Humilhação e humildade de Nabucodonosor


INCIRCUNCISO
SE HUMILHA E ENCONTRA A CURA.

 Criada em 31/10/10    Última
modificação em 31/10/10

INCIRCUNCISO
SE HUMILHA E ENCONTRA A CURA.

 

NABUCODONOSOR E
O FRUTO DA PUNIÇÃO

 

NABUCODONOSOR
NÃO TEM VERGONHA DE CONTAR AO MUNDO A SUA HUMILHAÇÃO

Isto é
um fato incrível, mas, real e que atribui glória a
Jeová, aquele que continuamente busca transformar os corações.
Nabucodonosor foi humilhado e aceitou a sua humilhação,
ele deixou-se humilhar e finalmente, humilhou-se.
O
próprio rei Nabucodonosor resolveu tornar público para
todo o seu reino, que abrangia a terra inteira habitada naquela
época, a sua lição e o motivo dela. Tratava-se
do humano mais importante daquela época. Ele não se
preocupou com sua “imagem” de rei. Ele não quis
esconder o fato de ter sido humilhado e a forma como foi humilhado.
Daí, o próprio rei passa a contar a sua incrível
experiência, no seu relacionamento com Jeová. Assim
falou o rei Nabucodonosor:
(Daniel
4:1-37)
4
Nabucodonosor,
o rei, a todos os povos, grupos nacionais e línguas que
habitam em toda a terra: Aumente a vossa paz.
2 Pareceu-me
bem declarar os sinais e as maravilhas que O DEUS ALTÍSSIMO
REALIZOU PARA COMIGO.
3 Quão
grandiosos são os seus sinais e quão poderosas são
as suas maravilhas! Seu reino é um reino por tempo indefinido
e seu domínio é para geração após
geração.
4 “Eu,
Nabucodonosor, vim a estar tranqüilo na minha casa e a prosperar
no meu palácio.
5 Houve
um sonho que tive e ele começou a atemorizar-me. E havia
imagens mentais sobre a minha cama e visões da minha cabeça
que começaram a amedrontar-me.
6 E
dei ordem para que se fizessem entrar perante mim todos os sábios
de Babilônia, a fim de que me fizessem saber a própria
interpretação do sonho.
7 “Naquele
tempo entraram os sacerdotes-magos, os conjuradores, os caldeus e os
astrólogos; e eu relatava na frente deles qual tinha sido o
sonho, mas não me fizeram saber a sua interpretação.
8 E
por fim entrou perante mim Daniel, cujo nome é Beltessazar,
segundo o nome de meu deus, e em quem há o espírito dos
deuses santos; e relatei perante ele qual tinha sido o sonho:
9 “‘Ó
Beltessazar, chefe dos sacerdotes-magos, visto que eu mesmo bem sei
que há em ti o espírito dos deuses santos e que não
há absolutamente nenhum segredo que te perturbe, dize-me as
visões do meu sonho que vi e a sua interpretação.
10 “‘Ora,
aconteceu que eu estava vendo as visões da minha cabeça,
sobre a minha cama, e eis que havia uma árvore no meio da
terra, sendo enorme a sua altura.
11 A
árvore tornou-se grande e ficou forte, e a própria
altura dela por fim atingiu os céus, e ela era visível
até a extremidade da terra inteira.
12 Sua
folhagem era bela e seu fruto abundante, e havia nela alimento para
todos. Debaixo dela os animais do campo procuravam sombra e nos seus
galhos habitavam as aves dos céus, e toda a carne se
alimentava dela.
13 “‘Eu
continuei a ver nas visões da minha cabeça, sobre a
minha cama, e eis que havia um vigilante, sim, um santo, descendo dos
próprios céus.
14 Ele
clamava em alta [voz] e dizia o seguinte: “Derrubai a árvore
e cortai-lhe os galhos. Sacudi a sua folhagem e espalhai os seus
frutos. Fujam os animais de debaixo dela e as aves dos seus galhos.
15 Todavia,
deixai-lhe o próprio toco na terra, sim, com banda de ferro e
de cobre, entre a relva do campo; e seja molhado pelo orvalho dos
céus e seja seu quinhão entre a vegetação
da terra.
16 Mude-se-lhe
o coração daquele do gênero humano e dê-se-lhe
um coração de animal, e passem sobre ele sete tempos.
17 A
coisa é por decreto dos vigilantes e o pedido é [pela]
declaração dos santos, para que os viventes saibam que
o Altíssimo é Governante no reino da humanidade e que
ele o dá a quem quiser, e estabelece nele até mesmo o
mais humilde da humanidade.”
18 “‘Este
foi o sonho visto por mim, o Rei Nabucodonosor; e tu mesmo, ó
Beltessazar, dize qual é a interpretação, visto
que todos os [outros] sábios do meu reino são incapazes
de me fazerem saber a própria interpretação. Mas
tu és competente, porque há em ti o espírito de
deuses santos.’
19 “Nisso
o próprio Daniel, cujo nome é Beltessazar, ficou por um
momento estarrecido e seus próprios pensamentos começaram
a amedrontá-lo. “O rei respondeu e disse: ‘Ó
Beltessazar, não te amedrontem o sonho e a interpretação.’
“Beltessazar respondeu e disse: ‘Ó meu senhor,
[aplique-se] o sonho aos que te odeiam e a sua interpretação
aos teus adversários.
20 “‘A
árvore que viste, que se tornou grande e ficou forte, e cuja
altura finalmente atingiu os céus, e que era visível a
toda a terra,
21 e
cuja folhagem era bela e cujo fruto era abundante, e em que havia
alimento para todos; debaixo da qual habitavam os animais do campo e
em cujos galhos residiam as aves dos céus,
22 és
tu, ó rei, porque te tornaste grande e ficaste forte, e tua
grandiosidade cresceu e atingiu os céus, e teu domínio,
a extremidade da terra.
23 “‘E
sendo que o rei viu um vigilante, sim, um santo, descendo dos céus,
dizendo também: “Derrubai a árvore e arruinai-a.
Todavia, deixai-lhe o toco na terra, mas com banda de ferro e de
cobre, entre a relva do campo, e seja molhado pelo orvalho dos céus
e seja seu quinhão com os animais do campo, até terem
passado sobre ele sete tempos”,
24 esta
é a interpretação, ó rei, e o decreto do
Altíssimo é o que tem de sobrevir ao meu senhor, o rei.
25 E
expulsar-te-ão de entre os homens e tua morada virá a
ser com os animais do campo, e vegetação é o que
te darão para comer, como a touros; e tu mesmo virás a
ser molhado pelo orvalho dos céus, e passarão mesmo
sete tempos sobre ti, até saberes que o Altíssimo é
Governante no reino da humanidade e que ele o dá a quem
quiser.
26 “‘E
por terem dito que se deixasse o toco da árvore, teu reino te
estará assegurado depois de saberes que são os céus
que governam.
27 Portanto,
ó rei, pareça-te bom o meu conselho, e remove os teus
próprios pecados por meio da justiça e a tua iniqüidade
por teres misericórdia para com os pobres. Talvez venha a
haver um prolongamento da tua prosperidade.’”
28 Tudo
isso sobreveio a Nabucodonosor, o rei.
29 Ao
fim de doze meses lunares aconteceu que ele estava passeando sobre o
palácio real de Babilônia.
30 O
rei respondeu e disse: “Não é esta Babilônia,
a Grande, que eu mesmo construí para a casa real com o poderio
da minha potência e para a dignidade da minha majestade?”
31 Enquanto
a palavra estava ainda na boca do rei, houve uma voz baixando dos
céus: “A ti se diz, ó Nabucodonosor, o rei: ‘O
próprio reino se afastou de ti
32 e
a ti mesmo expulsarão de entre a humanidade, e tua morada será
com os animais do campo. A ti mesmo darão vegetação
para comer, como a touros, e sete tempos é que passarão
sobre ti, até saberes que o Altíssimo é
Governante no reino da humanidade e que ele o dá a quem
quiser.’”
33 Naquele
instante cumpriu-se a própria palavra em Nabucodonosor e ele
foi expulso de entre a humanidade, e começou a comer vegetação
como os touros, e seu próprio corpo foi molhado pelo orvalho
dos céus, até que seu cabelo ficou tão comprido
como [penas de] águias, e suas unhas, como [garras] de aves.
34 “E
ao fim dos dias, eu, Nabucodonosor, levantei os olhos ao céu e
meu próprio entendimento começou a retornar a mim; e eu
bendisse o próprio Altíssimo, e louvei e glorifiquei
Aquele que vive por tempo indefinido, porque seu domínio é
um domínio por tempo indefinido e seu reino é para
geração após geração.

35 E
todos os habitantes da terra são considerados como
simplesmente nada, e ele age segundo a sua própria vontade
entre o exército dos céus e os habitantes da terra. E
não há quem lhe possa deter a mão ou quem lhe
possa dizer: ‘Que estás fazendo?’
36 “Ao
mesmo tempo começou a retornar a mim o meu próprio
entendimento, e para a dignidade do meu reino começaram a
retornar a mim a minha majestade e o meu esplendor; e até
mesmo os meus altos funcionários reais e os meus grandes
começaram a procurar-me ansiosamente, e fui restabelecido no
meu próprio reino e acrescentou-se-me extraordinária
grandeza.
37 AGORA,
EU, NABUCODONOSOR, LOUVO, E ENALTEÇO, E GLORIFICO O REI DOS
CÉUS, PORQUE TODAS AS SUAS OBRAS SÃO VERDADE E SEUS
CAMINHOS SÃO JUSTIÇA, E PORQUE ELE É CAPAZ DE
HUMILHAR OS QUE ANDAM EM ORGULHO.”

Sem qualquer dúvida,
este foi um ato de um homem humilde. Os fatos falam por si. Ele era
um homem altivo e via todos os demais humanos de cima para baixo. Que
incrível mudança!!!

Este incircunciso soberbo
recebeu a punição escolhida por Jeová e
apresentou um excelente resultado, pois ele tinha um coração
de fera e passou a ter um coração de homem.

Assim
foi dito mais em relação a ele:
(Daniel
7:1-4)
7
No
primeiro ano de Belsazar, rei de Babilônia, o próprio
Daniel teve um sonho e visões da sua cabeça, sobre a
sua cama. Naquele tempo ele anotou o próprio sonho. Fez o
relato completo dos assuntos.
2 Daniel
falou e disse: “Aconteceu que eu estava vendo nas minhas visões
durante a noite, e eis que os quatro ventos dos céus agitavam
o vasto mar.
3 E
quatro animais gigantescos subiam do mar, cada um diferente dos
outros.
4 “O
primeiro era como leão e tinha asas de águia. Eu estava
observando até que se lhe arrancaram as asas, e ele foi
levantado da terra e posto nos dois pés como um homem,
E
DEU-SE-LHE UM CORAÇÃO DE HOMEM.

Embora não seja um
adorador de Jeová, o resultado obtido glorifica a Jeová.
A humilhação traz a cura para o soberbo.

Infelizmente, os adoradores de
Jeová mostraram ser tão soberbos quanto Nabucodonosor,
e embora tenham recebido punições da parte de Jeová,
ainda não revelaram o mesmo resultado obtido em Nabucodonosor.

Ele percebeu e reconheceu que
foi tratado com Misericórdia, e isto produziu um fruto
excelente em seu coração.

Topo da página


Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar