a teu semelhante somente aquilo que você gostaria que Jeová fizesse com você. Dê ao teu semelhante o mesmo tratamento que você gostaria que Jeová desse a você. Trate o teu semelhante da mesma forma como você gostaria que ele tratasse você.

As palavras de Jesus são bem claras. Ter a Jesus como Senhor significa obedecer incondicionalmente ao mandamento de dar a outra face SEMPRE que alguém praticar uma ofensa contra o discípulo de Jesus.

Se o discípulo recebe o espírito santo e cura um enfermo, mas, deixa de falar com um agressor físico ou verbal qualquer, ele não está tendo a Jesus como sendo o seu Senhor.

Se o discípulo recebe espírito santo, mas, apresenta um ensino oposto ao ensinado e praticado por Jesus, ele não está tendo a Jesus como o seu Senhor.

Como Jesus obedeceu toda a lei, ele não deixou nenhuma dúvida de como o discípulo deve se comportar no dia a dia com os iníquos.

Percebemos tratar-se de algo pessoal.

Jesus estabelece o modelo.

Ter alguém como sendo o seu “senhor”.

Jesus tinha a Jeová como sendo o seu Senhor. Ele nos deu o exemplo de como as coisas devem ser feitas.

As palavras de Jesus definem o que é ter Jeová como Senhor.

(João 5:19) 19 Portanto, em resposta, Jesus prosseguiu a dizer-lhes: “Digo-vos em toda a verdade: O Filho não pode fazer nem uma única coisa de sua própria iniciativa, mas somente o que ele observa o Pai fazer. Porque as coisas que Este faz, estas o Filho faz também da mesma maneira.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(João 5:19) 19 Jesus, pois, lhes disse: Em verdade, em verdade vos digo que o Filho nada pode fazer de si mesmo, senão o que vir o Pai fazer; porque tudo o que ele fizer, o faz também semelhantemente o Filho.

Assim verte a Tradução Almeida:

(João 5:19) 19 Disse-lhes, pois, Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que o Filho de si mesmo nada pode fazer, senão o que vir o Pai fazer; porque tudo quanto ele faz, o Filho o faz igualmente.

O que define se um filho tem a seu pai como sendo o seu senhor??

Quando o filho, de livre e espontânea vontade pode afirmar em relação a seu pai:



O que representaria para um discípulo de Jesus ter a Jesus como sendo o seu “Senhor”??

Ora, ele ter a capacidade de poder repetir as mesmas palavras faladas por Jesus em relação a seu Pai.



Se as ações são iguais, isto significa que as palavras também são iguais.

Eu só repito as palavras do Pai; pois o Pai é o meu Professor:

(João 8:28) 28 Portanto, Jesus disse: “Uma vez que tiverdes erguido o Filho do homem, então sabereis que sou eu e que não faço nada de minha própria iniciativa; mas assim como o Pai me ensinou, estas coisas eu falo.

Assim verte a Tradução Brasileira:

(João 8:28) 28 Jesus, pois, continuou: Quando tiverdes levantado o Filho do homem, então conhecereis que Eu Sou e que nada faço de mim mesmo, mas como me ensinou o Pai, assim falo.

O Pai me deu um mandamento quanto ao que dizer, logo, eu só repito o que Ele me disse:

(João 12:49) 49 porque não falei de meu próprio impulso, mas o próprio Pai que me enviou tem-me dado um mandamento quanto a que dizer e que falar..... 50 Sei também que o seu mandamento significa vida eterna. Portanto, as coisas que eu falo, assim como o Pai mas disse, assim [as] falo.”



Assim verte a Tradução Brasileira:

(João 12:49) 49 Pois eu por mim mesmo não falei, mas o Pai que me enviou, esse mesmo me tem prescrito o que devo dizer e o que devo falar. 50 Eu sei que o seu mandamento é vida eterna. Aquilo, pois, que eu falo, falo-o como o Pai mo tem dito.

O discípulo de Jesus deverá ter a capacidade de poder repetir estas palavras de Jesus, sendo tão verdadeiro quanto Jesus.

Será que algum humano deve ser visto como “senhor” e tratado como “senhor” por outro humano qualquer??

Será que um humano deve sentir-se “senhor” de outro humano qualquer??

Jesus foi chamado de “senhor”.

(João 20:13) 13 E disseram-lhe: “Mulher, por que estás chorando?” Ela lhes disse: “Retiraram o meu Senhor, e não sei onde o deitaram.”


Assim verte a Tradução Brasileira:

(João 20:13) 13 Eles lhe perguntaram: Mulher, por que choras? Respondeu ela: Porque tiraram o meu Senhor, e não sei onde o puseram.

Será que estava sendo corretamente chamado de “senhor”?

(Revelação 11:8) 8 E os seus cadáveres jazerão na rua larga da grande cidade que em sentido espiritual se chama Sodoma e Egito, onde também o seu Senhor foi pregado numa estaca....


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Apocalipse 11:8) 8 Os seus cadáveres jazerão nas ruas da grande cidade, a qual espiritualmente se chama Sodoma e Egito, onde também o seu Senhor foi crucificado.

É óbvio que só pode se aplicar a Jesus. Neste caso, Jesus pode ser corretamente chamado de “senhor”.

Também nos foi informado sobre Jesus:

(Revelação 17:14) 14 Estes batalharão contra o Cordeiro, mas, porque ele é Senhor dos senhores e Rei dos reis, o Cordeiro os vencerá. Também [o farão] com ele os chamados, e escolhidos, e fiéis.”


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Apocalipse 17:14) 14 Eles pelejarão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é Senhor dos senhores e Rei dos reis; também vencerão os que estão com ele, os chamados, os escolhidos e os fiéis.

De forma adicional, também nos foi informado:

(Revelação 19:16) 16 E sobre a sua roupa exterior, sim, sobre a sua coxa, ele tem um nome escrito: Rei dos reis e Senhor dos senhores.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Apocalipse 19:16) 16 Ele traz sobre a sua capa e sobre a sua coxa este nome escrito: REI DOS REIS, E SENHOR DOS SENHORES.

A realidade de uma pessoa ser senhor para outra não deve ser questionada. Ela é real e inquestionável.

Jesus era senhor para seus discípulos.

Jesus sabia da sua condição de “senhor” sobre aquelas pessoas.

(João 13:13) 13 Vós me chamais de ‘Instrutor’ e ‘Senhor’, e falais corretamente, pois eu o sou....


Assim verte a Tradução Brasileira:

(João 13:13) 13 Vós me chamais Mestre, e Senhor, e dizeis bem; porque eu o sou.

Jesus estava consciente de que ele era um senhor para seus discípulos. Os seus discípulos estavam conscientes de que era um senhor.

No entanto, os discípulos também estavam aprendendo como um humano que é senhor em relação a outro deve se sentir e se comportar.

Neste caso específico, existia a forma como todos os demais humanos se comportavam na condição de “senhor”, em comparação com a nova forma implementada por Jesus.

Existia uma enorme diferença. Jesus era “senhor” em face de saber muito mais que todos os demais humanos. Também era “senhor” em face de ser muito mais poderoso que todos os demais humanos. Embora isto fosse a mais plena realidade, Jesus revela ser totalmente diferente de todos os demais senhores existentes.

Jesus revelava ser o senhor dos senhores; o mais senhor de todos os senhores. Embora fosse o mais poderoso e o mais sábio, também era o mais humilde e amoroso de todos os senhores. Quem se beneficiava com isto?? Todos os que o tinham como “senhor”.

Ele afirmou a respeito de si mesmo:

(Mateus 11:28-30) 28 Vinde a mim, todos os que estais labutando e que estais sobrecarregados, e eu vos reanimarei. 29 Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, pois sou de temperamento brando e humilde de coração, e achareis revigoramento para as vossas almas. 30 Pois o meu jugo é benévolo e minha carga é leve.”


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Mateus 11:28-30) 28 Vinde a mim todos os que andais em trabalho e vos achais carregados, e eu vos aliviarei. 29 Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para as vossas almas. 30 Pois o meu jugo é suave, e o meu fardo leve.

Vocês também serão senhores, logo, sejais senhores assim como eu sou. Aprendei de mim; aprendei com o meu exemplo.

Jesus revelou para o mundo como é que um senhor age no seu papel de “senhor”.

Embora seja senhor ele não foge da igualdade.

Outra criatura espiritual revela para João como um senhor se comporta.

(Revelação 22:8-9) 8 Ora eu, João, era quem ouvia e via estas coisas. E, tendo-as ouvido e visto, prostrei-me para adorar diante dos pés do anjo que me havia mostrado estas coisas. 9 Mas ele me diz: “Toma cuidado! Não faças isso! Sou [apenas] co-escravo teu e dos teus irmãos, que são profetas, e dos que observam as palavras deste rolo. Adora a Deus.”


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Apocalipse 22:8-9) 8 Eu, João, sou o que ouvi e vi estas coisas. Quando as ouvi e vi, prostrei-me para adorar ante os pés do anjo que mas mostrava. 9 Ele me disse: Vê não faças tal; sou servo contigo, com teus irmãos, os profetas, e com todos aqueles que guardam as palavras deste livro; adora a Deus.

Embora este anjo fosse realmente muito mais sábio e poderoso do que João, como ele se comportou diante da infantil atitude de João??

Eu sou um igual a você e a teus irmãos.

Eu sou um igual.

Ele se via como um igual, se sentia como um igual, logo regia como um igual.

Passamos a aprender um novo conceito sobre igualdade, não é verdade??

Todos os humanos são iguais entre si, mesmo que haja os que ensinam. Todos os anjos são iguais entre si, mesmo que haja os que ensinam. Todos os anjos são iguais aos humanos, mesmo que saibam mais e tenham mais poderes.

Cada anjo e humano precisa ver as coisas desta forma, pois esta é a forma como o Pai vê e sente tais coisas.

Neste caso, qual é a função de quem sabe??

Respeitar a condição daquele que não sabe e buscar continuamente a levá-lo para a condição de sabedor.

Como o Pai vê a condição daquele que sabe mais??

(Lucas 12:47-48) 47 Então, aquele escravo, que entendeu a vontade de seu amo, mas não se aprontou, nem fez em harmonia com a sua vontade, será espancado com muitos golpes. 48 Mas aquele que não entendeu, e assim fez coisas que merecem golpes, será espancado com poucos. Deveras, de todo aquele a quem muito foi dado, muito se reclamará dele; e a quem encarregaram de muito, deste reclamarão mais do que o usual.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Lucas 12:47-48) 47 Aquele servo, que soube a vontade do seu senhor, e não se preparou, nem fez conforme a sua vontade, será castigado com muitos açoites; 48 aquele, porém, que não a soube, e fez coisas que mereciam castigos, será punido com poucos açoites. De todo aquele a quem muito é dado, muito será requerido; e daquele a quem muito é confiado, mais ainda lhe será exigido.

Cada um será tratado de acordo com a quantidade de entendimento que já tem. Cada um é visto e analisado segundo o entendimento que ele tem.





Topo desta página