O QUE É SER UM DISCÍPULO DE JESUS?



Criada em 03/01/2010 Alterada em 14/05/2014 às 10 : 09



SER UM DISCÍPULO DE JESUS – O QUE É ISSO?





Jesus veio ao planeta terra para estabelecer a definição do que era certo e do que era errado; do que era o bem e do que era o mal; do que era pecado e do que não era pecado; do que era luz e do que era a escuridão; do que era a verdade e do que era a mentira.

Todo e qualquer humano precisa ver Jesus como o fiel da balança para todos os assuntos; como aquele cuja informação é a verdade, e que toda e qualquer informação contrária à de Jesus é uma mentira, e que toda ação oposta à praticada por Jesus também mostra ser uma mentira.

VOCÊ TOMA AS MESMAS DECISÕES DO TEU MESTRE?? Se você é um discípulo de Jesus, isto significa que ele é o teu Mestre. Discípulo é aquele que está buscando ser igual a seu mestre. O discípulo está sempre copiando o seu mestre. Será que você deseja tomar as mesmas decisões tomadas por Jesus em cada uma das circunstâncias do dia a dia que ele passou?? O que envolveria tomar as mesmas decisões?? Seria uma coisa automática?? Será que basta ver alguém fazendo algo, e você já tem a capacidade de fazer igual àquela pessoa?? Será que todo mundo sabe tomar decisões?? Será que tomar decisões é uma coisa simples e fácil?? Será que eu preciso aprender a tomar decisões??

O que está envolvido em tomar decisões??

O que é uma decisão??

Decisão – esta é a definição dada pelo dicionário Houaiss: ato ou efeito de decidir, determinação; qualquer espécie de resolução sobre algum assunto; capacidade de resolver sem hesitação;

decisão

s.f. (1550) 1 ato ou efeito de decidir; determinação 2 resolução tomada após julgamento; juízo, sentença 3 p.ext. qualquer espécie de resolução sobre algum assunto; deliberação 4 capacidade de resolver sem hesitação; coragem, firmeza 5 desp B jogo decisivo; final ¤ etim fr. décision 'id.', este do lat. decisìo,ónis 'diminuição, transação, decisão' ¤ sin/var ver sinonímia de coragem; ver tb. antonímia de hesitação e indiferença ¤ ant hesitação, indecisão, perplexidade, vacilação; ver tb. antonímia de coragem


Quem decide é aquele que tem mais de uma opção.

Neste caso, perguntamos: Jesus tomava e mantinha sua decisão ou ele era movido pelo espírito santo?? Ele tomava a decisão de ir ou ele era levado pelo espírito santo para lá e para cá?? Será que Jesus permitia ser levado pelo espírito santo ou ele tomava a decisão de ir?? Será que Jesus deixava o espírito santo usar a sua mente e corpo para fazer algo ou Jesus decidia fazer ou não fazer algo??

Falou-se em capacidade de resolver.

O que envolve ter capacidade??

Envolve ser capaz de.

Capaz - esta é a definição dada pelo dicionário Houaiss: que possui qualidades necessárias ao desempenho

capaz

adj.2g. (sXV) 1 dotado de capacidade (para acomodar, conter, abrigar etc. pessoas ou coisas) <elevador c. de suportar 12 pessoas> 2 que possui qualidades necessárias ao desempenho (diz-se de pessoa) <pessoa c. de grande concentração> 3 que possui certas características propiciadoras (diz-se de pessoa ou coisa) <indivíduo c. de agir violentamente se provocado> <material c. de repelir calor> 4 dotado de seriedade e competência; honesto, idôneo <funcionário c.> 5 próprio (para o fim a que se destina); conveniente, adequado <acomodações c. de receber a família real> ¤ gram sup.abs.sint.: capacíssimo ¤ etim lat. capax,ácis 'que pode conter, que pode apreender ou compreender' ¤ ant incapaz, inepto


O indivíduo capaz é aquele que possui qualidades necessárias ao desempenho.

Neste caso, o indivíduo precisa ter competência.

Competência – esta é a definição dada pelo dicionário Houaiss: soma de conhecimentos ou de habilidades

competência

s.f. (1522) 1 jur qualidade legítima de jurisdição ou autoridade, conferidas a um juiz ou a um tribunal, para conhecer e julgar certo feito submetido à sua deliberação dentro de determinada circunscrição judiciária 2 p.ext. atribuição, alçada, conta <isto não é da sua c.> 3 p.ext. capacidade que um indivíduo possui de expressar um juízo de valor sobre algo a respeito de que é versado; idoneidade <falta-lhe c. para opinar> 4 p.ext. soma de conhecimentos ou de habilidades <ganhou com c. todas as corridas de que participou> 5 fig. infrm. indivíduo de grande autoridade num ramo do saber ou do fazer; notabilidade <está entre as grandes c. da medicina> 6 pretensão de mais de um indivíduo à mesma coisa; concorrência, disputa, competição <os dois correram em c.> 7 luta, conflito, discussão <ter uma c. sobre uma questão delicada> 8 ling saber linguístico inconsciente, graças ao qual o indivíduo é capaz de construir, reconhecer e compreender frases gramaticais em sua língua, mesmo as nunca ouvidas antes ² à ou em c. por meio de ou em confronto, disputa, luta ou discussão; à compita • c. imunitária med 1 presença, num indivíduo, de anticorpo sérico ou anticorpo celular 2 capacidade de um linfócito produzir anticorpos celulares, tornando-se com isso imunocompetente ¤ etim lat. competentia,ae 'proporção, simetria etc.'; de competère 'competir, concorrer' ¤ sin/var ver sinonímia de alçada ¤ ant imperícia, incompetência, inépcia, inaptidão


Existem decisões fáceis de serem tomadas, enquanto outras serão difíceis de serem tomadas.

Percebemos que tomar decisões envolve ter capacidade. Envolve saber o que está fazendo; envolve ter competência, isto é, soma de conhecimentos ou habilidades para tomar tal decisão, sem que tal decisão venha trazer um vitupério moral sobre você ou sobre outros.

O humano precisa de informações plenamente confiáveis para se tornar competente em tomar decisões.

Jesus era uma pessoa sábia, em face disso, suas decisões revelavam a sua competência.

Neste caso, ao me encontrar nas mesmas circunstâncias em que Jesus se encontrava, eu preciso tomar as mesmas decisões que ele tomou para que eu prove pra mim mesmo que ele é o meu Mestre.

Antes de continuarmos a falar sobre ser um discípulo, vamos ler sobre um algo ocorrido em Jerusalém nos dias em que Jeremias estava vivo.

Jeremias era um mensageiro usado por Jeová pra retransmitir àquela geração algumas palavras Suas. Em certa ocasião, Jeová chamou Jeremias para testemunhar algo muito interessante e instrutivo.

(Jeremias 35:1-16) 35 A palavra que veio a haver para Jeremias da parte de Jeová nos dias de Jeoiaquim, filho de Josias, rei de Judá, dizendo: 2 Vai à casa dos recabitas, e tens de falar com eles e trazê-los à casa de Jeová, a um dos refeitórios; e tens de dar-lhes vinho a beber.” 3 Portanto, tomei a Jaazanias, filho de Jeremias, filho de Habazinias e seus irmãos, e todos os seus filhos, e todos os da casa dos recabitas, 4 e passei a levá-los à casa de Jeová, ao refeitório dos filhos de Hanã, filho de Igdalias, homem do [verdadeiro] Deus, que se achava ao lado do refeitório dos príncipes, que estava por cima do refeitório de Maaséias, filho de Salum, guarda da porta. 5 Então pus diante dos filhos da casa dos recabitas cálices cheios de vinho e copos, e disse-lhes: “Bebei vinho.” 6 Mas eles disseram: “Não beberemos vinho, porque Jonadabe, filho de Recabe, nosso antepassado, foi quem nos deu a ordem, dizendo: ‘Não deveis beber vinho, nem vós nem os vossos filhos, por tempo indefinido. 7 E não deveis construir casa e não deveis semear semente; e não deveis plantar vinhedo, nem deve tornar-se vosso. Mas em tendas é que deveis morar todos os vossos dias, para que continueis vivendo por muitos dias na superfície do solo onde residis como forasteiros.’ 8 De modo que continuamos a obedecer à voz de Jonadabe, filho de Recabe, nosso antepassado, em tudo o que nos ordenou, não bebendo absolutamente nenhum vinho, todos os nossos dias, nós, nossas esposas, nossos filhos e nossas filhas, 9 e não construindo casas para morarmos nelas, para que nenhum vinhedo, nem campo, nem semente se tornem nossos. 10 E continuamos a morar em tendas e a obedecer e a fazer segundo tudo o que Jonadabe, nosso antepassado, nos ordenou. 11 Mas, aconteceu que, quando Nabucodorosor, rei de Babilônia, subiu contra o país, começamos a dizer: ‘Vinde e entremos em Jerusalém, por causa da força militar dos caldeus e por causa da força militar dos sírios, e moremos em Jerusalém.’” 12 E passou a vir a haver a palavra de Jeová para Jeremias, dizendo: 13 Assim disse Jeová dos exércitos, o Deus de Israel: ‘Vai, e tens de dizer aos homens de Judá e aos habitantes de Jerusalém: “Não recebestes continuamente exortação para obedecerdes às minhas palavras?” é a pronunciação de Jeová. 14 Houve cumprimento das palavras de Jonadabe, filho de Recabe, que ele ordenou aos seus filhos, para não beberem vinho, e eles não beberam nenhum até o dia de hoje, porque obedeceram ao mandamento de seu antepassado. E no que se refere a mim, falei-vos, levantando-me cedo e falando, mas não me obedecestes. 15 E eu continuei a enviar-vos todos os meus servos, os profetas, levantando-me cedo e enviando-os, dizendo: ‘Recuai, por favor, cada um do seu mau caminho, e tornai boas as vossas ações, e não andeis atrás de outros deuses para servi-los. E continuai morando no solo que dei a vós e aos vossos antepassados.’ Mas vós não inclinastes o vosso ouvido nem me escutastes. 16 Mas os filhos de Jonadabe, filho de Recabe, cumpriram o mandamento de seu antepassado, que este lhes ordenou; quanto a este povo, porém, não me escutaram.”’”



Resumo de toda a história dos recabitas: Estes homens se mostraram verdadeiros discípulos de Jonadabe filho de Recabe.

Depois de termos uma visão sobre o que representa ser um discípulo, agora falemos de ser um discípulo de Jesus.

Jesus "mostrou ser" um humano inédito. Seus sentimentos, suas palavras e suas ações foram inéditos para os humanos de sua geração. Foram sentimentos, palavras e ações 100% opostos aos de TODOS os humanos nascidos até então. Que reações produziriam nas pessoas que conviviam com Jesus, estas palavras e ações de Jesus, palavras e ações 100% opostas às produzidas por toda uma nação adoradora de Jeová?? Os adoradores de Jeová deviam ficar felizes por terem a Jesus como companheiro. As palavras de Jesus em relação a seus contemporâneos foi a seguinte: (João 3:19-21) 19 Agora, esta é a base para o julgamento: que a luz veio ao mundo, mas os homens AMARAM mais a escuridão do que a luz, porque as suas obras eram iníquas. 20 Pois quem pratica coisas ruins odeia a luz e não se chega à luz, a fim de que as suas obras não sejam repreendidas. 21 Mas, quem faz o que é verdadeiro se chega à luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas como tendo sido feitas em harmonia com Deus.”

Bem, eles odiaram a Luz, odiaram as palavras saídas da Luz. Eles odiaram ter Jesus como companheiro. As palavras saídas da Luz reprendiam as ações praticadas por todas as pessoas que se consideravam justas. O que representaria para um humano qualquer, ser um discípulo da Luz?? Alguns destes adoradores de Jeová que se achavam justos sentiam até mesmo vergonha, tanto das ações praticadas pela Luz como das palavras saídas da Luz. A Luz “mostrou ser” REPREENSÃO para toda uma nação adoradora de Jeová. Aquele que odiava a repreensão passou a odiar a Luz. O “rebelde” odeia a repreensão. O “rebelde” odeia qualquer palavra que aos seus ouvidos revele ser uma repreensão. O “rebelde” acha que está fazendo o que é certo. Na sua ignorância ele jura que está fazendo o que é certo.

Os adoradores de Jeová sentiam aversão das ações de Jesus. Comparando as ações de Jesus com as ações dos admirados antepassados, eles até mesmo negavam o fato de Jesus ser um profeta. Por que?? Porque Jesus não se comportava como os antepassados. (Lucas 7:39) 39 À vista disso, o fariseu que o convidara dizia no seu íntimo: “Este homem, SE FOSSE PROFETA, saberia quem e que espécie de mulher é que o toca, que ela é pecadora.

Como é que pode ele se misturar com esta espécie gente!!! Como pode? Ele não discrimina tais pecadores??

DISCRIMINAÇÃOEsta é a definição dada por certo dicionário (Houaiss):

discriminação

s.f. (1881) ato ou efeito de discriminar 1 faculdade de discriminar, distinguir; discernimento 2 ação ou efeito de separar, segregar, pôr à parte <d. racial> 3 p.ext. tratamento pior ou injusto dado a alguém por causa de características pessoais; intolerância, preconceito <os idosos lutam contra a d. no mercado de trabalho> 4 jur ato que quebra o princípio de igualdade, como distinção, exclusão, restrição ou preferências, motivado por raça, cor, sexo, idade, trabalho, credo religioso ou convicções políticas etim lat. discriminatìo,ónis 'separação' ant indiscriminação par descriminação(s.f.)




Discípuloa definição dada por certo dicionário (Houaiss) é: Aprendiz, aluno, seguidor e continuador. Aprendiz de Jesus; aluno de Jesus; seguidor e continuador de Jesus. O aluno COPIA o seu Mestre. O aluno deseja ser uma cópia do seu mestre, para ser identificado por outros como sendo um discípulo daquele.

discípulo Datação: sXIII

n substantivo masculino

1 quem estuda; aluno

2 aprendiz, aluno receptivo a ensinamentos

Ex.: Sócrates ensinava a seus d. pelo método da maiêutica

3 aluno, seguidor disposto a dar prosseguimento ao trabalho (de seu mestre); epígono

Ex.: os d. de Freud fundaram várias escolas psicanalíticas

4 seguidor devotado (das ideias, conselho ou exemplo de outro)

5 seguidor convicto (de uma ideia, uma virtude, um ideal etc.)

Ex.: d. da fé, da honra

6 Rubrica: religião.

nos Evangelhos, cada um dos apóstolos, seguidores próximos de Jesus, aos quais ele transmitiu seus ensinamentos para que os propagassem



Discípulo de alguém que não come carne é aquele que não come carne. Se ele come carne como pode afirmar ser discípulo daquele que não come carne?? Um herbívoro é discípulo de outro herbívoro e um carnívoro é discípulo de outro carnívoro.

Seja meu seguidor; siga-me. Como entendeu e reagiu Mateus a este convite de Jesus?? Assim se fez registrar: (Mateus 9:9) 9 A seguir, passando dali para diante, Jesus avistou um homem chamado Mateus, sentado na coletoria, e disse-lhe: “Sê meu seguidor.” Em conseqüência disso, este se levantou e o seguiu.

Assim verte a Tradução Almeida: (Mateus 9:9) 9 Partindo Jesus dali, viu sentado na coletoria um homem chamado Mateus, e disse-lhe: Segue-me. E ele, levantando-se, o seguiu.

A quem Mateus devia seguir daquele momento em diante?? A Jesus. Cada um dos discípulos devia fazer o mesmo que Mateus, ou seja, cada um devia ser um seguidor de Jesus. Nenhum deles devia se tornar “seguidor de um seguidor” de Jesus. Mateus abandonou o que estava fazendo e seguiu Jesus, tornando-se um discípulo.

Discípulo” de Jesus não é uma profissão, com direito a remuneração e férias. Ser discípulo de Jesus não é ser um membro de uma religião. Ser discípulo de Jesus não é ser membro de uma seita ou de uma irmandade. Ser discípulo de Jesus não é estar filiado a qualquer instituição. Ser discípulo de Jesus não é ser membro de qualquer grupo ou casta social. Você não depende de qualquer grupo para ser um discípulo de Jesus, isto porque se o grupo de desviar, você pode ir junto com o grupo. O discípulo de Jesus não se deixa liderar por qualquer outro humano, pois o discípulo de Jesus tem a Jesus como seu únicoLÍDER”. Ser discípulo de Jesus envolve cada detalhe da vida. Ser discípulo de Jesus não é ser um grande ator, ou seja, viver representando um papel, pois como discípulo, ele praticará no dia a dia as mesmas coisas que Jesus praticou. O discípulo de está sempre disposto a acompanhar o Mestre nos sofrimentos que o mestre passou. O discípulo de Jesus não se envergonha de acompanhar o Mestre no seu dia a dia de pobreza, sendo tão pobre quanto o mestre. O discípulo de Jesus não se envergonha de acompanhar o Mestre no seu dia a dia de perdoador, sendo tão perdoador quanto o Mestre, perdoando àqueles que caçoam e matam, nunca deixando de amá-los. O discípulo de Jesus não se envergonha de ser tão abnegado quanto o Mestre. Jesus é um MESTRE que permanece VIVO.

JESUS NÃO ERA UM ATOR.

Discípulo de Jesus é aquele que ADOTA a Jesus como Instrutor e Mestre. É aquele que ACEITA a Jesus como seu professor. É aquele que adota e faz de Jesus o seu único modelo humano. Discípulo de Jesus é aquele aluno que obedece a Jesus. O objetivo do discípulo é ser 100% igual a seu mestre, Jesus. Discípulo de Jesus é aquele que se propõe a copiar a PERSONALIDADE de Jesus, ou seja, ter seu “interiorexatamente igual ao do MESTRE. Todas as características da personalidade de Jesus devem ser copiadas pelo discípulo de Jesus.

O discípulo não se rebela contra a Luz, não se rebela contra as palavras saídas da Luz. Quanto a como demonstrar ser um discípulo, assim falou Jesus: (João 8:31-32) 31 E Jesus prosseguiu assim a dizer aos judeus que acreditavam nele: “Se permanecerdes na minha palavra, sois realmente meus discípulos, 32 e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.”

A palavra falada por Jesus é o CAMINHO que nos levará a sermos exatamente iguais a ele. A palavra falada EXPLICA O PORQUE o MESTRE adota aquela forma de vida.

(dis.cí.pu.lo)

 sm.

  1  Indivíduo que recebe ensinamentos ou segue as ideias de um mestre

  2  Aquele que aprende, que estuda (qualquer disciplina); ALUNO

  3  Rel.  Segundo os Evangelhos, cada um dos seguidores próximos de Jesus, a quem transmitiu seus ensinamentos; APRENDIZ; ALUNO.

  4  Seguidor e continuador do trabalho de alguém; EPÍGONO.: discípulos de Kant

  5  Seguidor de um ideal, de uma filosofia, de uma virtude: discípulos da fé

 

 [F.: Do lat. discipulus.]

 

O DISCÍPULO DE UM PERDOADOR REVELA TER UM ESPÍRITO PERDOADOR, ENQUANTO O DISCÍPULO DE JUSTICEIRO REVELA TER UM ESPÍRITO JUSTICEIRO.

O objetivo do discípulo é se tornar uma CÓPIA do seu Mestre.

Aquele que recebe e segue as ideias de um mestre.

Você é bem uma CÓPIA do teu Mestre” – isto é o que desejará OUVIR o discípulo. Vindo de alguém que realmente CONHEÇA o Mestre, será motivo de alegria.

Quem é o Mestre?? Assim responde o próprio Jesus: (Mateus 23:8-10) 8 Mas vós, não sejais chamados Rabi, pois UM SÓ É O VOSSO INSTRUTOR, ao passo que todos vós sois IRMÃOS. 9 Além disso, não chameis a ninguém na terra de vosso pai, pois um só é o vosso Pai, o Celestial. 10 Tampouco sejais chamados ‘líderes’, pois o vosso Líder É UM SÓ, o Cristo.

Que espécie de irmandade seria esta?? Todos vós sois irmãos por serem filhos do mesmo Pai, o Celestial; nenhum de vós é líder, pois o vosso Líder é o Cristo; nenhum de vós é instrutor, pois um só é o vosso Instrutor. Logo, o discípulo continua sendo discípulo.

LÍDERdefinição dada por certo dicionário (Houaiss): Indivíduo que tem autoridade para comandar e coordenar outros, um comandante, um dirigente. > LÍDER

líder Datação: c1900

n substantivo de dois gêneros

1 indivíduo que tem autoridade para comandar ou coordenar outros

2 pessoa cujas ações e palavras exercem influência sobre o pensamento e comportamento de outras

Ex.: via-se que ela era a l. natural da turma

3 Derivação: por extensão de sentido.

país, Estado, grupo que exerce sobre os congêneres predomínio, domínio ou tutela nos campos político, social, econômico e cultural

4 Derivação: por extensão de sentido.

porta-voz, chefe de um partido ou movimento político

Ex.: o l. dos trabalhadores

4.1 parlamentar que representa a bancada de um partido político ou do governo num plenário

5 Derivação: por extensão de sentido.

indivíduo ou a equipe que vem ocupando o primeiro lugar numa competição esportiva



Líder também é aquela pessoa cujas ações e palavras EXERCEM INFLUÊNCIA sobre o pensamento e comportamento de outras.

Não aceite ser um líder, não aceite ser colocado na condição de líder, não aceite ser LIDERADO por nenhum outro humano. Isto inclui qualquer discípulo de Jesus vivo ou morto. Excetuando Jesus, não aceite ser COMANDADO por qualquer outro humano, quer esteja vivo ou morto.

Todos os discípulos devem deixar-se influenciar pelo pensamento e pelo comportamento do seu mestre, pois são muitos os discípulos e apenas um único Mestre.

O discípulo de Jesus não deve se deixar influenciar por palavras e ações de outros discípulos de Jesus, passando a ser liderado por esta pessoa.

COMANDAR - Definição dada por certo dicionário: Comandar é dar ordens, é mandar fazer. Deter autoridade sobre outrem: Eu te mando fazer isto ou aquilo > COMANDAR

comandar Datação: 1789

n verbo

transitivo direto

1 Rubrica: termo militar.

dirigir como superior em qualquer arma

Ex.: comandava um contingente de 300 soldados

transitivo direto e intransitivo

2 deter autoridade sobre outrem

Exs.: c. um grupo armado

comanda a família com mão de ferro

é inteligente mas não sabe c.

transitivo direto e intransitivo

3 governar, administrar, gerir

Exs.: c. um grupo de fábricas

atingiu o topo mas nunca chegou a c.

transitivo direto

4 dar orientação a, atuando como líder; chefiar

Ex.: c. um assalto

transitivo direto

5 operar o mecanismo de controle de (um veículo), fazendo-o seguir um trajeto ou rumo

Ex.: c. uma embarcação

transitivo direto

6 Derivação: sentido figurado.

fazer (uma parte do corpo) mover-se da maneira pretendida

Ex.: bêbedo, não conseguia c. as pernas

transitivo direto

7 Derivação: sentido figurado.

estabelecer preceitos, ordens; ordenar, mandar

Ex.: os mandamentos comandam que não matemos

transitivo direto

8 Derivação: sentido figurado.

ter domínio sobre; conduzir

Ex.: a alegria comanda o espetáculo

transitivo direto

9 Derivação: sentido figurado.

estar em posição mais elevada que; dominar

Ex.: a praça-forte comanda a entrada da barra



COMANDADO / LIDERADOdefinição dada por certo dicionário: Aquele que obedece; aquele que está sob o domínio de, aquele que se submete a.

LIDERADO

liderado Datação: sXX

n adjetivo e substantivo masculino

que ou o que está sob influência ou domínio de um líder



O discípulo de Jesus está sob o domínio de Jesus, logo ele se submete a Jesus. Todos os outros discípulos também estão na mesmíssima condição. O discípulo de Jesus NÃO SE SUBMETE a outro discípulo de Jesus, aceitando-o como seu líder, aceitando-o como alguém que tem AUTORIDADE sobre ele.

Comandante é aquele que dá ordens e comandado é aquele que obedece às ordens do comandante. Você tem a escolha de obedecer ou não àquele que se coloca na posição de comandante. Neste caso, você o aceita ou não como sendo seu comandante ou seu líder.

O discípulo não cria novas regras. Assim falou o COMANDANTE: (Mateus 28:18-20) 18 E Jesus, aproximando-se, falou-lhes, dizendo: “Foi-me dada TODA A AUTORIDADE no céu e na terra. 19 Ide, portanto, e fazei discípulos de pessoas de todas as nações, batizando-as em o nome do Pai, e do Filho, e do espírito santo, 20 ENSINANDO-AS A OBSERVAR TODAS AS COISAS QUE VOS ORDENEI. E eis que estou convosco todos os dias, até à terminação do sistema de coisas.”

ENSINE OUTROS A OBEDECER ÀS ORDENS QUE JÁ FORAM DADAS POR MIM A VOCÊS. Como ensinar outros a obedecer a todas as ordens dadas pelo comandante?? Além de repetir todas as ordens para o novo discípulo, o comandado “mostraria comoobedecer a cada uma das ordens. Assim, se o novo discípulo não entendesse bem a ordem dada, ele poderia olhar como este comandado estava obedecendo a esta mesma ordem. No entanto, para não haver qualquer dúvida, este novo discípulo TAMBÉM deveria olhar para o “COMO” seu Líder e Comandante (Jesus) obedeceu a esta mesma ordem, e assim, não haveria nenhum desvio do Líder por parte de NENHUM discípulo.

O Comandante falou todas as ordens e “MOSTROU COMOobedecer a cada uma das ordens que ele deu. O Comandante também estava repetindo estas ordens. A fonte destas ordens foi o Pai.

O Pai também havia mostrado ao Filho, o COMO obedecer a estas ordens.

Assim havia falado o Comandante: “Vou “MOSTRAR COMOobedecer a lei”. (Mateus 5:17-19) 17 Não penseis que vim destruir a Lei ou os Profetas. NÃO VIM DESTRUIR, MAS CUMPRIR; 18 pois, deveras, eu vos digo que antes passariam o céu e a terra, do que passaria uma só letra menor ou uma só partícula duma letra da Lei sem que tudo se cumprisse. 19 Quem, portanto, violar um destes mínimos mandamentos e ensinar a humanidade neste sentido, será chamado ‘mínimo’ com relação ao reino dos céus. QUANTO ÀQUELE QUE OS CUMPRIR E ENSINAR, esse será chamado ‘grande’ com relação ao reino dos céus.

O Comandante deixou bem claro que só poderá ENSINAR a fazer algo de forma correta e perfeita, aquele que, de forma prática, souber COMO fazê-lo de forma correta e perfeita, este algo que ele está ensinando. É ESTRITAMENTE NECESSÁRIO CUMPRIR AQUILO QUE ESTÁ MANDANDO OS OUTROS FAZEREM.

Ensinar é mais do que uma mera repetição de palavras. Jesus MOSTROU como ensinar. Ele passou três anos e meio, diariamente ensinando seus apóstolos a COMO obedecer a lei, o que incluía cada palavra do Sermão do Monte. Jesus cumpriu (obedeceu) cada uma das ordens que ele deu a seus discípulos. Jesus deu as ordens e depois mostrou como obedecer a cada uma destas ordens.

O Comandante deixou bem claro que CADA UM tem de se preocupar em estar cumprindo TODOS os mandamentos da Lei.

Não se desvie do Mestre. Não se desvie das palavras faladas pelo Mestre. Compare as palavras faladas por qualquer humano, inclusive as faladas por um dos alunos, com a palavra já falada pelo Mestre. O seguidor de Jesus só aceita a Jesus como Mestre. O seguidor de Jesus aceita como verdade todas as palavras faladas por Jesus, mesmo que estas palavras contrariem TODOS os humanos que viveram antes ou depois de Jesus tê-las pronunciado, mesmo que estes humanos sejam até mesmo alunos de Jesus. O seguidor de Jesus rejeita toda e qualquer palavra que contrarie, altere ou negue as palavras faladas por Jesus, mesmo que TODOS os demais humanos decidam fazê-lo. O seguidor de Jesus aceita Jesus como sendo um profeta autêntico, ou seja, aceita como verdade, que, todas as palavras faladas por Jesus são uma exata repetição das palavras faladas pelo Pai, Jeová. O seguidor de Jesus aceita Jesus como sendo o único que realmente conhece o Pai, e assim, aceita como verdade todas as afirmações de Jesus em relação a personalidade do Pai, rejeitando todas as outras que contrariem aquilo que foi falado por Jesus, independente de quem as tenha falado, quer antes, quer depois de sua morte. O seguidor de Jesus aceita a Jesus como sendo sua única luz, além de Jeová. Embora contrariem as palavras faladas por respeitados humanos de destaque entre os judeus, são as palavras faladas por Jesus que tiram os humanos da escuridão, desde que sejam aceitas como verdade por este humano individual. Entrar e sair da escuridão são ações pessoais, individuais. O seguidor de Jesus aceita Jesus, não como alguém que representava muito bem o papel de ovelha, mas como alguém que era uma ovelha autêntica. Jesus não era um grande ator, ele viveu a sua real personalidade. Ele continua vivo e continua sendo uma “ovelha”.

(João 17:25) . . .Justo Pai, O MUNDO, DEVERAS, NÃO VEIO A CONHECER-TE; mas eu vim a conhecer-te, e estes vieram a saber que tu me enviaste. (Mateus 11:27) 27 Todas as coisas me foram entregues por meu Pai, e ninguém conhece plenamente o Filho, exceto o Pai, TAMPOUCO HÁ QUEM CONHEÇA PLENAMENTE O PAI, EXCETO O FILHO e todo aquele a quem o Filho estiver disposto a revelá-lo. (João 8:12) 12 Portanto, Jesus falou-lhes novamente, dizendo: “EU SOU A LUZ DO MUNDO. Quem me segue, de modo algum andará na escuridão, mas possuirá a luz da vida.”

(Mateus 7:21) 21 “NEM TODO O QUE ME DISSER: ‘SENHOR, SENHOR’, ENTRARÁ NO REINO DOS CÉUS, senão aquele que fizer a vontade de meu Pai, que está nos céus.

Nem todo aquele que chama a Jesus de “Senhor”, conhece a real personalidade de Jesus.

(Mateus 7:24) 24 Portanto, todo aquele que OUVE estas minhas palavras E AS PRATICA será comparado a um homem discreto, que construiu a sua casa sobre a rocha.

Aquele que segue a Jesus, que tem a Jesus como Mestre não pode negar uma única das palavras de Jesus, pois isto seria o mesmo que negar a pessoa Jesus. Não pode se envergonhar das palavras e das ações de Jesus. Renegar a uma das palavras de Jesus é o mesmo que renegar a pessoa de Jesus. (Marcos 8:34-38) 34 Chamou então a multidão a si, com seus discípulos, e disse-lhes: “Se alguém quer vir após mim, repudie-se a si mesmo e apanhe a sua estaca de tortura, e siga-me continuamente. 35 Pois, todo aquele que quiser salvar a sua alma, perdê-la-á; mas todo aquele que perder a sua alma por causa de mim e das boas novas, salvá-la-á. 36 Realmente, de que proveito é para um homem ganhar o mundo inteiro e pagar com a perda da sua alma? 37 O que, realmente, daria o homem em troca de sua alma? 38 Porque todo aquele que ficar envergonhado de mim e das minhas palavras, nesta geração adúltera e pecaminosa, deste o Filho do homem também se envergonhará, quando chegar na glória de seu Pai, com os santos anjos.”

Repudie-se a si mesmosinta vergonha de ti mesmo e de tuas ações; não fique envergonhado de mim, nem das minhas palavras, nem das minhas ações. Assim define certo dicionário a expressão repudiar: REPUDIAR - Abandonar, rejeitar, desamparar, repelir. Reprovar.

repudiar Datação: 1589

n verbo

transitivo direto

1 rejeitar (a esposa) de acordo com as formalidades da lei; separar-se de (a esposa) por meio do divórcio

transitivo direto

2 deixar que (alguém ou algo) fique só; largar ao abandono, ao desemparo; separar-se

Ex.: r. a família

transitivo direto

3 opor recusa a; demonstrar rejeição por; repelir

Ex.: r. uma sociedade



Não sinta vergonha de mim ou das minhas palavras. Por que pronunciou Jesus tais palavras?? Toda uma nação de servos de Jeová se orgulhava de Jacó, de Davi, de Sansão, de Moisés, de Elias, de Eliseu e de muitos outros violentos servos de Jeová. Eles também se orgulhavam das palavras faladas por estes homens e das ações praticadas por estes homens, seus antepassados. Estes humanos eram louvados e glorificados por seus descendentes; eram heróis a serem imitados. A nação repetia as palavras e as ações de tais servos de Jeová. As palavras e as ações destes homens exerciam forte influência sobre toda a nação, logo, eram aceitos como seus líderes e orientadores. Se Jesus agisse igual a estes antepassados, certamente também seria tão admirado quanto os demais. Consequentemente, ninguém ficaria envergonhado de Jesus e das palavras de Jesus. No entanto, as palavras e as ações pacíficas de Jesus eram inéditas. As palavras da Luz questionavam as ações e os sentimentos destes antepassados elogiados, louvados e glorificados. Na verdade, as palavras da Luz repreendiam os sentimentos, as palavras e as ações imitadas por toda aquela geração. As palavras faladas por Jesus contrariavam as palavras faladas por Moisés. As palavras faladas por Moisés eram louvadas e praticadas por todos daquela geração e aceitas como as palavras que Jeová mandara Moisés falar ao povo. Se eram palavras contrárias ao que Jesus estava falando, certamente uma era “verdade” e a outra era “mentira”.

(João 14:23-24) 23 Em resposta, Jesus disse-lhe: “Se alguém me amar, OBSERVARÁ A MINHA PALAVRA, e meu Pai o amará, e nós iremos a ele e faremos a nossa residência com ele. 24 Quem não me ama, não observa as minhas palavras; e a palavra que estais ouvindo não é minha, mas PERTENCE AO PAI que me enviou.

Observar a minha palavra significa prestar atenção e obedecer a palavra falada pelo Mestre.

(João 14:25-26) 25 Enquanto permaneci convosco, falei-vos destas coisas. 26 Mas O AJUDADOR, o espírito santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas e VOS FARÁ LEMBRAR TODAS AS COISAS QUE EU VOS DISSE.

Seguidor e continuador do trabalho de alguém

Jesus "mostrou ser" seguidor e continuador dos trabalhos do Pai e não dos trabalhos dos “fieis” antepassados: (João 5:19) 19 Portanto, em resposta, Jesus prosseguiu a dizer-lhes: “Digo-vos em toda a verdade: O FILHO NÃO PODE FAZER NEM UMA ÚNICA COISA DE SUA PRÓPRIA INICIATIVA, MAS SOMENTE O QUE ELE OBSERVA O PAI FAZER. PORQUE AS COISAS QUE ESTE FAZ, ESTAS O FILHO FAZ TAMBÉM DA MESMA MANEIRA.

Exatamente assim como Jesus, não é você um filho do Pai Celestial?? Então repita estas mesmas palavras faladas por Jesus. “Eu, como filho, não posso fazer nem uma única coisa de minha própria iniciativa, mas somente o que eu observo o Pai fazer. Porque as coisas que Este faz, estas eu faço também da mesma maneira”.

Observa o Mestre fazer e faz também da mesma maneira. As coisas que o Mestre fez, estas o discípulo faz também da mesma maneira. Jesus admite para todos que ele era instruído pelo Pai e que era um imitador do Pai.

Assim, o discípulo de Jesus não pode fazer nem uma única coisa de sua própria iniciativa, mas somente aquilo que ele observa Jesus fazer. Porque as coisas que Jesus faz, estas o discípulo faz também da mesma maneira.

Se tornar igual ao Mestre:Basta que o discípulo SE TORNE COMO Jesus”. (Mateus 10:24-25) 24 O discípulo não está acima do seu instrutor, nem o escravo acima do seu senhor. 25 BASTA QUE O DISCÍPULO SE TORNE COMO O SEU INSTRUTOR e o escravo como o seu senhor. Se chamaram de Belzebu ao dono da casa, quanto mais [chamarão] assim aos de sua família?

Assim verte a Tradução Almeida: (Mateus 10:24-25) 24 Não é o discípulo mais do que o seu mestre, nem o servo mais do que o seu senhor. 25 Basta ao discípulo ser como seu mestre, e ao servo como seu senhor. Se chamaram Belzebu ao dono da casa, quanto mais aos seus domésticos?

Assim verte a Tradução Brasileira: (Mateus 10:24-25) 24 Não é o discípulo mais que o seu mestre, nem o servo mais que o seu senhor.25 Basta ao discípulo ser como o seu mestre, e ao servo como o seu senhor. Se chamaram Belzebu ao dono da casa, quanto mais aos seus domésticos?



Se tornar IGUAL ao Mestre é o mesmo que adquirir a mesma PERSONALIDADE do Mestre.

Ao final, o aluno terá condições de dizer: “Eu e o Mestre somos um”. Isto significa que temos de ver as coisas como Jesus as via; temos de ver as pessoas assim como Jesus as via; temos de sentir pelas pessoas o mesmo que Jesus sentia. Será muito difícil se tornar um seguidor de Jesus sem adquirir a mesma personalidade de Jesus e sem ter os mesmos SENTIMENTOS de Jesus. Seria o mesmo que um camelo passar pelo orifício de uma agulha.

Por que Jesus fazia as coisas daquela forma inédita como as fez?? Jesus tinha uma motivação diferente da motivação de todos os demais humanos.

Para ser um com Jesus, o discípulo deverá ter a mesma motivação que existia em Jesus.

Conseguirá ser um com Jesus, aquele discípulo que, ao se encontrar em uma circunstância idêntica à de Jesus, de forma espontânea e natural, ele falará as mesmas palavras faladas por Jesus e praticará as mesmas ações praticadas por Jesus.

Como conseguir isto??

Segundo o próprio Jesus, todas as nossas palavras e todas as nossas ações são o resultado visível daquilo que enche o nosso coração invisível. Isto revela que aquilo que é invisível produz frutos audíveis e visíveis.

Em consequência disso, o nosso coração invisível deve estar cheio com as mesmas coisas invisíveis que existiam no invisível coração de Jesus.

Os servos “adoradores de Jeová” chamaram de Belzebu àquele que mostrou ser a “Luz”. Por que os adoradores de Jeová agiam assim?? As palavras saídas da Luz fazia os adoradores de Jeová reagirem desta forma. No entanto, as palavras saídas da “Luz” provinham de Jeová. Decerto, os adoradores de Jeová dariam ao discípulo da “Luz” um tratamento igual ao dado a “Luz” (Jesus). No entanto, como deveria ser a reação do discípulo da “Luz”?? Decerto deveria ser a mesmíssima reação da “Luz”.

A ordem do Mestre foi: (Mateus 28:19-20) 19 Ide, portanto, e fazei discípulos de pessoas de todas as nações, batizando-as em o nome do Pai, e do Filho, e do espírito santo, 20 ensinando-as a observar TODAS AS COISAS que vos ordenei. E eis que estou convosco todos os dias, até à terminação do sistema de coisas.”. . .

A ordem não foi a de fazer seus próprios discípulos, antes, foi de ensinar outras pessoas a se tornarem discípulos de Jesus.

Será que existia um jeito próprio e pessoal de ser um discípulo de Jesus ou será que todos os discípulos teriam de ser exatamente iguais?? Será que existiam várias formas de ser um discípulo de Jesus?? Será que existem várias formas de ser uma cópia de Jesus??

Não podemos esquecer:PALAVRAS sempre são FRUTOS do sentimento de quem fala assim como AÇÕES são FRUTOS do sentimento de quem faz”.

Ensinando-as a OBEDECER a todas as ordens que eu vos dei. Ensinar a outros TODAS as coisas que foram ordenadas por mim a vocês. A ordem não foi ensinar coisas novas ou as coisas ensinadas pelos antepassados, em face de que as coisas ensinadas por Jesus eram INÉDITAS para seus ouvintes e contrariavam os ensinos vividos pelos antepassados. Não foi dito: “as coisas que vos ordenarei”. Foi dito: “as coisas que vos ordenei”. As ordens já haviam sido dadas aos alunos. Esta ordem foi dada por Jesus depois de sua ressurreição. Um discípulo de Jesus chamado Borges, não tem de ensinar a uma pessoa chamada Leotério, a obedecer as ordens de um discípulo chamado Joaquim. Borges deve deixar bem claro para Leotério, que todos os demais discípulos são apenas cumpridores das ordens saídas da boca de Jesus, inclusive ele Borges, como também, o Joaquim. Borges não deve elevar Joaquim à condição de Líder e Instrutor. Se Joaquim se elevar à condição de Líder e Instrutor, Borges não o aceita como Líder e Instrutor. Borges continua vendo Joaquim como alguém que tem de ser um cumpridor das ordens saídas da boca de Jesus. Se por um acaso, Joaquim der uma ordem em nome de Jesus (ordeno-te em nome de Jesus que faças “isto”), Borges tem a obrigação de verificar se “isto” é uma repetição da ordem saída da boca de Jesus, afinal, Joaquim não é “líder” e não é “instrutor”, ele é apenas um irmão, como todos os demais o são. Afinal, Jesus não é um Líder morto, ele continua vivo. Havendo alguma dúvida, Borges deverá verificar se Jesus praticou aquela ação que Joaquim o mandou praticar em nome de Jesus.

Falar as mesmas palavras faladas pelo Mestre; repetir as mesmas palavras faladas pelo Mestre, palavras saídas da boca do Mestre: (João 12:50) 50 Sei também que o seu mandamento significa vida eterna. Portanto, AS COISAS QUE EU FALO, ASSIM COMO O PAI MAS DISSE, ASSIM [AS] FALO.”

Permanecei em UNIÃO comigo: Está envolvido aceitar e repetir as mesmas declarações de Jesus, mesmo que contrariem as declarações de proeminentes discípulos de Jesus ou até mesmo de proeminentes apóstolos de Jesus, assim como também, mesmo que contrariem as declarações de quaisquer proeminentes antepassados de Jesus. Está envolvido ter os mesmos sentimentos de Jesus; sentimentos, palavras e ações iguais às de Jesus. Jesus não era um ator.

Minhas” declarações permanecerem em vós - O discípulo de Jesus aceita e repete as declarações de Jesus e rejeita as declarações de outro discípulo qualquer que afronte ou distorça qualquer uma das declarações de Jesus.

Se fizerdes o que EU vos mando - Discípulo de Jesus não aceita nenhum mandamento criado por qualquer outro discípulo de Jesus, que afronte ou distorça qualquer ordem de Jesus. Sem dúvida, o discípulo perguntará: “Meu Mestre obedeceria a este novo mandamento”?? Será que este novo mandamento não é o resultado de alguém que sente vergonha das ações do meu Mestre??

Permanecei em “união comigo” é o mesmo que “sejamos um”: Como se tornar “umcom Jesus?? Bem, Jesus afirmou que teria de ser exatamente assim como já era entre ele e o Pai. Orando a Seu Pai, assim afirmou Jesus: “a fim de que sejam um, assim como nós somos um”. No caso da união já existente entre Jeová e Jesus, se poderia afirmar: “Tal Pai, tal filho”. Tal afirmação leva a outra: “O filho é uma cópia fiel do Pai”. Isto significa que o Filho adquiriu a mesma personalidade do Pai. Como isto podia ser observado de forma prática?? É que diante das mesmas circunstâncias, o filho tomaria as mesmas decisões já tomadas pelo Pai. Assim, notamos claramente que ser um” é exatamente igual a estar em união”. [“Assim como”] é igual a [“da mesma forma que”];é igual a agir da mesma forma que, por pesar e sentir da mesma forma que. (João 17:11) 11 Também, não estou mais no mundo, mas eles estão no mundo e eu vou para ti. Santo Pai, vigia sobre eles por causa do teu próprio nome que me deste, para que sejam UM, assim como nós somos.

SERÁ QUE ERA JESUS QUE TINHA DE MUDAR PARA PODER SE TORNAR “UM” COM QUALQUER UM DOS SEUS DISCÍPULOS??

Cada um dos discípulos de Jesus, apóstolos ou não terá de responder para Jesus. Decerto, cada um dos discípulos de Jesus terá de prestar contas de suas ações para Jesus. Decerto, Jesus poderá perguntar a um discípulo qualquer: Quando foi que eu fiz isto o que você está fazendo?? Quando foi que eu falei isto que você está falando?? Você estava me imitando quando você tomou aquela atitude em relação àquela pessoa?? A decisão que você tomou é idêntica a decisão que eu tomei na mesma circunstância??

Meu amado discípulo, você acha que eu cumpriria esta ordem que você deu para os demais??

Meu amado discípulo, se eu não agi desta forma, por que tu ages assim?? A quem estás copiando??

Eu e você devíamos ser um, não deveríamos?? Como então tu fazes algo que eu não fiz e ainda te ordenei para não fazerdes??

(João 17:20-23) 20 “Faço solicitação, não somente a respeito destes, mas também a respeito daqueles que depositam fé em mim por intermédio da palavra deles; 21 a fim de que todos sejam UM, assim como tu, Pai, estás em união comigo e eu estou em união contigo, para que eles também estejam em UNIÃO conosco, a fim de que o mundo acredite que me enviaste. 22 Também, eu lhes tenho dado a glória que tu me tens dado, a fim de que sejam UM, ASSIM COMO nós somos UM. 23 Eu em união com eles e tu em união comigo, a fim de que sejam aperfeiçoados em um, para que o mundo tenha conhecimento de que tu me enviaste e que os amaste assim como amaste a mim.

Que tenhais as mesmas características de personalidade que eu tenho, assim como eu tenho as mesmas caraterísticas da personalidade do Pai.

(João 15:4-7) 4 PERMANECEI EM UNIÃO COMIGO, e eu em UNIÃO convosco. Assim como o ramo não pode dar fruto de si mesmo, a menos que permaneça na videira, do mesmo modo tampouco vós podeis, a menos que PERMANEÇAIS EM UNIÃO COMIGO. 5 Eu sou a videira, vós sois os ramos. Quem permanece EM UNIÃO COMIGO, E EU EM UNIÃO COM ELE, este dá muito fruto; porque separados de mim não podeis fazer nada. 6 Se alguém não permanece em união comigo, ele é lançado fora como ramo e seca-se; e homens ajuntam estes ramos e os jogam no fogo, e eles se queimam. 7 SE PERMANECERDES EM UNIÃO COMIGO E AS MINHAS DECLARAÇÕES PERMANECEREM EM VÓS, pedi o que quiserdes e ocorrerá para vós.

Não haveria nenhuma mudança nas declarações de Jesus. Se as minhas declarações permanecerem inalteradas em vós,... Jesus representava uma FONTE e todos os demais deveriam apenas repetir. Repetir as mesmas declarações. Estar em união com Jesus significa também repetir as mesmas declarações de Jesus. Havia necessidade de continuidade. A expressão “permanecer” foi usada muitas vezes por Jesus nestas recomendações a seus discípulos.

(João 15:10) ...SE OBSERVARDES OS MEUS MANDAMENTOS, permanecereis no meu amor, assim como eu tenho observado os mandamentos do Pai e permaneço no seu amor.

Que o vosso amor pelos outros seja EXATAMENTE IGUAL ao que eu demonstrei ter por vocês. Entregue sua alma em favor de vossos irmãos. ASSIM COMO EU. Onde cabe aqui a palavra “merecedor”???

(João 15:12-14) 12 Este é o meu mandamento, que vos ameis uns aos outros, ASSIM COMO EU VOS AMEI. 13 Ninguém tem maior amor do que este, que alguém entregue a sua alma a favor de seus amigos. 14 Vós sois meus amigos, SE FIZERDES O QUE VOS MANDO.

(João 13:12-17) 12 Tendo então lavado os pés deles e vestido a sua roupagem exterior, e tendo-se deitado novamente à mesa, disse-lhes: “Sabeis o que vos tenho feito? 13 Vós me chamais de ‘Instrutor’ e ‘Senhor’, e falais corretamente, pois eu o sou. 14 Portanto, se eu, embora Senhor e Instrutor, lavei os vossos pés, vós também deveis lavar os pés uns dos outros. 15 POIS ESTABELECI O MODELO PARA VÓS, A FIM DE QUE, ASSIM COMO EU VOS FIZ, VÓS TAMBÉM FAÇAIS. 16 Digo-vos em toda a verdade: O escravo não é maior do que o seu amo, nem é o enviado maior do que aquele que o enviou. 17 Se sabeis estas coisas, felizes sois se as fizerdes.. . .

Teria sido uma cerimônia, um mero ritual, uma interessante pantomima, uma representação teatral?? Ora, ora, será que Jesus era um ATOR?? Estava Jesus mostrando ser NAQUELE MOMENTO, aquilo que ele não era durante o RESTO DO DIA??

OU SERÁ QUE ERA UMA AÇÃO CONSEQUENTE DA PERSONALIDADE DE JESUS, FRUTO DO INTERIOR DE JESUS??

Pantomima - Esta é a definição dada por certo dicionário (Houaiss)

pantomima Datação: a1771

n substantivo feminino

1 na Roma antiga, representação dramática com um dançarino solista e um coro narrativo

2 Rubrica: teatro.

representação de uma história exclusivamente através de gestos, expressões faciais e movimentos, esp. no drama ou na dança

3 a arte de representar exclusivamente através de movimentos corporais

4 Derivação: sentido figurado. Uso: informal.

mentira ardilosa; embuste, logro


Uma coisa INÉDITA estava acontecendo. Onde é que já se viu?? O Amo e Senhor está lavando os pés do escravo?? O rei está lavando os pés do seu súdito?? O Instrutor lavando os pés do aluno?? O Mestre lavando os pés do discípulo?? Este foi o modelo estabelecido pelo Mestre. Na realidade, o que isto representava?? Seria isto um mero ritual, uma bonita encenação teatral ou seria isto uma autêntica e sincera disposição mental que permeava todas as suas ações durante todo o tempo??

Como Jesus não era um ator, tratava-se de uma autêntica disposição mental de Jesus. Ele revelou a sua real condição interior. Quem estava na posição elevada via e tratava os demais como escravos; estes tinham de trabalhar e fazer as coisas para os que estivessem na posição elevada. Enquanto seus discípulos disputavam a posição mais elevada, o que para eles representava estar por cima, Jesus mostrou de forma prática, o que representava estar na posição mais elevada. Jesus é o rei. O que está na posição mais elevada, LITERALMENTE, é o escravo de todos, pois ele está ali para “servir” aos demais, para CUIDAR dos demais. Trata-se daquele que MAIS PERDOA. Trata-se daquele que mais ensina através de seu exemplo. Uma condição 100% oposta a de todos os demais “senhores” e “instrutores” humanos até então.

Um SENTIMENTO totalmente oposto ao SENTIMENTO dos servos fieis ao se encontrarem em “Altas” posições, como reis, príncipes, juízes, levitas, sacerdotes, profetas, secretários, escribas, fariseus e outras. Outra característica de personalidade de Jesus, 100% oposta a de todos os demais servos do Deus Altíssimo até então.

Jesus agiu SEMPRE como um AJUDADOR para seus discípulos. Jesus CUIDAVA de seus discípulos. Jesus NUNCA agiu como condenador de seus discípulos, posicionando-se como carrasco, tampouco pediu ao Pai a pré-definida e prometida punição para cada pecado praticado por estes, agindo assim como faz um ACUSADOR. O pecador continuava como algo muito valioso para Jesus. Jesus mostrou como é que se ama, a verdadeira forma de amar. É só fazer exatamente igual a como ele fez. Condenar e executar” o pecador é o oposto a “entregar sua alma em favor deste” pecador. Condenar, desejar a punição e executar o pecador é o que qualquer um faz, na verdade é o que todos estão fazendo. Jesus entregou sua alma em favor daqueles que negaram que o conheciam e que o abandonaram, daqueles que não se comportaram como amigos, amando-os assim mesmo. CUIDAR todo o tempo, assim como faz um pai que ama verdadeiramente.

O MESTRE “MOSTROU SER” UM AJUDADOR. Será que a pessoa precisa mostrar ter MÉRITOS para poder ser ajudada??

Este sentimento e esta atitude também eram para ser imitadas. Você só imita um sentimento, exclusivamente por tê-lo, e você só revela que o tem, exclusivamente de forma prática. Quem ama, AJUDA sempre. Quem ama NUNCA deixa de valorizar a pessoa amada, independente da condição pecaminosa desta pessoa amada, mesmo que seja a rebeldia. (João 14:15-18) 15 Se me amardes, observareis os meus mandamentos; 16 e eu solicitarei ao Pai e ele vos dará OUTRO AJUDADOR para estar convosco para sempre, 17 o espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque nem o observa nem o conhece. Vós o conheceis, porque permanece convosco e está em vós. 18 NÃO VOS DEIXAREI ORFANADOS. Vou ter convosco.

Jesus NÃO disse: “Ele vos dará UM ajudador”. Jesus disse: Ele vos dará OUTRO ajudador.

Não vos deixarei orfanados - Órfão é assim definido em certo dicionário (Aulete Digital)

(ór. fão)

a.

1 Que perdeu o pai e/ou a mãe (filho órfão)

2 Fig. Que foi abandonado ou privado de algo; desprotegido, desprovido; DESAMPARADO: Sentiu-se órfão quando os amigos viajaram [ Antôn.: amparado, apoiado]

sm.

3 Aquele que perdeu o pai e/ou a mãe: "e não fazeis o milagre de aquecer, os frios do órfão no regaço carinhoso de outra mulher." (Camilo Castelo Branco, Mulher fatal)

4 Fig. Aquele ou aquilo que ficou órfão de algo.

[Pl.: -fãos. Fem.: -fã]

[F.: Do lat. tard. orphanus, i.]



Embora seus alunos o tivessem “repudiado perante os homens” no dia em que foi preso, Jesus não os “repudiou perante o Pai”, como havia prometido. O que mereciam?? No entanto, repudiá-los perante o Pai não seria a ação de um AJUDADOR. Não seria a ação de um PERDOADOR. Jesus estabeleceu assim o modelo a ser imitado por seus alunos. O pecado do discípulo não reduziu o valor que este discípulo tinha para Jesus. (Mateus 10:32-33) 32 Todo aquele, pois, que confessar perante os homens estar em união comigo, eu também confessarei perante meu Pai, que está nos céus, estar em união com ele; 33 MAS AQUELE QUE ME REPUDIAR PERANTE OS HOMENS, EU TAMBÉM O REPUDIAREI PERANTE MEU PAI, QUE ESTÁ NOS CÉUS.

Moisés, um herói, um antepassado muito admirado, que eles glorificavam e aclamavam, os havia acusado perante o Pai, afirmou Jesus. Jesus não acusou qualquer humano perante o Pai em face dos reais pecados destes humanos, nem mesmo quando estes humanos o estavam matando; não houve qualquer palavra de ACUSAÇÃO. Jesus não estava acusando Moisés. Jesus estava informando um fato praticado por Moisés, uma ação praticada por Moisés. Um Ajudador age de forma oposta a de um Acusador. Jesus estabeleceu assim o modelo a ser imitado por seus alunos. O aluno não pode agir diferente do Mestre. (João 5:45) 45 NÃO PENSEIS QUE VOS HEI DE ACUSAR PERANTE O PAI; há um que vos acusa, Moisés, em quem depositastes a vossa esperança.
(Lucas 23:33-38) 33 E quando chegaram ao lugar chamado Caveira, pregaram-no numa estaca, e assim também os malfeitores, um à sua direita e outro à sua esquerda. 34 [[MAS JESUS ESTAVA DIZENDO: “PAI, PERDOA-LHES, POIS NÃO SABEM O QUE ESTÃO FAZENDO.”]] Outrossim, para distribuírem as roupas dele, lançaram sortes. 35 E o povo parava, olhando. Mas os governantes escarneciam, dizendo: “A outros ele salvou; salve-se a si mesmo, se este é o Cristo de Deus, o Escolhido.” 36 Até mesmo os soldados se divertiam às custas dele, chegando-se perto e oferecendo-lhe vinho acre, 37 e dizendo: “Se tu és o rei dos judeus, salva-te.” 38 Havia também uma inscrição por cima dele: “Este é o rei dos judeus.”


Assim verte a Tradução Brasileira: (Lucas 23:33-38) 33 Quando chegaram ao lugar chamado Calvário, ali o crucificaram a ele, e também aos malfeitores, um à direita, e outro à esquerda. 34 Disse Jesus: Pai, perdoa-lhes; pois não sabem o que fazem. Então repartindo as vestes dele, deitaram sortes sobre elas. 35 O povo estava ali presenciando tudo. As autoridades zombavam dele, dizendo: Aos outros salvou; salve-se a si mesmo, se é o Cristo de Deus, seu escolhido. 36 Os soldados também o escarneciam, chegando-se a ele, oferecendo-lhe vinagre 37 e dizendo: Se tu és o rei dos Judeus, salva-te a ti mesmo. 38 Estava também sobre ele esta inscrição: ESTE É O REI DOS JUDEUS.

Será que Jesus havia perdido os seus poderes, sendo inevitável para ele estar naquela situação?? Não. Ele poderia usar os seus poderes para sair daquela desconfortável situação?? Sim. Poderia usar os poderes para se vingar dos que agiam como seus inimigos?? Sim. Se vingar é o que qualquer outro faria. No entanto, o Líder estava ensinando a seus discípulos a como cumprir a Lei. O Líder não tinha este sentimento dentro de si.

O aluno não deseja e não pede vingança pelo seu sangue derramado. Ele perdoa. Ele faz igual a seu Líder. O “vaso precioso” que passou a apresentar defeitos não passa a ser um vaso a ser destruído, antes, passa a ser um “vaso precioso” a ser remodelado. O “vaso precioso” nunca perde o seu valor. Jesus continuava a vê-los como “vasos preciosos”.

A outros ele salvou – esta afirmação era um testemunho positivo e real das obras de Jesus, um reconhecimento. No lugar de condenar, ele salvava os pecadores. Seu objetivo era sempre o de remodelar o pecador.

Defender uma adúltera?? Defender um ladrão?? Defender um apóstata?? Defender um traidor?? Defender um mentiroso??

O pecador não tem de pagar pelo seu pecado?? O pecador não deve ser punido pelo seu pecado??

Jesus, você é adepto da IMPUNIDADE, perguntaria um sacerdote??

O sacerdote diria para Jesus: “Com este teu conceito de agir, que incentiva a impunidade, na verdade, você está incentivando as pessoas a praticarem o pecado, pois elas terão certeza que sairão ilesas desta situação”.

Depois, diria mais: “Uma punição exemplar vai fazer com que os outros fiquem com medo de praticarem o pecado”.

Até onde o medo consegue impedir alguém de praticar o pecado?? Será que é o medo de punição a motivação para o homem alcançar a condição de “homem justo” ou “homem santo”??

Do ponto de vista do Pai, todos os pecados devem ser pagos com a perda da vida. Você ainda quer que o pecador pague imediatamente pelo seu pecado?? Assim, aquele julgamento que tu exiges que seja dado ao pecador também será dado a ti. Afinal de contas, não és tu um pecador?? “Com o mesmíssimo julgamento com que julgares um pecador, tu também serás julgado”. Esta foi a afirmação de Jesus, repetindo a afirmação do Pai Celestial.

Todas as ações são frutos de um sentimento. Quando o sentimento se torna arraigado, enraizado, ele passa a fazer parte da personalidade de quem o tem. Passam a fluir dele de forma natural. Daí ele passa a ser “uma fonte” deste sentimento.

Diferente de Sansão, Eliseu e demais “servos” de Jeová ao se encontrarem em situações extremamente aflitivas, Jesus não decidiu usar o seu poder para revidar a maldade que estava recebendo, tampouco acusando tais pecadores perante o Pai, agindo assim de forma 100% oposta a TODOS os demais humanos até então. Muitos destes humanos, servos de Jeová, eram até mesmo glorificados por seus ATOS VIOLENTOS contra os "iníquos". Ao estarem diante de certas circunstâncias, estes humanos decidiam o que fazer, ou seja, eles tomavam decisões. Os servos de Jeová amavam e glorificavam os atos de vingança, amavam e glorificavam os atos agressivos, pois a vingança corria em suas veias, fluía de forma natural de suas personalidades, pois estava enraizada. Assim como a vingança, a imediata punição do pecador era exaltada como a coisa certa a ser feita e que isto agradava a Jeová. As decisões de Jesus diante das mesmas circunstâncias era diferente das decisões tomadas por estes humanos. Seria Jesus o único errado?? Decerto que não. Jesus revelou ser o único certo. Assim, todos os alunos de Jesus, ao se encontrarem em situação semelhante, só deveriam copiar os sentimentos, as palavras e as ações de Jesus. O aluno Estevão revelou ter aprendido esta lição. (João 5:44-47) 44 Como podeis crer, quando aceitais glória uns dos outros e não buscais a glória que é do único Deus? 45 Não penseis que vos hei de acusar perante o Pai; há um que vos acusa, Moisés, em quem depositastes a vossa esperança. 46 De fato, se acreditásseis em Moisés, teríeis acreditado em mim, porque este escreveu a meu respeito. 47 Mas, se não acreditais nos escritos desse, como acreditareis nas minhas declarações?” (Atos 7:58-60) 58 E depois de o lançarem fora da cidade, começaram a atirar pedras nele. E as testemunhas deitaram as suas roupas exteriores aos pés dum jovem chamado Saulo. 59 E atiravam pedras em Estêvão, enquanto ele fazia apelo e dizia: “Senhor Jesus, recebe meu espírito.” 60 Então, dobrando os joelhos, clamou com forte voz: “JEOVÁ, NÃO LHES IMPUTES ESTE PECADO.E, dizendo isso, adormeceu [na morte].


Exatamente assim como o Mestre, Estêvão sentia misericórdia daqueles que o matavam. Este foi um ato de Misericórdia para com os pecadores que o matavam. Os sentimentos de quem copiava Estevão?? Copiava os inéditos sentimentos de Jesus. Jesus sentia misericórdia por todo aquele que estivesse cometendo um pecado, qualquer pecado, inclusive um pecado que trouxesse dores físicas ou qualquer outro prejuízo para Jesus. Assim, de forma prática e contínua, amou-se o inimigo, aquele que agia como inimigo. Não se parou de amar o inimigo em face deste o estar matando. O inimigo continuou a ser um “vaso valioso”, muito embora estivesse apresentando defeitos. Um Ajudador não deixa de ser um Ajudador. Um AJUDADOR não passa a ser um DESTRUIDOR, nem mesmo quando está sendo agredido ou morto.

Quem fizer de forma diferente desta, não estará copiando o Mestre, não estará copiando a Jesus. Estará copiando um respeitado e glorificado antepassado qualquer, mas não a Jesus.Não estará tomando as mesmas decisões tomadas por Jesus.

Demonstrem ter os mesmos sentimentos que os meus.

FAÇAM ASSIM COMO EU. TOMEM AS MESMAS DECISÕES QUE EU TOMEI.

Assim falou Jesus para os alunos: "Estou indo embora, mas, tenham uns pelos outros o mesmo SENTIMENTO que eu demonstrei ter por vocês; fazei uns pelos outros assim como eu vos fiz". (João 13:33-35) 33 Filhinhos, estou convosco mais um pouco. Procurar-me-eis; e, assim como eu disse aos judeus: ‘Para onde eu vou, não podeis ir’, digo também a vós atualmente. 34 Eu vos dou um novo mandamento, que vos ameis uns aos outros; ASSIM COMO EU VOS AMEI, que também vos ameis uns aos outros. 35 Por meio disso saberão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor entre vós.”


Assim verte a Tradução Almeida: (João 13:33-35) 33 Filhinhos, ainda por um pouco estou convosco. Procurar-me-eis; e, como eu disse aos judeus, também a vós o digo agora: Para onde eu vou, não podeis vós ir. 34 Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei a vós, que também vós vos ameis uns aos outros. 35 Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros.

Assim verte a Tradução Brasileira: (João 13:33-35) 33 Filhinhos, ainda um pouco estou convosco; procurar-me-eis, e o que eu disse aos judeus: Aonde eu vou, não podeis vós ir; isto digo também a vós neste momento. 34 Um novo mandamento vos dou, que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros. 35 Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros.

Seria um amor condicional?? Seria um amor àquele que merecesse??

Ora, este amor dado àquele que merecesse já era praticado por todos eles. Quanto àquele que não merecesse o amor, o que aconteceria??

Era odiado, não era?? Era visto como inimigo. Sentia-se inimizade por tal pessoa, não era??

Jesus os amou de forma diferente. Era uma espécie de amor diferente. Era uma inédita forma de amar. Nenhum humano até então tinha amado desta maneira.

Vejam até onde tem de ir o amor de cada um de vocês: (João 15:12-13) 12 Este é o meu mandamento, que vos ameis uns aos outros, ASSIM COMO eu vos amei. 13 Ninguém tem maior amor do que este, que alguém ENTREGUE SUA ALMA A FAVOR DE SEUS AMIGOS.
Eu estabeleci o modelo”. A inédita forma de amar, mostrada por Jesus passou a ser a forma a ser imitada pelos discípulos de Jesus. “Amai-vos uns aos outros exatamente assim como eu vos amei”. Façam exatamente ASSIM COMO eu fiz. Façam por qualquer um dos outros, exatamente assim como eu fiz por vocês. ASSIM COMO EU.

Não era para entregar a vida em uma luta armada, no calor de uma batalha, assim como Pedro falou e estava disposto a fazer quando puxou da espada e cortou a orelha de um homem. Os que assim agiam eram vistos e tratados como heróis. Pedro estava apenas revidando a violência, fazendo violência e usando o poder de destruição contra um “vaso valioso”. Pedro estava agindo de forma OPOSTA ao seu Mestre. Pedro queria usar a força para evitar que Jesus recebesse um mal. Jesus mostrou como é que era para fazer. Embora tivesse o poder para evitar, Jesus simplesmente deixou-se matar. Literalmente, entregou sua alma a favor de seus amigos.

No caso destas duas situações (a vítima e a testemunha), que decisão deve tomar o humano??

Jesus estava ensinando qual era a decisão correta a ser tomada.

Quem espécie de amigos "revelaram ser" os apóstolos?? "Revelaram ser" amigos leais?? Não. Jesus mostrou-lhes de forma antecipada que eles, seus amigos, pelos quais ele iria morrer, iriam abandoná-lo, apesar de afirmarem que não o fariam. A lealdade não se mede pela intenção ou afirmação, e sim pela realização. Qual dos doze apóstolos revelou ser um amigo confiável?? Algum deles entregaria pacificamente a sua vida por Jesus?? Independente do que fizeram, Jesus continuou amando-os com a mesma intensidade. Isto sim é que é amar. Amar àquele que satisfaz as tuas expectativas, é muito fácil. É para entregar a minha vida por alguém que nega por três vezes que me conhece?? Sim, é. Apesar de tudo, para Jesus, eles continuavam a ser “vasos valiosos”, vasos preciosos que apresentavam defeitos. Jesus agia assim porque ele era um Ajudador. Esta revelou ser uma característica da personalidade de Jesus.

Percebemos que Jesus tinha motivações para tomar suas decisões. Se não tivermos as mesmas motivações de Jesus, não conseguiremos tomar as mesmas decisões que ele tomou.

Para ser um ajudador é imprescindível também ser um perdoador.

Que espécie de amor praticava Jesus??

Ele obedecia ao mandamento que ele mesmo nos transmitiu no sermão do monte:

(Mateus 5:43-48) 43 Ouvistes que se disse: ‘Tens de amar o teu próximo e odiar o teu inimigo.’ 44 No entanto, eu vos digo: Continuai a amar os vossos inimigos e a orar pelos que vos perseguem; 45 para que mostreis ser filhos de vosso Pai, que está nos céus, visto que ele faz o seu sol levantar-se sobre iníquos e sobre bons, e faz chover sobre justos e sobre injustos. 46 Pois, se amardes aos que vos amam, que recompensa tendes? Não fazem também a mesma coisa os cobradores de impostos? 47 E, se cumprimentardes somente os vossos irmãos, que fazeis de extraordinário? Não fazem também a mesma coisa as pessoas das nações? 48 Concordemente, tendes de ser perfeitos, assim como o vosso Pai celestial é perfeito.


Assim verte a Tradução Brasileira:

(Mateus 5:43-48) 43 Tendes ouvido que foi dito: Amarás o teu próximo e aborrecerás o teu inimigo. 44 Eu, porém, vos digo: Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem, 45 para que vos torneis filhos de vosso Pai que está nos céus, porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e vir chuvas sobre justos e injustos. 46 Pois se amardes aos que vos amam, que recompensa tendes? não fazem os publicanos também o mesmo? 47 Se saudardes somente aos vossos irmãos, que fazeis de especial? não fazem os gentios também o mesmo? 48 Sede vós, pois, perfeitos, como vosso Pai celestial é perfeito.

Tratava-se de um amor diferente do amor praticado por toda aquela geração iníqua e adúltera. Seguindo a Moisés, eles amavam os amigos e odiavam os inimigos. No parecer deles, isto era o certo e o normal a ser feito.

Amem a todos que sentem inimizade por vocês para que vos torneis filhos de vosso Pai celestial. Pois se você amar somente a quem já te ama, o que fazes de diferente dos gentios?? Deveis copiar o Pai celestial; deveis ser iguais a Ele.

Jesus amava seus discípulos com este amor. Tratava-se de um amor incondicional, isto é, independia das palavras e das ações do amado.

Percebemos que Jesus tinha informações que serviam de base para ele tomar suas decisões. Percebemos que Jesus tinha conhecimento de causa que o habilitava a tomar as corretas decisões.

Então façam o mesmo que eu fiz, uns pelos outros. Tenham o mesmo sentimento que eu demonstrei ter. Façam uns pelos outros, exatamente ASSIM COMO EU fiz por vocês. Eu só faço aquilo que eu observo o Pai fazer. Se Ele faz, então, como Filho, eu faço igual. Jesus MOSTROU SER um discípulo de Jeová. Jesus IMITAVA a Jeová.

(João 5:19) 19 Portanto, em resposta, Jesus prosseguiu a dizer-lhes: “Digo-vos em toda a verdade: O Filho não pode fazer nem uma única coisa de sua própria iniciativa, mas somente o que ele observa o Pai fazer. Porque as coisas que Este faz, estas o Filho faz também DA MESMA MANEIRA.

Porque as coisas que o Mestre faz, estas o discípulo faz também da mesma maneira.

Que tipo de sentimento deveriam ter os apóstolos e demais discípulos pelos pecadores?? Que sentimento deveria ter por um discípulo que apresentasse um defeito, apresentasse um grave defeito, apresentasse uma grave doença?? Deveria ser o repúdio, o nojo, o ódio??

Será que tais homens deveriam ser reconhecidos como "amigos de pecadores"?? Ou será que deveriam ser reconhecidos como "acusadores", como "juízes" ou como “destruidores” de tais pecadores?? Deveriam ser reconhecidos como “amigos” de idólatras, adúlteros, fornicadores, ladrões, beberrões, injuriadores, extorsores, apóstatas, cobradores de impostos, traidores, faltos de fé?? Deveriam defender tais pecadores perante o Pai ou deveriam acusá-los de tais pecados??

Defender?? Defender um fornicador?? Como seria tal defesa?? A mesma defesa praticada por Jesus. Ir até aquela pessoa e informá-la sobre sua ofensa ao Pai, para que ela se retrate diante do Pai. E quando tal ofensor praticar um pecado contra mim, devo perdoá-lo e nunca pedir ao Pai qualquer tipo de retaliação para este agressor. Tomando a mesma decisão tomada por Jesus, posso pedir ao Pai que Ele não leve em conta aquela agressão praticada contra mim, indicando ao Pai e aos demais ouvintes que eu não estou guardando nenhum ressentimento daquele agressor. Afinal de contas, como devo ser reconhecido?? Com que nome devo ser reconhecido?? Afirmando eu ser um discípulo de Jesus, como devo ser reconhecido??

Poderiam ser reconhecidos como condenadores de tais pecadores?? Poderiam ser reconhecidos como aqueles que mais pedem a execução de pecadores?? Deveriam ser reconhecidos como os acusadores de pecadores? Deveriam ser reconhecidos como aqueles que expulsam pecadores do rebanho com o objetivo de manter o rebanho limpo?? Não visam proteger o rebanho?? Assim como Moisés, matariam o agressor para proteger o rebanho?? Bem, o Mestre foi acusado de ser “AMIGO” de pecadores de todo tipo e não se envergonhou disso. Para o Mestre tais “vasos defeituosos” continuavam a ser “vasos preciosos”. Era uma “chama de vida” com defeito, mas continuava sendo uma “chama de vida”. O Mestre afirmou:

(Lucas 7:33-35) 33 Correspondentemente, João Batista veio nem comendo pão nem bebendo vinho, mas vós dizeis: ‘Ele tem demônio.’ 34 O Filho do homem veio comendo e bebendo, mas vós dizeis: ‘Eis um homem comilão e dado a beber vinho, amigo de cobradores de impostos e de pecadores!’ 35 Não obstante, a sabedoria é provada justa por todos os seus filhos.”


É o “resultado final” que irá comprovar a sabedoria deste sentimento e ação. Toda a nação sentia aversão pelos pecadores e queriam exterminá-los ou mantê-los bem afastados, exatamente assim como seus antepassados. O que isto produziria como fruto?? Jesus sentia amizade pelos pecadores, o que isto produziria como fruto?? Esta é uma questão que continua dividindo os que afirmam seguir a Jesus. Que sentimentos revelavam ser uma constante fonte de perigo para a “chama de vida” defeituosa, doente?? O resultado final revelaria ser de morte ou vida para o pecador??

Como filho, Jesus sabia qual era a sua posição em todo o contexto, e sabia que, como filho que era, ele devia agir de acordo com os interesses do seu Pai. Logo, suas decisões estavam direcionadas em satisfazer os interesses do Pai.

Bem, Jesus estava na casa de um fariseu, sim, na casa de um fariseu. Jesus entrava na casa de um fariseu e sentava-se com ele para comer?? Sim. Diferente do fariseu, Jesus não discriminava pecadores. O nome do anfitrião era Simão. Obviamente, Simão desprezava a pecadora, assim como os profetas faziam. Simão julgava e condenava tal pecadora como algo sem nenhum valor, como algo digno de ser aniquilado. No entanto, Jesus não desprezava a pecadora, não tinha vergonha de ser tocado por ela. Jesus não tinha vergonha de estar na companhia desta pecadora. Jesus reconheceu que ela tinha mais pecados do que Simão, realmente ela devia bem mais, ela devia muito. O que fazer com ela?? No lugar de acusá-la, condená-la e aniquilá-la, perdoe, simplesmente perdoe; ela não tem mesmo como pagar a dívida, então, cancele a dívida. Gaste mais amor, pois ela precisa de mais amor. Gaste mais misericórdia, pois ela precisa de mais misericórdia. Agora, o que isto vai gerar?? Ela amará muito. Simão, veja o resultado!

Bem, a sabedoria foi provada justa através do seu resultado. Qual dos sentimentos revelava ser de constante perigo para esta doente “chama de vida”?

O que Simão conseguiria com o seu “desprezo” por esta imunda pecadora e com sua condenação dada a esta pecadora? Somente destruir um vaso precioso?? O “desejo” de Simão era destruir aquilo que não tinha valor, pois, para ele, aquela pecadora era um vaso sem qualquer valor. O desejo de DESTRUIR ou RECUPERAR o “vaso humano” está diretamente relacionado com o VALOR que você atribui ao “vaso humano”. O “DESEJOantecede a toda e qualquer ação. Simão mostrou não ser um “Ajudador”. Simão revelou ser um “Destruidor”. Desta forma, diante da mesma circunstância, a decisão de Simão era uma, enquanto a decisão de Jesus era outra.

(Lucas 7:36-50) 36 Ora, certo fariseu pedia-lhe que jantasse com ele. Concordemente, entrou na casa do fariseu e recostou-se à mesa. 37 E eis que uma mulher, conhecida na cidade como pecadora, soube que ele estava recostado numa refeição na casa do fariseu e trouxe um vaso de alabastro com óleo perfumado, 38 e, postando-se atrás, aos pés dele, chorava e principiava a molhar os pés dele com as suas lágrimas, e enxugava-os com os cabelos de sua cabeça. Beijava também ternamente os pés dele e untava-os com o óleo perfumado. 39 À vista disso, o fariseu que o convidara dizia no seu íntimo: “Este homem, se fosse profeta, saberia quem e que espécie de mulher é que o toca, que ela é pecadora.” 40 Jesus disse-lhe, porém, em resposta: “Simão, tenho algo para dizer-te.” Ele disse: “Instrutor, dize-o!” 41 “Dois homens eram devedores de certo credor; um devia quinhentos denários, mas o outro, cinqüenta. 42 Quando não tinham com que [lhe] pagar de volta, perdoou liberalmente a ambos. Portanto, qual deles o amará mais?” 43 Em resposta, Simão disse: “Suponho que seja aquele a quem perdoou liberalmente mais.” Disse-lhe ele: “Julgaste corretamente.” 44 Com isso se voltou para a mulher e disse a Simão: “Observas esta mulher? Entrei na tua casa; tu não me deste água para os meus pés. Mas esta mulher molhou os meus pés com as suas lágrimas e os enxugou com os seus cabelos. 45 Tu não me deste nenhum beijo; mas esta mulher, desde a hora em que entrei, não deixou de beijar ternamente os meus pés. 46 Tu não untaste a minha cabeça com óleo; mas esta mulher untou os meus pés com óleo perfumado. 47 Em virtude disso, eu te digo que os pecados dela, embora sejam muitos, estão perdoados, porque ela amou muito; mas aquele a quem se perdoa pouco, ama pouco.” 48 Então disse a ela: “Teus pecados estão perdoados.” 49 Em vista disso, os que se recostavam com ele à mesa principiaram a dizer no seu íntimo: “Quem é este homem que até mesmo perdoa pecados?” 50 Mas ele disse à mulher: “Tua fé te salvou; vai em paz.”

Mas o discípulo de Jesus pode perdoar pecados?? Sim ele pode, ele tem tal autoridade. O discípulo não pode julgar e condenar pecadores. Ele está proibido de fazer tal coisa. Este é um dos mandamentos que o discípulo de Jesus tem de obedecer para mostrar-se discípulo. O discípulo tem de copiar o seu Mestre.

O “Mestre” estava copiando o “Pai”. Em relação aos pecados e blasfêmias dos seres humanos, assim afirmou Jesus: (Marcos 3:28) 28 Deveras, eu vos digo que todas as coisas serão perdoadas aos filhos dos homens, não importa que pecados e blasfêmias cometam blasfemamente.

Assim registrou Mateus: (Mateus 12:31-32) 31 Por esta razão, eu vos digo: Toda sorte de pecado e blasfêmia será perdoada aos homens, mas a blasfêmia contra o espírito não será perdoada. 32 Por exemplo, QUEM FALAR UMA PALAVRA CONTRA O FILHO DO HOMEM, SER-LHE-Á PERDOADO; mas quem falar contra o espírito santo, não lhe será perdoado, não, nem neste sistema de coisas, nem no que há de vir.

Ora, se o “Pai” já afirmou que vai perdoar todos os pecados, qual o motivo de você condenar àquele que o Pai já perdoou?? Foi você o ofendido?? Se você foi o ofendido, o que a lei determina que você faça?? O Mestre ordenou: (Mateus 5:38-39) 38 Ouvistes que se disse: ‘Olho por olho e dente por dente.’ 39 No entanto, eu vos digo: Não resistais àquele que é iníquo; mas, a quem te esbofetear a face direita, oferece-lhe também a outra.

QUANDO VOCÊ SE TORNAR UMA VÍTIMA, O QUE DEVES FAZER?? PERDOE SEMPRE.

Esta é uma das ordens dadas pelo Mestre que o discípulo tem de obedecer para mostrar-se discípulo. O “Mestre” mostrou como obedecer a esta ordem. Esta revelou ser uma das características da personalidade de Jesus, o Mestre. Jesus não era um ator.

QUANDO JESUS SE TORNOU UMA VÍTIMA, O QUE ELE FEZ?? FEZ ALGUMA COISA DIFERENTE DE PERDOAR?? NÃO, JESUS SÓ PERDOOU.

IMITE A JESUS.

Não deseje e não peça vingança; não deseje retaliação. OFEREÇA a outra face. O que isto significa?? Perdoe, perdoe e perdoe. Logo depois, o Mestre confirmou: (Mateus 6:14-15) 14 Pois, se perdoardes aos homens as suas falhas, também o vosso Pai celestial vos perdoará; 15 ao passo que, se não perdoardes aos homens as suas falhas, tampouco o vosso Pai vos perdoará as vossas falhas.

Então, que opção restou àquele que foi ofendido?? Bem, estes são dois dos mandamentos retransmitidos por Jesus, que os discípulos devem obedecer. Jesus também foi o exemplo em como obedecer a estes dois mandamentos. Ele é o Mestre. Ele é o Líder. Tudo o que o Mestre fizer, faremos todos.

Muitos sentem vergonha de agirem desta forma. Jesus pediu: “Não sintam vergonha de minhas palavras e de minhas ações”.

Discípulo de Jesus é aquele humano que consegue ter os mesmos SENTIMENTOS de Jesus.

Discípulo de Jesus é aquele que se espelha em Jesus; é aquele que olha todo o tempo para Jesus, para a personalidade de Jesus.

O discípulo de Jesus não é discípulo de Davi; o discípulo de Jesus imita a Jesus e não imita a Davi, o discípulo de Jesus não imita os sentimentos de Davi. O discípulo de Jesus repete as palavras de Jesus. O discípulo de Jesus não é discípulo de Moisés; o discípulo de Jesus não imita os sentimentos de Moisés. O discípulo de Jesus não é discípulo de Paulo; o discípulo de Jesus não imita a Paulo, o discípulo de Jesus não imita os sentimentos de Paulo. O discípulo de Jesus repete as palavras de Jesus, afinal, Jesus também é o Mestre de Paulo. O discípulo de Jesus não exalta, não glorifica nenhum humano, adorador de Jeová ou não, discípulo de Jesus ou não, apóstolo de Jesus ou não. Assim como seu Mestre, o discípulo de Jesus também não DÁ, não PROCURA e não ACEITA glória de outro humano. Sobre esta outra marcante característica da personalidade dos servos de Deus que formavam a nação santa até então, assim falou Jesus: (João 5:41-44) 41 NÃO ACEITO glória de homens, 42 mas eu bem sei que não tendes em vós o amor de Deus. 43 Vim em nome de meu Pai, mas não me recebestes; se algum outro chegasse no seu próprio nome, a este receberíeis. 44 Como podeis crer, QUANDO ACEITAIS GLÓRIA UNS DOS OUTROS e não buscais a glória que é do único Deus?

IMITE A JESUS.

Afinal, por que os servos de Deus gostam de dar glória a outros servos de Deus e receber glória de outros servos de Deus??? Afinal, por que os servos de Deus gostam de exaltar outros servos de Deus??? Afinal, por que os humanos gostam de serem exaltados por outros humanos??? Afinal, por que os humanos gostam de homenagear outros humanos?? Afinal, por que os humanos gostam de serem homenageados por outros humanos?? Afinal, por que os servos de Deus gostam de elogiar e serem elogiados por outros servos de Deus. Afinal, por que servos de Deus gostam de exaltar as obras de outros servos de Deus?? Afinal, por que os servos de Deus gostam de copiar os servos de Deus, que são por eles exaltados??? Por que os servos de Deus não buscam dar e receber glória do único Deus??? Por que os alunos buscam a aprovação de outros alunos, quando o único professor de todos é Jeová??

O que pensamos ser boas ações, do ponto de vista do único Deus, pode ser apenas uma iniquidade.

GLÓRIAAssim define certo dicionário (Koogan/Houaiss) este termo: GLÓRIA s.f. Honra, fama, renome, celebridade que se alcança pelas virtudes, talentos, boas ações etc.: conquistar a glória. / Beatitude celeste: a glória do reino de Deus. / Fausto, grandeza. / Homenagem, exaltação. / Auréola, halo, resplendor que simboliza a santidade (pintura, escultura ou decoração). // Jogo da glória, jogo de dados em que os parceiros percorrem com um tento uma faixa disposta em tabuleiro.

HONRAAssim define certo dicionário (Koogan/Houaiss) este termo: HONRA s.f. Sentimento de nossa dignidade moral: farei o que manda a honra. / Glória, estima que acompanham a virtude e o talento: seu procedimento lhe granjeou honra e aplauso. / Distinção, mercê, consideração: deu-me a honra de jantar comigo. / Pudor, castidade (falando-se de mulher): Lucrécia não quis sobreviver à perda de sua honra. / Reputação: atacar a honra de alguém. // Campo de honra, campo de batalha. // Dama de honra, dama ao serviço de uma princesa; moça que acompanha a noiva na cerimônia nupcial. // Lugar de honra, lugar de destaque reservado, numa reunião, a uma pessoa que se quer distinguir. // Palavra de honra, protesto verbal com que se afiança a realização de uma promessa. // Fazer honra, exaltar, elogiar: isso não faz honra à sua inteligência. // Por honra da firma, por desencargo de consciência: vim só por honra da firma. // Ter a honra de, fórmula de cortesia: tenho a honra de convidá-lo...// Bras. Pop. Honra e glória, a pedra n.º 29 no jogo de víspora. / — S.f.pl. Distinções, dignidades: aspirar às honras da cátedra. / Título honorífico de um cargo: foi recebido com as honras de Chefe de Estado. // Honras fúnebres, homenagem prestada à memória de um morto; exéquias. // Honras militares, cerimonial com que uma formação militar demonstra seu respeito a uma bandeira, a um chefe etc.: prestaram-lhe as honras militares.

Deixando bem claro sobre qual deveria ser a reação do discípulo quanto a busca pessoal de reconhecimento, de glória ou de honra, assim ordenou Jesus, nosso Mestre: (Lucas 17:9-10) 9 Será que ele sentirá gratidão pelo escravo porque ele fez as coisas determinadas? 10 Assim também vós, quando tiverdes feito todas as coisas que vos foram determinadas, dizei: ‘SOMOS ESCRAVOS IMPRESTÁVEIS. O que temos feito é o que devíamos fazer.’”

Esta é uma atitude 100% oposta a de qualquer servo de Deus que procura reconhecimento, glória ou honra. Esta é a disposição de espírito que o Mestre revelou ter. O discípulo de Jesus tem de revelar ter esta mesma disposição de espírito, tem de revelar ter esta mesma característica de personalidade.

CUMPRIDOR DA LEI

Jesus mostrou ser um cumpridor da lei. Os sacerdotes e os fariseus também afirmavam obedecer a lei. Afirmavam que Jesus desobedecia a lei. Como as ações eram 100% opostas, a que lei obedecia Jesus?? O Sermão do Monte revelou ser a lei que Jesus cumpriu. Assim falou Jesus antes de revelar o Sermão do Monte para seus ouvintes: (Mateus 5:17-19) 17 Não penseis que vim destruir a Lei ou os Profetas. Não vim destruir, mas CUMPRIR; 18 pois, deveras, eu vos digo que antes passariam o céu e a terra, do que passaria uma só letra menor ou uma só partícula duma letra da Lei sem que tudo se cumprisse. 19 Quem, portanto, violar um DESTES mínimos MANDAMENTOS e ensinar a humanidade neste sentido, será chamado ‘mínimo’ com relação ao reino dos céus. Quanto àquele que os cumprir e ensinar, esse será chamado ‘grande’ com relação ao reino dos céus.

As ações de Jesus revelaram ser a síntese do Sermão do Monte. As ações de Jesus revelaram estar baseadas nesta lei. Na sua introdução, Jesus falava dos mandamentos que ele ainda iria revelar aos seus ouvintes. Na sua conclusão assim falou Jesus: (Mateus 7:24-27) 24 Portanto, todo aquele que ouve ESTAS minhas palavras e as pratica será comparado a um homem discreto, que construiu a sua casa sobre a rocha. 25 E caiu a chuva, e vieram as inundações, e sopraram os ventos e açoitaram a casa, mas ela não se desmoronou, pois tinha sido fundada na rocha. 26 Além disso, todo aquele que ouve ESTAS minhas palavras e não as pratica será comparado a um homem tolo, que construiu a sua casa sobre a areia. 27 E caiu a chuva, e vieram as inundações, e sopraram os ventos e bateram contra aquela casa, e ela se desmoronou, e foi grande a sua queda.”

Na sua conclusão, Jesus deixou claro que era para obedecer às palavras que ele havia acabado de falar, “estas minhas palavras”, falou Jesus por duas vezes.

Logo, o discípulo de Jesus revela ser um cumpridor desta lei, exatamente assim como o Mestre.

O discípulo não deve se tornar um obreiro do que é contra a lei, ou seja, fazer obras contra esta lei. Assim falou Jesus na sua conclusão, depois de ter retransmitido esta lei: (Mateus 7:21-23) 21 Nem todo o que me disser: ‘Senhor, Senhor’, entrará no reino dos céus, senão aquele que fizer a vontade de meu Pai, que está nos céus. 22 Muitos me dirão naquele dia: ‘Senhor, Senhor, não profetizamos em teu nome e não expulsamos demônios em teu nome, e não fizemos muitas obras poderosas em teu nome?’ 23 Contudo, eu lhes confessarei então: Nunca vos conheci! Afastai-vos de mim, vós OBREIROS DO QUE É CONTRA A LEI.



PRIMEIRO PASSO PARA SER UM DISCÍPULO

Arrependei-vos

Arrependimento, o que é isto?? Quando ocorre o arrependimento?? Que condições precisam existir para haver arrependimento?? Não existindo estas condições, ainda poderá haver arrependimento?? Quem não admite estar errado pode se arrepender?? Quem não entende plenamente o quanto está errado pode sentir pesar pelo erro cometido?? Pode uma pessoa parar de cometer determinado erro sem sentir pesar por tê-lo cometido?? Pode uma pessoa parar de fumar e ainda assim não sentir pesar por ter fumado?? Sim, pode.

Assim certo dicionário define arrependimento.

ARREPENDER-SE v.pr. Sentir verdadeiro pesar de faltas cometidas: arrepender-se sinceramente. / Mudar de opinião.

ARREPENDIMENTO s.m. Pesar por alguma falta cometida. / Contrição, remorso. / Mudança de opinião.

Pré condição essencial para a existência de arrependimento – Mudança de opinião.

Com a mudança de opinião a pessoa passa a ter um sentimento. Este sentimento chama-se pesar.

Assim certo dicionário define pesar.

PESAR 1 s.m. Dor moral, sentimento, desgosto, mágoa. / Arrependimento, remorso. // — loc. adv. A (meu, teu, seu etc.), pesar, malgrado, contra a vontade. // — loc. prep.

A pesar de, não obstante (a), a despeito de.



Com a mudança de opinião, a pessoa passa a lamentar ter tomado certas atitudes em relação a si mesma e em relação a outras pessoas. A pessoa se entristece por ter tomado tais atitudes. A pessoa sente uma profunda dor moral. Mas, afinal, por que a pessoa havia tomado tais atitudes?? Ele tomou a sua decisão, não tomou?? Certamente tal pessoa acreditava estar fazendo aquilo que era o mais correto e normal a ser feito ou simplesmente fazia o que todo mundo fazia ou ainda mais, copiava alguém que ela muito admirava, como um pai, um tio, um antepassado ou um herói qualquer.

Se a pessoa não mudar de opinião, não acontecerá o arrependimento.

Agora, o que poderá fazer uma pessoa mudar de opinião?? Não podemos esquecer que ela achava que fazia o que era certo. Ela apresentava razões e mais razões para agir da forma como estava agindo. Ela podia até mesmo estar tentando convencer outras pessoas a agirem como ela agia. Nosso amado irmão Paulo de Tarso é um clássico exemplo disso.

Para mudar de opinião, esta e todas as demais pessoas precisam serem convencidas.

Para ser convencida, a pessoa precisa parar para ouvir. É necessário saber ouvir.

Agora, voltemos ao assunto em questão que é ser um discípulo de Jesus. João Batista, aquele que chamava atenção para a vinda do reino dos céus, afirmava que seus contemporâneos precisavam se arrepender. Se arrepender de que?? De estar cometendo pecados, estarem fazendo as coisas de forma errada. Quem determina a forma correta do humano fazer as coisas?? Aquele que projetou o ser humano, obviamente.

Bem, muitos que saíam de onde estavam e iam ter com João, eram batizados e confessavam abertamente seus pecados. Certamente, esta era uma atitude que trazia vergonha e humilhação, no entanto, muitos agiam assim. Assim nos conta o historiador: (Mateus 3:1-6) 3 Naqueles dias veio João Batista pregar no ermo da Judéia, 2 dizendo: Arrependei-vos, pois o reino dos céus se tem aproximado.3 Este, de fato, é aquele de quem se falou por intermédio de Isaías, o profeta, nestas palavras: “Escutai! Alguém está clamando no ermo: ‘Preparai o caminho de Jeová! Fazei retas as suas estradas.’” 4 Mas, este mesmo João usava roupa de pêlos de camelo e um cinto de couro em volta dos lombos; seu alimento, também, era gafanhotos e mel silvestre. 5 Então saíam a ter com ele Jerusalém, toda a Judéia e toda a região em volta do Jordão, 6 e as pessoas eram batizadas por ele no rio Jordão, confessando abertamente os seus pecados.

Bem, estes mudavam de opinião, admitiam, reconheciam seus erros (pecados) e confessavam tais erros perante outros, humilhavam-se perante outros. Quem agia desta forma?? Eram as prostitutas, os cobradores de impostos e outros pecadores. Estes eram reconhecidamente pecadores. Muitas pessoas os acusavam de serem pecadores. Muitos tinham até mesmo aversão a tais pecadores, não se relacionando com eles. Estes “pecadores” admitiram seus pecados e lamentaram suas atitudes até então, exatamente por terem mudado de opinião.

Uma coisa não pode passar despercebida. As pessoas saíam de onde estavam e iam até João, escutavam as palavras faladas por João. Daí, passavam a acreditar nas palavras de João, e depois passavam a questionar seus atos pessoais até então. Depois de admitirem para si mesmas tais erros, passavam a lamentar terem feito as coisas daquele jeito e se entristeciam em face da dor moral que passavam a sentir. Tais pessoas iam até João, escutavam as palavras faladas por João, acreditavam nas palavras faladas por João, PORQUE acreditavam que João era um PROFETA e que obviamente, as palavras faladas por ele eram uma repetição das palavras saídas da boca de Jeová, o Deus que eles adoravam. Tais pessoas se deixavam serem convencidas.

Jesus falou as seguintes palavras a estes que se deslocaram até João: (Lucas 7:24-30) 24 Tendo partido os mensageiros de João, principiou a dizer às multidões a respeito de João: “O que fostes observar no ermo? Uma cana jogada pelo vento? 25 O que, pois, fostes ver lá fora? Um homem vestido de macia roupagem exterior? Ora, os que vestem traje esplêndido e vivem em luxo estão nas casas reais. 26 Realmente, então, o que fostes ver lá fora? Um profeta? Sim, eu vos digo, e muito mais do que um profeta. 27 Este é aquele a respeito de quem se escreveu: ‘Eis que eu envio o meu mensageiro diante da tua face, o qual preparará o teu caminho adiante de ti!’ 28 Eu vos digo: Entre os nascidos de mulheres não há ninguém maior do que João; mas aquele que é menor no reino de Deus é maior do que ele.” 29 (E ouvindo [isso] todo o povo e os cobradores de impostos, declararam que Deus é justo, tendo eles sido batizados com o batismo de João. 30 Mas os fariseus e os versados na Lei desconsideravam o conselho de Deus para eles, não tendo sido batizados por ele.)

Muito embora tais pecadores tenham ido até João Batista, deixando-se ser convencidos por ele, e deixando-se batizar por ele, outros humanos fizerem de forma diferente. Agora, Jesus confirma para a multidão: Sim, João Batista era um profeta, sim, e muito mais do que profeta. Então, aquilo que João estava falando tinha realmente saído da boca de Jeová, e o que João estava fazendo (o batismo) também era uma ordem de Jeová. Assim, os que haviam acreditado em João ficaram alegres pelo fato de que notaram que Deus ainda se importava com eles, mesmo naquelas condições pecaminosas.

Depois da morte de João Batista, Jesus continuou com a mesma mensagem transmitida por João: “Arrependei-vos, pois o reino dos céus se tem aproximado”. (Mateus 4:12-17) 12 Ora, quando ele ouviu que João tinha sido preso, retirou-se para a Galiléia. 13 Além disso, depois de deixar Nazaré, veio morar em Cafarnaum, à beira do mar, nos distritos de Zebulão e Naftali, 14 para que se cumprisse o que fora falado por intermédio de Isaías, o profeta, dizendo: 15 Ó terra de Zebulão e terra de Naftali, ao longo da estrada do mar, além do Jordão, Galiléia das nações! 16 O povo sentado na escuridão viu uma grande luz, e quanto aos sentados numa região de sombra mortífera, levantou-se sobre eles uma luz.” 17 Daquele tempo em diante, Jesus principiou a pregar e a dizer: “Arrependei-vos, pois o reino dos céus se tem aproximado.”

Os fariseus e os versados na lei não haviam ido até João, logo, não se arrependeram. Eles não viram em si, erros pessoais pelos quais eles precisassem se arrepender. Na visão dos fariseus, os que procuravam João Batista, como as prostitutas e os cobradores de impostos, estes sim, estes precisavam se arrepender de seus graves pecados, no entanto, os fariseus não praticavam estes pecados.

Os fariseus encontravam motivos para não acreditarem nas palavras faladas por João. Até mesmo afirmavam que João tinha demônio: (Mateus 11:18) 18 Correspondentemente, João não veio nem comendo nem bebendo, contudo dizem: ‘Ele tem demônio’;

Se Jesus pregava o arrependimento, a mesma regra que se aplicava para João Batista também se aplicava no caso de Jesus, ou seja, as pessoas precisavam acreditar em Jesus, acreditar que Jesus também era um profeta. Foi exatamente o que aconteceu. Os que se arrependeram foram exatamente aqueles que acreditaram nas palavras faladas por Jesus. E novamente foram os pecadores, aqueles que admitiram para si mesmos serem pecadores, que passaram a arrepender-se, ou seja, as prostitutas, os cobradores de impostos e outros pecadores dos quais a nação santa sentia verdadeira aversão. Para a nação santa, tais pecadores não possuíam qualquer valor.

Somente o pecador é que se arrepende.

Aqueles que não haviam acreditado em João Batista, também não acreditaram em Jesus e também afirmaram que Jesus tinha demônio: (João 8:48-49) 48 Em resposta, os judeus disseram-lhe: “Não dizemos corretamente: Tu és samaritano e tens demônio?” 49 Jesus respondeu: “Eu não tenho demônio, mas honro a meu Pai, e vós me desonrais.

Como acreditar nas palavras de alguém que tem demônio?? Eles tinham verdadeira aversão aos demônios. Que sentimento poderiam então ter por Jesus?? Logo depois disso, eles revelaram o sentimento que tinham por Jesus. O que queriam fazer com Jesus?? Queriam matar Jesus. (João 8:59) 59 Apanharam assim pedras para lhe atirarem; mas Jesus se escondeu e saiu do templo.

Como poderiam chegar ao arrependimento?? Não desejavam matar Jesus por verem pecados em Jesus?? Estes estavam convictos de que Jesus é que estava errado, que as obras de Jesus eram por Belzebu, o governante dos demônios: (Mateus 12:22-24) 22 Trouxeram-lhe então um homem possesso de demônio, cego e mudo, e ele o curou, de modo que o mudo falava e via. 23 Ora, todas as multidões ficaram simplesmente arrebatadas e começaram a dizer: “Não é este talvez o Filho de Davi?” 24 Ouvindo isso, os fariseus disseram: “Este não expulsa os demônios senão por meio de Belzebu, o governante dos demônios.”

Não podemos esquecer que nosso amado irmão Paulo de Tarso era um dos melhores alunos entre os fariseus. Como será que Paulo via a Jesus neste momento?? As palavras já faladas por Jesus estavam levando Paulo ao arrependimento??

A cada nova palavra falada por Jesus fazia aumentar um sentimento entre os fariseus, o sentimento da rebeldia. O que se poderia fazer para que o fariseu “mudasse de opinião”, já que ele seria capaz de até mesmo matar àquele que tentasse lhe convencer a mudar de opinião??

Ele não se dirigiu voluntariamente até Jesus.

O nosso amado irmão Paulo, estando diante do rei Agripa, assim confessou que no seu caso houve algo extraordinário: (Atos 26:9-21) 9 Eu, da minha parte, realmente pensei no meu íntimo que devia cometer muitos atos de oposição contra o nome de Jesus, o nazareno, 10 o que, de fato, fiz em Jerusalém, e a muitos dos santos encerrei em prisões, visto que eu tinha recebido autoridade dos principais sacerdotes; e quando eles estavam para ser executados, eu lançava o meu voto contra eles. 11 E, punindo-os muitas vezes, em todas as sinagogas, tentei obrigá-los a fazer uma retratação; e, visto que eu estava extremamente enfurecido contra eles, fui ao ponto de persegui-los até mesmo nas cidades de fora. 12 No meio destes esforços viajava eu para Damasco, com autoridade e comissão da parte dos principais sacerdotes, quando 13 vi ao meio-dia, na estrada, ó rei, uma luz, além do brilho do sol, reluzir do céu em volta de mim e em volta dos que viajavam comigo. 14 E caindo todos nós ao chão, ouvi uma voz dizer-me no idioma hebraico: ‘Saulo, Saulo, por que me persegues? Duro te é persistir em dar pontapés contra as aguilhadas.15 Mas eu disse: ‘Quem és, Senhor?’ E o Senhor disse: Eu sou Jesus, a quem tu persegues. 16 Não obstante, levanta-te e fica de pé. Pois, para este fim me tornei visível a ti, a fim de te escolher como assistente e testemunha, tanto das coisas que viste como das coisas que eu te farei ver com respeito a mim; 17 ao passo que eu te livro [deste] povo e das nações às quais te envio, 18 para abrires os seus olhos, para os desviares da escuridão para a luz e da autoridade de Satanás para Deus, a fim de que recebam perdão de pecados e uma herança entre os santificados pela [sua] fé em mim.’ 19 Portanto, Rei Agripa, não me tornei desobediente à visão celestial, 20 mas, tanto aos em Damasco, primeiro, como aos em Jerusalém, e por todo o país da Judéia, e às nações, fui levar a mensagem de que se arrependessem e se voltassem para Deus por fazerem obras próprias de arrependimento. 21 Por esta razão se apoderaram de mim os judeus no templo e tentaram matar-me.

Tentei obrigá-los a fazer uma retratação, foi o que afirmou Paulo. Logo, Paulo estava convicto do que fazia. Eu estava extremamente enfurecido contra eles, afirmou Paulo. Qual o motivo de sua fúria contra aqueles homens?? Não era em face das palavras faladas por estes homens?? Usando a autoridade concedida pelos principais sacerdotes, buscava esmagar pela força o ensino deixado por Jesus, ensino este, que revelava as coisas das quais Paulo tinha de se arrepender.

Assim está definida a expressão aguilhada em certo dicionário:

AGUILHADA s.f. Vara comprida, com ferrão na ponta, usada para conduzir e instigar os bois (picana, pereiro, guiada, na linguagem regional do Brasil). / — S.f.pl. Vértebras não descarnadas do animal.

Nestas palavras, Paulo foi chamado de REBELDE, de muito rebelde, pelo próprio Jesus.

Aquele que se esforçava para ser o melhor entre os fariseus precisava “mudar de opinião”. Não se tornara O MELHOR em cometer iniquidades?? Algo foi feito para que ele se arrependesse de seus convictos atos de adoração a Deus. Suas ações eram fruto de uma sincera opinião extremamente arraigada, desenvolvida através de profundos estudos das “Escrituras”. No seu estudo das “Escrituras” ele procurava e encontrava motivo válidos para ter e validar aquela postura, postura que ele amava.

Assim confessou o nosso amado irmão Paulo perante muitos judeus: (Atos 22:1-5) 22 “Homens, irmãos e pais, ouvi agora a minha defesa perante vós.” 2 (Pois bem, quando ouviram que se dirigia a eles no idioma hebraico, ficaram ainda mais calados, e ele disse:) 3 Eu sou judeu, nascido em Tarso da Cilícia, mas educado nesta cidade, aos pés de Gamaliel, instruído segundo o rigor da Lei ancestral, zeloso por Deus, assim como todos vós sois neste dia. 4 E eu perseguia este Caminho até à morte, amarrando e entregando às prisões tanto homens como mulheres, 5 conforme tanto o sumo sacerdote como toda a assembléia dos anciãos me podem dar testemunho. Fui também obter deles cartas para os irmãos em Damasco, e eu estava em caminho para trazer amarrados a Jerusalém também os que havia ali, para serem punidos.

Eu era muito mais zeloso que meus contemporâneos de judaísmo, afirmou Paulo: (Gálatas 1:13-14) 13 Vós, naturalmente, ouvistes [falar] da minha conduta anterior no judaísmo, que eu perseguia a congregação de Deus e a devastava até o excesso, 14 e que eu FAZIA MAIS PROGRESSO no judaísmo do que muitos da minha própria idade na minha raça, visto que EU ERA MUITO MAIS ZELOSO das tradições de meus pais.

Exatamente por isto é que Paulo era tão violento. Zeloso, muito zeloso por Deus, no entanto, do ponto de vista de Jesus, Paulo não passava de um homem rebelde, muito rebelde, o mais rebelde.

O que havia de errado??

As informações que Paulo recebera e acreditava, eram opostas às informações pelas quais Jesus baseava suas decisões.

Paul deveria continuar tomando decisões, no entanto, o que mudaria??

Mudariam as informações que Paulo tinha como base para tomar suas decisões. Paulo agora precisava ter as mesmas informações existentes na mente de Jesus para que estas servissem de guia na hora dele tomar suas novas decisões.

Bem, neste caso, somente uma direta intervenção do próprio Jesus desde os céus, podia fazer com que Paulo parasse para, pelo menos, começar a ouvir àquele em quem ele não acreditava, e contra quem ainda ia ao ponto de perseguir e condenar.

E tudo isto, por causa da palavra falada por Jesus. Afinal, que crime havia cometido Jesus?? O crime de falar a verdade. Jesus falava contra aquilo que eles acreditavam ser a verdade.

Jesus, o Mestre, revelou que sua personalidade não havia mudado mesmo depois da morte e ressurreição.


Apesar de tanta rebeldia e violência deste vaso, para Jesus, Paulo continuava a ser um vaso altamente valioso, uma adoentada chama de vida, um vaso por quem Jesus tinha uma Alta estima, um vaso que precisava ser remodelado, não um vaso que precisava ser destruído. O discípulo de Jesus tem de copiar a personalidade de Jesus, não a de outro humano qualquer.

AJUDADORPara esta adoentada “chama de vida”, Jesus continuou a “mostrar ser” um ajudador. Para ser uma cópia do Mestre, independente da condição agressiva do pecador, o discípulo de Jesus SEMPRE continuará sendo um AJUDADOR.

PARA SER UM AJUDADOR A TAL PONTO, A PESSOA PRECISA SER UM PERDOADOR. Jesus mostrou ser um perdoador. Imite a Jesus.

Estamos muito longe do Mestre?? Então precisamos começar a dar alguns passos em direção a ele, não é verdade?? São muitos os passos que precisamos dar.

JESUS “MOSTROU SER” UM DISCÍPULO DO PAI E PÔDE AFIRMAR: “EU E O PAI SOMOS UM”.

MOSTRARÁ SER” UM DISCÍPULO DE JESUS AQUELE QUE PUDER AFIRMAR: “EU E JESUS SOMOS UM”.

Será que eu posso fazer esta afirmação do relacionamento entre eu e Jesus?? Mostro ser um discípulo de Jesus??

Depois de estar plenamente ciente que Jesus é o único humano que estabelece o conceito correto sobre o que o certo e o que é o errado, o que é pecado e o que não é pecado, o primeiro passo é ouvir atentamento o que Jesus tem a dizer, e depois admitir que está em erro. Depois, desejar não estar em erro e lamentar profundamente ainda estar em erro. Bem, não desanime, vamos lá. Não se preocupe com aquele que está a seu lado. Não espere que ele comece primeiro.



Topo desta página