Quem eram “os crassos pecadores RESPONSÁVEIS por seus atos iníquos e, passíveis de pesado julgamento”?


Última alteração em 02/10/07

Assim se expressou o nosso amado irmão Paulo em uma de suas cartas: (Romanos 1:18-23) 18 Pois o furor de Deus está sendo revelado desde o céu contra toda a impiedade e injustiça dos homens que suprimem a verdade de modo injusto, 19 porque aquilo que se pode saber sobre Deus é manifesto entre eles, porque Deus lho manifestou. 20 Pois as suas [qualidades] invisíveis são claramente vistas desde a criação do mundo em diante, porque são percebidas por meio das coisas feitas, mesmo seu sempiterno poder e Divindade, de modo que eles são inescusáveis; 21 porque, embora conhecessem a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe agradeceram, mas tornaram-se inanes nos seus raciocínios e o seu coração ininteligente ficou obscurecido. 22 Embora asseverassem ser sábios, tornaram-se tolos 23 e transformaram a glória do Deus incorruptível em algo semelhante à imagem do homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de bichos rastejantes.

É dito a respeito destes: Eles não têm desculpa, merecem a morte eterna. É um interessante "julgamento" feito a tais humanos.
Todos os atos ímpios (Romanos 1:18-23) praticados pelos homens ímpios (crassos pecadores), foram também praticados pelo povo escolhido por Deus, escolhido para cumprir um objetivo específico e temporário até a vinda do descendente, e muito além no futuro (foi Jeová quem os escolheu como povo, não foi o povo que escolheu a Jeová para ser seu Deus), com o agravante de que eram conhecedores até mesmo das perfeitas leis de Deus, tendo com Ele um relacionamento pessoal e único, no entanto, Jeová não os condenou à Geena (morte eterna) por cometerem os erros preditos e esperados. O que tinham ou fizeram de especial para serem escolhidos e amados pelo Criador? Algum mérito? Que tinham de melhor que os demais povos? Entretanto, por conhecerem a lei de Deus, o pesado julgamento (sendo justo) não deveria ser neles (principalmente a remanescente tribo de Judá)? Não foram os próprios judeus que erigiram imagens de ídolos “no templo de Jeová” em Jerusalém? Egoistamente, os judeus realmente se consideravam melhores que os demais humanos imperfeitos, pois enquanto eles recebiam de Jeová o perdão junto com o recomeço, a atenção, orientação, punições e bênçãos, próprios do amor de Jeová, os demais receberiam de Jeová, a condenação eterna. Uma monopolização da atenção e das bênçãos de Jeová. Como Jesus deixou bem claro, estavam muito, muito, muito longe do padrão perfeito de Jeová. Mas, como no caso de Jó, a ignorância continuava com eles. Mas, o que dizer da opinião da Rocha, o Deus de fidelidade e sem injustiça, um Deus justo e reto?

Judeus, neste caso representada pela remanescente tribo de Judá, comportaram-se iniquamente. Ezequiel 5:5,6 nos diz: 5 “Assim disse o Soberano Senhor Jeová: ‘Esta é Jerusalém. Coloquei-a no meio das nações, com terras ao seu redor. 6 E ela passou a comportar-se rebeldemente contra as minhas decisões judiciais, em iniqüidade maior do que as nações , e contra os meus estatutos, mais do que as terras ao seu redor, pois rejeitaram as minhas decisões judiciais, e quanto aos meus estatutos, não andaram neles.’
Após estas palavras, podemos identificar os crassos pecadores? Aquele que sabe e rejeita é teoricamente pior do que aquele que não sabe, aquele que vive na sua ignorância.
Um povo ensinado e pactuado com o Criador, que tinham a missão de ser luz para as nações iníquas, estava agindo muito pior do que as nações iníquas não ensinadas por Jeová, inclusive Sodoma. Quanta vergonha! Quanta humilhação!
Podemos confirmar em Ezequiel 16:46-52.
46 “‘E tua irmã mais velha é a própria Samaria com as suas aldeias dependentes, que mora à tua esquerda, e tua irmã mais moça do que tu, que mora à tua direita, é Sodoma com as suas aldeias dependentes. 47 E não andaste nos seus caminhos, nem fizeste segundo as suas coisas detestáveis. Em pouco tempo começaste a agir ainda mais ruinosamente do que elas, em todos os teus caminhos. 48 Assim como vivo’, é a pronunciação do Soberano Senhor Jeová, ‘Sodoma, tua irmã, ela com as suas aldeias dependentes, não fez segundo o que tu fizeste, tu e as tuas aldeias dependentes. 49 Eis que este é o que mostrou ser o erro de Sodoma, tua irmã: Orgulho, fartura de pão e a despreocupação do sossego foram [as coisas] que vieram a ser dela e das suas aldeias dependentes, e ela não fortaleceu a mão do atribulado e do pobre. 50 E elas continuaram a ser soberbas e a praticar uma coisa detestável diante de mim, e eu finalmente as removi, assim como vi [ser conveniente]. 51 “‘E quanto a Samaria, ela não cometeu nem a metade dos teus pecados, mas tu continuaste a fazer abundar as tuas coisas detestáveis mais do que elas, de modo que fizeste as tuas irmãs parecer justas por causa de todas as tuas coisas detestáveis que praticaste. 52 Também tu, carrega a tua humilhação ao teres de argumentar a favor de tuas irmãs. Em vista dos teus pecados, nos quais agiste de modo mais detestável do que elas [agiram], elas são mais justas do que tu . E também tu, envergonha-te e carrega a tua humilhação por fazeres as tuas irmãs parecer justas.’

As palavras saídas da boca do Criador Jeová, acima, definem inequivocamente o crasso pecador a ser plenamente responsabilizado por suas iniqüidades.
Por terem sido ensinados, esperava-se que demonstrassem na prática o aprendizado, que se comportassem “no mínimo”, um pouco melhor do que os ignorantes não ensinados.
Apesar das condições altamente favoráveis para obedecer, (apoio e presença divina visível, os únicos a ter um relacionamento direto com o Criador) violaram o pacto e agiram pior que as nações reconhecidamente iníquas.
As sábias palavras saídas da boca do próprio Jeová não deixam qualquer dúvida:
Isaias 5:1-7 - 5 Por favor, cante eu ao meu amado uma canção de meu amado a respeito de seu vinhedo. Havia um vinhedo que meu amado veio a ter numa ladeira fértil. 2 E ele passou a arroteá-lo e a livrá-lo de pedras, e passou a plantar nele uma videira seleta de casta tinta, e a construir uma torre no meio dele. E havia também um lagar que ele escavara. E esperava que produzisse uvas, mas produziu aos poucos uvas bravas.3 “E agora, ó habitantes de Jerusalém e homens de Judá, por favor, julgai entre mim e meu vinhedo. 4 Que se pode ainda fazer por meu vinhedo que eu já não tenha feito nele? Por que é que esperei que produzisse uvas, mas ele produziu aos poucos uvas bravas? 5 E agora, por favor, faça-vos eu saber o que estou fazendo ao meu vinhedo: Haverá a remoção de sua sebe e terá de destinar-se à queima. Terá de haver uma derrocada de seu muro de pedras, e terá de tornar-se um lugar pisado. 6 E eu o porei qual coisa destruída. Não será podado, nem será capinado. E terão de surgir nele o espinheiro e ervas daninhas; e darei ordem às nuvens para que se abstenham de lançar chuva sobre ele. 7 Porque o vinhedo de Jeová dos exércitos é a casa de Israel, e os homens de Judá são a plantação de que gostava. E ele ficou esperando o julgamento, mas eis a violação da lei! A justiça, mas eis um clamor!”


Entretanto, tais nações reconhecidamente iníquas, eram suas irmãs consanguíneas, filhas do mesmo pai amorreu e mãe hitita.
O pecado de Jerusalém e de Judá é para Jeová um pecado semelhante ao pecado de Sodoma, sua irmã – Isaias 3:8,9. Havendo um julgamento justo e definitivo (um padrão divino de justiça), a condenação teria de ser semelhante para todos. Sendo pior o pecado, a condenação, sendo justa, também seria pior.
Palavras confirmadas em Lamentações 4:6, assim transcrito:
6 A [punição pelo] erro da filha do meu povo vem a ser também maior do que a [punição pelo] pecado de Sodoma, Que foi subvertida como que num instante e para a qual não se voltaram mãos [para ajudar].
Bíblia Edição Pastoral reza: 6 O pecado desta cidade foi de certo MAIOR QUE o de Sodoma, pois Sodoma foi destruída de uma vez, sem ninguém agredi-la.

Versão Almeida Atualizada de 1967 reza: Porque MAIOR É A iniqüidade da filha do meu povo do que o pecado de Sodoma, a qual foi subvertida como num momento, sem que mãos lhe tocassem.


Pecado maior que o de Sodoma; iniquidade maior que a de Sodoma. Estas são repetições das afirmações do próprio Jeová.

Punidos por Jeová com a antecipação da morte, para onde foram tais crassos pecadores iníquos que, através de seus atos, fizeram suas iníquas irmãs consanguíneas Sodoma e Samaria parecerem justas?



Topo da página