ESTOU À PORTA E ESTOU BATENDO.

Criada em 24 de fevereiro de 2014 Última alteração em 19/07/15







QUANDO É QUE JESUS ESTARIA EM PÉ À PORTA E ESTARIA BATENDO?? QUANDO??

Estou de pé à porta e estou batendo.

(Revelação 3:20) 20 Eis que estou em pé à porta e estou batendo. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei na sua [casa] e tomarei a refeição noturna com ele e ele comigo.


Assim verte a Tradução Brasileira

(Apocalipse 3:20) 20 Eis aí estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa, e cearei com ele, e ele comigo.

Em que porta Jesus bate??

Em que casa Jesus entrará??

Será que se tratava de uma casa física e visível??

Seria muito difícil de ser uma coisa física e visível. Analisemos um dos mandamentos dados por Jesus.

Jesus deu um mandamento aos seus discípulos: Pequeno rebanho, vendei tudo o que tendes e dai aos pobres.

(Lucas 12:32-34) 32 Não temas, pequeno rebanho, porque vosso Pai aprovou dar-vos o reino. 33 Vendei as coisas que vos pertencem e fazei dádivas de misericórdia. Fazei para vós mesmos bolsas que não se gastem, um tesouro que nunca falhe, nos céus, onde o ladrão não chega perto nem a traça consome. 34 Pois onde estiver o vosso tesouro, ali estará também o vosso coração.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Lucas 12:32-34) 32 Não temas, pequeno rebanho; porque é do agrado de vosso Pai dar-vos o reino. 33 Vendei o que possuis e dai esmolas; fazei para vós bolsas que não envelheçam, um tesouro inexaurível nos céus, onde o ladrão não chega nem a traça rói; 34 porque onde está o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.

Neste caso, aquele discípulo que obedece a Jesus, não teria uma casa física para ficar aguardando Jesus bater à porta desta casa que fosse de sua propriedade, para com Jesus tomar uma refeição noturna.

Será que o retorno de Jesus se daria de forma física?? Será que os discípulos veriam Jesus com seus olhos físicos??

Em relação a seu retorno, o que Jesus falou??

(Lucas 17:22-25) 22 Ele disse então aos discípulos: “Virão dias em que desejareis ver um dos dias do Filho do homem, mas não [o] vereis. 23 E as pessoas vos dirão: ‘Eis ali!’ ou: ‘Eis aqui!’ Não saiais nem corrais atrás [deles]. 24 Pois assim como o relâmpago, com o seu lampejo, brilha duma parte sob o céu à outra parte sob o céu, assim será o Filho do homem. 25 Primeiro, porém, ele tem de passar por muitos sofrimentos e ser rejeitado por esta geração.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Lucas 17:22-25) 22 Então disse aos discípulos: Virá tempo em que desejareis ver um dos dias do Filho do homem, e não o vereis. 23 Dir-vos-ão: Ei-lo acolá! Ei-lo aqui! não vades nem os sigais; 24 pois assim como o relâmpago, fuzilando em uma extremidade do céu, brilha até a outra, assim será no seu dia o Filho do homem. 25 Mas é necessário primeiro que ele padeça muitas coisas e que seja rejeitado por esta geração.

Jesus afirmou que não estaria nem aqui e nem acolá. Não ide atrás deles.

Ora, se Jesus estivesse batendo na casa física de alguém, certamente outros vizinhos ficariam sabendo e a notícia se espalharia e muitos poderiam afluir àquela casa, ou ainda, cercá-lo na saída daquela casa.

Neste caso, seria fácil saber onde ele estaria. Neste caso, a pessoa iria até Jesus.

No entanto, o que foi que Jesus disse neste momento??

Ele disse: “Não saiais nem corrais atrás deles; não vades nem os sigais”.

Jesus também afirmou que ele iria até a casa daquela pessoa. O movimento seria o inverso, isto é, Jesus iria até onde estava aquele discípulo.

De forma lógica, Jesus ainda avisou: Se alguém afirmar que eu estou em tal lugar, não vades, pois é mentira.

Neste caso, fica plenamente definido que Jesus não voltaria em um corpo físico, cujos movimentos ficam limitados a um local físico e previsíveis.

Como Jesus não estava limitado a uma condição física visível, ele estaria na condição invisível aos olhos humanos.

Jesus deixou bem claro que não seria uma visita visível aos olhos físicos. Jesus afirmou que não estaria só nesta visita que faria aos seus discípulos.

Nesta ocasião, Jesus afirmou que não seria uma mera visita.

(João 14:23) 23 Em resposta, Jesus disse-lhe: “Se alguém me amar, observará a minha palavra, e meu Pai o amará, e nós iremos a ele e faremos a nossa residência com ele.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(João14:23) 23 Respondeu Jesus: Se alguém me amar, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e nós viremos a ele e faremos nele morada.

Jesus falou em morar com este discípulo individual. Eu e o meu Pai viremos morar com aquele que obedece a minha palavra, revelando assim que me ama.

Virei morar com aquele que me ama. Farei minha residência nele.

Primeiro você chega a um determinado lugar e só depois fixa residência ali. Não podemos esquecer que se trata de algo individual, pessoal. No primeiro momento Jesus chega até a casa e bate na porta.

Como é que pessoas que não tinham ouvido Jesus falar qualquer palavra, iriam reconhecer a voz de Jesus para poder abrir a porta??

Vamos entender do que Jesus estava falando.

Vamos observar os diálogos de Jesus com os humanos para tentarmos entender do que Jesus estava falando.

(João 8:43) 43 Por que é que não sabeis de que estou falando? Porque não podeis escutar a minha palavra.

(João 8:47) 47 Quem é de Deus escuta as declarações de Deus. É por isso que não escutais, porque não sois de Deus.”

(João 10:26-27) 26 Mas, vós não acreditais, porque não sois das minhas ovelhas. 27 Minhas ovelhas escutam a minha voz e eu as conheço, e elas me seguem.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(João 8:43) 43 Por que não compreendeis a minha linguagem? É porque não podeis ouvir as minhas palavras.

(João 8:47) 47 Quem é de Deus, ouve as palavras de Deus; por isso vós não me ouvis, porque não sois de Deus.

(João 10:26-27) 26 mas vós não credes, porque não sois das minhas ovelhas. 27 As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem.

As pessoas daquela geração adúltera não viam as declarações de Jesus como sendo as declarações de Jeová (IHVH), o Pai celestial. Eles viam Jesus como um inimigo do Pai em face das palavras faladas por Jesus. Os poderes de Jesus eram indicações irrefutáveis de que ele era um profeta de Deus, no entanto, eles não reconheciam as palavras de Jesus como sendo as palavras faladas pelo Pai. Por quê não reconheciam??

Jesus questionou-lhes: “Por que não sabeis do que eu estou falando?? Porque não conseguis ouvir as minhas palavras”.

Eles não conseguiam ouvir. Eles não suportavam ouvir. As palavras faladas por Jesus feriam os ouvidos daquela geração. Eram palavras incompatíveis com o Pai que eles conheciam. O tipo de palavra falada por Jesus não eram reconhecidas como palavras saídas da boca daquele Jeová ensinado por Moisés.

Havia certa incompatibilidade entre as palavras de Jesus e a personalidade daquele Jeová descrito por Moisés.

Aquele Jeová (IHVH) revelado por Moisés era um Jeová que odiava os iníquos e sentia inimizade por iníquos. Era um Jeová que não amava iníquos. Era um Jeová que sempre retribuía ao iníquo segundo todas as suas ações. Era também um Jeová que guardava ressentimento do iníquo. Era um Jeová que era leal somente com os leais. Era um Jeová que só dava coisas boas para os bons. Era um Jeová que não morava na mesma casa com um iníquo.

Será que Jeová era realmente um Deus que sentia inimizade pelos iníquos?? Será que era um Deus que não faria residência com um iníquo?? Será que era um Deus que não entrava na casa de um iníquo??

Será que aquela geração realmente conhecia o Pai??

O que lhes disse Jesus??

(João 7:28-29) 28 Portanto, Jesus clamou, ao estar ensinando no templo, e disse: “Tanto vós me conheceis como sabeis donde sou. Também, eu não vim de minha própria iniciativa, mas aquele que me enviou é real, e vós não o conheceis. 29 Eu o conheço, porque sou representante dele, e Este me enviou.”


Assim verte a Tradução Brasileira:

(João 7:28-29) 28 Então Jesus levantou a voz no templo, ensinando e dizendo: Vós não somente me conheceis, mas também sabeis donde eu sou; e eu não vim de mim mesmo, mas é verdadeiro aquele que me enviou, a quem vós não conheceis. 29 Eu o conheço, porque venho dele, e ele me enviou.

Vós não o conheceis.

Não conheciam o Pai. Aquela geração da casa de Israel não conhecia o Pai.

Será que se tratava de uma falsa acusação de Jesus em relação àquela geração?? Será que Jesus falou alguma mentira??

Como é que eles revelaram que não conheciam o Pai??

Por não reconhecerem as palavras do Pai que estavam sendo repetidas por Jesus.

Para a geração de Oséias, assim havia falado o Pai:

(Oséias 4:1) 4 Ouvi a palavra de Jeová, ó filhos de Israel, porque Jeová tem uma causa jurídica contra os habitantes da terra, pois não há verdade, nem benevolência, nem conhecimento de Deus na terra.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Oséias 4:1) 1 Ouvi a palavra de Jeová, filhos de Israel; pois Jeová tem uma contenda com os habitantes da terra, porque na terra não há verdade, nem misericórdia, nem conhecimento de Deus.

Nos dias de Oséias, a terra já carecia de conhecimento de Deus.

O próprio Jeová ratificou:

(Oséias 6:4-6) 4 Que hei de fazer-te, ó Efraim? Que hei de fazer-te, ó Judá, quando a vossa benevolência é como as nuvens da madrugada e como o orvalho que logo desaparece? 5 Por isso terei de talhá-los por meio dos profetas; terei de matá-los por meio das declarações da minha boca. E os julgamentos sobre ti serão como a luz que sai. 6 Pois, agrado-me da benevolência e não do sacrifício; e do conhecimento de Deus antes do que de holocaustos.



Assim verte a Tradução Brasileira:

(Oséias 6:4-6) 4 Que te farei, ó Efraim? que te farei, ó Judá? porque a vossa bondade é como a nuvem da manhã e como o orvalho que cedo passa. 5 Por isso os cortei pelos profetas; pelas palavras da minha boca os matei: e os juízos ao teu respeito são como a luz que sai. 6 Pois misericórdia quero, e não sacrifício; e o conhecimento de Deus mais do que holocaustos.

Uma das coisas que Jeová se agradava era que o humano o conhecesse.

Será que era tão importante assim que aqueles humanos conhecessem a Jeová (IHVH)??

Óbvio que sim.

Eles eram os adoradores de Jeová, não eram??

Eles tinham a obrigação de conhecer Jeová, não tinham??

Não estavam convivendo com Jeová durante várias gerações??

Não deviam satisfazer a vontade de Jeová?? Não deviam ser aquilo que Jeová esperava deles?? Deviam estar preocupados com isto??

Como as pessoas reconheceriam a Jeová??

Seria através de alguma característica física?? Seria através de alguma característica visível ao olho humano?? Seria uma característica perceptível através de algum dos cinco sentidos inerentes ao humano?? Seria Jeová reconhecido por aqueles humanos pelo poder que tinha??

Sendo uma pessoa invisível, como o humano poderia reconhecer Jeová entre várias outras pessoas invisíveis??

Jesus forneceu a resposta, não forneceu??

Jesus afirmou: “Quem é de Deus ouve as palavras de Deus”??

Será que seria o sentido da audição?? Será que Jeová seria reconhecido pelo seu timbre de voz??

Jesus afirmou que seria através da audição?? Óbvio que não.

O povo não saberia identificar o timbre de voz de Jeová. Além do que, tal timbre de voz poderia ser imitado.

O mais importante ainda era o fato de que Jeová estava dando Sua informação para aquele grupo de humanos através de um mensageiro humano chamado de profeta. Neste caso, o mensageiro falaria e os ouvintes reconheceriam a voz de Jeová através das informações que fossem dadas pelo mensageiro.

Jeová falava Sua palavra para o profeta e o profeta devia retransmitir a mesmíssima palavra para o resto do povo.

Como o povo saberia se as palavras faladas pelo profetas eram realmente as palavras saídas da boca de Jeová?? Como poderiam ter certeza?? O profeta não perdia o seu livre-arbítrio.

O profeta podia mentir se assim o decidisse ou se as circunstâncias assim o exigisse.

O profeta podia dar a sua opinião pessoal de como as coisas deviam ser feitas, ou sucumbir à pressão de certas circunstâncias.

Ainda havia um outro problema. O que ocorreria se o ouvinte ou um grupo de ouvintes discordassem das palavras faladas pelo profeta, sendo estas uma repetição exata das palavras saídas da boca de Jeová??

Com certeza, tais humanos poderiam até mesmo afirmar que aquelas palavras faladas pelo profeta tinham uma outra origem.

O povo tinha um problema, não tinha?? Certamente.

Depois Jesus acrescentou: “Por isto vós não me ouvis, pois não sois de Deus”.

O que Jesus afirmou??

Ele afirmou que as palavras que ele estava falando seriam reconhecidas como palavras de Jeová por aqueles que realmente conhecessem a Jeová (IHVH), ou seja, o seu Pai.

Percebemos algo??

Sim, percebemos que se tratava do tipo de palavra falada. A palavra falada por Jeová tem uma característica marcante. Aquele que conhece a Jeová sabe identificar em qualquer lugar e sob qualquer circunstância, aquela palavra que é de Jeová e aquela que não é.

Da mesma forma, como somente os que conhecessem a Jeová é que conseguiriam reconhecer as reais palavras de Jeová, também somente aqueles que conhecessem plenamente a Jesus é que reconheceriam a voz de Jesus. A pessoa ouviria a informação dada pelo mensageiro, qualquer mensageiro, e a reconheceria como tendo saído da boca de Jeová ou não. Isto era uma questão de capacidade individual, não é verdade?? Sim, a pessoa individual que conhecesse a Jeová saberia identificar qual era a informação saída da boca de Jeová.

Depois de passarem três anos e meio convivendo com Jesus no seu dia a dia, depois da morte e ressurreição de Jesus, aqueles doze apóstolos deveriam ter a capacidade de reconhecer que espécie de informação viria de Jesus e que espécie de informação não viria.

O fato da pessoa ser um apóstolo conhecido e respeitado por ter recebido poderes de Jesus, faria dele um exato repetidor das informações dadas por Jesus através do espírito santo, em uma visão ou sonho??

Jesus garantiu que não haveria erro no espírito que retransmitiria uma informação dada por ele ou pelo Pai.

Eu solicitarei ao Pai e Ele enviará outro paráclito, ou seja, o espírito da verdade. O que era este espírito da verdade?? Seria o mesmo “espírito santo” usado para retransmitir as informações do Pai ou para realizar obras poderosas??

(João 14:15-18) 15 Se me amardes, observareis os meus mandamentos; 16 e eu solicitarei ao Pai e ele vos dará outro ajudador para estar convosco para sempre, 17 o espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque nem o observa nem o conhece. Vós o conheceis, porque permanece convosco e está em vós. 18 Não vos deixarei orfanados. Vou ter convosco.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(João 14:15-18) 15 Se me amardes, guardareis os meus mandamentos. 16 Eu rogarei ao Pai, e ele vos dará um outro Paráclito, a fim de que esteja para sempre convosco. 17 o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece; vós o conheceis, porque ele habita convosco e estará em vós. 18 Não vos deixarei órfãos, eu voltarei a vós.

Aqui Jesus fala em o espírito da verdade. O espírito da verdade dará testemunho de mim... Vós também dareis testemunho de mim PORQUE estivestes comigo desde que comecei.

O que disse Jesus??

O mundo não conhece o espírito da verdade, no entanto, vocês já conhecem o espírito da verdade.

Por que já conheciam o espírito da verdade??

porque permanece convosco

porque ele habita convosco

Este espírito da verdade já era conhecido dos doze apóstolos, pois este espírito estava morando com eles, ou seja, permanecia junto com eles todo o tempo, convivendo com eles todo o tempo.

Em consequência desta convivência contínua, eles, os doze apóstolos conheciam o espírito da verdade.


Este espírito da verdade estava no próprio Jesus.


Como Jesus seria reconhecido pelos seus apóstolos??

Seria pela roupa usada?? Seria pelo timbre da voz??

Não seria pelas palavras faladas e pelas ações praticadas?? Palavras próprias de Jesus e ações próprias de Jesus.

Neste caso, independente do corpo em que Jesus estivesse (visível ou invisível), os apóstolos de Jesus deviam reconhecer Jesus. Para isto, seria necessário que Jesus falasse certas palavras e fizesse certas coisas, ou seja, palavras e ações...


Com as palavras e ações, este espírito da verdade seria reconhecido.


Que espécie de espírito seria este??

Seria o espírito que caracterizava a personalidade de Jesus..


Seria um espírito de competição?? Seria um espírito destrutivo?? Seria um espírito brincalhão?? Seria um espírito acusador??

Ou será que seria um espírito ajudador, como o próprio Jesus havia definido??


(João 15:26-27) 26 Quando chegar o ajudador que eu vos enviarei do Pai, o espírito da verdade, que procede do Pai, esse dará testemunho de mim; 27 e vós, igualmente, haveis de dar testemunho, porque estivestes comigo desde que comecei.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(João 15:26-27) 26 Quando, porém, vier o Paráclito, que eu vos enviarei da parte do Pai, o Espírito da verdade, que procede do Pai, esse dará testemunho de mim; 27 e vós também dareis testemunho, porque estais comigo desde o princípio.

Qual seria a característica deste espírito??

Um espírito ajudador.

Este é o mesmo espírito que procede do Pai, ou seja, o Pai também é um Ajudador.

Ele dará testemunho de mim.

Ele confirmará minhas palavras e minhas ações.

Vós também haveis de dar testemunho das minhas palavras e de minhas ações em revelar ser um espírito ajudador.

O espírito da verdade me glorificará. Ele receberá do que é meu e vo-lo declarará.

(João 16:13-14) 13 No entanto, quando esse chegar, o espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade, pois não falará de seu próprio impulso, mas falará as coisas que ouvir e vos declarará as coisas vindouras. 14 Esse me glorificará, porque receberá do que é meu e vo[-lo] declarará.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(João 16:13-14) 13 quando vier, porém, aquele Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá o que tiver ouvido, e vos anunciará as coisas que estão para vir. 14 Ele me glorificará, porque há de receber do que é meu e vo-lo há de anunciar.

Seguindo a mesma forma como o Pai havia feito, Jesus solicitaria ao Pai que fossem reenviadas as informações já dadas e/ou praticadas por Jesus. Estas informações seriam relembradas por aqueles que estiveram como testemunhas das palavras e ações de Jesus durante aqueles três anos e meio.

Aquelas doze testemunhas escolhidas por Jesus deveriam reconhecer a voz de Jesus. Deviam reconhecer as ações de Jesus. Deviam reconhecer o espírito predominante de Jesus, ou seja, o espírito ajudador.

Este reconhecimento também não se daria através de algum dos cinco sentidos inerentes ao humano.

Depois de receberem um outro espírito, ou seja, o espírito santo, aquele que outros humanos já haviam recebido, e com ele realizado muitas obras poderosas, muitos daquela geração começariam a realizar muitas obras poderosas, como curar pessoas, falar em línguas e outras coisas impossíveis de fazer sem este espírito santo.

Jesus também tinha recebido este espírito santo e feito muitas obras poderosas.

No entanto, a pergunta é:

Será que estes que receberiam o espírito santo, também seriam reconhecidos como tendo o mesmo espírito ajudador de Jesus e do Pai??

Será que estes que receberiam o espírito santo demonstrariam ter o mesmo espírito de Jesus??

Será que as palavras e as ações destes, dariam “testemunho” das palavras e das ações de Jesus??

Seria um testemunho favorável ou um testemunho desfavorável??

Pessoas começariam a profetizar, isto é, a retransmitir palavras de Jesus para os discípulos.

A situação seria de grande tensão emocional.

Jesus lhes avisou o que aconteceria:

(Mateus 24:23-25) 23 Então, se alguém vos disser: ‘Eis aqui está o Cristo!’, ou: ‘Ali!’, não o acrediteis. 24 Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão grandes sinais e prodígios, a fim de desencaminhar, se possível, até mesmo os escolhidos. 25 Eis que eu vos avisei de antemão.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Mateus 24:23-25) 23 Então se alguém vos disser: Eis aqui o Cristo! ou: Ei-lo ali! não acrediteis; 24 porque se hão de levantar falsos cristos e falsos profetas, e mostrarão tais sinais e milagres que, se fora possível, enganariam até os escolhidos. 25 Vede que de antemão vo-lo tenho declarado.

Seria impossível enganar os doze escolhidos??

Só dependeria de cada um dos doze reconhecer ou não o espírito da verdade, o espírito ajudador característico em Jesus.

Será que com o poder recebido, todos eles continuariam “ajudadores”??

Seriam reconhecidos como ajudadores, tão ajudadores quanto Jesus??

As pessoas seriam enganadas pelas palavras faladas pelos profetas. As pessoas seriam enganadas pelas informações dadas por outras pessoas. O indivíduo seria enganado por informações dadas por outros indivíduos. Ora, se o profeta tivesse recebido poder tal qual o do profeta Elias?? Esta pessoa teria muito poder e faria coisas impressionantes diante de todos os demais. No entanto, será que tal profeta repetiria somente as palavras dadas por Jesus?? Se manteria como um ajudador de pecadores?? Será que tal pessoa só repetiria as ações de Jesus?? Será que o humano se deixaria impressionar pelos poderes que este outro humano revelava ter??

Não podemos esquecer que seria um período de grande tribulação e sofrimento para os discípulos de Jesus. A forma como deveriam reagir diante de tanta iniquidade já tinha sido informada a eles por Jesus. Como um homem plenamente pacífico e perdoador, Jesus já os havia ensinado de forma prática como eles deviam tratar aos seus perseguidores. Tratava-se de uma forma totalmente oposta a praticada e ensinada por Moisés. Jesus também havia ensinado como as testemunhas de tamanha crueldade deviam se portar, mesmo possuindo um grande poder capaz de esmagar os agressores.

Não deviam se portar como Moisés, que matou um egípcio ao testemunhar a iniquidade deste contra um israelita. Certamente não deviam se portar como Pedro, que cortou a orelha de um homem. Pedro resolveu usar de violência contra aquele que estava prendendo Jesus. Do ponto de vista de Jesus, não era esta a forma correta de se portar.

Ao descrever o tempo calamitoso que se avizinhava, Jesus relembrou aos seus discípulos qual seria a forma correta de se comportarem:

(Revelação 13:9-10) 9 Se alguém tiver ouvido, ouça. 10 Se alguém [é destinado] ao cativeiro, ele vai ao cativeiro. Se alguém matar com a espada, terá de ser morto com a espada. Aqui é que significa a perseverança e a fé dos santos.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Apocalipse 13:9-10) 9 Se alguém tem ouvidos, ouça. 10 Se alguém é para o cativeiro, para o cativeiro vai: se alguém matar à espada, é necessário que seja morto à espada. Aqui está a perseverança e a fé dos santos.

Mas, e se eu tiver o poder para impedir tal coisa resistindo ao iníquo?? Devo abrir mão de fazer uso do poder para me defender, medindo forças com aquele que deseja me levar ao cativeiro??

Jesus falou em perseverança e fé.

A forma como o discípulo devia vivenciar tais circunstâncias inóspitas no seu dia a dia é que determinaria se ele amava a Jesus ou não. Nestas circunstâncias inóspitas, o que sairia de dentro do coração do discípulo que houvesse recebido poderes??

O que ocorre quando um discípulo de Jesus que recebeu o espírito santo e tem muitos poderes, é provocado por uma iniquidade?? Neste momento, o que sairá de dentro do poderoso discípulo de Jesus??

Sendo vítima da iniquidade ou sendo testemunha da iniquidade praticada contra uma vítima qualquer, o poderoso discípulo de Jesus devia manter-se obedecendo aos mesmos mandamentos obedecidos por Jesus em circunstâncias idênticas.

As circunstâncias inóspitas eram inevitáveis. Elas viriam realmente. A questão seria o como se comportar diante de tais circunstâncias. É do coração do discípulo que sairá o sentimento, a palavra ou a ação em relação a qualquer circunstância inóspita que ele sinta contra si mesmo ou que ele presencie. Neste momento ele verá uma vítima e um iníquo agressor. Que espécie de comportamento deverá ter?? Seu comportamento será fruto do seu sentimento.

Jesus já havia falado sobre isto no sermão do monte:

(Mateus 7:24-27) 24 Portanto, todo aquele que ouve estas minhas palavras e as pratica será comparado a um homem discreto, que construiu a sua casa sobre a rocha. 25 E caiu a chuva, e vieram as inundações, e sopraram os ventos e açoitaram a casa, mas ela não se desmoronou, pois tinha sido fundada na rocha. 26 Além disso, todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será comparado a um homem tolo, que construiu a sua casa sobre a areia. 27 E caiu a chuva, e vieram as inundações, e sopraram os ventos e bateram contra aquela casa, e ela se desmoronou, e foi grande a sua queda.”


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Mateus 7:24-27) 24 Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as observa, será comparado a um homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha. 25 Desceu a chuva, vieram as torrentes, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, e ela não caiu; pois estava edificada sobre a rocha. 26 Mas todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as observa, será comparado a um homem néscio, que edificou a sua casa sobre a areia. 27 Desceu a chuva, vieram as torrentes, sopraram os ventos e bateram com ímpeto contra aquela casa, e ela caiu: e foi grande a sua ruína.

Tais circunstâncias seriam realmente invitáveis. Jesus falou ainda mais:

(Lucas 21:34-36) 34 Mas, prestai atenção a vós mesmos, para que os vossos corações nunca fiquem sobrecarregados com o excesso no comer, e com a imoderação no beber, e com as ansiedades da vida, e aquele dia venha sobre vós instantaneamente 35 como um laço. Pois virá sobre todos os que moram na face de toda a terra. 36 Portanto, mantende-vos despertos, fazendo todo o tempo súplica para que sejais bem sucedidos em escapar de todas estas coisas que estão destinadas a ocorrer, e em ficar em pé diante do Filho do homem.”


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Lucas 21:34-36) 34 Guardai-vos, para não suceder que os vossos corações fiquem pesados com o excesso no comer e no beber e com os cuidados desta vida, e que aquele dia venha sobre vós de repente como um laço; 35 pois há de vir a todos os que estão sobre a face da terra. 36 Vigiai, porém, em todo o tempo, orando para que possais escapar de todas estas coisas que hão de acontecer, e para que possais manter-vos na presença do Filho do homem.

Virá sobre todos os que moram na face da terra; pois há de vir a todos os que estão sobre a face da terra. A vinda do sofrimento era um fato. Devia ser aguardado como um fato. Tratava-se de um copo a ser bebido. Com todo o poder que tinha, Jesus bebeu o seu copo, continuando a ter o mesmo espírito ajudador, ou seja, o mesmo espírito do Pai.

A forma como devia se comportar diante de tais circunstâncias inóspitas já havia sido ensinada por Jesus tanto na teoria como na prática. Estavam avisados que tais circunstâncias aconteceriam. As coisas não seriam nada fáceis, não é verdade?? Deveriam manter-se pacíficos e amando a todos os que provocavam tais circunstâncias de violência, perdoando continuamente tais agressores e não guardando ressentimento de nenhum deles. Eles haviam se transformado em homens pacíficos, não haviam?? Agora dependia deles, não dependia??

Como reagiriam ao ouvirem uma informação diferente??

E se alguém lhes ensinassem e mandassem praticarem um pouco de violência??

Você tem o poder e vai deixar aquele teu irmão que amas sofrer nas mãos de um iníquo??

E se alguém lhes ensinassem e mandassem condicionar o perdão aos agressores??

E se alguém lhes ensinassem e mandassem punir pecadores, quer discípulos, quer não discípulos??

Será que começariam a guardar ressentimento dos seus perseguidores, desde que fossem discípulos traidores??

Será que aquele amor que se tinha pelo discípulo antes dele se tornar um traidor seria modificado, reduzido ou transformado em desprezo e inimizade??

Seria exatamente neste momento turbulento que Jesus começaria a visitar seus discípulos. Será que a visita seria para livrá-los da tribulação por Jesus matar os perseguidores??

Será que deveriam estar ansiosos pela morte e destruição dos ímpios agressores??

Cada um é provocado e enganado pelo seu próprio desejo, não é verdade??

Acabar com o sofrimento através da destruição daqueles que infringem o sofrimento??

Será que era isto o que as pobres vítimas, ou seja, os discípulos vitimados passariam a desejar??

Estas palavras de Eliú para Jó são bem oportunas:

(Jó 36:20-21) 20 Não fiques suspirando pela noite, Para que os povos retrocedam [de] onde estão. 21 Guarda-te de não te virares para o que é prejudicial, Pois escolheste isso em vez de tribulação.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Jó 36:20-21) 20 Não suspires pela noite, Em que povos são cortados do seu lugar. 21 Guarda, não declines para a iniqüidade, Pois isso escolhes antes que a aflição.

A escolha continua com a vítima. O sentimento que a vítima terá pelo agressor continua dependendo exclusivamente dela, ou seja, da vítima. Não é a ação do agressor que deve determinar qual o tipo de sentimento que se terá por tal pessoa que se tornou um agressor.

Não é a vítima que precisa demonstrar a continuidade do seu amor para com o agressor??

Jesus lhes avisou: “O filho do homem virá em uma hora que achais improvável”.

(Lucas 12:39-40) 39 Mas, sabei isto, que, se o dono de casa tivesse sabido em que hora viria o ladrão, teria ficado vigiando e não teria deixado que se arrombasse a sua casa. 40 Vós também, mantende-vos prontos, porque o Filho do homem vem numa hora que não achais provável.


Assim verte a Tradução Brasileira:

Lucas 12:39-40) 39 Mas sabei que se o dono da casa tivesse sabido a que hora havia de vir o ladrão, não o haveria deixado arrombar a sua casa. 40 Estai vós também apercebidos, porque à hora que não pensais, virá o Filho do homem.

Manter-se pronto para que?? Deviam estar preparados para a libertação?? Tal libertação representaria a morte dos agressores?? Deviam sonhar com a morte dos agressores??

Jesus ratifica o seu aviso aos discípulos: Cuidado com o comer, o beber e as ansiedades da vida; cuidado com os vossos corações.

(Lucas 21:34-36) 34 Mas, prestai atenção a vós mesmos, para que os vossos corações nunca fiquem sobrecarregados com o excesso no comer, e com a imoderação no beber, e com as ansiedades da vida, e aquele dia venha sobre vós instantaneamente 35 como um laço. Pois virá sobre todos os que moram na face de toda a terra. 36 Portanto, mantende-vos despertos, fazendo todo o tempo súplica para que sejais bem sucedidos em escapar de todas estas coisas que estão destinadas a ocorrer, e em ficar em pé diante do Filho do homem.”


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Lucas 21:34-36) 34 Guardai-vos, para não suceder que os vossos corações fiquem pesados com o excesso no comer e no beber e com os cuidados desta vida, e que aquele dia venha sobre vós de repente como um laço; 35 pois há de vir a todos os que estão sobre a face da terra. 36 Vigiai, porém, em todo o tempo, orando para que possais escapar de todas estas coisas que hão de acontecer, e para que possais manter-vos na presença do Filho do homem.

Não penseis em fugir para longe das coisas más que sobrevirão, pois elas sobrevirão sobre todos os humanos.

No lugar de fugir, deveis estar interessados em como suportar tais problemas.

Você precisarão passar por tais coisas mantendo nestas circunstâncias o mesmo espírito ajudador que eu mantive.

Jesus falou em laço?? Jesus falou em armadilha??

Jesus falou em ficar em pé diante dele?? Jesus falou em conseguir manter-se na presença dele??

Ficou bem claro que seria neste momento de intensa tensão emocional que Jesus estaria ali, estaria presente, no entanto, na forma invisível.

Era um dos momentos do discípulo provar que continuava amando Jesus, por continuar a obedecer aos mandamentos dados por Jesus.

Será que você consegue obedecer ao mandamento diante desta circunstância?? Não é esta uma circunstância especialmente propícia para de obedecer a este ou aquele mandamento??

Por que cuidar do coração??

(Mateus 6:19-21) 19 Parai de armazenar para vós tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem consomem, e onde ladrões arrombam e furtam. 20 Antes, armazenai para vós tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde ladrões não arrombam nem furtam. 21 Pois, onde estiver o teu tesouro, ali estará também o teu coração.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Mateus 6:19-21) 19 Não ajunteis para vós tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem os consomem, e onde os ladrões penetram e roubam; 20 mas ajuntai para vós tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem os consomem, e onde os ladrões não penetram nem roubam; 21 porque onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração.

Suponhamos que o discípulo tivesse uma casa e que tal casa fosse injusta e iniquamente retirada dele por um outro humano que não fosse um discípulo de Jesus.

Que tipo de reação devia ter o discípulo de Jesus??

O discípulo devia perdoar tal pessoa e não guardar ressentimento de tal pessoa. Em uma situação com esta, o discípulo de Jesus deveria oferecer a outra face, não deveria??

O que ocorreria se o ladrão, agressor e traidor fosse um discípulo de Jesus?? O que o outro discípulo de Jesus devia fazer?? Denunciá-lo para as autoridades humanas?? Sentir inimizade por ele?? Deveria acusar tal pecador iníquo diante de Jeová e de Jesus??

Não o queira de volta” – Ao ver algo que lhe foi roubado nas mãos daquele que o roubou, não o queiras de volta. Este foi o pedido de Jesus.

Quem conseguiria obedecer a este pedido de Jesus??

Qual foi o mandamento dado??

(Lucas 6:29-30) 29 Àquele que te bater numa face, oferece também a outra; e a quem te tirar a tua roupa exterior, não negues nem mesmo a roupa interior. 30 Dá a todo o que te pedir, e daquele que te tirar tuas coisas, não [as] peças de volta.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Lucas 6:29-30) 29 Ao que te bate numa face, oferece-lhe também a outra; e ao que te tira a capa, não lhe negues a túnica. 30 Dá a todo o que te pede; e ao que tira o que é teu, não lho reclames.

Quando deviam obedecer a este mandamento dado por Jesus??

No dia a dia, quando surgisse uma circunstância na qual uma pessoa qualquer, inclusive um outro discípulo de Jesus, começasse a praticar tais iniquidades contra tal discípulo.

Este mandamento é um mandamento prático, sendo necessário que a iniquidade seja cometida contra o discípulo.

Quando a pessoa se torna vítima da iniquidade, “geralmente” ela deseja uma correção de tal iniquidade. Muitos desejam até uma compensação. Trata-se de uma situação que incomoda. A vítima está sendo instigada a apresentar uma reação. No entanto, é exatamente neste momento que o discípulo de Jesus está sendo submetido ao teste de obediência aos mandamentos deixados e praticados por Jesus.

É exatamente nesta hora que Jesus estaria batendo na porta do discípulo individual.

Que porta seria esta??

A porta do coração.

Por que do coração??

Porque é do coração que saem todos os sentimentos, palavras e ações dos humanos.

Qual é a hora mais propícia para o discípulo mostrar que ama a Jesus??

(João 14:21) 21 Quem tem os meus mandamentos e os observa, este é o que me ama. Por sua vez, quem me ama, será amado por meu Pai, e eu o amarei e me mostrarei claramente a ele.”


Assim verte a Tradução Brasileira:

(João 14:21) 21 Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama, será amado por meu Pai, e eu o amarei e me manifestarei a ele.

Exatamente na hora em que aparece a circunstância inóspita é a hora em que o discípulo revela a Jesus se ele ama a Jesus ou não.

Quem tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama.

O mandamento seria obedecido exatamente no momento aflitivo para o discípulo. É exatamente no momento aflitivo que o discípulo demonstrará que ama a Jesus.

Aquele que me ama, será amado pelo meu Pai.

Eu o amarei e me manifestarei a ele; eu o amarei e me mostrarei claramente a ele. Quando Jesus falou estas palavras?? Quando ainda vivia como humano.

Eis que estou em pé à porta e estou batendo; eis aí estou à porta e bato. Quando foi que Jesus falou estas palavras?? Quando já havia deixado de ser uma criatura física (carne e sangue) e já vivia como uma criatura espiritual (invisível aos olhos humanos).

Ficou bem claro que Jesus estaria na condição invisível aos olhos humanos, e que, seria exatamente nesta condição que ele bateria na porta do discípulo e que junto com o Pai viria morar com o discípulo.

Jesus viria morar com qual discípulo?? Com aquele discípulo que amasse Jesus de forma incondicional. Era exatamente no momento de extrema dificuldade que o discípulo revelaria continuar a amar Jesus. Como ele faria isto?? Por obedecer aos mesmos mandamentos obedecidos por Jesus.

Será que Jesus sairia da sua condição de criatura espiritual para poder morar com o discípulo que o amasse??

Será que o discípulo sairia de sua condição carnal para que pudesse morar com Jesus??

No seu estado invisível, Jesus estava batendo na porta de cada discípulo, cabendo ao discípulo abrir ou não abrir a porta para a entrada de Jesus no seu estado invisível.

Estando no seu estado invisível, em que lugar Jesus poderia morar no seu discípulo??

Vamos ver esta interessante e informativa palavra de Jesus:

(Mateus 12:43-45) 43 Quando um espírito impuro sai dum homem, passa por lugares áridos em busca dum lugar de descanso, e não o acha. 44 Então diz: ‘Voltarei para a minha casa da qual me mudei’; e, chegando, acha-a desocupada, mas varrida e adornada. 45 Então vai e toma consigo sete espíritos diferentes, mais iníquos do que ele mesmo, e, entrando, ficam morando ali; e a situação final desse homem torna-se pior do que a primeira. É assim que será também com esta geração iníqua.”


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Mateus 12:43-45) 43 Mas quando o espírito imundo tiver saído de um homem, anda por lugares áridos, buscando repouso, e não o acha. 44 Então diz: Voltarei para minha casa donde saí; e ao chegar, acha-a desocupada, varrida e ornada. 45 Depois vai e leva consigo mais sete espíritos piores do que ele, e ali entram e habitam; e o último estado daquele homem fica sendo pior do que o primeiro. Assim também acontecerá a esta geração perversa.

Ora, o espírito é invisível e permanece na sua condição invisível. Jesus revela que o espírito impuro chama o local de onde ele havia saído, de minha casa. “Voltarei para a minha casa”.

Jesus também chama a atenção da necessidade de manter a casa habitada com outras coisas, visando impedir ou dificultar a volta do espírito imundo.

Quem é que manteria a casa habitada?? Quem é que tem a responsabilidade de manter a casa habitada??

Jesus deixou bem claro que é o humano individual quem tem esta responsabilidade.

Percebemos então que é o humano quem permitirá ou não a entrada e a permanência de Jesus e de Jeová dentro do seu coração.

Como isto acontecerá??

O primeiro mandamento é:Tens de amar a Jeová, teu Deus, de todo o teu coração.

O segundo mandamento é: Tens de amar a teu próximo como a ti mesmo.

Como o humano consegue fazer isto??

O que disse Jesus??

Aquele me ama é aquele que guarda os meus mandamentos.

O discípulo individual precisa ter os mandamentos de Jeová dentro do seu coração.

O que Jeová já havia falado para Jeremias??

(Jeremias 31:33-34) 33 Pois este é o pacto que concluirei com a casa de Israel depois daqueles dias”, é a pronunciação de Jeová. “Vou pôr a minha lei no seu íntimo e a escreverei no seu coração. E vou tornar-me seu Deus e eles mesmos se tornarão meu povo.” 34 E não mais ensinarão, cada um ao seu companheiro e cada um ao seu irmão, dizendo: ‘Conhecei a Jeová!’ porque todos eles me conhecerão, desde o menor deles até o maior deles”, é a pronunciação de Jeová. “Porque perdoarei seu erro e não me lembrarei mais do seu pecado.”


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Jeremias 31:33-34) 33 Mas esta é a aliança que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz Jeová: Imprimirei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração; eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo; 34 não ensinará mais cada um ao seu próximo, dizendo: Conhece a Jeová; porque todos me conhecerão desde o menor até o maior deles, diz Jeová. Pois perdoarei a sua iniqüidade, e não me lembrarei mais dos seus pecados.

Como o discípulo individual consegue ter os mandamentos de Jeová dentro do seu coração??

O discípulo precisa concordar com o mandamento e amar fazer as coisas da forma como o mandamento define.

O segredo está em amar fazer as coisas, pois fazemos com prazer somente aquilo que amamos. Mesmo estando em circunstâncias desfavoráveis, nós persistimos em fazer as coisas que amamos fazer.

A pessoa precisa amar a pobreza para manter-se alegremente no estado de pobre, apesar de todos ao redor estarem correndo atrás da riqueza.

A pessoa precisa amar a pobreza para vender todas as coisas e dar aos pobres, apesar de todos ao redor estarem correndo atrás de se apossar e se apossar de mais coisas.

A pessoa precisa amar a humildade para manter-se alegremente em uma posição rebaixada, apesar de todos ao redor estarem correndo atrás da altivez.

A pessoa precisa amar o perdão para manter-se perdoando agressores, apesar de todos ao redor estarem correndo atrás da punição para o agressor e de uma compensação por palavras e ações dos agressores.

Percebemos que a lei de Jeová precisa estar escrita no nosso coração para podermos obedecê-la alegremente, apesar das circunstâncias serem inóspitas.

As condições inóspitas são usadas para que o discípulo consiga provar para si mesmo se a lei de Jeová está realmente escrita em seu coração.

Jeová fala para Jeremias para que este informasse para Jerusalém:


(Jeremias 4:14) 14 Lava teu coração da pura maldade, ó Jerusalém, para que sejas salva. Até quando se alojarão no teu íntimo os teus pensamentos errôneos?


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Jeremias 4:14) 14 Ó Jerusalém, lava da malícia o teu coração, para que sejas salva. Até quando permanecerão em ti os teus maus pensamentos?

Rejeite os maus pensamentos.

Estando em uma condição inóspita, o homem será confrontado com os maus pensamentos, no entanto, aquele que ama a forma como Jeová faz as coisas, rejeitará os maus pensamentos, pois os maus pensamentos são uma forma de demonstrar a ausência de amor dentro do coração do discípulo.

O discípulo rejeitará totalmente praticar qualquer ação que revele falta de amor da sua parte.

As circunstâncias inóspitas são oportunidades para que o discípulo deixe sair de dentro dele o amor que ele sente pelo próximo.

Amar o próximo em condições favoráveis, é fácil e qualquer humano consegue.

Aceite as palavras que te falo. Aceite as minhas palavras no teu coração; mete as minhas palavras no teu coração. Assim falou Jeová:

(Ezequiel 3:10) 10 E prosseguiu, dizendo-me: “Filho do homem, todas as minhas palavras que eu te falar aceita no teu coração e ouve com os teus próprios ouvidos.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Ezequiel 3:10) 10 Disse-me mais: Filho do homem, mete no teu coração todas as minhas palavras que eu te falar, e ouve com os teus ouvidos.

Confirma-se a plena necessidade de concordar com o mandamento. Para concordar é necessário entender.

O Semeador da semente excelente falou em entender aquilo que foi ouvido.

(Mateus 13:23) 23 Quanto ao semeado em solo excelente, este é o que ouve a palavra e a entende, que realmente dá fruto e produz, este cem vezes mais, aquele sessenta vezes mais, outro trinta vezes mais.”

Assim verte a Tradução Brasileira:

(Mateus 13:23) 23 O que foi semeado na boa terra, é quem ouve a palavra e a entende, e verdadeiramente dá fruto, produzindo a cento, a sessenta e a trinta por um.

O discípulo precisa ouvir o mandamento, aceitar o mandamento com o coração e entender o mandamento para começar a praticá-lo em face das circunstâncias inóspitas.





dd

Topo desta página